Arquivo de etiquetas: Museologia Informal

Educação para a Paz e Estudos para a Paz

Em Coimbra, no Coloquio Internacional de Estudos para a Paz    no último dia de outubro. Coimbra outonal está calma e prepara-se para o inverno, É tempo de pautar novos desafios. Colher a lenha, arrima-la. Aproveitar os últimos calores para apanhar ar.

Hoje pprocura-se pensar as elaborações teóricas em função da teoria crítica e pensa-se de forma crítica como a teoria esta a responder aos desafios. Num segundo tempo, debatem-se os novos desafios. Apresentam-se novas áreas de trabalho e faz-se uma reflexão sobre a forma como a teoria acompanha estes desafios gnosiológicos. A terceira e última parte do coloquio é dedicada a procurar adequar o pensamento científico aos novos desafios societais e a ação cidadã.

WIN_20141031_130336

José Manuel Pureza fala da emergência do campo dos Peace Studies desde os anos 1968. Faz uma análise crítica sobre a sua inserção no campo das relações internacionais como ima questão que tem como objetivo reduzir os conflitos na sociedade internacional. Essa visão redutora faz com que a aplicação dos PS sejam  a resolução de guerras e a reconstrução institucional, desenvolvimento económico, governação que levam ao redesenhar de sociedades com base em modelos eurocêntricos. Uma reconstrução de fora para dentro que produz ele próprio outros problemas que leva a diferentes intervenções de atores na cena internacional. Olhar os conflitos como possibilidade de imposição de situações hegemónicas, reduz o campo de negociação de soluções. Este estreitamento da solução negocial faz com que as questões colonias se tornem mais presentes. The colonial present, como lhe chama. A questão da internacionalização da política neoliberal hegemónica  levanta novos desafios epistemológicos nos Peace Studies. Veremos isso num outro artigo. para já importa interrogar qual o lugar da educação para a paz neste colóquio. recorde-se o trabalho de Margarida Belchior sobre Educação para a Paz que iremos confrontar com a intervenção de Vivienne Jabri que enfatiza a violência social como uma raiz de legitimação da violência na sociedade.

Museologia e Provérbios em Árvore das Memórias

 

proverbios changana

Concluímos ontem a correção do artigo “Modos de Fazer e Estar em Djabula, Mozambike” que, juntamente com Ana Fantasia, Patrícia Maridalho e Filipa Zacarias, havíamos apresentado no Colóquio Internacional “Epistemologia do Sul” que se realizou em Coimbra, entre os dias 10 e 12 de julho.

Relata parte do trabalho de campo no projeto “Arvore das Memórias”. Para além do trabalho de campo, das recolhas de histórias de vida, é sempre interessante recolher documentos. Neste trabalho socorremo-nos da recolha do padre Armando Ribeiro, publicada originalmente em 1971, republicaqdo em 1998. O padre Armando Ribeiro é também autor duma Gramática Changana, publicada em 1965, Canticos Religiosos, de 1962. No livrinho anuncia-se ainda um dicionário Chanagana Português, Cozinha Changana, e Usos e Costumes do Nosso Povo, que desconhecemos de foram publicado.

Estes trabalhos etnológicos inserem-se nos trabalhos das missões e constituem um importante referencial para o trabalho com as comunidade.

Aprendi com os mestres da história social que temos que ler um texto até ouvirmos a voz que está por detrás desse texto. Os sons que ecoam através das palavras ditas. Silêncios que emergem. Nos vários trabalhos que temos vindo da fazer sobre as narrativas biográficas, habituamo-nos a ler até conseguir escutar a conversa dos outros. Todos sabemos que um dos erros básicos da metodologia das entrevista é ouvirmos nas palavras dos outros aquilo que queremos que eles digam.

Um dos trabalhos que levamos para esta viagem é trabalhar sobre os provérbios, os ditos de ocasião. As formas de cumprimento, os gestos, as canções do movimento. Enfim tudo o que nos permita escutar o quotidiano.

O ditado popular, um tema que tem sido trabalhado pelos historiadores da língua transportam o saber da tradição. Aqui interessa-nos sobretudo pela transcrição dos provérbios como elemento complementar da gramática. Se a gramática duma língua descreve a sua estrutura formal (as leis da linguagem) os provérbios constituem a essencia dessa linguagem. De certa forma são anteriores à sua fixação.

Acresce, que na velha discussão sobre a literatura e a oratura, se distinguirá a primeira pela existência de escrita, e a segunda pelo uso da fala. A fixação da escrita destas últimas precederá a formação das gramáticas e possibilitará a emergência da literatura. a literatura como uma ordenação das letras.

É certo que hoje esta questão está ultrapassada, pois os limites da literatura à muito que ultrapassaram a questão formal. O que ainda é contudo relevante é a questão do contexto.

