Arquivo de etiquetas: George Steiner

O Contrato de Memória ou o compromisso social dos museus

mundoperfeitoTiago Rodrigues apresentou no Maria Matos o espetáculo “Mundo Perfeito” By Heart. Trata da questão a memória e a da vida.

“A última coisa a sair dos nossos lábio muribundo pode muito bem ser um poema” escreveu Joseph Brodsky, um poeta russo, Nobel em 1987. Brodsky escreve recorrentemente a relação entre o poeta e a sociedade. Defendia o poder da poesia para conectar os membros duma comunidade, para desenvolver a língua e a cultura em que cada indivíduo está envolvido. Segundo Brodsky a tradição literária do ocidente foi um instrumento de catarse dos trágicos episódios do século XX. Defendeu que as antologia de poesia deviam ser gratuitamente distribuídas ao público.

Segundo Brodsky o poema é um mecanismo que nos ajuda a apreender o mundo. Um instrumento para conhecer o mundo de cor. Por isso, seguindo a tradição grega, a poesia seria uma arte de criar memória.

A memória é uma marca da identidade. Quando desaparece, o ser dilui-se no anónimato. Deixa de ter nome. Mas, para quem tem memória, quando o mundo se dissolve, como quando aconteceu na experiência europeia do século XX, ou acontece hoje em diferentes pontos do mundo, a memória é o último refúgio do ser.

É, como se a memória se quisesse guardar do seu próprio desaparecimento. Como dizia George Steiner a poesia é como um inquilino secreto  que habita o nosso ser. Por isso temos que saber a poesia de cor. “Comer a poesia” como forma de a tornar parte do nosso corpo. Capturar o espírito da poesia.

O espetáculo foi sobre isso. Dez espectadores foram convidados a juntar-se a Tiago Rodrigues e a decorar um dos sonetas de Shakespeare. O soneto 33.

Quando em meu mudo e doce pensamento
chamo à lembrança as coisas que passaram
choro o que em vão busquei e me sustento
gastando o tempo em penas que ficaram.
E afogo os olhos (pouco afins ao pranto)
por amigos que a morte em treva esconde
e choro a dor de amar cerrada há tanto
e a visão que se foi e não responde.
E então me enlutam lutos já passados,
me falam de desventura e desventura,
Pago o que já paguei com usura.
Mas basta em ti pensar, amigo, e assim
Têm cura as perdas e as tristezas fim.”

Segundo Steiner, quando um  linguagem morre, morre também uma forma de olhar o mundo

Se estamos no fim da era dos livros, aprender de cor (em inglês By heart) é uma experiencia do coração. Um espetáculo que nos fala do contrato de memória

Um contrato que não se pode medir, não se pode contar, não se pode medir ou taxar. Um processo que transfere para cada um a responsabilidade de fixar o relevante e escapar ao efémero. Um ato subversivo que o poder não gosta porque não pode controlar.