Arquivo de etiquetas: Cultura

A evolução da relação Cultura e Desenvolvimento

As políticas culturais e a sua relação com a questão do desenvolvimento através do organismos internacionais

A UNESCO é o organismo das Nações Unidas que trabalha sobre as questões da cultura. O primeiro elemento de reflexão sobre as políticas culturais e o desenvolvimento surge em 1966 na  Declaração de Princípios sobre a Cooperação Cultural que no seu artigo primeiro reconhece   que cada cultura tem dignidade e valor que deve ser respeitado e preservado (a); cada povo tem o direito e o dever se desenvolver a sua cultura (b);  e que essa riqueza e diversidade, as suas inter influencias fazem com que toda as culturas façam para duma herança comum da humanidade. Trinta e cinco anos depois é aprovada a Convenção para a proteção e Promoção da Diversidade Cultural (2005) , que Portugal Retifica em 2007 e o Brasil em 2006 cujos objetivos são:

a) Proteger e promover a diversidade das expressões culturais;

b) Criar condições que permitam às culturas desenvolver-se e interagir livremente de forma mutuamente proveitosas,

c) Incentivar o diálogo entre culturas por forma a garantir intercâmbios culturais mais intensos e equilibrados no mundo, em prol do respeito intercultural e de uma cultura de paz;

d) Fomentar a interculturalidade a fim de desenvolver a interacção cultural, no intuito de construir pontes entre os povos;

e) Promover o respeito pela diversidade das expressões culturais e a consciencialização do seu valor a nível local, nacional e internacional;

f) Reafirmar a importância dos laços entre cultura e desenvolvimento para todos os países, em especial os países em vias de desenvolvimento, e apoiar as acções realizadas nos planos nacional e internacional para que se reconheça o verdadeiro valor de tais laços;

g) Reconhecer a natureza específica das actividades, bens e serviços culturais como portadores de identidades, valores e significados;

h) Reiterar o direito soberano dos Estados a conservar, adoptar e pôr em prática as políticas e medidas que considerarem adequadas à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais no seu território;

j) Reforçar a cooperação e a solidariedade internacionais num espírito de parceria, a fim de, nomeadamente, aumentar as capacidades dos países em vias de desenvolvimento no que se refere à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais.

Como podemos verificar no nosso sublinhado, a alínea f) reafirma a ligação entre a cultura e o desenvolvimento. E vai mais longe, preocupando-se em afirmar essa importância para os Países em vias de desenvolvimento, bem com a intenção de apoiar ações que promovam essa ligação.

Como veremos esta convenção culmina um longo caminho onde esta questão, a da sua consequente formulação duma política cultural,  ganhará relevância nos documentos da UNESCO, . Contudo, essa mesma relevância dada nos documentos da UNESCO não tem correspondência nos diversos documentos sobre o Desenvolvimento, nomeadamente nos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio.

A emergência e consolidação das Políticas Culturais

A Conferencia Intergovernamental de Veneza em 1970 produz o primeiro docomentos orientador das políticas culturais como instrumento de desenvolvimento. Trata-se duma recomendação da UNESCO sobre as políticas culturais a implementar
1970 na Conferência Intergovernamental sobre os Aspectos Institucionais, Administrativos e Financeiros surge como um primeiro documento orientador da recomendação para a criação de políticas culturais, com o objectivo de promover o desenvolvimento dos espaços territoriais nacionais.

Este movimento dá origem a diferentes reflexões e conferencias regionais . Por exemplo, em Helsínquia reúne-se da em em 1972 a “Conferencia Intergovernamental sobre Políticas Culturais Europeias” em 1973 em Yogyakarta , na Indonésia a “Conferência Intergovernamental sobre Políticas Culturais na Ásia” e em 1975 na “Conferencia Intergovernamental sobre Políticas Culturais em África que se reúne em Accra, no Ghana e que se concretiza com apoio da Organização da Unidade Africana (OUA) e que fica conhecida como Africacult- Accra 1975.

