Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

O Barroco, a Festa em Boaventura Sousa Santo

Para Boaventura Sousa Santos, na sua análise apresentada na obra (Santos, 2000) o Barroco é uma metáfora de algo aberto, inacabado. O espaço barroco é um sinónimo metafórico da criatividade das margens em relação ao centro. E é essa criatividade inovadora que Boaventura Sousa Santos procura para exemplificar, como em termos sociais, a organização social deverá criar alternativas às formas hegemónicas da globalização.

É certo que o Barroco se constitui também como uma forma de afirmação do poder. Um poder fraco, diluído, mas um poder hegemónico. Mas será esse modo de afirmação que servirá de suporte às ações emancipatórias que mais tarde surgirão nesses espaços. Assim, segundo o autor, o Barroco constituirá a base das narrativas nacionalistas com que os países da América enfrentarão os poderes coloniais.

Mas a metáfora tem também um outro alcance, que o autor procura salientar. Sendo uma expressão cultural que se manifesta pela exuberância da forma, sugerindo a sua incompletude, propiciando a diversidade dos olhares e dos pontos de vista, o barroco exemplifica a incompletude da forma e abre caminho a interrogação, à busca de alternativas e a novas formas de expresso. Assim, continuando pelo discurso metafórico, o paradigma sociopolítico emergente deverá ser encontrado nas margens do sistema hegemónico. Estamos portanto praticamente a prenunciar a emergência das epistemologias do Sul.

Mas antes disso, interessa ainda explorar a metáfora barroca na relação da forma como representação do real. O barroco procura a ilusão e a aparência. O barroco procura a subjetividade da aparência. Captar a transcendência pela pluralidade das formas. O contrário portanto da objetividade do conhecimento científico, que procura a delimitação do objeto. A forma barroca é uma forma transitiva. Uma forma que estimula a criatividade do olhar. A dificuldade em definir os limites, uma das características da pintura barroca permite dissimular as transições. As formas misturam-se, fundem-se criando sombras passíveis de ser elas próprias outras formas que se revelam nessa mistura. Anuncia-se assim a emergência de novas formas de organização e ação social pela mistura de formas existentes. O novo paradigma emergirá das velhas formas. Ele estará já em formação nessas formas de organização atual. Importa portanto afinar os instrumentos de análise para os capturar. Uma captura de algo que está movimento, algo que ainda é fluído.

Um derradeiro elemento que o autor salienta em relação ao Barroco como forma cultural, é a presença da festa como primeiro elemento das modernas culturas de massa. A festa barroca é uma festa ritualizada, ensaiada, com fortes investimentos sociais para uma vivência fulminante. A festa barroca, tais como os eventos contemporâneos são fenómenos fugazes. Há um tempo e um espaço de concentração de energia, que é rápida e intensamente consumido. Mas é essa intensidade vivenciada que constitui o catalisador para as novas manifestações.

Ora esta metáfora aplicada à ação emancipatória permite facilmente entender que uma ação social que concentre uma determinada intensidade de movimento sociais emancipatórios criará um efeito de reprodução no tempo. A festa é de certa forma uma metáfora para a o fenómeno de catalisação da emancipação social. Ao contrário do cientista moderno, onde a investigação está separada da ação, a investigação do novo paradigma emergente não pode deixar de ser concebida na própria ação. Mais do que um comprometimento com a ação, a investigação constitui-se comum compromisso com a ação emancipatória.

Mas a festa barroca transporta igualmente uma componente de proximidade com a vida real. Quer o teatro, quer as formas burlescas, quer as manifestações profanas que ocorrem em paralelo com as festas religiosas, constituem como espelhos da vida. Os problemas retratados são os problemas vividos diretamente pelas comunidades. Os seus resultados são visíveis e imediato. É possível uma apropriação dessa realidade. Os movimentos sociais emancipatórios deverão também eles estar em sintonia com os problemas das comunidades. Deverão dar resultados concretos para os problemas vividos.

Tomando como exemplo a ação dramática é de salientar o efeito do riso. A comédia é uma manifestação dramática que emerge nos séculos XVI e XVII como espelho burlesco da sociedade, das suas personagens e das suas preocupações. Entre outras manifestações, como noutro local veremos, o riso constitui um espaço de reflexão sobre o si que as sociedades indolentes procuraram condicionar e cercear. A capacidade de rir de si mesmo é uma unidade de reconhecimento duma comunidade.

Como salienta Boaventura Sousa Santos a partir dos trabalhos de Max Weber, o riso é ostracizado pela ética capitalista. Ao desencantamento das sociedades modernas, contrapõe a festa do movimento emancipatório. Na tradição das festas operária, a transição paradigmática também emerge no riso.

A última característica da festa barroca, para além da representação do real e do riso, é o efeito subversivo que se permite intuir. O carnaval barroco é uma manifestação subversiva. A transgressão e a inversão dos papéis sociais que o carnaval permite, conduzem quer ao reconhecimento de si, quer ao reconhecimento dos outros. A inversão das hierarquias, na festa e no carnaval é um passo para a experiencia da inovação (também não é por acaso que o carnaval é um fenómeno mediterrâneo). Da inversão da hierarquias à vontade da experiencia de mudança é um pequeno passo. A festa traduz-se dessa forma como um imenso potencial emancipatório a explorar pela ação social. Uma ação que é primeiramente experimentada e vivencias pela estética e pela ética do prazer.

Como ler esta abordagem de Boaventura Sousa Santos a partir da Teoria do Conhecimento de Benjamim é um interessante desafio.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development