Em Dajbula, os contadores começam por fazer uma pergunta. Uma interrogação. Um gesto para captar a atenção. Só depois é que se seguem os contos, a narrração dos mitos. histórias fantásticas de lendas. finalmente terminam com as histórias do antepassados. Histórias verdadeiras que se passaram no espaço e no tempo.

para mais informação sobre os provérbios veja-se o Diário de Mozambike II

Provérbios e museologia social: para uma critica da imaterialidade

 “Os dias nascem da noite e nunca o contrário”

 

Comunidades de aprendizagem e círculos de aprendizagem

Realizou-se no dia 26 de setembro de 2014, na Biblioteca Municipal José Saramago um “encontro sobre ensino não formal: partilha de experiências” .

O encontro tinha um duplo objetivo: para além da partilha de experiências foi igualmente apresentado o Guia Prático Círculos de Aprendizagem cuja prática tem vindo a ser dinamizada em Portugal por Joaquim Jorge e Carla Proença.

Quanto à discussão ficou patente que há alguma confusão entre a Educação Informal, formal e não formal. Uma polémica que há 30 anos atrás se falava bastante. Em boa hora Maria José Vitorino postou este pequeno video que esclarece a questão.

https://youtu.be/asX1GKEB86c

Quanto à metodologia dos círculos de aprendizagem , ficou evidente que existe mais teoria do que práticas.

Quando se procura abordar os problemas de transição com instrumentos de apresentação formal, acaba por ficar evidente que cada cada um se centra mais em si próprio ao invés de promover a interação com o outro. A proposta das comunidades de aprendizagem baseia-se na promoção do encontro como processo de crescimento pessoal e social. Isso só acontece em encontro e não em hierarquia de saberes.

Tristes Fados e Patrimónios

dialogosurbanos

A propósito do posta anterior, já tínhamos apresentado este livro Diálogos Urbanos de Carlos Fortuna e Rogério Proença Leite, publicado em 2013, na série Cidades e Arquitectura da coleção CEs da editora Almedina,

Do seu prefácio afirma-se “Diálogos Urbanos é um livro sobre proximidades e distâncias entre e dentro das cidades. Escrito com um olhar crítico, o livro enfrenta o desafio duplo de revelar aquilo que estas proximidades e distâncias mostram e aquilo que tornam invisível ou escondem” .

Esta proposta materializa-se no trabalho através de três secções. (I) Territórios em Mudança, (II) Expressões de Cultura, e (III) Património em Diálogos.

Nesta última secção retemos o dialogo entre os processos de patrimonialização do Fado em Lisboa e do Samba no Rio de Janeiro. Luciana Mendonça e Paula Abreu falm das diferenças e das semelhanças entre os dois processos. Trata-se dum assunto que nos interessa, ao qual temos vindo a procurar criar diálogos com a Marrabenta de Moçambique, nas suas tensões identitárias como formas de afirmação das vidas urbanas.

 

O cluster da cooperação portuguesa em Moçambique e a teoria do desenvolvimento

A propósito do encontro realizado no Instituto Camões na apresentação dos resultados do projecto do CESA sobre os clusters da cooperação portuguesa que se realizou no dia 3 de julho, ressaltam as seguintes questões no âmbito dos Estudos para o desenvolvimento.

  1. De que modo o conceito de cluster é um instrumento teórico adequado para a Ajuda ao Desenvolvimento.
  2. Quais os resultados da Ajuda Pública ai Desenvolvimento (APD) da cooperação portuguesa nos últimos dez anos, no âmbitos destes projectos em Moçambique.

Recordemos que os objectivos do projecto são “confirmar ou infirmar que o conceito e a prática de clusters da cooperação para o desenvolvimento, (Moçambique, Timor Leste, São Tomé e Príncipe e Angola) é uma resposta eficaz à questão, hoje consensual na comunidade internacional, de como tornar melhores a coerência, a harmonização e o alinhamento colocada em conferências internacionais como a de Paris sobre a Eficácia da Ajuda ao Desenvolvimento”.

A Estratégia do cluster surge na estratégia da cooperação portuguesa de 2005 , no âmbito do contexto das discussões sobre a eficácia da AOD na OCDE .

As palavras chaves destas estratégia foram a procura da “Apropriação, Harmonização, Alinhamento, Resultados e Responsabilidade Mútua” Foram então estabelecidos como clusters para a cooperação portuguesa Maubara, em Timor, a Ilha de Moçambique, Ecunha no Huambo, angola e Tão Tomé.

Recordando as linhas gerais do documento de estratégia, o primeiro feito após a adopção dos objectivos de desenvolvimento do milénio, a estratégia da cooperação portuguesa assentava em cinco pilares. Os ODM, a segurança humana, a lusofonia, a ajuda ao desenvolvimento económico sustentável e o envolvimento nos debates internacionais. As suas prioridades, eram o combate à pobreza, e foram definidos como prioritários os sectores da educação, saúde, o desenvolvimento rural, o ambiente e o crescimento económico. Pela primeira vez é reconhecido a questão da educação para o desenvolvimento como uma actividade estratégica da cooperação portuguesa.