Este último encontro em Accra, no continente africano é considerado o momento em que os países menos avançados reivindicam a inclusão da dimensão da cultura como ato de  desenvolvimento. Com olhos na dominação colonial do continente e da sua recente condição de autonomia consideram que  “o desenvolvimento cultural não é somente o correctivo qualitativo do desenvolvimento senão a verdadeira finalidade do progresso (…) lembraram das dificuldades surgidas e os fracassos que trouxeram consigo um desenvolvimento orientado, até então, para o crescimento puramente quantitativo e material. (…) Uma aceitação mais geral do conceito de desenvolvimento socioeconómico integrado, que tenha as suas raízes profundas nos valores culturais...”

Trata-se dum momento inicial da justaposição entre cultura e desenvolvimento económico, em que o atraso deste deriva da situação de dominação colonial a que os povos europeus haviam sujeitado os africanos. considerava-se portanto que o desenvolvimento e libertação eram duas faces duma mesma moeda.

Esta recomendações terão profundas implicações na América Latina, sobretudo quando considera que é necessário um dialogo entre as comunidade urbanas e rurais, entre as minorias étnicas ou “comunidades naturais”. Esta questão vai colocar na agenda política latino-americana a questão dos “povos indígenas” e questionando os diferentes programas de desenvolvimento, reivindicando aquilo a que se chamará o “desenvolvimento integral”.

É certo que esta é em larga medida uma visão de cultura centrada nos aspectos mais antropológicos, étnicos e mesmo exóticos. Há ainda um ausência da dimensão da cidadania e da participação cultural com direito da comunidade. . A reflexão internacional e multilateral inicia um processo de diálogo com os diferentes países e regiões geopolíticas de raízes culturais. No entanto estas conferencias vão dar origem a diversas visões de cultura como componente do desenvolvimento

Em 1978 será em Bogotá, na Colômbia e Carcas na Venezuela  que se reunirá a “A Conferência Intergovernamental sobre as Políticas Culturais na América Latina e das Caraíbas“. No informe desta conferencia importa destacar a associação entre  a cultura com a melhoria das condições de vida e sua contribuição ao desenvolvimento integral como um tema a incorporar nas agendas das políticas de desenvolvimento para além das formulações clássicas. De um modo geral este documento desenvolve as proposta que surgiram em Accara em 1975.

A questão da ligação entre a cultura e o desenvolvimento torna-se complexa e polémica, suscita posições extremadas, que se vão polemizando nas conferencias seguintes. Em 1982 na “Conferência Mundial sobre políticas Culturais” que se raliza no Méxicochega-se a um acordo sobre o aprofundamento e enriquecimento dos conceitos para um debate que permita um avanço nas relações entre cultura e desenvolvimento. As conclusões deste encontro vão influencia profundamente o trabalho o trabalho da UNESCO nos anos seguintes, com base na convicção que só pode haver um desenvolvimento equilibrado dum determinado espaço se nesse projecto for incluída a dimensão cultural.

A conferencia do México dá também origem à proposta da UNESCO para CRIAR SA década Mundial para o Desenvolvimento Cultural. a primeira inicia-se em 1988 e terminará em 1997, nela se desenvolvendo vários trabalhos de relvância.

Durante esses primeiros dez anos a UNESCO promoveu a concretização de diversos trabalhos de investigação sobre a relação entre a cultura e o desenvolvimento. É uma década fértil na produção de diversos trabalhos sobre as relações entre cultura e desenvolvimento.

Em diferentes lugares do mundo foram realizadas sob o auspício da UNESCO diversos trabalhos de investigação, produziram-se documentos, publicações e sobretudo foram realizada inúmeras experiências em diferentes locais. Muito deste trabalho merecerá certamente uma reflexão mais aprofundada. Basta por exemplo olhar para o “Relatório Final da Comissão” para verificar que “todas as formas de desenvolvimento, incluindo o desenvolvimento humano, estão determinadas em última instância por fatores culturais”.

