Jornadas de Museologia e Comunidade em Monte Redondo

Deixe um comentário

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Museu da República no Rio de Janeiro

republicado a partir do Jornal do Brasil

Museu sob nova direção

Mario Chagas enfatiza ações em torno dos frequentadores na gestão recém-iniciada

MÔNICA RIANI,monica.riani@jb.com.br

De hoje a domingo, acontece a 16ª Semana Nacional de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), que prevê a realização de três mil atividades nas 1.130 instituições do Brasil. O Museu da República se integra ao calendário com novo diretor. Recém-empossado e aprovado por concurso, o museólogo e poeta Mario Chagas, carioca de 61 anos, especialista em Museografia e técnico em assuntos culturais, substitui Magaly Cabral, que pediu exoneração em julho e deixou o cargo em março, Chagas também está à frente do Museu do Palácio Rio Negro, em Petrópolis.

A nova gestão, que se estende até 2021, promete uma sensível mudança na rotina e na programação do Museu da República e de seus jardins, que formam um dos principais equipamentos culturais da cidade. No parque de 32 mil metros quadrados, famílias, idosos e jovens – a maioria, residente nos bairro e nas regiões próximas – nutrem uma relação única de pertencimento, seja pela área verde ou pelas atrações culturais oferecidas no cinema, na Galeria do Lago, de arte contemporânea, sem se esquecerem do patrimônio do Palácio do Catete, guardião da história republicana, que foi sede de 1897 a 1960 do Poder Executivo. Para se ter uma ideia, só nos finais de semana, 4 mil pessoas visitam o lugar.

A seresta de Zogahib, que segura o tantã com o adesivo do Flamengo, será objeto de estudo de Chagas

Nesta nova gestão, Chagas pretende conjugar a tudo isso a implantação do primeiro Centro de Museologia Social do Brasil, uma das principais ações de sua agenda, que prevê ainda debates, exposições e seminários sobre os 30 anos da Constituição Cidadã (1998-2018), entre outros projetos. Pouco conhecida ainda, a prática da Museologia Social se vincula aos direitos humanos e à cidadania , em sintonia com os movimentos sociais. A expressão surgiu pela primeira vez em 1993, em Portugal.

“De lá para cá, nos apropriamos deste pensamento no Brasil e temos aqui características peculiares. É que no país temos terreno fértil para implantar práticas concretas e experiências efetivas que vêm chamando a atenção até fora do país”, explica o diretor, que é referência no assunto aqui e no exterior. Participou da criação do Museu da Maré, do Museu Vivo de São Bento, em Duque de Caxias, e do Museu de Favela (que abrange Pavão-Pavãozinho e Cantagalo), e é presidente do Movimento Internacional para uma Nova Museologia (Minom), organização afiliada ao Conselho Internacional de Museus.

‘É permitido pisar na grama’ Entender o museu vinculado a direitos humanos e cidadania pode começar por pequenas mudanças. Como pisar na grama, o que Mario Chagas queria que acontecesse, mesmo antes de tomar posse. Hoje, ele diz se sentir prazerosamente um “fiscal do jardim”. Os visitantes estão autorizados a usufruir da área verde 100%. “Queria muito ver isso acontecendo, a utilização da grama é de uma beleza extraordinária!”, comemora.

Habituado a caminhadas pelas aleias, o diretor encontra por ali os organizadores de uma das oito rodas de seresta, que são realizadas à tarde e à noite, de terça a domingo. Elas foram se formando ao longo dos últimos 25 anos, desde que o mineiro de Manhumirim Rivaldo Figueiredo, vulgo ‘seu Vivi’, chegou com o cavaquinho e foi ficando ali na entrada, perto do portão da Rua Silveira Martins.

Começou a reunir gente e os mais velhos se tornaram seguidores. “Ele era caseiro numa clínica de cirurgia plástica em Botafogo e músico autodidata. Chorei de alegria quando encontrei este grupo. Depois que ele foi demitido ficou sem ter onde morar e, por sete anos, nos reunimos para pagar seu aluguel”, lembra Helen Souza, saudosa do amigo. “Aqui é o quintal da nossa casa”, emenda. Frequentada sobretudo por idosos, a roda de serestas é mais do que um ponto de encontro, serve de instrumento de socialização e bem-estar.

“As rodas de música significam muito. Serão objeto de um levantamento etnográfico, estudo que vai apontar informações sobre os moradores da região”, adianta Chagas, que, num domingo de maio, circulava pelos jardins para cumprimentar os frequentadores da seresta na aleia próxima ao coreto. Apresentou-se e conversou sobre os passos que pretende seguir na direção do museu.

