Arquivo de etiquetas: Agressividade

Agressão : Uma história Natural do Mal e a museologia

historiadomal

 

De Konrad Lorenz este livrinho com o título “A Agressão: uma história natural do mal”, publicado em 2001 pela editora Relógio de Água, traduz o trabalho de 1963 com o título em alemão  “Das sogenannte Böse. Zur Naturgeschichte der Agression2 dois anos depois com o título em inglês “On Aggression (1966).

Konrad Zacharias Lorenz, seu nome completo nasceu em Viena em 1903 , falecendo em 1989. Foi Prémio Nobel da Medicina em 1973, com os seus trabalhos sobre o comportamento animal. É considerado o fundador da etologia, a ciência que descreve o comportamento animal . Nos seus trabalhos sobre os comportamentos dos gansos, efetuados nos anos trinta propôs o conceito de “imprinting”no comportamento animal. Segundo Lorenz, os animais adquirem por “cunhagem” características comportamentais , que resultam da evolução biológica na relação da espécie com o ambiente.

gansos

Essa questão procura explicar a agressividade nos seres humanos. Segundo Lorenz a agressividade nos humanos é inata, desenvolvendo-se como uma pulsão que permite experiências limite nos indivíduos. Experiências da agressividade constituem essas experiências que colocam os seres a enfrentar o risco de morte. Nos seres humanos essa agressividade é um instinto que resulta da sua evolução.

Ao abordar a agressividade como um instinto abre caminho á resolução da questão da resolução da agressividade nas sociedade humanas. Como vimos noutro artigo Lorenz classifica 4 tipos de ordens sociais: a multidão anónima, (as grandes manadas, onde os indivíduos não se conhecem pessoalmente nem estabelecem laços de solidariedade), a vida familiar ( simbolizados pelas colónias de aves onde a sobrevivência depende da alimentação e do território a defender), a das super famílias (simbolicamente representadas pelos rato, onde o reconhecimento não é individual mas tribal, protegendo os membros da sua “tribu” e sendo agressivos com os exteriores”, e o quarto tipo as sociedade ( simbolicamente representada pela análise dos gansos). Este última é, segundo Lorenz semelhante á sociedade humana.

A proposta de Lorenz neste livro sobre a  agressividade é que a sua função, nas sociedade humanas, é por vezes um instinto mas treinado. Segundo Lorenz alguns individuos da espécie humana são incapazes de se entender como elementos dum todo na sua relação com a natureza. Esse individuos rejeitam a causalidade, em contradição com o livre-arbítrio. são indivíduos que assumem uma arrogância espiritual, A partir dessa observação, o etologista propõe um conjunto de medidas para trabalhar a “agressividade no ser humano”:

Esses conselhos são:

  • O conhecer-se a si mesmo, Através do conhecimento de si e do treino do instinto da agressividade, é possível enfrentar as “pulsões” biológicas.
  • O segundo conselho é a pratica da “sublimação”: é necessário olhar para este termo com os olhos do cientista, nesta caso para compreender a metáfora. A sublimação é a mudança do estado sólido para o estado gasoso, sem passar pelo estado líquido.  O ponto de sublimação, assim como o ponto de ebulição e o ponto de fusão, é definido como o ponto no qual a pressão de vapor do sólido se iguala a pressão aplicada. No sentido matafórico que o autor procura descrever, corresponde esta “sublimação” à ideia de “Catarse” uma catarse de integração com o mundo e com os outros,
  • O segundo conselho, a amizade ou o reconhecimento dos outros. Olhar os outros é uma forma de capturar as diferenças. Através da diferença alcança-se também um reconhecimento de si,
  • a quarta e última medida, é a de encorajar o “entusiasmo militante da juventude”. Facilitar as trocas entre os membros jovens da comunidade, encoraja-los a engajarem-se em questões socialmente releventes, com valore fortes, seria, segundo Lorenz uma forma de facilitar o encontro e a espontaneidade;

Há ainda um conjunto de recomendações que Lorenz faz, sobre o que não deve ser feito. Procurar soluções morais (controlar a agressão através de barreiras), evitar o encontro dos membros da espécie, que inibe a espontaneidade. Outra conselho é evitar a eugenização. Conclui Lorenz que a agressividade é uma componente intuitiva do comportamento humano, que ele é essencial na construção das amizades, na construção da regulação e no conhecimento dos limites do indivíduo. A solução para a agressividade é reorienta-la para um objeto de substituição.

A Questão do Mal em Museologia

Posto isto, e tendo em atenção a questão de como é que se musealizam as emoções facilmente se entende a nossa proposta de que que a museologia de constitua como um local de encontro. A formação da museologia trabalha sobre a construção de inovação social como um encontro: um encontro de cada um consigo, com os outros, mediado por objetos socialmente significativos, que se concretizam em determinados espaços para construir ação.