O caso do cemiterio de escravos

Em síntese

O caso do “Cemitério dos Escravos” de Lagos, é um exemplo interessante na abordagem patrimonial. Se por um lado podemos fazer uma leitura “legalista” onde os diferentes procedimentos parecem ter sido cumpridos, por outro lado, uma leitura mais “patrimonialista” pode interrogar-se como é que um sítio arqueológico onde foram encontrados testemunhos únicos na Europa se transforma em Parque de Estacionamento, sem que aparente nada seja feito para assinalar o local.

Uma das questões que merce ser evidenciada é “o esquecimento” sobre o valor do achamento do cemitério, das medidas cautelares em relação ao sítio como lugar de memória. As intenção de valorização o espaço não são claras.

Apesar de no Algarve, em 2005 se ter assinado a Convenção Convenção Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade (publicado em 2008), onde há um acordo na valorização do património europeu na construção da sua relação com o mundo, bem como de considerar que os valores públicos do património cultural são inalienáveis face em relação aos valores privados, verificamos que o caso do “Cemitério dos Escravos” de Lagos se apresenta como um caso onde se cruzam interesses e lógicas divergentes.

A exemplaridade do achado, a sua raridade e originalidade tem vindo a ser realçadas pelos diferentes cientistas. Trata-se dum testemunho coevo da história dos descobrimentos portugueses. O fato do “cemitério” ter sido encontrado na antiga lixeira da cidade é um fator que demonstra o processo de “desumanização” que a população escrava foi sujeita, constituindo na atualidade um dos raros testemunhos materiais dum fenómeno de especial relevência para a história da humanidade e para o dialogo intercultural.

O esquecimento coletivo dos processos da escravatura é uma dos temas recorrentes na historiografia portuguesa. Depois de um longo período de exaltação da nacionalidade, com base nas narrativas das virtudes heroicas dum povo que se descreve como eleito, a persistência dos silêncios sobre as suas heranças esquecidas demonstra a incapacidade da memória coletiva enfrentar os seus traumas, e de olhar a diversidade e a pluralidade dos outros e assumir na sua plenitude os valores da universalidade e da interculturalidade.

Por outro lado a criação pela UNESCO, em 1991 do Comité “A Rota do Escravo” demonstra a intenção de valorizar a memória global do processo do Tráfico de escravos, através do resgate da memória e da promoção da relação intercultural entre os povos afetados pelos fenómenos do tráfico negreiro com base numa cultura de paz

Finalmente Lagos, ao ter adotado como estratégia de posicionamento promocional a valorização dos “descobrimentos” parece não ser ainda apercebido das vantagens que estes achados aportam para a demonstração da sua singularidade. Uma cidade voltada para um mundo global de relação assumindo o seu passado nas suas múltiplas dimensões.

A dimensão histórica do passado assume-se no presente como um entendimento das circunstâncias e dos contextos dos fenómenos. A emergência da consciência do ser humano emerge da capacidade da escolha das ações. Uma capacidade que apenas pode ser adquirida pela reflexão informada. Continuar a olvidar não permite reconhecer o caminho do futuro.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development