Uma estratégia que veio substituir o documento de 1999 “A cooperação portuguesa no limiar do século XXI” que na época foi a primeira normativa duma estratégia política para a cooperação portuguesa. Recorde-se que a cooperação portuguesa alcança visibilidade com uma pasta de secretaria de estado em 1982, com Luís Fontoura, com o objectivo da coordenar as relações pós-coloniais entre o Estado Português e os novos países de expressão portugueses. Sobre a evoçução da cooperação portuguesa veja-se o paper de Carlos Sangerman 2012 (http://pascal.iseg.utl.pt/~cesa/files/Doc_trabalho/WP104.pdf)

A questão dos clusters não constitui a única inovação deste documento. Recorde-se que nele se procurou dar uma maior abertura na participação aos diversos pareceiros da sociedade civil, às organizações não governamentais (ONGD) que foi bem expresso no “Forum da Cooperação”, no estabelecimento de programas pluri-anuais e a sua negociação com os diferentes parceiros locais. Uma primeira avaliação dessa estratégia é feita em 2009

Dizia-se então no documento que se procurava com este instrumento potenciar uma “maneira de estar e a disponibilidade natural dos portugeses em relação a África” e ao mesmo tempo colmater a tradicional dificuldade em estabelecer os objectivos e evitar a dispersão de acções e recursos. O cluster surge como um instrumento para potenciar essas características.

Com base na teoria económica o termo o termo é defendido por Tom Peters em que propõe uma concentração de actividades em áreas de especialização: os clusters. Dentro destes clusters deve-se procurar criar a excelência com base na inovação constante dos produtos. Esta inovação é estimulada pela criação de círculos de inovação como processo de criação de dinâmicas da criatividade. Outros autores, como por exemplo Hubert Shmitz, defendiam que a concentração geográfica de empresas criava não só economia de escalas como aumentava a produtividade das empresas. Este aumento de produtividade permitia alavancar a emergência de actividades de serviços que aumentavam o valor territorial, atraindo por sua vez mais investimento e empresas. Os resultados do investimento da ajuda pública em zonas geográfica aumentava a sua eficiência a tornavam-se mais eficazes.

Na época do estabelecimento desta estratégia, esta ideia acompanhava a questão da eficácia da ajuda Pública ao Desenvolvimento. Foram então definidos os clusters da cooperação portuguesa que são operacionalizados através de dois instrumentos base os PIC e os . Nesses paíse foram assindado o PIC os PAC. Os primeiros são planos indicativos de estratégia, que são operacionalizados anualmente através dos segundos, o Plano anual de Cooperação.

Trata-se sem dúvida duma actividade complexa da administração pública que implica um diálogo com diversas entidades locais, com a sociedade civil. Naturalmente dependem da sua forma de coordenação e da personalidade e capacidade de quem o coordena em relacionar-se com os diferentes atores locais.

A escolha do Cluster da Ilha de Moçambique é feito pelo IPAD em 2006 no seu Plano Anual de Cooperação. Nesse ano previa-se elaborar um plano de acção, previsto para nove anos. As razões da escolha deste local pelo IPAD deriva da presença do património (património mundial), e da necessidade de combater a pobreza. Estavam criadas as base de intervenção.

Previa-se então actividade em seis áreas, educação, saúde, recuperação do património, desenvolvimento sócio-económico, abastecimento de água e saneamento, e apoio à governação local. No campo do desenvolvimento económico previa-se desenvolver as pesas, a agricultura, o comércio e algumas indústrias.

Os resultados do trabalho então efectuado foram agora apresentados. Note-se que o trabalho da cooperação portuguesa sempre foi olhado de forma crítica por muitos atores locais. Os diferentes programas elaborados sempre foram controvessos pois combinavam de forma diferentes as expectativas dos atores locais. A cooperação portuguesa não conseguiu estabelecer ligações diretas com os atores locais e participa de forma ativa para o programa de transferência da população da ilha para o continente, criando processos de valorização imobiliária sem que daí resultem processos de desenvolvimento territorial e da economia local.

Mais informações sobre os programa em Moçambique

Em breve uma refelxão sobre a reformulação da Estratégia da Cooperação Portuguesa

Walter Benjamin e a questão da Aura na obra de arte

Walter Benjamin

A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

Walter_Benjamin_vers_1928

(no original em alemão,Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit é um ensaio publicado pela primeira vez em 1936, e, posteriormente, em 1955, do crítico cultural, filósofo e sociólogoWalter Benjamin. Lemos a versão traduzida por Maria Luís Moita, incluída na edição da Relógio D’Agua “Sobre Arte, técnica, Linguagem e Política, publicada em 1992, pp 73-113.

