Arquivo de etiquetas: ODM

The MDGs and the end of extreme poverty I

The reasons to believe that extreme poverty can be ended

We’ve studied the process of modern economic growth and we’ve seen how economic progress has diffused throughout the world[1]. We’ve adopted the method of differential diagnosis so that we can help regions that are still stuck in low growth or even in a poverty trap to overcome that trap through a careful, evidence based diagnosis of the problems. Therefore, we’ve arrived at a very exciting moment.

511The world is poised, for the first time in human history, to end the scourge of extreme poverty. It may seem fanciful to many people and may seem Utopian, but it’s real. The rate of extreme poverty has been falling. The evidence is clear, it can continue to fall, can decline sufficiently rapidly that this generation could be the generation that sees the end of extreme poverty. Now, what the differential diagnosis tells us is that it won’t happen by itself. It’s not automatic, but the end of poverty is within reach. Just take a look at the numbers. Back in 1980, the World Bank estimates that a little bit more than half of the world’s population in developing countries, perhaps 55 to 60%, were in extreme poverty using the World Bank’s criterion of living at less than $1.25 per person per day, measured in purchasing power adjusted prices. By 1990 that poverty rate had come down to around 44 or 45%.

But since 1990, the progress has been specatcular. From 1990 to 2010, the poverty rate in the developing world fell by more than half. From around 44% to around 20% in the year 2010. And it continues to decline now. This is the reason why finance ministers and development leaders gathered at the World Bank in the year 2013, voted to make the World Bank’s target and mission, to be supportive of the end of extreme poverty by the year 2030. In other words, our generation could be the one to see end of extreme poverty. It’s our job, of course, to understand how this could happen and then to act to make it happen. Before we get to the strategy up to 2030, let me turn back the clock to 1930. It was the depths of the Great Depression, there was a lot of poverty in today’s high income world as well as in the poor countries, the developing world. John Maynard Keynes, that great political economist of the 20th century, wrote a wonderful essay, Economic Possibilities for our Grandchildren. That’s the one where Keynes noted that from the time of the Roman Empire, up until the 18th century, the rate of technological progress had been extraordinarily low, so low in fact, that a peasant from the Roman Empire would have felt at home in rural England in the early years of the 1700s. But Keynes went on in that essay to note the explosion of technology of the Industrial Revolution, and he drew, in 1930, in the depths of the Great Depression, a startling lesson from that technological progress. Because you could imagine in the Great Depression, with mass unemployment, and with the pessimism around, that one could have been overwhelmed feeling that economic progress was at an end. But Keynes said no, let’s look more deeply. Technological change means that even though we have a serious short-run crisis, the long-run is promising. Let me quote what John Maynard Keynes wrote in 1930. And I quote. I would predict that the standard of life in progressive countries 100 years hence will be between four and eight times as high as it is today. There would be nothing surprising in this, even in the light of our present knowledge. It would not be foolish to contemplate the possibility of a far greater progress still. I draw the conclusion, says Keynes, that assuming no important wars and no important increase of population, the economic problem, by that, he means the problem of poverty, may be solved, or be at least within sight of solution, within a 100 years.

This means that the economic problem is not, if we look into the future, the permanent problem of the human race. It’s interesting, 1930, John Maynard Keynes says the economic problem meaning the persistence of poverty, could be a thing of the past within one century and it’s exactly at that century mark that the World Bank now contemplates the realistic end of extreme poverty. A pretty good call. Now, John Maynard Keynes said that he could foresee this if there was no significant increase of population. Of course there has been, because when he wrote in 1930, the world population was 2 billion. Now it’s 7.2 billion, more than three times as large, and by the middle of this century it will be more than 9 billion, most likely. He also said that barring world war. But of course, there was another major war, the Second World War. And despite both of those facts, the massive increase of world population and the continuing tragedies and destruction of war. Keynes’ basic insight, that technological progress can bring about the end of poverty, remains true, and it remains prescient, because we are at the cusp of that final push to end extreme poverty, if we decide to make it happen.

512Now in the year 2000, a remarkable thing did happen. 160 plus leaders of the world gathered together in September 2000, at the United Nations, to usher in the new millennium. And when they did so, they wanted to convey the hope of the new millennium. So the Secretary General of the United Nations, at that time, Kofi Annan, put forward to the world leaders, a millennium declaration. That called for the new millennium to realize the great hopes for human rights, for peace and security, and for economic development and the reduction of extreme poverty that humanity yearns for. The world leaders adopted the Millennium Declaration and within it adopted specific development goals, which have become known as the Millennium Development Goals.  Eight ambitious goals to fight extreme poverty adopted in September 2000 and to carry us to the end of 2015. And you are looking now at the schematic of these eight Millennium Development Goals, drawn as a cartoon for each goal, but that by itself is a telling point because these goals are not for high theorists they’re not for the textbooks, they’re for all of us.