No que o analista de sistemas aposentado Gilmar Santana, com tantã no colo, entrou na conversa de bate-pronto. “Temos acervo de fotografias e vídeos que podem ajudá-lo”, disse, antes de agradecer a atenção. Morador da Rua Pedro Américo, Gilmar descobriu a seresta em 1995. Ali curou a depressão pela morte da mulher. “O que fazemos aqui é terapêutico e social”. O aposentado e deficiente visual Waldir Domingues Lopes, 68 anos, concorda. Sempre que visita a mãe, que mora na Rua Barão de Guaratiba, passa para bater ponto ali. “Aqui nos sentimos incluídos”, garante.

Mãe do poeta Eucanaã Ferraz, a pintora pernambucana Lourdes Ferraz, de 79 anos, é uma das organizadoras de outra das serestas, a de terça-feira. Além de cantar e dançar, está sempre com um sorriso estampado no rosto. “Morava na Tijuca e me mudei para a Rua Buarque de Macedo. Passando um dia, por acaso, uma moça me informou da música. Nunca mais deixei de vir, aqui encontrei amigos e o Eucanaã vem às vezes”.

O economista Miguel Zogahib organiza a seresta das quartas. “Acho um dos melhores lugares da cidade. É um local seguro, tem oxigênio de sobra e a reunião daqui é como se fosse de uma grande família”, avalia Zogahib, morador da Rua Corrêa Dutra. Cinema se recusa a exibir blockbuster Além das serestas, outro ponto que atrai o público nos jardins é o Cine Museu, sala de 75 lugares que apresenta filmes de arte para uma plateia fiel, sobretudo a feminina e acima dos 45 anos. A concessão está desde 2014 com Adil Tiscati e Fernanda Oliveira, que fundaram o Grupo Casal (também são donos do Cine Santa, Cine Candido Mendes, Cine Carioca Nova Brasília e Cine Casal, ex-Barra Point).

“Morador de Santa Teresa, eu não conhecia os jardins do museu. Hoje, costumo brincar que ali é o Central Park do Catete, porque é um jardim extremamente acolhedor para todo tipo de público”, comenta Adil. Em seu cinema, “Star Wars” não entra em cartaz: “É impressionante o nível de exigência e é a maior frequência entre as salas que administramos. São senhoras idosas, viúvas, que preferem dramas e filmes sobre relações humanas, gente que quer uma excelente fotografia, por exemplo. O filme da Juliete Binoche (‘Deixe a luz do sol entrar’), que foi considerado ‘discussão de relação’, a popular ‘DR’ na maior parte do circuito, no cinema do museu foi visto como obra-prima”, destaca.

Como direcionou Adil, há funcionários das empresas ao redor que circulam pelo jardim no horário do almoço, mães que levam os filhos pequenos para tomar sol ou para recreação nos brinquedos próximos à entrada do portão da Praia do Flamengo, turistas que aproveitam para tirar fotos, entre outros. Enfim, o museu está sempre de braços abertos para seus visitantes. E Chagas quer mais, sobretudo investindo no que a sua equipe pode oferecer. “Ela é formada por nove doutores e oito mestres. Temos potencial para avançar muito e em vários aspectos”, assegura. Ao longo de seu plano de trabalho, apresentado ao se candidatar à vaga, ele se reportou à fundação do museu, em 1960.

“A tentativa de definir o Museu da República só como ‘museu histórico’ corresponde a uma pulsão de asfixia, ou a um desejo de fixar âncoras em rasa zona de conforto”. Na prática, prega a descolonização dos museus. Quer que passem de necrófilos, ode a obras mortas, para biófilos, lugar de vida.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

MINOM – DEBATE – 26 maio Sobre o Museu da Interculturalidade

A Direção do MINOM Portugal, face ao debate que se tem realizado nas redes sociais, sobre a proposta do novo Museu da Interculturalidade em Lisboa, vem propor um debate no próximo dia 26 de Maio (Sabado), no Museu de História Natural.

Trata-se duma feliz iniciativa, que certamente permitirá os participante um dialogo aberto sobre esta relevante questão.

Transcrevo a carta convite:

Caras amigas MINOMIANAS e caros amigos MINOMIANOS

Perante o aceso debate nacional em torno da criação do futuro Museu da Interculturalidade/  Descobertas / Descobrimentos/ Viagem / do Mundo…, e considerando que o MINOM deve contribuir para esta reflexão e marcar a posição do Movimento, está marcado um Encontro Debate para o dia 26 de maio (sábado), no Museu Nacional de História Natural e da Ciência a partir das 15:00 horas.
Para uma panorâmica geral das ideias que estão a circular, envio um documento onde reuni alguns artigos de opinião que sairam na imprensa e no facebook nas últimas semanas.
Caso tenham mais documentos por favor partilhem.
Saudações museológicas
A coordenação
Aida Rechena
César Lopes
Fernando João Moreira”
O documento base para a discussão é a proposta da Professora Matilde de Sousa Franco, publicado no jornal “Observador” de  de 24 de Março de 2018 com o título “Museu da Interculturalidade e não Museu das Descobertas” .
Ao longo dos dois últimos meses tem vindo a públicos vários textos em outros jornais, que tem dado conta do debate sobre a questão.
Veja- se por exemplo o artigo no expresso .