Benjamim procura nesta obra actualizar os fundamentos duma teoria marxista da arte. Uma teoria revolucionária da arte, numa discussão então em voga no centro da Europa, sobre o papel do artista como criador de tradição ou inovação. Face à disponibilidade e ao crescimento de meios e forma tecnológicas de reprodução de arte, qual é o papel e a função do artista.

O seu principal argumento é de que na ausência de qualquer valor ao ritual da tradição na era da reprodução mecânica, a arte seria sobretudo uma prática política.

A partir da análise sobre o processo de reprodutibilidade, segundo Benjamim, aplicação da técnica produzia uma erosão da aura da obra de arte. Este conceito de aura na obra de arte é essencial para entender a teoria do autor. A aura é uma figura simbólica que se projecta no espaço – tempo. Esta forma simbólica corresponde ao valor da obra de arte. A modernidade, e a sua reprodução mecânica produziram uma ruptura nesta forma simbólica. Essa ruptura produziu uma necessidade da posse do objecto e implicou alterações nas suas formas de Reprodução e a construção da sua imagem simbólia. As forma de reprodução implicam que o objecto de arte passa a ser transitório e é repetível. Por outro lado, a sua imagem, nos diferentes objectos reproduzidos, passam a ser uma unidade, e são duráveis.

A destruição da aura o objecto de arte, pela sua reprodução mecânica, para além de afetar a sua autenticidade como refere Choay, retira esse objecto do seu invólucro e transfomo em mercadoria. A arte, como mercadoria passa então a constitui-se como um valor de culto que necessita de se exibir de forma constante e renovada no tempo.

A ruptura da aura do objeto artístico leva à perda da sua “unicidade”, “singularidade” e “autenticidade” e a uma alteração do seu valor de culto. Esta alteração produz a amergência do espatáculo, dumasociedade de espectáculo como afirma Guy Debord

Em a Sociedade de Espetáculo, o argumento principal de Debord também desenvolvido a partir da análise marxista, é que a alienação é mais do que uma sucessão de emoções nos individuo. Ela é uma forma específica da organização social capitalista, que assume novas formas e conteúdos em seu processo dialética de separação e reificação da vida humana. Como uma constituição moderna da luta de classes, o espectáculo é uma forma de dominação de classe (da burguesia sobre o trabalho) que produz uma narrativa sobre a história, uma lógica de ser e estar que contamina todos os membros da sociedade.

Regressando a Benjamim e ao valor da exposição da obra de arte, na era da técnica e da reprodutibilidade, o fundamental é distribuir cópias (criar produtos) e facturar (distribuir no mercado) criando sempre novas necessidades de consumo.

Para Benjamin, o modo a produção artística foi alterado pela processo da sua reprodutibilidade técnica. O desenvolvimento do processo industrial na produção de obras de arte altera a sua função simbólica. A obra de arte sempre foi reprodutível. Sempre de fizeram cópias dos objecto de arte. No entanto a indústria altera profundamente os processos de produção/consumo das obras de arte, produzindo uma passagem da obra de arte dum valor de culto para um valor de exibição.

Essa proposta caracteriza a proposta de teoria da arte em Benjamim. A aura, ou o caracter mágico da imagem são formas constitutivas do seu valor de culto, que agora é alterado. Dos rituais simbólicos, de exibição em contexto mágico ou religioso, ligado ao seu caracter único; com a emergência da reprodutibilidade técnica das formas simbólicas, as obras de arte perdem a sua função ritualística, a sua característica de única, sua “aura”, e passam a ser exibidas e disponíveis, chegando a atingir enorme escala de exposição de massas.

Para Benjamin a fotografia é o início da alteração deste valor de culto das obras de arte, para o valor de exposição. Na fotografia contudo há ainda a possibilidade de ter presente um valor de culto, na medida em que a experiencia biográfica pode produzir influência na formação de cultos. A reprodução de rostos, por exemplo, tornaram-se no início do século objecto de culto.

A alteração simbólica do valor de culto para o valor de exposição leva igualmente a uma alteração dos processos de exposição. A exposição, que antes era feito ao serviço do ritual, passa a estar ao serviço da reprodução serial e passa a estar sujeita a necessidade crescente de novidade. Uma mudança de valores que refuncionaliza o papel da arte na sociedade.

A implosão da aura na obra de arte produz a erosão do espaço tempo. O carácter único da obra, a unidade da experiencia no tempo e no espaço (o aqui e agora), que conferem os atributos de raridade, passem a ser plurais e deixam de ser exclusivos. Ao objecto de arte deixa de ser uma experiencia única, vivida no espaço e no tempo, para passar a ser uma experiencia com objectos que se sucedem no espaço e no tempo. O objecto de arte fragmenta-se e constitu-se como um fluxo de possibilidades no tempo.

