Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

O Barroco em Walter Benjamim

No entanto, segundo esta abordagem, Sousa Santos esquece a dimensão do Barroco Alemão tratada por Walter Benjamim em “A origem do drama barroco alemão” (Benjamim, 2004). Recordemos a teoria de Benjamim sobre a Teoria da Conhecimento que serve de base ao abordagem da Origem do Barroco Alemão: Escrito por Walter Benjamin em 1925, apresentado a concurso falhado na universidade de Frankfurt onde encontramos vários elementos da sua análise teórica que se prolongaram em várias das sua obras. É certo que a obra de Benjamim é fragmentada e elíptica. Este texto é denso e complexo. Nelo podemos encontrar- os rudimentos da sua Teoria Geral do conhecimento, aplicada à análise da Literatura da História e da Filosofia. Para Benjamin a teoria do conhecimento é uma conceção, uma epistemologia e uma metodologia.

Segundo Benjamim o caminho para o conhecimento é feito pelas representações. À distinção entre as ideias e as coisas permite entender esta diferenciação. Para Benjamim a ideia é um campo de tensão, um desvio da ordem universal, que é acessível através da sua representação. O conhecimento é um processo de representação de ideias. As ideias revelam-se através dos fenómenos (que é um desvio ou reflexo dessa ordem universal). Um fenómeno contem o todo. Como tal os fenómenos são acessíveis por representações e transportam ideias. O fenómeno é o que dá conteúdo á ideia e a ideia está presente na palavra. Não há portanto coisas fora das palavras. Nada pode existir sem que seja descrito pela palavra.

Empiricamente, no processo de análise dos fenómenos, justifica-se a criação dos conceitos como instrumento de mediação da representação. A representação concretiza-se em conceitos. O conceito, enquanto representação penetra no mundo das ideias. O conceito simultaneamente revela o conteúdo da ideia e representa-a.

O conceito nesse sentido é também uma função de mediação com o geral. Ele simultaneamente inclui a ideia e representa a redenção platónica (a representação alegórica).

Os conceitos, enquanto processos de representação das ideias, agrupam as suas formas em extremos. Incluem e excluem o que é e o que não é. Os conceitos operam a disjunção e produzem a associação. Através da disjunção é criado um intervalo. As ideias são elementos extremos desse intervalo. O que é e o que não é. As ideias constituem-se então como uma configuração de elementos. Os fenómenos, enquanto representação dessas ideias expressam as partes ou o todo desses elementos.

Segundo a proposta de Benjamim, a arte apresenta-se como um fenómeno. Expressa ideias que são representadas pela narrativa. O género artístico permite construir uma teoria das ideias. Em tese, esta é a proposta de Walter Benjamim, de analisar o Drama Barroco alemão como uma componente da Teoria das Ideias. O Transpiel, ou o espetáculo da tristeza como género artístico, o Barroco alemão representa uma ideia.

Na proposta de análise, está presente um método que procura a autonomia ideia. Um método de análise que procura por um lado isolar a autonomia do género artístico ao mesmo tempo que procura reconstruir a sua unidade significativa. Através da teoria do conhecimento proposta por Benjamim, utiliza-se o processo indutivo para agregar todas as obras para procurar o que é comum (o que está incluído como expressão de semelhança); ao mesmo tempo que utiliza o processo dedutivo para produzir uma classificação. A decomposição do todo (dos limites do intervalo) permite criar as regras de análise onde cada obra perde a sua especificidade individual e junta-se ao universal. Através da análise da representação procura-se o fenómeno mediados pelos conceitos.

A localização e a identificação das ideias na Teoria do conhecimento de Benjamim, localiza-se na linguagem. A dimensão nomeadora da linguagem contém a ideia ao meso tempo que contem a função significativa e comunicativa. Assim, para além da função comunicativa e de produção de significados, aquilo a que poderíamos chamar função poética transporta uma essência original adâmico.

A palavra abraâmica é substantiva. A palavra criada é essencial. Após o pecado original (na religiões abraâmicas)  a palavra torna-se verbo. O verbo articula o sistema de signos. A palavra, alem de si relaciona-se com outras e produz processo comunicativos. Na comunicação o nome transforma-se na palavra. O nome da rosa de Umberto Eco é uma interessante analogia. Um imagem da árvore do conhecimento. O espinho e a rosa. A árvore como fonte do conhecimento[1].

Ora a partir desta constatação da linguagem que se constitui como um sistema de signos e significados a partir dos nomes (das ideias), a teoria das ideias deve procurar a sua anamnese. A sua dimensão perdida ou esquecida. Cada palavra, cada nome transporta uma tensão que é em si uma ideia original, primordial. Procurar a dimensão perdida na anamnese da palavra é procurar a relação dialética entre o nome e a palavra. O que afirma e o que exclui. O que evoca e o que esquece.

Da teoria das ideias emerge em Benjamim a Teoria do Barroco.  Como já referimos, a teoria do Barroco como espetáculo da tristeza é o espetáculo do drama da humanidade. Do ser desprovido de si mesmo pela exuberância do mundo. O confronto do ser como elemento da natureza, perecível e transformável; com o ser como ideia, como algo imanente. Essa ideia é dada no barroco pelo espetáculo. Pelo som, pelo movimento, pela exuberância das cores e das formas da natureza, que apelam para os sentidos primordiais. É nessa exuberância que se procura os caminhos. O labirinto é uma escolha. É uma procura dos caminhos do possível.

