Arquivo de etiquetas: Pontos de Encontro

Cultura e Dignidade Humanan LVII – Causas fraturantes e realidades vividas

Há inúmeros locais, sociedades tradicionais, islâmicas ou judaicas, sinagogas onde a mulher é excluída e punida de forma violenta. Não necessariamente física, mas muitas vezes psicológica. Há ainda em vigor sistemas que negam a igualdade de género e promovem a desigualdade. São sistemas patriarcais de discriminação que funcionam em diferentes níveis da sociedade.

É necessário ter em linha de conta os diferentes níveis de violência na sociedade e compreender porque existem. Níveis internacionais, nacionais, mas também na comunidade e nas relações pessoais. Nestes locais essa violência existe, não porque há uma lei, mas porque os homens o impuseram na sociedade. Porque criaram um sistema legal, que promove essa desigualdade com base no género e que é acompanhado por normas sociais que o aprovam através dos atributos de valor.

Ao olhar para as violências de género, contra as mulheres, as meninas, os sexualmente diferentes dos valores dominantes da masculinidade, verificamos que ele não se exerce apenas de forma física e psicológica. Ela desenvolve-se por fatores psicológicos e fatores patriarcais

Se olharmos para o Sistema patriarcal como um fator catalisador da violência, é necessário levar em linha de conta os contextos onde o sistema patriarcal se implemente. Por exemplo. Um fator de violência contra as mulheres resulta muitas vezes do abuso do álcool. O álcool gera comportamentos violentos. Essa é uma causa da violência. Os homens tendem a juntar-se e a beber álcool. Dessa situação pode gerar ou não violência contra as mulheres. O contexto da situação necessita de ser separado da causa. Não é por os homens se juntarem e beberem álcool, que exercem sempre a violência contra as suas mulheres, embora o contexto possa facilitar essa ocorrência. Há que separar as causas do problema das suas raízes.

A violência contra as mulheres é universal, acontece em todo o lado, em todos os grupos sociais. Não podemos criar estigmas em relação a isso. Por exemplo a pobreza e o álcool não são causas da violência sobre as mulheres. É certo que há certos fatores que favorecem. E por exemplo o caso do abuso do álcool. Mas isso obriga-nos a interrogar os contextos do abuso do álcool por parte de algumas comunidades masculinas.

Essa é uma questão complexa. Há questões sociais, culturais, económicas e mesmo pessoais. Os papéis na sociedade alteraram-se com as sociedades industriais urbanizadas. O papel masculino esta também em questão. A sua tradicional superioridade na sociedade está sobre questão. Não é apenas a sua masculinidade que é questionada, é também a sua participação na sociedade. O desemprego é hoje uma característica das sociedades urbanas. A presença da mulher no mundo do trabalho e nos lugares de decisão alterou de forma substancial a relação dos homens com o mundo do trabalho. Se a mulher tem ganho direitos e protagonismos na sociedade, numa sociedade patriarcal, isso corresponde a uma diminuição (ou melhor uma adequação) dos valores da masculinidade. Em muitas sociedades a emergência dos direitos das mulheres é interpretado, no mundo masculino como uma ameaça ao poder patriarcal. Em muitos lugares pode ser olhado como um desafio.

Alguns trabalhos desenvolvidos em diferentes partes do mundo demonstram que quando as mulheres e os homens partilham o rendimento comum, tendem a partilhar igualmente as tarefas domésticas. No entanto, quando a mulheres superam um determinado valor de rendimento em relação aos seus companheiros, ela tendem a aumentar o número das suas tarefas domesticas. Isso acontece para não desafiarem o papel masculino. Há que ter em atenção as questões que levam aos problemas das que podem ser interpretações estereotipadas da realidade.

Algumas pessoas defendem que os homens são predispostos para a violência. Isso sugere que os homens são naturalmente violentos. No entanto os estudos sobre o género tem vindo a mostrar que a violência é adquirida. Pode ser aprendida e é isso que é necessário produzir mudança nos paradigmas do mundo patriarcal. Uma mudança que tem que ser feita com a participação de todos e sem que seja vista como uma ameaça ou conflito. Finalmente é necessário ter em linha de conta que a pobreza é sempre um fator que facilita a violência. A redução da pobreza faz parte da luta pela igualdade entre o género.

Muitas vezes, a violência de género afeta as mulheres na sua autonomia. A existência de espaços urbanos violentos constitui limitações à mulher e uma ameaça psicológica. Uma sociedade justa tem que ter em linha de conta que não pode conter focos de violência no seu interior. A igualdade de género tem que ser baseada no respeito da autonomia e a possibilidade de escolha de caminhos.