Mango beat e a música urbana no Recife

Há volta com os contextos musicais urbanos encontrei um interesante acervo sobre a mango beat a a música zumbi. Uma mistura de ritmos afro americanos criada na decada de novente pelo Chico Science

O Mango Beat cria uma diversidade sonora misturando ritmos e sonoridades africana, americanas e ibéricas recolhidas no mango. Tendo como simbolo o carangejo a música oubia-se no Pernambuco e em Olinda.

Alguns exemplos: “Quando a maré encher”, manguetown, maracatu atómico.

Sobre esta questão ver a tese de Luciana Ferreira Moura de Mendonça (2004). “Do mangue para o mundo; o global e o local na produção da música popular brasileira”, UNICAMP

Continuar a lerMango beat e a música urbana no Recife

Dinâmicas Coloniais e Reconfigurações Pós-coloniais

 

nuno

 

Foi recentemente publicado pelas Edições 70 o livro “Cidade e Império: Dinãmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais” (2014) .

 

Sobre este livro publicou-se a seguinte recenssão no diário de aveiro

O livro intitula-se “Cidade e Império, Dinâmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais”, os organizadores são Nuno Domingos e Elsa Peralta, Coleção História e Sociedade, Edições 70, 2013. Reúne estudos de historiadores, antropólogos, especialistas em estudos pós-coloniais e outros cientistas sociais. Os organizadores explicam o objetivo da obra: “O estudo do urbano permite identificar o modo como a dinâmica de urbanização colonial e pós-colonial no espaço português se integra num conjunto de tendências que acompanha o sistema-mundial (…) As cidades coloniais constituem-se como centros de administração e de poder colonial e como locais de fluxo e bens e serviços. São importantes locais de transferência da cultural imperial e capitalista moderna para novos espaços. Não obstante, o urbano colonial e pós-colonial governado por Portugal foi e é também um espaço de criação de autonomias, de projetos e resistências, de circulação de pessoas, hábitos, ideias, de apropriação e adoção de práticas e representações”. Em sequência, o autor encontrará o estudo de cidades africanas do colonialismo português, as lógicas do ordenamento do território e da integração social, cidades com um centro europeu ou “civilizado” e uma grande e precária periferia, o típico universo africano. Os organizadores observam que “A influência política de outras potências coloniais, bem como de organizações internacionais, sobre o rumo do colonialismo português, a presença de inúmeros estrangeiros no quadro de decisão institucional económica e política e a influência dos quadros económicos regionais revelam que o colonialismo era um projeto global. As redes urbanas africanas, as que ligavam, por exemplo, Moçambique e Angola à África do Sul, à Rodésia ou ao Congo, criaram autonomias próprias que reproduziam o ritmo do colonialismo internacional”. Mas a experiência imperial teve uma poderosa ressonância no tecido metropolitano, basta pensar nos importantes fluxos migratórios e no pós-colonial emergiu uma cultura nostálgica, há imigrantes cabo-verdianos, angolanos, guineenses e são-tomenses, sobretudo, temos hoje uma cidadania lusófona e nas cidades pós-coloniais replicam-se formas de organização que recordam o sistema colonial urbano. A memória imperial tem mais significado do que muitos pensam, envolve narrativas como o Mosteiro dos Jerónimos, o Padrão dos Descobrimentos, a Expo 98, por exemplo.

Os investigadores que intervêm neste livro asseguram capítulos sobre a presença portuguesa em África no século XX, caso de Luanda e Lourenço Marques; fala-se da reação portuguesa aos levantamentos no Norte de Angola, em 1961, e, como escrevem os organizadores “Dos relatórios políticos e administrativos, emerge uma conceção estatal das populações locais. Enuncia-se a lógica do exercício político que junta a coerção e a violência a técnicas de urbanização, de reordenamento do território e de povoamento”; fala-se de Mueda, no Norte de Moçambique, sobre o que sobrou das antigas cidades da Índia portuguesa no final do século XIX, a partir do olhar de um historiador goês estabelecido em Bombaim. Noutro ângulo, impõe-se olhar para Lisboa onde, a partir da década de 1940, onde se juntou um grupo de estudantes das colónias africanas. Escreve-se o seguinte: “O espaço criado pelo Estado Novo para formar elites coloniais, a Casa dos Estudantes do Império (1944-1965) foi para estudantes, tais como Mário Pinto de Andrade, Alda Espírito Santo, Eduardo Mondlane, Agostinho Neto, Noémia de Souza e Amílcar Cabral, o local de maturação de um conjunto de ideias sobre a condição dos seus territórios e populações. A Lisboa triste do salazarismo surgia para estes jovens como uma zona de contacto, um espaço moderno de leituras e partilhas. A geografia da cidade ficou marcada por um conjunto de percursos africanos, de encontros políticos, consumos literários e trocas teóricas que circulavam por cidades europeias: a negritude, o pan-africanismo, o marxismo, o nacionalismo. No coração do Império colonial português, mau grado as diferenças que os separavam – a origem, a cor da pele, a classe social – os estudantes discutiram o futuro do continente africano que dispensava tanto a soberania portuguesa como a dos outros Impérios coloniais”.