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação de Enrique Dussel

Vai para alguns meses que tratamos as infliencias da Filosofia da Libertação. Agora chamamos a atenção para o artifo “Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação ” do  professor Enrique Dussel é professor Professor da Universidad Autónoma Metropolitana-Iztapalapa (UAM-Iz- -México) e da Universidad Nacional Autónoma de Mexico (Unam).

Ao reconhecer uma nova localização das culturas periféricas na história mundial, bem como partindo de uma concepção não monolítica e não substancialista de cultura, este artigo localiza, por um lado, a Europa na história mundial e propõe, por outro, um diálogo intercultural simétrico entre críticos das culturas ditas periféricas. Essas culturas periféricas foram colonizadas, excluídas, desprezadas, negadas e ignoradas pela Modernidade eurocentrada, porém, não foram eliminadas. O desafio que se coloca é o de estabelecer um diálogo transmoderno e simétrico entre essas culturas – tratadas como exterioridades da Modernidade – a fim de responder de outros lugares os desafios da Modernidade e pós-modernidade europeia.”

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

A Declaração do Funchal e os amigos dos Museus

Numa tradução pouco feliz  do Inglês “Museus : Lugares Sociais Emblemáticos” (Museums: Social Landmarks), a Declaração do Funchal aqui disponibilizada no passado dia 3 pelo ICOM Europa, tem sido aqui referida várias vezes.

Compartilho muitas delas, embora me parece que a declaração apresenta várias confusões entre a globalização e a Europa.  para simplificar, tem por vezes, uma visão sobre os museus eurocêntrica.

Sem menosprezar o contributo que se procura dar ( os seis pontos declarativos: mais financiamento para os museus; uma avaliação mais rigorosa das externalidades geradas pelos museus nas comunidades; a necessidade duma educação patrimonial ; a necessidade de melhorar os níveis de participação das comunidade; uma maior atenção à inclusão social; e novas política públicas para os museus com melhor uso dos serviços, recursos e e das novas tecnologias), há um conjunto de questões que vale a pena ter em atenção nesta declaração.

  1. Em primeiro lugar, as dinâmicas de criação de novos museus êm sido registadas fora da Europa. Há cabeça a China e o mundo Chinês, que como se viu no encontro de Pequim está com uma grande vitalidade.  E também necessário nãs esquecer o caso americano, sobretudo a sul, e a crescente afirmação dos museus africanos, embora esta última muito tímida.
  2. A questão tem interesse se fizermos um exercício de pensarmos, por exemplo, no caso de Portugal , onde é que estão os museus criados nos últimos 10 anos que tenham estas dinâmicas. Terá o Museu dos Coches e o MAT essas valências. Terão sido implementadas na rede de museus. No que sei, e com os limites que tenho, o museu não é em Portugal um fenómeno social dinâmico.
  3. A crise económica sentida, foi sobretudo uma crise económica europeia. Se quisermos ser mais rigorosos uma crise das economias periféricas da Europa. Isso justifica o marasmo onde caíram os museus da regiões em crise e a dinâmicas dos museus em espaços geo-económicos em crescimento.

Ora numa relação muito sumária destas questões, se associarmos dinâmica museal à dinâmica económica, projetada que está a estagnação da Europa, não será de prever que o investimento público nos museus (e na cultura) não deverá ser mutio superior ao que já é.

O que nos deixa a todos na condição de fazer mais e melhor com os mesmos recursos ou com  a capacidade de ir buscar mais recursos.

Eu não sei se isso implica um novo paradigma na relação entre os museus e património com defende o Pedro Cardoso Pereira (na sua mensagem 18698). Mas obriga-nos certamente a procurar novos “Social Landmarks” para os museus, ou “referencias sociais” para os museus.  Referencias socais que implicam certamente discutir as questões do poder e da diversidade na sociedade.

Ou seja, esta declaração, sendo uma intenção de futuro para os museus, transporta os dilemas do tempo contemporâneo.

Mas, e isto é o mais relevante e interessante nesta declaração é que ela é assinada pelo ICOM Europe e  pela Federação Mundial dos Amigos dos Museus. Uma questão a que voltaremos em breve.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

A manifesto to rethink the function of the museum

The principles of a museology that really represents colective memory must meet participatory processes.

The function of museums must incorporate education and develop empowerment of local people who are also part of local heritage.

A museum must open itself to dialogue in order to preserve, transform and communicate values related to the life of local population; the museum provides the communication tools (and even technology) that promote access and possibility of community participation.

The apolitical museum does not exist. The neutral museum does not exist. The museum is part of a time and a space and is the fruit of interpersonal relationships.