They’re for humanity to grasp. To promote, to urge our governments to take seriously, and for us to take seriously in our individual actions, in our roles in business, or academia, or in our places of worship, or workplaces so that we can each contribute to the end of extreme poverty. Have a look at the eight goals. Goal number 1 calls for eradicating extreme poverty and hunger. Goal number 2 is to achieve universal primary education. Goal number 3 is to promote gender equality. So that women, like men, have rights and, and access for economic progress. So that girls as well as boys go to school and get a decent education. Goal number 4 is to reduce sharply child mortality. Goal number 5 is to reduce sharply maternal mortality and ensure safe and healthy pregnancy for mothers and for their children. Goal number 6 was to fight the raging pandemic diseases of AIDS, TB, Malaria and other mass killers. Goal number 7 is to promote environmental sustainability. And goal number 8 is to promote a global partnership, where by the rich countries help the poor countries to achieve the first seven goals.

513Now in fact, beneath this general description, are some specific quantitative targets and many dozen indicators. For the eight Millennium Development Goals, there are 21 targets, specific and quantified, and there are around 60 detailed indicators to measure the progress. It’s been my honor and pleasure to serve as Special Adviser, first to U.N. Secretary General Kofi Annan, and now to U.N. Secretary General Ban Ki-moon on the Millennium Development Goals. And to help analyze and to help coordinate the UN’s efforts to enable and support poor countries to achieve all of these Millennium Development Goals. It’s been a wondrous process to see how this kind of goal setting can energize civil society.

Can help to reorient governments that may have been neglecting crucial issues of disease control or the safety of childbirth or ensuring that all children go to school. And to reorient priorities, political awareness, budgets to achieve these goals. But progress has been notable, and breakthroughs have occurred for some of the world’s poorest countries. Have a look at the overall trend of extreme poverty, as measured by the World Bank at the $1.25 per person per day threshold. And what you see here is that sharp decline, which I mentioned just previously. That from a poverty rate of around 44% in 1990, the poverty rate has come down to around 20% in 2010 and it continues downward today. The millennium development goals by themselves certainly did not accomplish all of that reduction of poverty.

514There was a powerful trend underway. China’s remarkable economic growth is a big part of the story. But we’ve seen parts of the world and notably tropical sub Saharan Africa achieve a real breakthrough in faster economic growth and therefore in the reduction of poverty after the year 2000 spurred on by the millennium Development Goals. Here you’re looking at the rapid increase of the number of people kept alive by antiretroviral medicines when they are infected with the HIV virus. Now the HIV virus, if not stopped in its tracks by antiretroviral medicines, causes AIDS. And causes a near certain death. But because of the Millennium Development Goals and programs that it has helped to spur, millions and millions of people now receive life-saving antiretroviral medicines. The reduction of malaria burden that has been achieved by the scaling up of focus and attention and budgets to fight malaria through the range of modern technologies. Long lasting insecticide treated bed nets, a new generation of anti malaria medicines and many other advances that have been enabled through better technologies during the last decade. And this is causing a remarkable decline of malaria deaths and malaria disease, especially in Sub-Saharan Africa since the peak was reached in the early 2000s. Well, we can see that the combination of continued rapid technological change, and a good differential diagnosis that helps us to focus investments where the poorest places need it. Whether it’s in infrastructure or healthcare, or getting children in school or safe drinking water and sanitation, gives us a very powerful combination to not only witness the underlying forces of poverty reduction, but to help spur them on so that we can be the generation that brings an end to that long standing human scourge of extreme poverty. The Millennium Development Goals have given us a big push up to the year 2015 and one more major effort form 2015 to 2030 will vindicate John Maynard Keynes’s forecast. A 100 years before that. That the economic problem of extreme poverty can come to an end.




SDG 17 – Reforçar os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Reforçar os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável


17,1 reforçar o contributo fortalecer da ajuda internacional ao desenvolvimento, nomeadamente através do apoio internacional aos países em desenvolvimento para melhorar a capacidade interna de impostos e outra cobrança de receitas

17.2 Recomendar ao países desenvolvidos para implementar na integra os seus compromissos em matéria de APD, incluindo a afectação de  0,7% do PIB para a APD aos países em desenvolvimento, dos quais 0,15-0,20% para os países menos desenvolvidos

17,3 mobilizar recursos financeiros adicionais para os países em desenvolvimento a partir de múltiplas fontes

17,4 ajudar os países em desenvolvimento a alcançar a sustentabilidade da dívida a longo prazo através de políticas coordenadas destinadas a promover o financiamento da dívida, o alívio da dívida e reestruturação da dívida, conforme o caso, e tratar da dívida externa dos países pobres altamente endividados (HIPC) para reduzir o sobreendividamento

17,5 adoptar e implementar regimes de promoção de investimentos para os países menos desenvolvidos