E chegamos à Lisboa contemporânea, a partir de 1975 o legado do poder colonial passou a ser manifestamente visível nas pessoas, nos restaurantes, nos novos hábitos, nos alimentos importados. São populações emigrantes que procuram adaptar-se e conquistar o seu lugar na cidade, trazem saberes e procuram avidamente a coesão étnica ou a imisção sem complexos, nasceram barracas, procedeu-se à autoconstrução, organizaram-se guetos, estabeleceram-se ágoras, os guineenses podem ser vistos a qualquer hora do dia no largo de S. Domingos. Bairros degradados tornaram-se nos espaços de acolhimento desses novos migrantes.

Enfim, o leitor parte pelas construções colonias, visita as casas angolanas e aprecia a atitude colonizadora em diferentes regiões, pode comparar com as habitações destinadas aos funcionários coloniais, apreciar a evolução da arquitetura angolana; segue-se Lourenço Marques, também uma cidade segregada com os seus organismos e o seu sistema de coerção; os acontecimentos de 1961, no Norte de Angola, dão azo a perceber como o regime se viu obrigado a criar novos mecanismos de controlo da vida social indígena, assistia-se ao retorno inesperado de milhares de africanos “das matas”, havia que estabelecer uma nova política habitacional e de vigilância. O leitor não ficará insensível à visita ao Império Português da Índia na segunda metade do século XIX, é uma viagem espantosa, a que nos proporciona o goês Gerson da Cunha. Lisboa, ao tempo da Casa dos Estudantes do Império, é um local de encontros que irão preparar as lutas de libertação, aqui se adquiriu consciência de que estavam a germinar sonhos nacionais e afiliações transnacionais, dois nomes sonantes do independentismo, Mário Pinto de Andrade e Amílcar Cabral, aparecem por Lisboa, aqui debatem com os outros a luta que os espera. E daqui partem para outros lugares: Mário Pinto de Andrade e Marcelino dos Santos irão até Paris, Lúcio Lara e Viriato da Cruz até a Alemanha, Cabral circulará por Londres, irá até ao Norte de África e daqui partirá para Conacri, todos estes dirigentes se irão encontrar temporariamente em Argel, Rabat, Cairo, Adis-Abeba, Tunes, Acra ou Dar es Salam. E chegada a independência, cresceu a diáspora, o leitor irá encontrar várias ideias de África em Lisboa, por exemplo, vivências habitacionais como em tabancas, surgirá o fenómeno da “barraca pós-colonial”. Está concluído o ciclo à volta da cidade como objeto de investigação desde as sociedades coloniais até ao desabamento nas metrópoles em contextos pós-coloniais. Um estudo profundo, original, que seguramente catapultará novos estudos. Magistralmente organizado e de uma inegável polivalência para os estudos sobre o Império português e o depois.

Emic e Etic – Estilos de etnobiografia do objeto museologico I

EMIC – ETIC -Estilos de etnografia

A perspetiva intrior (Emic) e a perspetiva exterior (Etic) são termos sugeridos pelo linguista Kenneth L Pike[1] em 1954. Em “Language in Relation to a Unified Theory of the Structure of Human Behavior”. Pike criou a teoria tagmemica onde procedeu à distinção entre emic e etic. “Emic” (como em “phonemics” – fonologia) refere-se aos conhecimentos subjetivos e de signifcado. Quanto aos sons sons da língua, são considerado como “etic” (como em “phonetics”- fonética), referem-se ao estudo objetivo desses sons.

Segundo a teoria tagmemica apenas os falantes nativos duma língua dominam as descrições “êmicas”. Um falante duma outra língua apenas pode absorver a sua estrutura. Como tal apensa podem efetuar descrições éticas. A linguística, feita a partir duma abordagem ética, através da aplicação duma metodologia científica, apenas produz descrições, todas elas verificáveis e reproduzidas. Para absorver a dimensão emic é necessário uma aproximação ao interior da linguagem. Uma observação a partir do contexto.

Interessa-me esta questão por permitir estabelecer uma distinção entre as abordagens que se podem adotar em relação a um objeto museológico.