All narratives, whether exhibitions or other activities, are products of “a cut.”, a choice. Therefore, it is not inert matter, the museum is organic, rhizomatic, alive.

But today the museum experiences are free, they allow the experiences rewriting.

Museums question themselves, and they are included in the dilemmas of the present time.

Because the museum belongs to all that finally inhabit a city, a village, a neighborhood, a street, a country, the world!

The museum should be the a place where people find something of their history, but it is above all the place where people meet theirs and their own stories and histories, in revelations of identity in a place of discovery.

A renewed museology, engaged, full of people and life(s), is possible, every day, in new cases that proliferate, resilient, sometimes in local museums that wish to other stories, with other protagonists, those who have never been told, where there are endless people. And who cares to tell his version of reality, his look.

Often from the perspective of those who have been on the margins of the great decisions of power. The history of these people is the history of life of all the dawns and dusk that witness the history of places.

Museums with social intervention are needed to reject the field of neutrality and the social ambivalence: museums of all people and for the whole people, without fear of participating, with no prejudice.

New museums are accurate, new museums have no walls, the renewed museum is mixed with local issues and with global themes.

The genesis of the museums is partial, segmental. It tells an hegemonic and elitist narrative. We could, perhaps, retell the history of museums to their provenance of collection, private offices and curiosity cabinets, apanagio of certain privileged, rich, eccentric individuals; cabinets that are later blossomed into museums with official, national and imperial discourses, used as symbols, as brands of power and reaffirmation of values of power.

The museums we want they are multivocal, unlimited or at least with borders which are so wide and diffuse that they cannot be monitored: museums of freedom and action.

As a living element, the museum must react and become involved in the themes of the world and also in lives of people who are part of that museum, of that place. Just as it should represent the symbols and objects that have historical and affective value to the community.

New museums are desired; new museums aware of themselves that dare to idealize futures, to imagine scenarios, to think a new society. We need museums of conflict, dissent museums are desired.

So the discussion is not only about concepts to use or not be used. The discussion should address debate about the role and function of museums in the society. We don’t want to be out of this discussion. That’s why we are proposing this point of view, maybe a breaking point.

As alunas e alunos de Sociomuseologia da Universidade Lusófona

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Community Performance Lab

Seminário internacional I de 26 a 29 de Abril I 14h30- 19h
Filme+conversa “Utopia Teatral” I 26 de Abril I 21h
Rodas de Conversa, Redes de Intercâmbio I 28 e 29 de Abril I 10h-13h
Seminário internacional
​Territorialidade, dramaturgia e ocupação do espaço público no teatro comunitário

Por Agustina Ruiz Barrea e Esteban Ruiz Barrea – directores do grupo de Teatro Comunitario Los Pompapetriyasos 
26 a 29 de Abril/ Das 14h30 às 19h ( total de 18 horas) 

INSCRIÇÕES ABERTAS no formulário no fundo da página

Público-alvo: dirigido a estudantes e profissionais do teatro, da dança, da musica, da psicologia, antropologia, educação e sociologia. 
Custo: 85€

O teatro comunitário argentino também chamado teatro de vizinhos, surgiu com o objectivo de promover a participação e o envolvimento da população e parte da ideia de que a arte é um direito essencial dos cidadãos e que como tal deve estar ao seu alcance.
O grupo de teatro comunitário Los Pompapetriyasos surgiu de um grupo de vizinhos do bairro de Parque Patrícios e há 15 anos que desenvolve o seu trabalho com o objectivo de multiplicar a participação e envolvimentos dos vizinhos, fomentado a consolidação de um sentido comunitário e contribuindo para a recuperação e a revalorização do espaço público. 

Esta formação terá como ponto de partida as ferramentas e especificidades do processo artístico colectivo e do trabalho pedagógico com a comunidade. Com o objectivo de criar um espaço de partilha e sistematização de experiências e destinado aqueles que queiram replicar a experiência da configuração do teatro comunitário, serão abordados os seguintes pontos: 
1- Estratégias relativas ao desenvolvimento do processo criativo colectivo.
2- A especificidade da dramaturgia e da composição musical no teatro comunitário.
3- Questões relativas à encenação e da direção musical em espaços abertos.
4- Territorialidade e ocupação do espaço público
5- Questões relacionadas com a organização e gestão dos grupos de teatro comunitário bem como os diferentes contextos locais que os originam. 

“Creemos necesario crear puentes entre Buenos Aires y Lisboa para hacer posible que nuestra práctica artística comunitaria, surgida del contexto cultural y político latinoamericano, se multiplique, se transforme y crezca en el encuentro y a su vez resulte inspiradora para construir nuevas experiencias en otros contextos sociopolíticos.” 