17,6 Melhorar a cooperação regional Norte-Sul, Sul-Sul e internacional e triangular no acesso à ciência, à tecnologia e à inovação, e aumentar a partilha de conhecimentos em termos mutuamente acordados, nomeadamente através de uma melhor coordenação entre os mecanismos existentes, em particular ao nível das Nações Unidas, e através de um mecanismo de facilitação de tecnologia global quando acordado

17,7 promover o desenvolvimento, a transferência, divulgação e difusão de tecnologias ambientalmente saudáveis para os países em desenvolvimento, em condições favoráveis, incluindo em condições concessionais e preferenciais, nos termos mutuamente acordados

17,8 operacionalizar plenamente o Banco Tecnologia e STI (Ciência, Tecnologia e Inovação) mecanismo de capacitação para os países menos desenvolvidos até 2017, e aumentar o uso de tecnologias que permitam, em particular as TIC

A capacitação

17,9 reforçar o apoio internacional para a implementação eficaz de desenvolvimento de capacidades eficazes  e orientadas para os país no apoio aos seu os planos nacionais para implementar todos os objetivos de desenvolvimento sustentável, nomeadamente através da cooperação para o desenvolvimento Norte-Sul, Sul-Sul, e triangular


17.10 promover um sistema de comércio multilateral aberto, com base em regras universais, não discriminatórias e equitativo no âmbito da OMC, incluindo através da conclusão das negociações no âmbito da sua Agenda de Desenvolvimento de Doha

17.11 aumentar significativamente as exportações dos países em desenvolvimento, em particular, com vista a duplicar a quota LDC das exportações mundiais em 2020

17,12 monitorar adequadamente a implementação atempada de da liberalização de quotas e do acesso livre aos mercados ,numa base duradoura para todos os países menos desenvolvidos consistentes com as decisões da OMC, incluindo através da garantia de que as regras de origem preferenciais aplicáveis às importações provenientes de países menos desenvolvidos são transparentes e simples, e contribuir para facilitar acesso ao mercado

Questões sistêmicas

A coerência política e institucional

17.13 aumentar a estabilidade macroeconómica global, incluindo através de uma coordenação e coerência das políticas

17.14 aumentar a coerência das políticas para o desenvolvimento sustentável

17.15 respeitar espaço político de cada país e liderança para estabelecer e implementar políticas de erradicação da pobreza e do desenvolvimento sustentável

As parcerias multi-stakeholder

17.16 reforçar a parceria global para o desenvolvimento sustentável complementado por parcerias multi-stakeholders que mobilizam e partilhar conhecimentos, competências, tecnologias e recursos financeiros para apoiar a realização dos objetivos de desenvolvimento sustentável em todos os países, especialmente os em desenvolvimento

17.17 incentivar e promover pública eficaz, público-privado, e parcerias da sociedade civil, com base na experiência e os recursos estratégias de parcerias

Os dados, monitoramento e prestação de contas

17.18, aumentar até 2020 o apoio para a capacitação para os países em desenvolvimento, inclusive para países menos desenvolvidos e SIDS, para aumentar significativamente a disponibilidade de alta qualidade, em tempo útil e de dados fiáveis desagregados por renda, sexo, idade, raça, etnia, status migratório, deficiência, geográfica localização e outras características relevantes em contextos nacionais

17,19, construir e desenvolver até 2013, sobre as iniciativas existentes, medidas de progresso no desenvolvimento sustentável que complementar o PIB, e apoiar a criação de capacidade estatística nos países em desenvolvimento

SDG 16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, providenciar justiça para todos e promover instituições responsáveis e inclusivas a todos os níveis

Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, providenciar justiça para todos e promover instituições responsáveis e inclusivas a todos os níveis


16,1 reduzir significativamente todas as formas de violência e as taxas de mortalidade com ela relacionadas em todos os lugares

16,2 acabar com o abuso, exploração, tráfico e todas as formas de violência e tortura contra crianças

16,3 promover o Estado de Direito, aos níveis nacional e internacional, e garantir a igualdade de acesso à justiça para todos

16,4 reduzir significativamente até 2030 os fluxos financeiros e o tráfico de armas ilegais, reforçar a recuperação e devolução de bens roubados, e combater todas as formas de crime organizado

16,5 reduzir substancialmente a corrupção e suborno em todas as suas formas

16,6 desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes em todos os níveis

16,7 garantir a tomada de decisões ágil, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis

16,8 ampliar e fortalecer a participação dos países em desenvolvimento nas instituições de governança global

16,9 criar até 2030 identidade legal para todos, incluindo o registo de nascimento

16.10 assegurar o acesso do público à informação e proteger as liberdades fundamentais, em conformidade com a legislação nacional e os acordos internacionais


16.a fortalecer as instituições nacionais relevantes, nomeadamente através da cooperação internacional, para a construção de capacidades em todos os níveis, em particular nos países em desenvolvimento, para a prevenção da violência e combater o terrorismo e crime

16.b promover e fazer cumprir as leis e as políticas não discriminatórias para o desenvolvimento sustentável