A Diversidade Criativa é estruturada a partir de uns princípios onde considera a dimensão cultural no desenvolvimento como uma forma de manter as “maneiras de viver juntos”, como uma variável para o crescimento económico e um maior bem-estar e propor um conjunto de acções concretas à comunidade internacional.

Os trabalhos da Comissão levaram a convocar a Conferência Intergovernamental sobre Políticas Culturais para o Desenvolvimento em Estocolmo que se concretiza em estocolmo, na Suécia em 1998.  Nesta conferencia destacam-se um conjunto de princípios fundamentais sobre a relação entre cultura e desenvolvimento sustentável e que “os fins do desenvolvimento humano é a prosperidade social e cultural do indivíduo

Ora o Plano de Acção elaborado nesta Conferencia dá um elevada relvância ás questões da criatividade e da inovação na criação do progresso num mundo global, constituindo a cultura um compromisso para criar condições para a paz mundial a partir da redução da pobreza.

Introduz ainda o princípio de respeito à liberdade cultural e as contribuições da cultura ao desenvolvimento; “a harmonia entre a cultura e o desenvolvimento, o respeito das identidades culturais, a tolerância pelas diferenças culturais em um marco de valores democráticos pluralistas, de equidade socioeconómica e de respeito à unidade territorial e pela soberania nacional, são alguns dos requisitos necessários para uma paz duradoura e justa”. No seu objectivo primeiro o Plano de acção recomenda aos Estados-Nações que adoptem medidas para “Fazer da política cultural um componente central da política de desenvolvimento”.

E com isto chegamos ao anos 2000 onde a Assembleia Geral das Nações Unidas, aprova a Declaração do Milénio e os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio que configuram o compromisso da comunidade internacional para a luta contra a pobreza e a fome. No entanto, malgrado o trabalho feito pela UNESCO, a cultura não surge associada a estes objetivos, muito embora diversos programas das Nações Unidas o passaem a ser, como por exemplo os diferentes programas do Banco Mundial, da UNICEF, da OMS entre outros.

De um modo geral todas as políticas internacionais e os organismos multilaterais para a cooperação e o desenvolvimento adoptam estas directrizes, onde a cultura está ausente.

 

Why Did Some Countries Advance While Others Remained in Poverty? III

The Role of Culture: Demography, Education, Gender

We’re making a differential diagnosis of why countries get stuck with their bad economic performance. We’ve looked at, how poverty traps can hold poor countries in a grasp preventing them from making the basic investments to move forward. We’ve looked at how physical geography, the presence or lack of fossil fuels. That the proximity to or distance to the coast.

431The nature of the climate system. Can shape economic development. Very often, people turn first to culture as the explanation, of why some places are ahead, and others behind. It’s often quite glib, because,rich people like to say, we’re rich because our culture is better, rather than to say, we’re rich because we have lots of energy resources, good coastal proximity, and a healthy climate. And rich people often like to blame poor people for their problems, say, well, they’re lazy, they’re not working very hard. And throughout history, places that were once poor and they became rich were known quote unquote as lazy places, during their period of poverty. And then once they became rich, their culture was used to explain their hard working ethos. So culture can be a bit of an optical illusion. A little bit to easy sometimes, as an attribution or a cause of a countries conditions. And we should remember that cultural phenomena, people’s beliefs and attitudes, their views towards appropriate roles in society. Change over time as well. SO culture isn’t a fixed monolit. I believe culture has a role, however, though not as big a role as sometimes thought. And we should focus on those atributtes of a societies values, its norms, Its attitudes. As ways that can be promotive or barriers to sustainable development. I want to focus on three. One is on demography and population. The second on education. And the third, regarding gender[1]. When we look at the population challenge, a good place to start is this world map of the fertility rate. The total fertility rate in a country, and you’ll recall Measures on average the number of children that a woman will have during her lifetime. It looks at the age-specific fertility rates for women in a society, and then says, if women age 20 to 25 on average have this many children, women age 25 to 30 have this many children, and so forth, Then on average over the course of a woman’s lifetime reproductive years, an average woman in this society would have this number of children. What the world map shows, is the tremendous variation in our world today in the total fertility rate. In many parts of the world, especially the high-income world today, fertility rates are below two.