Sobre os formadores 

​Agustina Ruiz Barrea
Trabalha desde 1998 como encenadora de teatro comunitário e teatro convencional. É coordenadora pedagógica e encenadora do grupo de teatro comunitário Los Pompapetriyasos. É professora titular do curso de formação de actores da Andamio 90 desde 2008. Dirigiu seminarios de Teatro Comunitario e encenação em espaços públicos na UNC e UNA. Colabora como docente e supervisora por convénio com a Universidade de UTRECHT (Holanda) desde 2011. 

Esteban Ruiz Barrea
É compositor da música de espectáculos de teatro convencional e teatro comunitário. É coordenador pedagógico e director musical do grupo de teatro comunitário Los Pompapetriyasos. Há 15 anos que trabalha como professor de música no Colégio Nacional Carlos Pellegrini e tem realizado varias formações para a capacitação da direção musical de grupos de teatro comunitário. 

Filme+conversa “Utopia Teatral” de Adolfo Cabanchik  I 26 de Abril I 21h

A arte relacionada com o conflito social adquire uma nova dimensão como resultado da crise econômica e cultural na Argentina. A proliferação dos grupos de teatro comunitário representam de uma forma épica e com características únicas, um modelo participativo e comprometido de produção artística e  resistência cultural. O documentário mostra o trabalho destes grupos ( mais de 30 na actualidade), forma como se organizam, as problemáticas sociais que abordam e a particular estética adotada.

http://www.adolfocabanchik.com.ar/trailer.htm

Rodas de Conversa, Redes de intercâmbio 
28-29 de Abril  I 10h-13h

Espaço de partilha e de encontro informal em torno das áreas da Performance, Participação e Comunidade, com o objectivo de divulgar e discutir projectos (a decorrer, já decorridos ou por realizar), trabalhos de investigação e outras abordagens/contributos dentro do âmbito referido.

Festa de Encerramento@Largo Café ( Intendente)
29 de Abril I 20h
Entrada Livre

Organização de A CARAVANA

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

O Medo

Para o mal vencer basta os bons não fazerem nada.

A medo é uma arma que paralisa a sociedade.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Aula de Museologia – oficina da museologia social

Feira da Ladra – Espaço

Olhar o Espaço:

  • vivido
  • social
  • concebido

As dimensões do espaço e do tempo-

Enfrentar o espaço. tomar conta do espaço para o transformar.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Praticas Performativas na Comunidade

A Utopia Teatral

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

A propósito do Jardim da Estrela – Percursos patrimoniais

In Aldraba  abril 2018

  1. O objeto social da ALDRABA – Associação do Espaço e Património Popular centra-se, estatutariamente, na “preservaçãoe nadivulgação do património popular”, entendendo-se como tal a “abordagem integrada de objetos, práticas, factos e vivências, privilegiando a valorização dos testemunhos humanos e recorrendo às adequadas disciplinas da especialidade” (n.º 2 do art.º 2.º dos nossos Estatutos).

 

O conceito de quais são os “objetos” que interessam para o património popular não é pacífico, pelo que viémos a defini-lo como “os instrumentos, objetos, artefactos e espaços associados que, em Portugal, as comunidades, os grupos e os indivíduos reconhecem como fazendo parte integrante do seu património”. Quanto ao conceito das “práticas” relevantes para o património popular, explicitámo-lo como sendo “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e aptidões que, em Portugal, as comunidades, os grupos e os indivíduos reconhecem como fazendo parte integrante do seu património”.

Temos, pois, um sentido muito amplo para o património popular de que a ALDRABA se ocupa…

A natureza, o meio físico, os elementos biológicos e minerais, fazem ou não parte do “nosso” património popular?

Claro que sim, e daí as múltiplas abordagens que temos vindo a fazer acerca da realidade natural do nosso país, de que destacamos, designadamente, o que escrevemos no n.º 22 da revista, em outubro de 2017, sobre a tragédia do património florestal português. E, antes disso, o que escrevemos em junho de 2007, no n.º 3, sobre o bacalhau, em dezembro de 2007, no n.º 4, sobre o mar como património, em abril de 2012, no n.º 11, sobre a cal artesanal, em outubro de 2015, no n.º 18, sobre a região de Sistelo, e em abril de 2017, no n.º 21, sobre a região do Douro.

  1. Em dezembro de 2008, um trabalho de José Narciso, no n.º 6 da revista “ALDRABA”, tratou pela primeira vez do tema “O Jardim da Estrela”.

Aí se evidenciou que este espaço ajardinado de Lisboa, inaugurado em 3 de abril de 1852, inicialmente designado por Passeio da Estrela e mais tarde por Jardim Guerra Junqueiro, foi desde sempre um local privilegiado de lazer da população lisboeta, cujas riquezas se descreveram amplamente na nossa revista.

No passado dia 17 de fevereiro de 2018, por ocasião da 7ª Rota da ALDRABA – “Pela Estrela com o poeta João de Deus”, a nossa Associação voltou agora a evocar o Jardim da Estrela, que foi visitado durante a “Rota” pelos  participantes naquela atividade.

