Arquivo de etiquetas: MUUT

Pedro Manuel Cardoso, o MAAT e a Ponte de Belém

muutAcordei estremunhado deste 5 de outubro, de novo dia feriado, para nos fazer relembrar desse primeiro dia “res publicano”, desse outro ano de 1910, onde um punhado de republicanos, de fartos bigodes, barricados numa rotunda enlameada, empunhado fuzis e canhões, proclamavam uma novo regime, fundado no primado da coisa publica  assente em dois pilares: a “ordem” e o “progresso”.

Olhei as notícias. Lá em Nova York, o nosso Gueterres feito “quase” sucessor de Ban Ki-moon na ONU, de onde regressou o nosso bom amigo Pedro Cardoso, onde apresentou o “Lexico de Patrimonologia” um trabalho que tem vindo a fazer desde há alguns meses, e que tenho seguido aqui com agradável leitura.

Dizia eu que enquanto Pedro, ao regressar da cidade que nunca dorme, escrevia uma notas sobre o novo museu do Tejo. Melhor indignava-se, no sentido do despertar da polémica, sobre as ausências de políticas publicas para a cultura nesse “complexo museológico” que é a “Frente Ribeirinha de Lisboa”.

Ao mesmo tempo, num canal da Televisão, era entrevistado o Presidente da emblemática Junta de Freguesia de Belém, que justificava a necessidade de encerramento, por razões de segurança, do passadiço que atravessa a linha de caminho de ferro, devido ao forte fluxo de peões de ontem. O motivo era o acesso ao novo MAAT. (Museu de Arte Arquitetura e Tecnologia) que a EDP promoveu na área adjacente ao Museu da Eletricidade.

O MUUT e o passadiço são o melhor exemplo das nossas políticas culturais, ou melhor da sua ausência.

O museu não passa duma casca de ovo. Divido mesmo que se possa chamar museu. Feito para deslumbrar o olho e satisfazer os pategos, não tem projeto museográfico, não serve para expor. As sua paredes arredondadas não permitem outra coisa se não as tecnologias. Todos sabemos que o que foi importante foi marcar a afirmação da apropriação do espaço, como o Pedro Cardoso escreveu.

Quem define o que é cultura são hoje as corporações. O Estado deixou de se procurar afirmar. As políticas públicas são hoje “privadas”. Os poderes públicos, aqueles que os republicanos procuraram dar “ordem e progresso” à uma centena de anos atrás, olham agora deslumbrados para mais esta iniciativa dos dinâmicos empresários.

É certo que não previram os acessos. Um pequeno detalhe na cidade e no instalado caos de  Belém.

Ficamos à espera do separador do corredor central na avenida da índia. De mais árvores, de relva entre os parqueamentos automóveis, de algumas palavras de cirncustância do dinâmico edil da cidade, e do tal novo passadiço.

A propósito alguém sabe do tal projeto museográfico para os Coches?  o que vai acontecer no CCB, que tanto estrondo deu no início da legislatura?. Será que já retiraram as floreira dos brazões coloniais ? E quando começam as obras na Ajuda ?

Nos últimos anos as políticas públicas culturais  para o complexo museológico de Belém parece terem-se ficado pelo “bilhete único”. O resto são obras.

O único problema de toda esta questão é que tudo se continua a passar sem que haja uma discussão para uma agenda da cultura para Belém que se confronte com a agenda turística. Uma discussão de quem se posiciona na cultura.  Talvez devêssemos olhar mais para aqueles nosso avós de bigode.