432That means that each woman, on average, is having fewer than two children. It means, since half the children are boys and half the children are girls, On average, each woman is having less than one daughter. Or, if you say, 10 women, in total would be having fewer than 10 daughters. You can see that when fertility rates are below two. So, that, on average, each mother is not replacing herself in the next generation with a daughter. Statistically speaking that the population would tend to, be stable or declining. When the total fertility rate is above two, then the population would tend over the longer term to increase. So, if in high-income world on this map we see total fertility rates below two. We also see in some of the worlds poorest countries in notably in Africa and in parts of South Asia, total fertility rates above four and many rural areas in low income tropical Africa we have total fertility rates above six.

That is a pooe household would, on average, the woman would be having six or more children. This tremendously effects economic development because with very large populations of young children, poor families Have a very difficult time providing the basics for all of their children, maybe just the eldest son is able to go to school and the girls are married at a young age or working the fields about proper education and that means that in the next generation those young girls will grow up without the literacy and the skills that they need. To help their own lives their own children and the national economy to be productive. So countries that had made, a transition from high fertility rate to low fertility rates, have tended to have an advantage in economic development. Countries that have still today very high fertility rates tend to have much lower economic growth. To a certain extent, this is a matter of income itself. It’s not really a matter of culture. Poorer families, living on farms tend to have more kids. And have less access to family planning to contraception, the girls don’t have access to schools and don’t go to school and are married young and begin having children at a very young age, but to some extent at least fertility rates also reflect culture, lets look at one example of a society that move rapidly, From high fertility rates to much lower fertiliity rates.

433That’s China. They did that by and large through a government policy known as the One Child Policy. And while it’s been very controversial, notice the implications of this policy. What has happened, in a very short period of time. Family size has come down rapidly and parents have invested intensively in their one or sometimes two children. And so that within one generation, the levels of education, health, nutrition of Chinese young population has soared. This played an enormous role in China’s very rapid economic development. So some places by virture of culture, politics, of history, have still very high fertility rates. Other places have made a rapid transition. To lower fertility rates. And the record shows very clearly that those countries experience faster economic growth, better health for the children, and higher educational attainments. Over time this fertility rate shapes the population dynamics. Whether the population is rising or declining in overall size, and the age distribution of the population shown here by the age population pyramid so called, what these pyramids show, are the numbers of boys and girls or men and women at various ages,uh showing the age structure of the population If you look at Japan’s population, for example, in 1950 when fertility rates were still rather high, The number of children at the bottom of the pyramid was much larger than the number of their parents, and far larger than the number of the grandparents. By 2005, the shape of that pyramid had changed considerably.