Recordámos que o jardim foi criado no século XIX, em frente à Basílica da Estrela, em Lisboa, nuns terrenos de António José Rodrigues, sendo a iniciativa da sua construção devida a António Bernardo da Costa Cabral, com o apoio de D. Maria II, Manuel José de Oliveira e de um donativo de quatro mil réis de um português do Brasil, Joaquim Manuel Monteiro.

Segundo a saborosa descrição da escritora Alice Vieira (in “Esta Lisboa”, 1993), em abril de 1852 as enchentes foram tantas que, às cinco horas já custa a andar, às cinco e meia já ninguém anda, e às seis andam uns pelos pés dos outros… E sublinha Alice Vieira que “jardins públicos era um tesouro que a cidade só muito tardiamente recebeu (…) Jardins de palácio, cercas de conventos, tapadas, matas, eram muitos. Mas, jardins que a todos pertencessem, e onde todos tivessem o direito de respirar, muito poucos havia”.

Na segunda metade do século XIX, o Passeio da Estrela esteve na moda e na altura possuía elementos que já não existem, como estufas, quiosques e um pavilhão chinês. Nos anos 70 do século XIX, existiu mesmo um leão na sua jaula, que havia sido doado por Paiva Raposo, vulgarmente conhecido por Leão da Estrela, que estava instalada num pavilhão próximo da entrada da Avenida Pedro Álvares Cabral.

Ao longo do século XX, o Jardim da Estrela continuou a ser um dos jardins públicos lisboetas mais concorridos, sendo de destacar a apropriação que a população fez desse seu espaço. A título de exemplo, quando em 1939 – em pleno regime autoritário fascista – as autoridades desenvolveram um projeto de “modernização” que levaria ao prolongamento da Av. Álvares Cabral até ao Largo da Estrela, rasgando o jardim, a contestação foi tão generalizada que o projeto foi abandonado…

Na nossa 7ª Rota, detivémo-nos junto à estátua de João de Deus, agora existente dentro do Jardim. E evocámos aí os poetas que têm celebrado o Jardim da Estrela, entre os quais António Gedeão (o Rómulo de Carvalho, professor de Química do Liceu Pedro Nunes, ali bem em frente), que escreveu: “(…) E também gostei muito do Jardim da Estrela / com os velhos sentados nos bancos ao sol / e a mãe da pequenita a aconchegá-la no carrinho / e a adormecê-la / e as meninas a correrem atrás das pombas / e os meninos a jogarem ao futebol. / À porta do Jardim, no inverno, ao entardecer / à hora em que as árvores começam a tomar / formas estranhas, / gostei muito de ver / erguer-se a névoa azul do fumo das castanhas”.

  1. AALDRABA também assume como tarefa sua a preservação e a divulgação do património natural português, ao mesmo nível dos objetos e das práticas que integram o nosso património popular.

O Jardim da Estrela em Lisboa foi um excelente teste a esta nossa disposição e a este nosso propósito.

A melhor forma de o reafirmarmos é transcrever aqui a última estrofe do poema do António Gedeão acima citado:

Triste de quem não tem,

na hora que se esfuma,

saudades de ninguém

nem de coisa nenhuma.

José Alberto Franco

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

O orçamento participativo de Lisboa e a narrativa da diversidade nos Museus de Lisboa

Artigo publicado na Lista Museum

Uma das virtudes que esta lista nos dá, é a possibilidade de debate sobre questões de museus. Nesse sentido é uma espaço de liberdade que devemos proteger.

Interroguei aqui no passado domingo, talvez de forma pouco correcta, se os meus estimados colegas Matilde de Sousa Franco e Luís Raposo  “estariam conscientes de criar uma narrativa da diversidade” sobre o lugar de Portugal no mundo.

Devo começar por afirmar que quer a Profª Matilde de Sousa Franco, quer o Prof. Luís Raposo são dos melhores profissionais que temos entre nós, e que poderão, sem qualquer dúvida executar um bom projeto museológico. Deveria ter escrito, em vez de dupla (que poderá ser lido como uma conotação mais vulgar) duo. Duo, porque revelaria uma busca da virtuosidade, tal como é característico da nossa literatura (expresso nas cantigas de amigo) que talvez tenha sido um dos primeiros sinais da autonomia cultural que se procura identificar.  E ter esse “duo” seriam uma inovação nos processos museológicos .

Recordo também, que essa “proposta e nomeação” dos dois distintos museólogos tinha partido do colega Pedro Cardoso Pereira. Tendo-os nomeado sem reparo, pensava que tinha ficado claro o apoio à ideia e não pensei que pudesse vir a ser interpretado como ironia, o que justifica algumas respostas mais robustas, o que não posso deixar de compreender . Ter um museólogo (ou dois) é, para estes projetos fundamental, para evitar os “buracos” que conhecemos nos últimos museus de Lisboa (e falo dos Coches e do MUMA).

