Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

O Barroco e a Festa

A questão do Samba e do Fado conduz-nos na busca de novos olhares de investigação com base na proposta metodológica da sociologia das ausência e da sociologia das emergências. Olhares que nos levam ao questionamento dos silêncios nos processos vividos. Poderá a questão do Fado e do Samba, como festa integrar-se numa proposta emancipatória.

Boaventura Sousa Santos em Critica da Razão Indolente (Santos, 2000) apresenta a proposta de aprender com o sul, com o barroco e com os espaços de fronteira. Aprender nos novos lugares da transição. Será o Fado e o Samba um espaço dessa constelação tópica proposta pelo autor. O nosso objetivo neste momento o de integrarmos reflexão sobre o Barroco na nossa reflexão a partir desta proposta apresentada em “Os horizontes são humanos: da regulação à emancipação”, onde o autor trabalha três topoi: O Sul, A fronteira e o Barroco ( (Santos, 2000, p. 305).

Dos dois elementos já nos debruçamos noutros lugares. Revejamos rapidamente a proposta do autor para a análise do elemento do Barroco como forma de expressão artística (Santos, 2000, p. 330). O Barroco como se sabe é uma forma de expressão artística que se constitui no sul da Europa no século XVII, como resposta à iconoclastia protestante e calvinista do norte da Europa, e que é posteriormente exportada para as colónias americanas e asiáticas. Uma excentricidade da modernidade.

O termo barroco é usado nesse livro como expressão metafórica duma forma de cultura capaz de ultrapassar os limites da forma para procura processos de emancipação social. Ou seja, segundo Sousa Santos, a excentricidade desta forma cultural que surge nos países periféricos do então centro (o Barroco manifesta-se em nos espaços do catolicismo, como relação ao movimento protestante, num momento em que a hegemonia do sistema mundo se desloca do mediterrâneo para o Norte a Centro da Europa). Como reação ao porque se reproduz em cada espaço de acordo com as especificidades de cada lugar, que se traduz na constituição de formas específicas desses mesmo lugares, apenas é possível devido á fragilidade dos centros de poder colonial. Ou seja é uma manifestação inversa da tendência hegemónica do centro. E é nesta asserção que o termo adquire significância no campo da análise da emancipação social no âmbito do paradigma emergente.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development