SDG 15 – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecosistemas, a gestão sustentável das florestas, combater a desertificação, parar e reverter a degradação das terras e parar a perda da biodiversidade

Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecosistemas, a gestão sustentável das florestas, combater a desertificação, parar e reverter a degradação das terras e parar a perda da biodiversidade


15,1 assegurar até 2020 a conservação, recuperação e uso sustentável dos ecossistemas de água doce terrestres e fluviais e os seus serviços, em florestas particulares, pantanais, montanhas e terras áridas, em conformidade com as obrigações decorrentes dos acordos internacionais

15,2, promover até 2020 a implementação da gestão sustentável de todos os tipos de florestas, deter o desmatamento, restaurar florestas degradadas e aumentar a florestação e reflorestação em x% globalmente;

15,3, combater até 20120 a desertificação e recuperar as teras e solos degradados, incluindo terrenos afectados pela desertificação, secas e inundações, e fazer esforço para criar um mundo sem degradação dos solos

15,4 assegurar até 2030 a conservação dos ecossistemas de montanha, incluindo a sua biodiversidade, para melhorar a sua capacidade de proporcionar benefícios que são essenciais para o desenvolvimento sustentável

15,5 tomar medidas urgentes e significativos para reduzir a degradação de habitat natural, travar a perda de biodiversidade, e até  2020 a proteger e evitar a extinção de espécies ameaçadas

15,6 garantir uma repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos, e promover o acesso adequado aos recursos genéticos

15,7 tomar medidas urgentes para acabar com a caça ilegal e do tráfico de espécies de flora e fauna protegidas, e abordar a questão do comércio ilegal de animais selvagens

15,8, introduzir até 2020 medidas para prevenir a introdução e reduzir significativamente o impacto de espécies exóticas invasoras em ecossistemas terrestres e aquáticos, e controlar ou erradicar as espécies prioritárias

15,9, integrar até 2020 os ecossistemas e os valores da biodiversidade no planeamento nacional e local, e criar programas, processos de desenvolvimento e estratégias de redução da pobreza;


15.a mobilizar e aumentar significativamente a partir de todas as fontes de recursos financeiros para a conservação e uso sustentável da biodiversidade e dos ecossistemas

15.b mobilizar significativamente os recursos de todas as fontes e em todos os níveis para financiar gestão da floresta de forma sustentável, e proporcionar incentivos adequados aos países em desenvolvimento para fazer avançar a gestão florestal sustentável, inclusive para a conservação e reflorestamento

15.c reforçar o apoio global para os esforços para combater a caça ilegal e do tráfico de espécies protegidas, incluindo através do aumento da capacidade das comunidades locais para buscar oportunidades de subsistência sustentável

SDG – 14 Conservar e usar de forma sustentável os oceanos e os recursos marinhos para assegurar um desenvolvimento sustentável

Conservar e usar de forma sustentável os oceanos e os recursos marinhos para assegurar um desenvolvimento sustentável


14,1, prevenir e reduzir significativamente até 2025 a poluição marinha de todos os tipos, em especial a partir de atividades terrestres, incluindo lixo marinho e poluição por nutrientes

14,2, gerir de forma sustentável até 2020 e proteger os ecossistemas marinhos e costeiros para evitar impactos adversos significativos, incluindo o reforço da sua capacidade de resistência, e tomar medidas para a sua restauração, para alcançar os oceanos saudáveis e produtivos

14,3 minimizar e tratar dos impactos da acidificação dos oceanos, nomeadamente através do reforço da cooperação científica em todos os níveis

14,4, Regular efetivamente até 2020 a captura e o efeito da da pesca predatória, a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (IUU) e as práticas de pesca destrutivas e implementar planos de gestão de base científica, para restaurar populações de peixes no menor tempo possível, pelo menos para níveis que possam produzir o máximo de produção sustentável, conforme determinado por suas características biológicas

14,5, conservar, pelo menos, 10 por cento das zonas costeiras e marinhas até 2020, em consonância com a legislação nacional e internacional e com base na melhor informação científica disponível

14,6, proibir até 2020certas formas de subsídios à pesca que contribuem para o excesso de capacidade e à sobrepesca, e eliminar os subsídios que contribuam para a pesca IUU, e abster-se de introduzir novas formas de subsídios, reconhecendo que o tratamento especial e diferenciado adequado e eficaz para o desenvolvimento e países menos desenvolvidos deve ser parte integrante da OMC subsídios à pesca negociação *

14,7 aumentar até 2030 os benefícios económicos para SIDS e os países menos desenvolvidos a partir do uso sustentável dos recursos marinhos, incluindo através de uma gestão sustentável das pescas, aquicultura e turismo


14.a aumentar o conhecimento científico, desenvolver capacidades de investigação e transferência de tecnologia marinha, tendo em conta os critérios e diretrizes da Comissão Oceanográfica Intergovernamental sobre a transferência de tecnologia marinha, a fim de melhorar a saúde dos oceanos e aumentar a contribuição da biodiversidade marinha para o desenvolvimento de desenvolver países, em particular SIDS e PMA

14.b proporcionar o acesso dos pescadores artesanais de pequena escala para os recursos marinhos e mercados

14.c garantir a plena aplicação do direito internacional, como refletido na CNUDM que os Estados Partes a ele, incluindo, quando aplicável, os regimes regionais e internacionais existentes para a conservação e uso sustentável dos oceanos e seus recursos por seus partidos

SDG 13 – Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e os seus impactos

Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e os seus impactos

* Reconhecendo que a UNFCCC é o fórum internacional, intergovernamental primário para negociar a resposta global à mudança climática.