Também quis distinguir as questões do orçamento participativo da CML, dos projetos políticos da CML: No orçamento participativo de Lisboa, foi vencedora uma proposta de um  “memorial da escravatura”. Não foi proposto um museu. Um memorial é um elemento simbólico na cidade, como por exemplo o que está no largo de São Domingos, sobre o Pogrom dos Judeus no século XVI.

Um museu é outra coisa. É um equipamento cultural, com determinadas funções e que tem, em princípio uma dada “narrativa” (uma história). Ora   a atual veração socialista da Câmara Municipal de Lisboa (que tem a legitimidade do voto) apresentou como proposta eleitoral a criação do tal “museu dos descobrimentos”, que naturalmente estará agora a tentar concretizar.

Neste caso, de criar um museu, é expectável que tal decorra duma “política cultural para a cidade”. Por principio criam-se equipamentos para satisfazer necessidades sociais. A vereadora Catarina Vaz Pinto tem, indubitávelmente uma política cultural em exercício na a cidade. Podemos estar de acordo ou não, mas há política cultural na cidade, como também há uma política cultural no país. E como política cultural que é, resulta do jogo dos atores políticos.

Sobre este tal equipamento sabemos que foi assinado um protocolo com a Marinha, para “animar” a área ribeirinha. Sabemos que há pelo menos mais três museus das descobertas ou dos descobrimentos em Portugal (em Belmonte, no Porto e em Lagos), pelo que podemos interrogar sobre o que terá de novo e diferente e que necessidades sociais e culturais procura satisfazer.

O museu, dos descobrimentos ou qualquer outro, é um lugar de poder. É por isso natural que sobre ele converjam interesse diferenciados. E também natural que cada ator afirme o seu lugar para com isso ganhar espaço de afirmação.

Nesse exercício, é salutar todas as posições que a Professora Matilde de Sousa Franco tem vindo a expressar, bem como é de saudar todos os apoios que tem vindo a recolher, o que naturalmente dá relevância ao seu projeto, e que veja esta questão como oportunidade para concretizar um projeto que há muito alenta. É também notável o esforço que desenvolve para a alinhar o escopo gerador desse tal novo museu com a visão  humanista que é característica conhecida desta nossa colega.

É também de saudar os posicionamentos do Prof. Luís Raposo, que como bem sabemos tem desde à vários anos tomado posições corajosas e relevantes sobre os museus portugueses. não podemos deixar de recordar a sua posição de criar um equipamento cultural que valorize no espaço simbólico da Cordoaria Nacional com também nos lembramos, com admiração, das suas posições sobre o “complexo museológico de Belém”.

São todos atores que se pronunciam de diferentes lugares, que exercem diferentes poderes, e que usam como argumentos “narrativas de racionalidade”. Será desse jogo de poderes ou “balançeamentos” que se construirá certamente o futuro e influenciará esse tal “novo” equipamento.

Finalmente sobre as “narrativas da racionalidade”. Um museu conta uma história. Como diz com propriedade Luís Raposo, a maioria dos museus resultas de “viagens”. As viagens dos cientistas do século XVIII alimentaram os museus de História Natural e os “Jardins Botânicos”. As viagens à antiguidade grego-romana dos humanistas alimentaram “gabinetes de curiosidades e antigualhas”, tal como as conquistas napoleónicas no Egito alimentaram o Louvre .O colonialismo britânico alimentou o British Museum, o colonialismo francês e belga os museus etnológicos”. Não é possível esquecer que as construções das narrativa sobre o outro foram no passado, nos museus europeus, narrativas excludentes. Na nossa modernidade é hoje necessário ousar criar narrativas inclusivas com base na dignidade humana. 

A viajem está na matriz dos museus. Sim. Viagens e descobrimentos poderão constituir sem dificuldade uma narrativa de racionalidade. Ou num termos mais técnico o seu “conceito gerador”. Mas não podemos esquecer que essas viajem hoje não podem continuar a ser de saque e rapina.Necessitamos de viajem que sejam libertadoras. 

Até aqui estamos de acordo.

O que é procurei relevar na minha questão sobre a diversidade, e volto a esta questão, neste espaço de debate, é que uma narrativa sobre a identidade portuguesa poderia/deveria ser construída sobre uma leitura do presente. Uma leitura da diversidade dos portugueses como seres viajantes que trocam ideias, corpos, alimentos, sonoridade, sensibilidades, palavras. Essa é uma leitura que está por ser construída, e que este equipamento poderá ajudar a pensar se souber nele incorporar a diversidade da dignidade humana dos seu enunciados e contributos.

A força da narrativa dum museus não está na abordagem do passado. Está em ele ser capaz de falar sobre o presente. Se assim não for, com mais ou menos tecnologia, com mais ou menos virtuosidade da sua museália, com mais ou menos milhões, é um museu moribundo. E “como sabemos um museu que não serve para a vida não serve para nada”

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

O papel da arte se modificou com o tempo ou continua o mesmo que era há anos atrás?