Japan had reduced its fertility rates. Partly as a result of culture, partly as a result of economic development, partly as a result of public policy. And so now the number of children were actually fewer than the number of parents because the fertility rate had come down below two. And the whole age structure, therefore, wasn’t a broad pyramid with a big, big base of young children. But was now much more similar in numbers of population at all ages. By the middle of this century, because of the continuing low fertility rate, the population age structure will be an inverted pyramid. Few children, many more older people. And that’s how the transition occurs when fertility rates come down. Most of today’s very poor countries have that big base pyramid. Huge numbers of very young children to be supported. How are they going to be educated? How are they going to get the healthcare and the nutrition that they need? Only if today’s high fertility countries are able, through matters of public policy, cultural attitudes, and so forth to help reduce those fertility rates. And the best way is through the voluntary choices of, households who decide to reduce the number of children so that they can invest more per child and help raise healthy and better educated children, unless that happens, then the problems of the large numbers of children outnumbering their parents will continue to make very difficult the economic development of the poor countries. Another cultural phenomenon involved attitudes towards education. Some poor societies even in a state of great poverty, by tradition, by culture, focused a huge amount of effort and attention on literacy. Korea is one such country. Korea even when it was impoverished in the middle of the last century had a very high literacy rate, and there was always great attention in Korea’s modern history to broad based literacy. Well that’s a cultural attitude as well as a government policy. And it’s done very well for Korea since the middle of the century and the terrible Korean war that took place and devastated so much of Korea. In South Korea, we’ve seen some of the most successful economic development every attained, some of the fastest economic growth And with a rather widespread prosperity. A huge part of that has been facilitated by this continuing commitment to broad based, high quality education. And indeed this shows up in international test scores. What you’re looking at here are the rankings on International testing, in science and math. Where is Korea? Right at the top. It’s not the richest country in the world, but it is right at the top ranks number one or number two, definitely in almost every, test and cateogry, within the top few countries in educational performance. This reflects not only public investments in education, but it reflects parental support for their children, urging their children to excellence. It reflects a culture that has long strongly valued education, and thereby made it possible for Korea to become a world leader in technology. And one of the fastest growing countries in the world. A third cultural attitude, that deeply influences patterns of economic development, are attitudes towards women. Do women have rights? Are women participating in the labor force? Do women face massive discrimination? So, gender equality or inequality also has, political aspects, but culture plays a significant role. Once again, as with fertility and as with education, there are big differences around the world. In attitudes towards gender equality in attitudes towards women, even in the physical safety of women from violence. One can see the many, many ways that this influences economic development. There’s probably not a society in the world where women still do not face at least some discrimination. It took Tremendous political effort, social mobilization, and a lot of courage of women to break through this discrimination even in places today that we  view as close to gender equality if not fully there. But there are many parts of the world of course where women still face profound, profound barriers. To their economic participation, to their political particiiaption to hteir role in society. What are the consequences of that? A society that tries to run on half its brain power on half its human capabilities, block the role of women. In problem solving, in economic leadership, in a political role. A country that’s running on only half its human resources is bound to fall behind countries that are empowering all of their citizens, women and girls as well as men and boys. Countries where young girls may have one of two years of schooling, but then because lack of interest, lack of budget, lack of family attention and effort, are forced to drop out of school, marry young, start having children young, do not have the productivity to participate in a modern economy.

Face a tremendous amount of poverty and suffering themselves. And by dint of that are likely to be raising children in poverty as well. Now, this is an area where there have been huge changes, fortunately, in the right direction. Over the last 30 years but by no means uniformed. Look at this wonderful picture of the rowandan parliament, it may surprise you to know that rowanda’s parliament is not only more than half  omen, but has the highest porportion of women in it’s parliament in comparison with the rest of the world. And women’s participation in politics has soared in Rwanda and it is rising in other parts of the world, though still with the huge inequalities and still a tendency towards men dominating. Political power. In Rwanda you can see the wonderful benefits of this turn towards women’s empowerment.  and Rwanda has made astounding progress in reducing child mortality. It’s making big progress in improving education. Social conditions have improved dramatically. And while there are many factors that are contributing to Rwanda escaping the poverty trap, the role of women in the parliament in my opinion has played a significant role, Not only are, these women powerful role models for young girls in Rwanda, and I think Rwanda’s success. In light of this experience is a very powerful nessage for countries that are still lagging behind. Don’t try to develop with only half of your citizenry. Take the lesson that a country that is mobilizing all of its citizens, its girls, women, as well as its. Boys and men, is a country that’s going to have more success in the 21st century

[1]http://www.theguardian.com/global-development/ng-interactive/2014/feb/04/womens-rights-country-by-country-interactive

Reeinventar a europa: Uma nova narrativa para a Europa XII

No presente urge reinventar a Europa

  • Uma Europa do atlântico aos Urais, ou uma Europa em oposição à Rússia ?

europaatlaticourais

 

Jean Monet (1888-1976) um dos inspiradores da Integração Europeia, onde inspira o Plano Schuman (Robert Schuman – 1863- 1963), nome do ministro Francês que em 1950 inspira a Declalração da constituição da Comunidade do Carvão e do Aço.