Correntes da antropologia

Comparativistas

Particularistas

Ideal das ciencias naturais Ideal das humanidades
Busca da explicação Busca da compreensão
Sintese comparativa Análise do particular
Busca de leis gerais Registo de casos unicos
Tendencia para o materialismo Tendencia para o idealismo
Abundante reflexão metodológica Atitude anti-teórica
Etnologia Etnografia
Procura traços comparáveis Procura a cultura em sí mesma
Desenvolvimento quantitativo Exaltação do qualitativo
Ênfase nas correlações impessoais Recuperação do individualismo metodológico
Formalismo Substantivismo

Relativamente ás correntes e abordagens podemos facilmente acrescentar

ETIC

EMIC

Estruturalismo e funcionalismo Culturalismo
Tendencia biologizante Tendencia psicologizante
Da parte para o todo Do todo para a parte

Estas diferentes perspetivas de abordagem perante os mesmos objetos de estudo, têm vindo a conduzir a resultados científicos distintos a conteúdos de investigação diferenciados.

Por exemplo a abordagem ETIC está tendencialmente mais ligada á antropologia biológica. Partem duma atitude mental de oposição, (pensamento binário) e procura compreender as grandes tendências do comportamento humano. Por seu lado as abordagens EMIC, ao procurarem encontrar a particularidade da cada individuo no seio da sua cultura, recolhe, simultaneamente a informação particular (do indivíduo em contexto) e informação geral. (da influencia social sobre o indivíduo). Trabalhando sobre um pensamento mais complexo, recolha muita informação qualitativa, que é difícil de trabalhar.

emic-etix2

Enquanto que a abordagem ETIC procura medir, comparar e esquematizar a realidade sem recurso à subjectividade discursiva dos indivíduos, a abordagem EMIC procura descobrir as especificidades de cada contexto em particular, recorrendo inclusivamente à interpretação dos atores sociais dos factos por eles referidos.

A museologia assume-se como uma ciência charneira entre as ciencias exactas e aquelas que até hoje são consideradas não exactas por carecerem da quantificação subjacente á definição do termo.

a museologia, através das etnobiografias assenta múltiplas plataformas teóricas e metodológicas onde cada um de nós poderá ir ao encontro quer de particularidades quer de universalidades oscilando entre todas as oposições que a própria dualidade humana implica.emic-etic1

 

 


[1] http://www-01.sil.org/klp/index.htm

MINOM- Portugal

WIN_20140329_163551WIN_20140329_163558Reunião MINOM-Portugal.

Nova Museologia: Lugar de encontros. Lugar da Diferença. Que Nova Museologia?: Porta de Entrada. Processo de Construir. Espaço de Direitos Humanos. Forma de Chegar às Pessoas. Novos Olhares centrados na interrogação. Raiz. Lugar de encanto. Olhar o mundo pelo outro lado. Olhar para o chão que pisamos. Busca de Inovação.

O que fazer em 2014: Olhar para os museus complexos. Os museus de relevância

O Território como espaço de dignidade

O Território é um espaço de dignidade humana. 

A ideia do não lugar, defendida por Marc Augé no seu livro “Não-lugares”, como lugares de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado,

Segundo nos diz Augé no seu livro , viemos um tempo e um espaço de super modernidade. Um tempo de excesso e abundância. Excesso de informação, excesso de espaços vividos, execesso de relações e de identidades. Esta modernidade corresponde a transformações das categorias de espaço, tempo e indivíduo.

No espaço os não-lugares, produtos desta modernidade, são de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado. Opõe-se dessa forma ao locus antropológico, definido por Mauss, do lugar como totalidade identitária. O espaço é o lugar da observação. Tudo o resto não é observável, ou pelo menos não será relevante. O lugar antropoloógico é um lugar de encontro do antropólogo. O lugar escolhido, no mundo natural, exterior onde acontecem os fenómenos observáveis. O lugar habitado tem referencias. Nomes. Identidades. É um lugar sentido e vivido. Trata-se dum espaço relacional.

Pelo contrário, os não lugares são espaços de transição. Não acontecem encontros, não são observáveis nem relevantes.

Por seu lado a categoria do tempo, nesta modernidade, caracteriza-se pelo aceleramento da informação. Há um excesso de informações. Aqui Augé distingue-se dos pós-modernistas, para quem a ideia do limite da ideia de progresso, a concretização desse progresso significaria o fim da História. Nos não lugares, enquanto espaços de transição, o tempo mostrava-se interdependente. Assim, contrapondo-se ao encolhimento do espaço, o tempo acelerava-se. A noção de mudanças climática, de concentração urbana, de consumo de recursos, de migrações acentua-se.  Uma alteração de escala que faz emergir esse não lugares como espaço de passagem, de transito.

Finalmente, contrapondo aos excessos da informação, da fragmentação do tempo e da emergência destes lugares de transição, a categoria de indivíduo também se altera. O individuo nos não lugars é um individuo em transitividade. Constitui-se como um centro.

