Arquivo de etiquetas: Sociolinguísitca

Museologia e Provérbios em Árvore das Memórias

 

proverbios changana

Concluímos ontem a correção do artigo “Modos de Fazer e Estar em Djabula, Mozambike” que, juntamente com Ana Fantasia, Patrícia Maridalho e Filipa Zacarias, havíamos apresentado no Colóquio Internacional “Epistemologia do Sul” que se realizou em Coimbra, entre os dias 10 e 12 de julho.

Relata parte do trabalho de campo no projeto “Arvore das Memórias”. Para além do trabalho de campo, das recolhas de histórias de vida, é sempre interessante recolher documentos. Neste trabalho socorremo-nos da recolha do padre Armando Ribeiro, publicada originalmente em 1971, republicaqdo em 1998. O padre Armando Ribeiro é também autor duma Gramática Changana, publicada em 1965, Canticos Religiosos, de 1962. No livrinho anuncia-se ainda um dicionário Chanagana Português, Cozinha Changana, e Usos e Costumes do Nosso Povo, que desconhecemos de foram publicado.

Estes trabalhos etnológicos inserem-se nos trabalhos das missões e constituem um importante referencial para o trabalho com as comunidade.

Aprendi com os mestres da história social que temos que ler um texto até ouvirmos a voz que está por detrás desse texto. Os sons que ecoam através das palavras ditas. Silêncios que emergem. Nos vários trabalhos que temos vindo da fazer sobre as narrativas biográficas, habituamo-nos a ler até conseguir escutar a conversa dos outros. Todos sabemos que um dos erros básicos da metodologia das entrevista é ouvirmos nas palavras dos outros aquilo que queremos que eles digam.

Um dos trabalhos que levamos para esta viagem é trabalhar sobre os provérbios, os ditos de ocasião. As formas de cumprimento, os gestos, as canções do movimento. Enfim tudo o que nos permita escutar o quotidiano.

O ditado popular, um tema que tem sido trabalhado pelos historiadores da língua transportam o saber da tradição. Aqui interessa-nos sobretudo pela transcrição dos provérbios como elemento complementar da gramática. Se a gramática duma língua descreve a sua estrutura formal (as leis da linguagem) os provérbios constituem a essencia dessa linguagem. De certa forma são anteriores à sua fixação.

Acresce, que na velha discussão sobre a literatura e a oratura, se distinguirá a primeira pela existência de escrita, e a segunda pelo uso da fala. A fixação da escrita destas últimas precederá a formação das gramáticas e possibilitará a emergência da literatura. a literatura como uma ordenação das letras.

É certo que hoje esta questão está ultrapassada, pois os limites da literatura à muito que ultrapassaram a questão formal. O que ainda é contudo relevante é a questão do contexto.

Em Dajbula, os contadores começam por fazer uma pergunta. Uma interrogação. Um gesto para captar a atenção. Só depois é que se seguem os contos, a narrração dos mitos. histórias fantásticas de lendas. finalmente terminam com as histórias do antepassados. Histórias verdadeiras que se passaram no espaço e no tempo.

para mais informação sobre os provérbios veja-se o Diário de Mozambike II

Provérbios e museologia social: para uma critica da imaterialidade

 “Os dias nascem da noite e nunca o contrário”