General De Gaulle (1890-1970). Presidente Francês pretendia uma Europa do atlântico aos Urais, incluindo a parte europeia da Russia.

A Guerra Fria- (1945-1989) é o período  da História Europeia  entre o final a segunda guerra mundial e o colapso do Império soviético, que dividiu a europa em dois Blocos politica e economicamente antagónicos. A Europa Ocidental, democrática, com uma economia de mercado, que desenvolve uma progressiva integração no âmbito da Comunidade Económica Europeia, primeiro, União Europeia depois. A Europa de leste, de economia centralizada e planificada, sobre o predomínio do partido único.

MAPA GUERRA FRIA

Em 1989 da-se a reunificação da Alemanha, e o fim da cortina de ferro que dividia a Europa. Progressivamente, aproveitando o colapso do Império Soviético, a Europa foi progressivamente integrando os países do leste europeu.

A Europa na globalização integra hoje um  mundo multipolar e tem vários desafios como por exemplo a emergência do Pacífico como centralidade, a fronteira a Sul e a desafio a Leste.

nova-divisao-mundial

 

O paradoxo da memória e o impasse do projeto antropológico

Num artigo anterior abordamos a questão dos “Abusos da Memória: Reflexões sobre o Boom da memória na antropologia” de David Berliner da Universidade de Harvard, um texto publicado  em 2005, na Antropolgy Quartely.

Neste artigo o autor toma de empréstimo uma parte do título do estruturalista Tzvetan Todorov, que escreveu em ( 19__) O Uso e abuso da memória. O tema do abuso também é colocado por Andreas Huyssen em Globalizing Critical Theory , que no capítulo 9 trata da questão “Resistência à memória: Usos e Abusos do Esquecimento Público .

O autor, David Berliner, traça resumidamente o quadro de evolução do conceito nas humanidades. Da sociologia, aos textos da História, de Nora e Connerton. A questão do processo cognitivo que a memória implica, ao nível pessoal e a sua relativa imprecisão ao nível coletivo. Acabando por abordar a questão dos impasses deste conceito que, quando usado num processo de investigação, é praticamente semelhante às conclusões que usam os conceitos de identidade social e cultura.

No trabalho que apresenta, Berliner procura demonstrar que o uso do conceito de memória social pela antropologia pode conduzir os trabalhos a uma confusão com o conceito de cultura.  Procura argumentar que o processo de extensão do conceito o conduziu a um beco que demonstra os limites do projeto antropológico. Um “emaranhamento” desnecessário que neste trabalho procura encontrar alguns desafios epistemológicos.

Começa por notar que o termo memória foi marginal até à bem pouco tempo. Depois de ter sido dado como praticamente extinto nas abordagens das ciências sociais, nos anos 80 do seculo XX, deu-se  um boom. A marca é o trabalho de Pierre Nora, quando, para as comemorações do bi-centenário da revolução francesas, escreve os “Lugares de Memória

Esse livro deu origem ao mnétrofismo, um neologismo proposto por Joel Candau em “A Antropologia da memória definida como a incapacidade contemporânea de lidar com a perda. Segundo este autor a transmissão da memória nas sociedades ocidentais é menor do que noutras culturas, mas no entanto, nestas sociedades modernas do ocidente, ela produz uma angustia da perda, que se transforma numa obsessão.  Invadia pela presença profusa de imagens, informações e vestígios, que alimenta uma “Industria da Memória” a mercantilização (feitichismo) dessa memória produz uma névoa de referencias (data smog) que se carateriza por um excesso de oferta de informação.