13,1 fortalecer a resiliência e capacidade de adaptação a riscos relacionados com o clima e as catástrofes naturais em todos os países

13,2 integrar as medidas de mudanças climáticas em políticas nacionais, estratégias e planeamento

13,3 melhorar a educação, sensibilização e capacidade humana e institucional sobre as alterações climáticas mitigação, adaptação, redução de impacto, e de alerta precoce


  1. implementar até 2020 o compromisso assumido pelos países desenvolvidos e parceiros da UNFCCC de atingir o objectivo de mobilizar conjuntamente de todas as fontes 100 bilhões USD por ano, para atender às necessidades dos países em desenvolvimento no contexto das ações de mitigação significativas e transparência na execução e operacionalizar totalmente, logo que possível o Fundo Climático Verde através da sua capitalização.

13.b Promover mecanismos para a criação de capacidades para a mudança relacionada com o planeamento e gestão eficaz do clima, nos países menos desenvolvidos, inclusive com foco em mulheres, jovens, locais e comunidades marginalizadas

mbater as mudanças climáticas e os seus impactos


SDG 12 – Assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis

Assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis


12.1 implementar em 10 um quadro de referencia para programas sobre consumo e produção sustentáveis (10YFP), com todos os países a tomar medidas, e com os países desenvolvidos a assumir a liderança, tendo em conta o desenvolvimento e as capacidades dos países em desenvolvimento

12,2 alcançar em 2030 uma gestão sustentável e uso eficiente dos recursos naturais

12,3 Reduzir para metade até 2030 o desperdício capita de resíduos globais de alimentos ao nível do retalho e do consumidor, e reduzir as perdas de alimentos ao longo de cadeias de produção e abastecimento, incluindo as perdas pós-colheita

12,4, realizar uma gestão ecológica até 2020 de produtos químicos e todos os resíduos ao longo do seu ciclo de vida, de acordo com os quadros internacionais acordados e reduzir significativamente a sua libertação para o ar, água e solo para minimizar seus impactos adversos na saúde humana e no ambiente

12,5, Reduzir substancialmente até 2030 a produção de resíduos, através da prevenção, redução, reciclagem e reutilização

12,6 incentivar as empresas, especialmente as grandes empresas transnacionais a adotar práticas sustentáveis e integrar um quadro de referencia para informação sobre o ciclo da sustentabilidade

12,7 promover práticas de compras públicas sustentáveis, de acordo com as políticas e prioridades nacionais

12,8 garantir até 2030 que as pessoas em todos os lugares têm a informação e sensibilização relevante para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida em harmonia com a natureza


  1. a Apoio aos países em desenvolvimento para reforçar as suas capacidades científicas e tecnológicas de forma a evoluirem para padrões mais sustentáveis de consumo e produção

12.b desenvolver e implementar ferramentas para monitorar os impactos de desenvolvimento sustentável para o turismo sustentável, que gera empregos, promove a cultura e os produtos locais

12.c racionalizar os subsídios ineficientes aos combustíveis fósseis que encorajam o consumo exagerado, removendo as distorções de mercado, de acordo com as circunstâncias nacionais, inclusive por meio da reestruturação fiscal e a eliminação gradual desses subsídios prejudiciais, quando existem, de modo a reflectir os seus impactos ambientais, tendo plenamente em conta a específica necessidades e condições dos países em desenvolvimento e minimizar os possíveis impactos adversos sobre o seu desenvolvimento de uma forma que proteja os pobres e as comunidades afetadas

SDG 11 – Fazer cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

Fazer cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis


11,1. Garantir até 2030 o acesso de todos à habitação e serviços básicos adequado, seguro e acessível, e reabilitar bairros degradados

11,2, Facilitar o acesso a sistemas de transporte seguros e sustentáveis para todos, até 2030, melhoria da segurança rodoviária, nomeadamente através da expansão dos transportes públicos, com especial atenção para as necessidades das pessoas em situações vulneráveis, mulheres, crianças, pessoas com deficiência e idosos pessoas

11,3 Melhorar a urbanização até 2030 e as capacidades de inclusão social, e promover a sustentabilidade e o planeamento integrado e participado em todos os países

11,4 fortalecer os esforços para proteger e salvaguardar o património cultural e natural do mundo

