Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

Enfrentamento contemporâneo

O primeiro dia de seminário terminou. Após o almoço fiz a minha intervenção. A primeira sessão após a abertura. Durante a apresentação da introdução, os vários cursos de museologia ficou bastante claro as várias tensões na da museologia de Brasil. As pequenas guerras de poder. Também parece bastante claro que a Universidade de São Paulo está a ser feito um trabalho metódico de formação. Um trabalho que assenta na investigação feita. Em pequenos passos que vão consolidando um caminho. Vai-se construindo um compromisso. As várias apresentações mostram, através dos discursos, o que oferecem. A Baía percebe-se algumas fraquezas. A Rio, onde parece existir alguma experiencia, com alegria. Em são Paulo, sentiu-se o rigor. Um retrato, talvez parcial, mas que pode ser o do país.

Alias, é interessante observar o que se passa na cidade. As exposições de São Paulo são outras esquinas. Em cada local há um dialogo com a Modernidade. Como Disse Inês Montovani, os mega problemas da cidade são novos tipos de problema para a museologia. Através dos percursos que a cada esquina podem ser observados, as diferentes redes de influencia atuam de forma diferenciada. As redes de conexão. A museologia nas mega cidades é uma museologia envolvida em redes de conexão. O museu é um espaço que se adapta à captação de redes de conexão.

Terminou o dia. Um passeio pela Praça da Republica deixa observar um outro lado da vida na cidade. Ao longo do dia são diferentes os que utilizam a praça. Acabamos numa conversa num pequeno bar ao ar livre. Dum lado uma banda de semba. As gentes dançavam. As mulheres remexiam as ancas roliças. Desafiavam com o olhar. De tempos a tempos um jovem lançava-se para o meio da pista. Convidava a seguir o ritmo. Fazia-se uma dança de sedução. Imagens da sedução nos museus. É interessante entender como o exercício da sedução se apresenta como um exercício cultural.

Ao ar livre, com ambiente de música, corpos que se entregam ao ritual da sedução. Bem diferente do espaço fechado, onde os corpos se entregam à sedução dos objetos. A sociedade de consumo é uma sociedade de sedução a partir da feitização da mercadoria. Retira-se da natureza o ritmo, o odor a sensação para se devolver como consumo, como objeto de consumo, em perfume, em músicas em sensações de cores e formas. Enfim, maneiras de estar no mundo. É necessário enfrentar esse mundo para tornar o museu como espaço de questionamento.

Interrogo-me sobre o sentido destas apresentações. Falei da minha experiencia. Senti a tensão. Em pouco minutos esgota-se a fala. Afinal todos temos um tempo para falar. Um tempo ansiado que se esgota rapidamente.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development