O estudo da memória social nas diversas academias levou à descontrução dos textos históricos, à constante re-interpretação dos estudos do e sobre o passado, ao confronto com as narrativas esquecidas ou dominadas, à consciência da hegemonia na produção dos discursos. Jam Assmam e o pos-modernisnmo na escola alemã da linguagem serão responsáveis por estas novas abordagens.

A uma consciência da necessidade do questionamento da totalidade do passado e á problematização da presença dos fragmentos. Mais, essa consciência da vivência da memória como ato do presenta, introduz nos estudos sobre a memória a problemática da ação. A memória acaba por ser mais definida pela sua subjetividade o que leva à crítica história a colocar a questão da confiança e adequação das fontes da memória.

Estudos que conduzem à critica sobre os problemas da resistência e das fontes de História Oral, na sequencia dos trabalhos de Thompson.  A crítica a estes trabalhos reconhece que a memória acaba por ser confundida com “todos os traços do passado que se encontram no presente” não se trata, nem de uma percepção, nem duma lembrança. A memória deixa de ser um conjunto de representações e experiências que são partilhadas por todos, mas sim como os últimos traços do passado no presente. Esses traços são abordados, obsessivamente, como os elementos a preservar do passado e a transmitir para as gerações futuras.

O estudo da memória social não é o trabalho sobre estes fragmentos do passado nem sua a acumulação para reproduzir eese passado no presente. O trabalho sobre a memória social é uma produção de atos que nos fazem ter consciência da experiência que foi acumulada para nos mobilizar no presente. Como escreve Nora A memória social são os traços do passado que permanecem vivos na vida social dos grupos, ou o que é que os grupos fazem com esse passado. São esses traços do passado que nos fazem agir e constituem eles próprios formas de ação.

Contudo, esses traços não são o passado em si. Não contem em si a totalidade dos traços desse passado que o permitam reconstruir. Esta questão coloca os estudos sobre a memória social entre o campo da história (o estudo do passado) e a antropologia (o estudo das comunidades no presente). Uma multidimensionalidade que permite ao conceito de memória social viajar ao longo de vários lugares de observação e de ser usada por diferentes processos metodológicos.

Procurando concluir a síntese sobre os usos da memória social, recorre ao trabalho de Jacob Climo e Maria Catell ” Social memory and History: antropological prespectives” que ao procurar responder à questão de como a cultura se reproduz em contexto social e que elementos do dia a dia (eventos, valores, crenças, técnicas, estratégias) são seleccionados e transmitidos, conclui que “memória social corresponde às percepções, atitudes, comportamentos, valores e instituições que são comuns, coletivas”. Uma definição que torna praticamente impossível definir as fronteiras do conceito. O que é que é memória e o que não é memória ?. Se é partilhado por todos, tem que estar presente no universo, ou a partir de quantas pertenças pode ser considerado memória social. E como se distingue memória, sendo que a memória também são os traços do passado que se projetam no presente, de processo cultural. Esta identificação é um dos importantes limites do uso do conceito.

As abordagens pós-modernistas da memória social, constituíram um importante contribuição para o questionamento das suas metodologias. A reeinvenção da antropologia nos anos setenta, passou em larga medida por incluir novas áreas de estudos sobre as identidades culturais, sobre as tradições orais e as narrativas biográficas. A questão da memória social introduz o questionamento sobre os processos de reprodução e transformação das comunidades.

Por exemplo, alguns trabalhos pioneiros sobre a memória social, sobre os bardos revelou que os aspetos rituais não são tão uniformes e fixos como até aí se suspeitavam.Descobrem que a ritualidade performativa, embora atuando sobre um “libreto de base, vai produzindo novas abordagens, acabando por conduzir a formas performativas diferenciadas. Os mitos e as suas metamorfoses constituema essencia da transmissão cultural. Também Roger Bastid, nos seus trabalhos sobre as heranças africanas no Brasil, usa o conceito de memória social para trabalhar os fenómenos de sincretismos  religiosos. São autores que revelam a plasticidade do passado como uma forma de agir no presente.