11,5 reduzir significativamente até 2030 o número de mortes eo número de pessoas afetadas e diminuição de y% as perdas económicas em relação ao PIB causados por calamidades, incluindo desastres relacionados com a água, com o objectivo de proteger os pobres e as pessoas em situação de vulnerabilidade

11,6, reduzir até 2030 o impacto ambiental per capita negativo das cidades e municipios, inclusive prestando especial atenção à qualidade do ar, l e outra de gestão de resíduos

11,7, Garantir acesso universal até 2030 a espaços seguros e inclusivo, e tornar acessível a áreas verdes públicas, em especial para as mulheres e crianças, pessoas idosas e pessoas com deficiência


11.a criar relações económicas, sociais e ambientais favoráveis entre as zonas urbanas, peri-urbanas e rurais, reforçando o planeamento nacional e regional de desenvolvimento

11.b até 2020, aumento de x% o número de cidades e povoamento através da adoção e implementação de políticas e planos integrados para a inclusão, a eficiência dos recursos, mitigação e adaptação às alterações climáticas, a resiliência a desastres, desenvolver e implementar, de acordo com a Norma Geral Hyogo, processos de gestão de risco de desastres a todos os níveis

Apoio 11.c países menos desenvolvidos, inclusive por meio de assistência técnica e financeira, para edifícios sustentáveis e resilientes, utilizando materiais locais

SDG 10 – Reduzir as desigualdades dentro e entre os países

Reduzir as desigualdades dentro e entre os países


10.1 alcançar progressivamente até 2030 o crescimento sustentado do rendimento dos 40% da população que vivem com uma inferrio à média nacional

10,2 Capacitar e promover a inclusão social, económica e política de todos, até 2013, sem distinção de idade, sexo, deficiência, raça, etnia, origem, religião, condição económica ou outra

10,3 Garantir a igualdade de oportunidades e reduzir as desigualdades, incluindo a eliminação de leis discriminatórias, e promover políticas, práticas e uma legislação adequada.

10,4 adotar políticas especialmente fiscais, laborais e políticas de proteção social e alcançar progressivamente uma maior igualdade

10,5 melhorar a regulamentação e monitorizar os mercados s mundiais e as instituições financeiras e fortalecer a implementação dos regulamentos

10,6 assegurar uma representação reforçada e voz dos países na tomada de decisão nas instituições económicas e financeiras internacionais globais em desenvolvimento, a fim promover instituições mais eficazes, credíveis, responsáveis e legítimas

10,7 Facilitar a migração ordenada, segura, regular e responsável, e a mobilidade das pessoas, através da implementação de políticas de migração planeada e bem geridas


10.a aplicar o princípio do tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento, em particular dos países menos desenvolvidos, em conformidade com os acordos da OMC

10.b incentivar APD e fluxos financeiros, incluindo o investimento directo estrangeiro, para os estados onde a necessidade é maior, em particular, dos PMD, países africanos, SIDS, e PMD, de acordo com seus planos e programas nacionais

10.c até 2030, reduzir para menos de 3% dos custos de transacção das remessas dos migrantes e eliminar corredores de remessas com custos superiores a 5%

SDG 9- Construir intra-estruturas resilientes, promover uma industrialização sustentável, inclusiva e promover a inovação

Construir intra-estruturas resilientes, promover uma industrialização sustentável, inclusiva e promover a inovação


9.1 promover a qualidade, infra-estrutura confiável, sustentável e resiliente, incluindo infra-estrutura regional e transfronteiriça, para apoiar o desenvolvimento económico e bem-estar humano, com foco no acesso acessível e equitativa para todos

9.2 promover a industrialização inclusivo e sustentável, e, até 2030, aumentar significativamente a parte da indústria do emprego e do PIB, em conformidade com as circunstâncias nacionais, e dobrar sua participação na PMA

9.3 aumentar o acesso dos pequenos industriais e outras empresas, em particular nos países em desenvolvimento, aos serviços financeiros, incluindo crédito acessível e sua integração em cadeias de valor e mercados

9,4 Atualizar e modernizar até 2030 as indústrias de infra-estrutura para torná-las sustentáveis, através doo aumento da eficiência do uso de recursos e aumentar a utilização de tecnologias limpas e ambientalmente saudáveis no processos industriais, com todos os países a tomar medidas em conformidade com as respectivas capacidades

9.5 reforçar a investigação científica, atualizar as capacidades tecnológicas dos setores industriais em todos os países, particularmente os países em desenvolvimento, incluindo o incentivo até 2030 do incentivo à inovação e ao aumento do número de trabalhadores de I & D por milhão de pessoas, e das despesas, publicas e privadas, até x% e público em I &D


9.a facilitar o desenvolvimento de infra-estruturas sustentáveis e resiliente nos países em desenvolvimento através de um maior apoio financeiro, tecnológico e técnico aos países africanos, aos países menos desenvolvidos, PMD e SIDS