Há que ter em atenção que na teoria das Ideias de Benjamim, apresentada nesta análise do Barroco, há que fazer uma distinção entre origem e génese. Origem, em alemão Ursprung, significa um salto para algo de novo.  Um processo onde emerge qualquer coisa de novo. Um salto qualitativo onde algo de novo emerge, libertando-se do vir a ser. Há assim um caminho natural, determinado pelas tensões internas dos fenómenos, e um caminho de inovação, libertado por essa tensão dialética.

A origem como algo que emerge é igualmente uma ideia que Benjamim utiliza na teoria da história, como algo latente que se liberta das forças de tensão. Um fluxo novo. De alguma forma a origem poderá associar-se a teoria estruturalista, como uma configuração que emerge, impondo-se como algo de singular. É nesse sentido que origem se distingue-se de génese, onde a associação e feita apenas por sequencias ou afinidades temporais. A génese não permite analisar as ideias criadoras. A evolução cronológica apenas permite ver a sucessão do antes e do depois. O método da teoria da história de benjamim vai identificar que na origem do drama barroco alemão, não está a tragédia renascentista, mas os diálogos socráticos. É a partir dessa conclusão que é possível identificar o barroco como algo de novo, que emerge.

A filosofia da história seria sobretudo uma ciência das origens das configurações históricas. As suas ideias fundadoras. As ideias que transportam novas formas do olhar e do agir. Na teoria do Drama Barroco proposto por Benjamim defende-se que algo de novo emerge. Que essa nova ideia é uma configuração organizada. Sem essa compreensão da sua unidade interna, os dramas barrocos não passam dum amontoado de fragmentos sem unidade.

Ora o Barroco constitui-se como um espetáculo de extremos. Há que procurar nas suas origens o que está por detrás das aparências. Perguntar onde é que está a imanência do ser e a sua transcendência. Na estrutura narrativa do Drama Barroco, analisado por Benjamim, há três tipos contantes. O príncipe, monarca que representa o Poder; o cortesão, que representa o processo, os caminhos possíveis da afirmação do poder; e o cenário, que representa o espaço onde se concretiza a ação, incluindo as forças da natureza e a vontade dos seres. A vida é sempre apresentada como imanência absoluta. O poder  é algo de imanente, do qual não se pode fugir. A história é um espetáculo e a transcendência é um jogo de ilusões. O barroco é sobretudo um espetáculo dentro do espetáculo. Um jogo de espelhos onde tudo é fluido, onde o sofrimento faz parte da vida. A visão da história do Barroco é uma visão natural. Um campo de tensão fora da moral. É um campo de espelhos, um labirinto de vias. A escolha do labirinto é a tarefa de compromissos. Constelações de vontades em constante fluxo.

Esta teoria da história de Benjamim justifica o aspeto inovador do Barroco. Assim, se na idade média, a relação do ser humano com o mundo se baseava na transcendência. Transcendência que se concretizava na dissolução da cidade terrena na cidade de deus, de que santo Agostinho é referência; o Barroco, note-se que é ele é essencialmente uma resposta à Reforma, exclui esta transcendência, afirmando a imanência essencial do ser. O processo de salvação do ser é terreno e implica sofrimento. Implica sofrimento porque o homem faz parte da natureza. O destino do homem é natural e implica o sofrimento. A morte como sofrimento é natural. É essa experiência de sofrimento natural que permite a salvação. A experiência da natureza faz parte da história. E como experiencia, a história é um labirinto de possibilidade, onde todos os caminhos se encontram na tragédia. Essa tragédia essencial é o fim. Ao ser humano cabe moderar esse destino. O papel da política é ser instância moderadora da tragédia.

Esta teoria da história do barroco reduz a história à natureza. Esta naturalização da história, a sua violência sentida na europa da guerra dos trinta anos, permite a emergência da instância moderadora da política como local de regulação das paixões. Amansar ou domesticar a força da natureza com destino do ser.

Finalmente, na representação do Barroco analisada por Benjamim é importante entender o papel da alegoria. O barroco é essencialmente uma técnica da alegoria. De fazer uma coisa passar por outra. A própria ideia dos jogos de espelhos já tem implícita a ideia da alegoria. A natureza selvagem pode ser confrontada como a história como destino. Sendo a morte o último e seguro destino final da vida. A natureza no barroco é um mundo de destruição. A alegoria no barroco conduz á sucessiva destruição das ideias. Cada ponto de partida, dissolve-se rapidamente. A instância política, no momento em que estabelece um compromisso, é simultaneamente o momento em que esse compromisso se dissolve.   A significação do Barroco dissolve-se na sua própria alegoria. Uma alegoria que se pode representar na política pelo absolutismo.

O poder absoluto é o que concentra tudo. Esse poder, na sua essência é, alegoricamente, igual à força da natureza. Por isso é necessário mediar esse poder absoluto por instâncias mediadoras. O drama do barroco é que a cada momento, cada instancia mediadora se dissolve, dando origem a outras estâncias. A linguagem torna-se portanto um exercício de significações.

Através do processo de procura de significações, o Barroco vai criando um processo de conhecimento. Um conhecimento que é sempre fluido, incompleto. A linguagem e a palavra são elas próprias um instrumento de criação de saber original, ao meso tempo que medeiam a força destrutiva da natureza. A história torna-se também ele num processo de significação da natureza. Através da história procura-se a redenção. A linguagem procura fixar o património, criando sucessivas alegorias sobre o seu significado.

O significado da alegoria, no barroco e fora dele, é sempre ele próprio uma ilusão. O alegorista tem consciência dessa ilusão. Tem consciência desse pecado original. Assim, é através da alegoria que se conhece o pecado original. Em suma na Teoria do Conhecimento de Benjamim o Barroco é uma conceção do mundo. Algo que dá uma orientação.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development