Os impasses da antropologia

A memória social não constitui uma essência da antroplogia. não constitui a preocupação sobre as forma como as permanências e as continuidades caracterizam as comunidade um foco do trabalho antropológico. não constituirá a antroplogia da memória uma antropologia do conhecimento interroga-se o autor, mobilizando Vicent Caprazano em Imaginative Horizons. A continuidade, a permanência e a transformação.

Afinal, interroga-se Berliner, o que éque há de esencialmente novo nos estudos sobre a memória social. para alguns, memória coletiva cobre aspetos que antigamente se chamava os estudos sobre mitologia (Gedi & Elam) ou aborda questões como Natureza, cultura e linguagem” (Klein).

A proposta do outros, sobre qual a utilidade do conceito de memória social nos estudos de antropologia, é o entendimento que les permitem sobre as continuidade. para além de propor uma fusão  entre o conceito de cultura e memória social, esse conceito é útil para entender a continuidade e persistência das emoções, das praticas e das representações das instituições, que constituem um campo essencial do trabalho da antropologia.

A questão do esquecimento contudo não é abordado nos processos de construção de identidades. Deborah Bataglia levanta a questão da relevância do esquecimento na sociedade. A presitencia da não-presença é tão relevante como a presença. Assim como há lembranças, há elementos, que não sendo nomeados, são presentes através da sua ausência.

Esta oposição entre memória e não memória, escapa ao set antroplógico. A análise das praticas de rememoração institucionalizada torna possível olhar para as continuidades da vida social, das formas de vida social preservadas, mas deixa de fora o que está esquecido. De alguma forma a análise da memória social olha para a continuidade e permanência, mas não alcança a transformação. O que é retido é apenas um dos ingredientes do que se transforma. O que existe serve também para mostrar o que não existe. O que sendo conhecido, quer ficar esquecido. Essa abordagem não permite trabalhar com o problema da inovação. não permite vislumbrar o que estando em transformação se vai constituir como novo, como é que a continuidade se transforma.

A critica da antropologia da memória

E questão da semelhança entre o conceito de memória social, identidade social,e cultura acabou por remeter os estudos da memória para o campo do senso comum. A noção de memória social acaba por ser desvalorizado como conceito operativo e torna-se pouco claro.

O autor defende a necessidade de ultrapassar esta estado e aproveitar o legado que ele permite. Segundo Berliner, ele foi útil para entender o processo de transformação cultural. com efeito o conceito de memória social permite entender que ela se constitui a partir do encontro dos diferentes membros duma comunidade entre si e com o passado. Este encontro entre o tempo cronológico e o tempo social (entre o kronos e o kairos ) é essencial na construção do novo e nos ajustamentos aos problemas sentidos e vividos por essa comunidade. Muda o que necessita de ser ajustado.

A persistência do passado é tão necessária como o processo do encontro onde esse passado é convocado, não na sua totalidade mas como lembranças e como esquecimento. memória social torna-se assim num conceito com uma maior amplitude para estudar os processos de conservação e transformação.

Essa abordagem permite ultrapassar a crítica de que tudo é memória e que no limite, a própria sociedade é constituída pela memória social. ou de que a cultura é também memória, ou que a recolação é memória, ou que reprodução cultural é a passagem da memória.

todas estas abordagens deixam de lado a questão essencial de tentar compreender porque é que as pessoas se lembram e esquecem o seu passado.

O autor defende que é necessária à antropologia uma visão da mais madura da noção de memória social, que a proteja do abuso do seu uso na esfera pública e a recoloque no caminho defendido por Paul Ricoeur de criar uma memória justa.

Sobre a questão da memoria e esquecimento de Paul Ricouer já escrevemos na RevistaHerancas_Globais_Memorias_Locais_no_1