9.b apoiar o desenvolvimento tecnológico nacional, investigação e inovação nos países em desenvolvimento, incluindo, garantindo um ambiente político favorável para a cooperação e diversificação industrial e a agregação de valor às matérias-primas

9.c aumentar significativamente o acesso às TIC e aumentar o esforço global para fornecer acesso universal e acessível a internet em países menos desenvolvidos até 2020



SDG 8 -Promover o crescimento económico sustentável e inclusivo, o pleno e produtivo emprego e formas de trabalho dignas para todos

Promover o crescimento económico sustentável e inclusivo, o pleno e produtivo emprego e formas de trabalho dignas para todos


8.1 Promover o crescimento económico per capita, de acordo com as circunstâncias nacionais, e o crescimento do PIB nos países menos desenvolvidos, em particular, pelo menos, 7% ao ano.

8.2 alcançar melhores níveis de produtividade na economia através da diversificação, modernização e inovação tecnológica, nomeadamente através do centramento na produção de alto valor agregado e nos sectores de trabalho intensivo

8.3 promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, a criação de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação, e incentivar a formalização e crescimento de empresas micro, pequenas e médias empresas, incluindo através do acesso a serviços financeiros

8.4 melhorar progressivamente, até 2030, a eficiência dos recursos globais do consumo e da produção, e promover o esforço de dissociar o crescimento económico da degradação ambiental, no quadro de programas com a duração de 10 anos para o consumo e produção sustentáveis, com os países desenvolvidos a tomarem a liferança do processo

8,5 alcançar até 2030 o pleno emprego, o trabalho produtivo e rabalho digno para todas as mulheres e homens, inclusive para as pessoas e as pessoas com deficiência, jovens e salário igual para trabalho de igual valor

8.6 Reduzir substancialmente até 2020 a proporção de jovens sem emprego, educação ou formação

8.7 tomar medidas imediatas e eficazes para assegurar a proibição e eliminação das piores formas de trabalho infantil, erradicação do trabalho forçado, e em 2025 fim do trabalho infantil em todas as suas formas, incluindo recrutamento e uso de crianças-soldados

8.8 proteger os direitos laborais, promover a segurança e garantir ambientes de trabalho de todos os trabalhadores, incluindo os trabalhadores migrantes, em particular das mulheres migrantes, e que têm empregos precários

8,9 conceber e implementar até 2030 políticas para promover o turismo sustentável, que gera empregos, promove a cultura e os produtos locais

8,10 reforçar a capacidade das instituições financeiras nacionais para incentivar e ampliar o acesso a serviços bancários, de seguros e serviços financeiros para todos


8.a aumentar a ajuda para o apoio comercial para os países em desenvolvimento, especialmente os países menos desenvolvidos, incluindo através do Quadro Integrado Reforçado para os PMD

8.b desenvolver e operacionalizar até 2020 uma estratégia global para o emprego dos jovens e implementar o Pacto Mundial para o Emprego da OIT8.1, sustentar o crescimento económico per capita, de acordo com as circunstâncias nacionais, e, em particular, pelo menos, 7% ao ano,e o crescimento do PIB nos países menos desenvolvidos

SDG 7 -Assegurar o acesso á fontes de energia, em quantidade e em qualidade, de forma sustentável, para todos.

Assegurar o acesso á fontes de energia, em quantidade e em qualidade, de forma sustentável, para todos.


7,1 Assegurar até 2030 o acesso universal a serviços de energia, confiáveis e modernos

7.2 aumentar substancialmente a quota das energias renováveis no mix energético global até 2030

7.3 duplicar a taxa da eficiência energética até 2030


7.a Aumentar até 2030 a cooperação internacional para facilitar o acesso e a investigação a tecnologias de produção de energia limpas, incluindo as energias renováveis, a eficiência energética, a implementação a produção de tecnologias de produção avançada de combustíveis fósseis mais limpas, e promover o investimento em infra-estrutura de energia e tecnologias de energia renovável

7.b Expandir e actualizar até 2030 a infraestrutura tecnológica para o fornecimento de serviços energéticos modernos e sustentáveis em todos nos países em desenvolvimento, particularmente os países menos desenvolvidos e SIDS

SDG 6 – Garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos


6.1. alcançar até 2030 acesso universal e equitativo à água potável segura e acessível para todos

6,2. conseguir em 2030 um acesso para todos ao saneamento e à higiene adequada e equitativa, terminar com a defecação a céu aberto, com especial atenção para as necessidades das mulheres, raparigas e aqueles em situação de vulnerabilidade

6.3. melhorar até 2030 a qualidade da água, reduzindo a poluição e eliminando a especulação, minimizar a libertação de agentes químicos químicos e materiais perigosos em aquiferos, reduzir para metade as águas residuais não tratadas, e aumentar a reciclagem e reutilização segura em  x% globalmente

