Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

Os rio na margem da História.

Num interessante artigo no Fórum Permanente dos Museus afirma-se “A visão dos rios como fundamental elo territorial de abrangência continental é talvez a mais marcante dentre as ideias difundidas em sua introdução. É suscitada aí a compreensão do desenho dos rios e de sua existência como elementos de um sistema hídrico complexo, revelando sua importância como vínculo e subsistema dentro de uma rede de cidades americanas que de alguma forma viabilizam sua existência como tais. Buscou-se ainda lançar um olhar renovado para a dimensão da costa interior, tida usualmente em detrimento à costa atlântica no imaginário nacional. Exatamente nesse sentido o arquiteto retoma os significados possíveis para a palavra margem destacando entre eles, o da terceira margem de João Guimarães Rosa, e ainda o da costumeira expressão dar margem, que conteriam, intrínsecos a suas designações, um conteúdo em potencial, ou ainda, a ideia de acréscimo, superação.”[5]

A questão da periferia e da subalternidade atravessa o discurso das ciências sociais. Naturalmente que a definição da periferia é feita em relação a um centro. Quem define então o centro. Como se defina a periferia em relação a esse centro. Qual é a relação entre a teoria dos centros e as teorias económicas do sistema mundo? São tudo questões que ficam em aberto para discussão futura.

Encerrado o Simpósio tarde livre. Seguimos para o mercado de são Paulo. Um mercado grande, na base da colina, construído pela república para alimentar a grande cidade. Os vitrais na parede mostram a ligação da cidade e do campo. Uma ligação mítica entre a agricultura e a indústria com o comércio. O pastel de bacalhau é uma instituição. Com cebola em abundância, ao contrário do bolinho de bacalhau (o pastelinho português) acaba por ser um bocado enjoativo.

Passado mercado seguimos pela rua do comércio atá ao centro. Não se pode dizer baixa, porque o centro fica no planalto. Daí em direção ao Bairro da Liberdade, o tradicional bairro Japonês. Entra-se no Bairro, por detrás da Igreja no Largo de João Mendes. Há mais rostos japoneses, nas ruas candeeiros japoneses marcam a diferença na organização da iluminação do espaço. Há restaurantes japoneses. No museus da imigração da comunidade japonesa estão as marcas duma memória vivida e reconstruída. Dos primeiros imigrantes, pobres, importado através do porto de Santo para as companhias do café, rapidamente se transformam em  empresários. A segunda geração acolhe já conterrâneos que utiliza num pequena “revolução agrícola” que permite abastecer a cidade de produtos alimentares. Com a segunda guerra mundial, a ostracização de ser o outro. O retomar das memória na reconstrução industrial.

O memorial oscila entre a dupla identidade. A narrativa genealógica do mito original e o mito do empreendedorismo. O museu da imigração é afinal feito para salvaguardar a memória dessa comunidade. Rastear a imigração japonesa afirmar a identidade e o valor da ação dos que tem poder na comunidade. A noite jantei sushi num centro comercial.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development