Arquivo de etiquetas: Vontade de representação

Excessos XIII – Vontade de Potência

O Eterno Retorno é um conceito não acabado em vida pelo próprio Nietzsche, trabalhado em vários de seus textos aforismo (Assim falou Zaratustra; A gaia ciência; Além do bem e do mal).

O eterno retorno aborda os ciclos repetitivos da vida, a ideia que estamos limitados a um conjunto de factos, que se deram no passado e se repetem no presente, e que eventualmente ocorrerão no futuro. A ciclo do êxtase (guerras, epidemias, ódios, vinganças, ciúmes ) regenerador, ao qual sucedes a temperança.

Com o eterno retorno Nietzsche questiona a ordem da dialética. O mundo não é feito de oposições inconciliáveis, mas como duas faces duma mesma realidade. Polos de complementaridade.

Logo os excessos (o ódio, a angustia, a inveja, a luxúria, a gula, a preguiça, o orgulho) são formas extremadas, instâncias complementares da realidade, que se alternam. Assim o amor exacerbado, a castidade, o activismo, a euforia, a subcomiseração também formas extremadas da realidade: excessos.

Retornando. Como os fenómenos reais carecem de objectividade (ou finalidade) sem os atributos da ação humana (pois se os tivessem não necessitariam dela) a oposição entre os polos complementares não cessa. Assim, sendo o tempo infinito, a relação entre forças complementares é também ela infinita, repetindo-se do passado e no futuro.

Assim o excesso constitui-se como um momento de interrogação do ser. Sobre a sua ação (fazer e estar). Um momento de eternidade. Um momento de questionamento.

O questionamento pode emergir pela moral (ética) ou pela prática, mas implica sempre uma consciência (juízo) sobre o valor particular de cada momento.

Em suma o excesso transporta uma vontade de potência que permite um amor fati ou uma vontade de destino.