A singularização do individuo, a rutura com as pertenças no espaço e no tempo levam ao excesso da cultura mundial, vazia na sua produção constantes de produtos novos. Com Elias quebram-se as relações de indentidade com o espaço e com o tempo. As identidades colapsam nas suas referências espacio-temporais. Os indivíduos de não lugares, são simultaneamente tudo e não são nada. Desaparecem as noções das fronteira e de pertença. O não lugar é um mundo efémero, sem memória, sem ritmo.Um lugar de excesso. São mundo suspensos, vividos no momento, sem antes e sem depois.

No fundo auge propõe estas não lugares como um novo locus da antropologia. Em oposição ao lugar relacional, da tradição, o não lugar é um locus de investigação de contradição e complexidade.

Nesse sentido, estudar o espaço enquanto excesso numa prespetiva de emancipação social será equacionar o tempo como afirmação duma oportunidade de mundaça. Olhar para o Koirés do espaço, para além do seu cronos, procurando resgatar, na sua força semântica, a sua capacidade de gerar mudança.

 

Museologia Movimentos Sociais e Inovação – Reflexões I

A propósito da Redes de Indignação e Esperança da Conferencia de Manuel Castells em Porto Alegre

Nos últimos cinco anos o mundo conheceu uma intensa vaga de movimentos sociais. Na Europa e na América, na sequência da crise financeira, norte de África, na sequencia do problema do desemprego e da autocracia, na América do Sul, na sequencia de afetação de recursos aos benéficos sociais. Na Irlanda em 2009, em Tunes 2010 que desencadeia a Primavera Árabe, os Indignados em Espanha, em 2012, Em Portugal e na Grécia na sequencia da intervenção do FMI, em Nova York, no Ocupay Wll Strett, um movimento mais largo do que se julga. Na Nigéria, com o occupay Nigeria, os Estudantes do Chile,, no México e no Uruguai, numa particular conjuntura económica, de crise financeira, gerarou-se um intenso movimento social. Qual é o padrão comum destes movimentos ?

Declarção do XV Atelier do MINOM

Declaração MINOM Rio 20131

XV Conferência Internacional do Movimento Internacional para uma Nova Museologia (MINOM), realizada no Rio de Janeiro, Museu da República, Museu da Maré e Museu de Favela.

Em defesa de uma Museologia com intenção de mudança social, política e econômica, a partir da mobilização social, por intermédio de um processo de conscientização vinculado à memória e que reconhece as tensões e os vários tipos de violências sofridas pelos seres e agentes portadores de memória, consideramos a importância de:

A) Reafirmar os princípios anunciados nas declarações de Santiago do Chile, 1972, e Quebec, 1984;

B) Quebrar hierarquias de poder, a fim de que surjam novos protagonistas de suas próprias memórias.

C) Compreender os museus comunitários como processos políticos, poéticos e pedagógicos em permanente construção e vinculados a visões de mundo bastante específicas;

D) Dar relevo à atuação dos museus sociais, dos museus comunitários, dos ecomuseus, dos museus de favela, dos museus de território, dos museus de percurso e dos espaços museais. Todas essas organizações tiram e põem, fazem e desfazem suas memórias, sentimentos, ideias, sonhos, ansiedades, tensões, medos e vivem sua própria realidade, sem pedir permissão às autoridades estabelecidas;

E) Reconhecer que todos esses museus e processos museais assum em seus próprios “jeitos” de musealizar e se apropriam e fazem uso dos conhecimentos do modo que lhes convém;

F) Colocar em destaque a compreensão de que a museologia social consiste num exercício político que pode ser assumido por qualquer museu, independente de sua tipologia.

Por tudo isso, recomendamos que as considerações anteriores passem a representar os princípios de uma museologia sensível e compreensiva, constituída de novas formas de afetividade, respeito mútuo e indignação; recomendamos que estes princípios constituam as bases de uma museologia que tenha capacidade de escuta e que reconheça:

  • As diferenças de ritmos, atitudes, tempos, materialidades, territorialidades e linguagens que favoreçam os movimentos sociais;
  • A criação de estratégias libertárias diante das diferentes formas de opressão;
  • O caráter dinâmico da memória e a importância de dialogar com seu tempo;
  • A valorização dos estudos das memórias numa perspectiva libertadora e do respeito pela dignidade humana;
  • A urgência de concepção, desenvolvimento e consolidação de políticas públicas de apoio e fomento, adequadas aos novos processos museais;
  • O estímulo à pesquisa, produção e difusão desses novos processos museais, respeitando as peculiaridades de cada experiência museal;
  • Os saberes e fazeres referenciados nas culturas locais e nos movimentos sociais;
  • As instituições educativas e culturais que trabalham com os protagonismos museais e comunitárias;
  • O caráter democrático do confronto de ideias, do processo de construção de memórias e do respeito pelos diferentes pontos de vista emodos de qualificar e narrar experiências.

Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2013.

 

Ver comentário em:

http://golparaoplaneta.wordpress.com/2013/09/02/a-declaracao-do-rio-minom-2013/