Conjunto de Perguntas para a Revista Verso #5

  1. O papel da arte se modificou com o tempo ou continua o mesmo que era há anos atras?

O papel da arte, ou melhor dizendo das artes permance ao mesmo tempo que se vai transformando. Mantém-se porque pode ser sempre uma forma poética de olhar a sociedade. Transforma-se porque se vai socorrendo dos rescurso que estão disponíveis. Por exemplo. Ao mesmo tempo que poderemos discutir se a arte tem que ter uma função social, isto é se deve contribuir para a educação e para a liberdade dos indivíduos e dos grupos, ou, se a arte existe apenas por si mesmo, independentemente do social, deixando para que esse social a use como entenda, trata-se duma velha discussão sobre permanências. Da mesma forma que hoje olhamos para os processos digitais, por exemplo as possibilidades que hoje os grupos populares dispõem de fazer música e a fazerem ouvir em públicos alargados, estamos a falar duma profunda transformação do seu papel, seja no consumo, seja na sua produção.

  1. Toda arte agora se submete ou vai se submeter à lógica do capital?

Nem toda a arte tem que se submeter à lógica do capital e do mercado. Retomando o exemplo da digitalização, por exemplo a produção musical de grupos com raízes afrodescendentes na periferia de Lisboa, que hoje passam no Youtube, são musicas mais ouvidas do que aquelas que os rádios hegemónicos consideram como mais ouvidas. Isso levanta a possibilidades de existirem espaços de consumo e produção fora do mercado, em extensões e alcances muitos superiores aquilo que o senso comum à partida faz entender.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Vontade de Museu e o orçamento participativo de Lisboa

Apesar de ter pouco tempo para a escrita nesta listas, tenho vindo a acompanhar os debates sobre a proposta do Museu da Interculturalidade em Lisboa, na sua ligação com a iniciativa do orçamento participativo de Lisboa.

Não resulta claro  nesta discussão se a proposta de Matilde de Sousa Franco para o Museu da Interculturalidade e a proposta do Memorial da Escravatura (projeto p 126 vencedor no orçamento participativo de Lisboa) é sobre a mesma questão.

Tenho ideia que Matilde de Sousa Franco, tem desde sempre vindo a defender a ideia do tal museu da interculturalidade ou da celebração do “encontro de culturas” tal como a elite intelectual portuguesa gosta de se referir à tragédia colonial e pós-colonial portuguesa, procura, como sempre tem vindo a fazer, reunir apoios e influencias para um projeto que é digamos assim “designio de vida”.

Já o Memoria da Escravatura, no orçamento participativo, resulta duma iniciativa da sociedade civíl, nesta caso da “afro-descendentes” que se mobilizou.

Ora entre os dois processos há uma distância epistemológica que vale a pena registar.

No primeiro caso, o do Museu, não é mais do que uma vontade duma elite intelectual, ainda que celebrada, por narrativas simbólicas e legitimada por influentes lideres de opinião, entre os quais o peso pesado António Guterres.

O segundo caso, o do memorial da escravatura, é também uma vontade duma elite de afro descendentes, que confronta a narrativa elitista, procurando impor uma outra narrativa, da diversidade do presente.

Para além da diferença epistémica, que poderia ser uma razão para dialogar e avançar conjuntamente, e da diferença de  legitimidade que  as duas propostas transportam, a do orçamento participativo, por via do paradigma da democracia participativa, e a do orçamento da CML, por via da legitimidade do paradigma representativo, há ainda uma terceira questão que valeria a pena discutir. A da vontade de museu.

A vontade de museu é essa expressão duma comunidade que escolhe uma maneira de se representar. Nesta questão, a vontade de museu não só é na sua forma divergente, como no plano dos conteúdos também o é.

E temos como exemplo, para refletir, a trágica  situação do museu da escravatura em Lagos, a cidade dos Descobrimentos, como se gosta de proclamar. Vai para dez anos que na lixeira da cidade foram resgatados esqueletos dos escravos descritos por Zurara, nos idos de quatrocentos. Caso único na Europa e no Mundo. Esses escravos estão esquecidos em Coimbra, sem que os tais intelectuais de hoje lhe tenham reconhecido valor. Os mesmo intelctuais que montaram uma deplorável exposição com objetos africanos (recolhidos nas coleções locais), confundindo escravatura e africanos, como os seus (nossos) antepassadaos confundiram a humanidade com a mercadoria.

Estará a dupla Raposo e Franco conscientes do desafio de criar uma narrativa da “diversidade” . A partir de onde, com que e com quem

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

1º Encontro de Contadores de História Livros e Liberdade

Realizou-se ontem na Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos, na Amadora, o 1º encontro de Contadores de Histórias da Amadora, organizado pela Associação Estamos a Pensar.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search