6.4. aumentar substancialmente até 2030 a eficiência do uso da água em todos os setores e garantir acesso e fornecimento de água doce de fontes sustentáveis para combater a escassez de água, e reduzir substancialmente o número de pessoas que sofrem de falta de acesso a água potável

6,5 Implementar até 2030 a gestão integrada dos recursos hídricos em todos os níveis, incluindo a cooperação transfronteiriça, conforme apropriado a cada caso

6,6 Proteger e recuperar até 2020 os ecossistemas relacionados com o abastecimento de água, incluindo montanhas, florestas, pântanos, rios, aquíferos e lagos


6.a, ampliar até 2030 a cooperação do apoio internacional e a capacitação aos países em desenvolvimento nos processos de captação de água e saneamento eoutros programas relacionados, incluindo a recolha de água, dessalinização, a eficiência da gestão das águas, o tratamento de efluentes, reciclagem e tecnologias de reuso

6.b apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais para melhorar a gestão da água e osaneamento

SDG 5 -Assegurar a igualdade no género e capacitar as mulheres e as adolescentes

Assegurar a igualdade no género e capacitar as mulheres e as adolescentes


5.1 Acabar com todas as formas de discriminação contra as mulheres e raparigas em todos os lugares

5.2 eliminar todas as formas de violência contra as mulheres e raparigas na esfera públicas e privadas, incluindo o tráfico e sexual e outros tipos de exploração;

5.3 eliminar todas as práticas e injurias à mulher e ás crianças, tais como casamentos precoces e forçados e mutilações genitais femininas

5.4 Reconhecer e valorizar os cuidados domésticos não remunerados através da prestação dos serviços públicos, das infra-estruturas e das políticas de protecção social, bem como a promoção da responsabilidade compartilhada dentro do lar e da família, de forma apropriada a cada nação;

5.5 assegurar a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades em cargos de liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, económica e pública

5.6 assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e aos direitos reprodutivos, de acordo e em conformidade com o Programa de Ação da CIPD e da Plataforma de Acção de Pequim e dos seus documentos finais das suas conferências de revisão


5.Incentivar reformas para dar às mulheres direitos iguais direitos ao acesso aos recursos económicos, à propriedade e ao controle sobre a terra e outras formas de propriedade, aos serviços financeiros, às heranças e aos recursos naturais, em conformidade com as leis nacionais

5.b reforçar a utilização de tecnologias, em particular, das TIC, que permitam promover o empoderamento das mulheres

5.c adotar e valorizar políticas ativas e uma legislação adequada para a promoção da igualdade de género e empoderamento de todas as mulheres e raparigas em todos os níveis

SDG 4 Assegurar uma educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos

Assegurar uma educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos


4.1. Garantir até 2030 o ensino básico e secundário gratuito, equitativo e de qualidade a todas as crianças, criando aprendizagens com resultados relevantes e eficazes

4.2. Garantir até 2030 que todas crianças tem acesso a serviços de qualidade na primeira infância, cuidados e educação pré-escolar de modo que eles estejam em condições de entrar no ensino primário

4.3. Garantir até 2013 a igualdade de acesso a todos os homens e mulheres ao ensino técnico, profissional e superior, de qualidade, a custo acessível,incluindo universidade

4.4. Aumentar x% até 2030 o número de jovens e adultos que têm habilitações suficientes, incluindo competências técnicas e profissionais, para o emprego, trabalho decente e empreendedorismo

4.5. Eliminar até 2030 as diferenças de género na educação e garantir a igualdade de acesso a todos os níveis de educação e formação profissional ao grupos os mais vulneráveis, incluindo as pessoas com deficiência, povos indígenas, e crianças em situação de vulnerabilidade

  1. 6 Garantir até 2030 que todos os jovens, e pelo menos x% dos adultos, homens e mulheres, atinjam capacidade de literacia e algebra

4.7. Garantir até 2030 que todos os alunos adquiram conhecimentos e capacidade necessárias para promover o desenvolvimento sustentável, incluindo, entre outros, através da educação para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida sustentáveis, direitos humanos, igualdade de género, a a promoção de uma cultura de paz e não-violência, a cidadania global, o reconhecimento da diversidade cultural e a promoção da cultura para o desenvolvimento sustentável


4.aConstruir e melhorar as instalações de ensino para crianças, deficientes e adequados ao génro, para proporcionar um ambiente seguro, não-violentos, inclusivo e facilitar as aprendizagem para todos,

4.b Ampliar até 2020 em x% globalmente o número de bolsas de estudo para matriculas no ensino superior para os países em vias de desenvolvimento, em particular, os países menos desenvolvidos, SIDS e os países africanos r, incluindo a formação profissional, as TIC, formação de técnicos, de engenharia e de programas científicos em desenvolvimento e em outros países em desenvolvimento

4.c Aumentar até 2030 em x% a oferta de professores qualificados, nomeadamente através da cooperação internacional para a formação de professores nos países em desenvolvimento, especialmente os países menos desenvolvidos e SIDS