Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

Solaris

Voo TP 83 para São Paulo. Estou a 31 mil pés de altitude em rota de cruzeiro de 789 Km/h. Depois das vigam ao Porto, retomo as viagens. Passado os dias em Albufeira e na Aldeia do Golfe em trabalhos de publicação, eis-me de novo em cima do Atlântico. O grande cenário o mar que flutua. Lembra-me o Solaris, divinalmente filmado por Andrei Tarkosvsky em 1972. Os tripulantes da nave, estacionada por cima dum planeta liquido são influenciados pela sua memória. Encontram-se com a sua memória.

Aqui vou para São Paulo ao encontro da minha memória. Tinha pensado ir dando uns toques na apresentação, mas o PC pifou. Fiquei sem nada para fazer. Resta pensar. Pensar no que vou dizer. Peço emprestada uma caneta à hospedeira. Uma moça berbere, rosto anguloso, de grossa dentadura branca, tez bronzeada. Ameu lado um brasuca ressona. As janelas foram fechadas e o avião dorme estranhamente à uma hora. São todos uns meninos de coro.

Lembro-me dos silêncios de Vila Moura. A silencia que escutei na Ilha. Os sons da escravatura. Há locais em que os ritmos do mundo se transformaram. Ali, onde agora os veraneantes correm stressados á procura dos raios do sol, veraneantes que rodam sem cessar, sempre stressados, foi local onde os escravos rodaram incessantemente. Massacrado por esse sol inclemente que agora bronzeia. Restos que ficaram. Nas pedras e nas garrafas, dês dezenas de garrafas consumidas em poucas horas. E eu ali no meio. Ali a ter a experiencia do stress.

E ali tão perto, dessa miragem das gentes, a Barragem de Santa Clara. No Rio Mira, um rio perdido no Alentejo. Deserta. Sem gente. Um paraíso olvidado. Um hotel, um pequeno hotel fechado. Constrói-se de novo e não se cuida do que existe. Estranha centralidade esta criada pelo turismo. Há aqui qualquer coisa de errado nestas dinâmicas instaladas. Adiante

Deixei mais uma vez a A. e os putos no aeroporto com aquele arzinho de cãezinhos abandonados. Atravesso atlântico em direção a São Paulo. Não deixa de ser curioso como ao fim de cinco anos regresso. Reencontro-me com o princípio das coisas. Com aquela viagem ao mercado, numa tarde tropical, admoestado por uma chuva grossa, recolhido na lanchonete a descobrir a questão da viagem museológica. Desse momento inicial onde agarrei a ideia. Lembro-me como olhei de novo e regresso agora para falar do que encontrei. Do que descobri. Do que agarrei para criar de novo. De olhar, ou ter aprendido a olhar de diferentes maneiras. Como uma chuva tropical que caí e logo se limpa, o conhecimento é também assim. Irrompe, violento, inundo tudo. Depois passamos o tempo a por tudo em ordem. Encontramos afinal o que somos.

Lembro-me de outro momento, quando, de pé na areia na ilha, senti os sons da terra. Os sons que ecoavam nas pedras. A harmonia dos sons das gentes. Quanto encontramos uma harmonia nos sons do espaço e preenchemos a linha do tempo, encontramos uma chave. E uma chave é apenas uma forma de entrar. Um acesso a algo que está por detrás. Foi aí que consegui ultrapassar e entender esse silêncio. Assim como na memória há sempre um silêncio, Vários silêncios que trazem significados. Como diz Ricoeur, o ofício do historiador tem uma operação, do resgate da reminiscência. Dos três sujeitos da lembrança, o eu, os coletivos e os próximos, emerge a operação histórica que vai mais alem.

A operação da História parte do documento. Trabalha sobre o documento procurando a sua explicação. Na busca dessa explicação está a necessidade de compreensão. Para a construção dessa compreensão está sempre a pergunta inicial. A escala de compreensão depende de múltiplos fatores. Entre eles a relevância do questionamento. O Historiador constrói a sua explicação como uma representação. Uma representação é uma dialética entre o passado e o presente. Entre os tempo que atravessam o espaço. O trabalhar com os documentos implica trabalhar com diferentes escalas de narrativas. Entre Elias, a constância dos silêncios é uma das mais interessantes procuras.

É sobre essa interrogação primordial, a da condição histórica que cria uma especial relevância. O que é produzido para a história, o documento elaborado para memória futura, tal como a oralidade que reproduz a essência que deve ser reproduzida confronta-se com o esquecimento. O esquecimento é mais do que o silêncio. O esquecimento é uma escolha deliberada, ao passo que o silenciamento, podendo advir do silêncio é uma possibilidade de emergência. Finalmente levanta-se a questão do perdão.

O Perdão difícil. O perdão sobre a falta. A questão da culpa no pensamento ocidental, como momento inicial de escolha. A culpa não é uma condenação, mas uma escolha de caminho. A questão da escolha dum caminho trilhado na história só é possível de ser ultrapassado pelo perdão. Pelo reconhecimento do mal e pela vontade de desligar o ato do agente. Assumir o passado como ele foi, sem os esquecer, para que não de volte a repetir. Voltaremos  a isso mais tarde.

A questão da escravatura como esquecimento entronca nesta questão. Boaventura Sousa Santos em Epistemologias do Sul afirma que o esquecimento do outro é antes de mais um esquecimento de nós próprios. A aldeia do Golfe. A aldeia Branca, decorada pelos relvados ingleses com os seus telhados de açoteias voltadas para o sol Casas alinhadas. Muretes alvos ao sol Um desenho urbano dos anos 70. Um desenho ultrapassado pela dinâmica do mercado turístico. Resiste através da sua associação de pequenos proprietários. Falta-lhe o restaurante e a piscina. Sobrevive com o rendimento extra. Reformado morgado de Vila Moura, das lágrimas vertidas transformado em paisagem turística. Antigo lugar de escravatura, novo espaço da escravatura moderna.

Passa no ecrã o filme “Stalcker” de Tarkovsky. Curioso, é a segundo encontro com o autor. Ter tempo para reproduzir os desejos não realizados. Dois homens, o professor e o escritor viagem, guiados pelo stalcker, ao interior da zona. No seu interior encontra-se uma câmara onde todos os desejos são realizados. Um filme que trabalha a natureza do mal. A memória do ser humano. A memória encontra-se no mar. O bem. A natureza esconde o mal.

De seguida vejo outro filme. “Uma lágrima de Luz” Os traços da Índia “The India Paintbrush”  são margens da cor. São pequenos detalhes onde nos movemos. Sem ponta de ligação com os outros. São aquele que vivem nas margens. A memória é com um feixe de raios que nos atingem vindos do passado. Projetam-se no futuro em função do reflexo que lhe damos. A vida como possibilidades.

Chegado ao Hotel Sam Rafael, instalo-me no quarto. Desço e encontro-me com G para um jantar leve na praça. Passamos por uma imensa árvores-da-borracha com os seus longo ramos, exuberantes, estendendo-se sobre a praça. No meio, um general romano, um enigma nesta praça no Largo do Arouche. Passo por um ATM e levanto 40 Reais para as primeiras despesas. Entro num supermercado e compro uma garrafa de água. Regresso ao hotel e reparo que o Largo é um ponto de encontro colorido. Sento-me na praça, numa esplanada. Saboreio a musica e um Chopp. Sente-se um som de samba no ar. Na grelha estão salsichas a grelhar. É noite de sábado e amanhã é dia de folga para muita gente.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development