Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

O esplendor do Barroco

Saio de manhã com G. Passamos pela Praça da Republica onde se encontra um mercado de oportunidades e apanhamos o metro para o centro da cidade. Compramos a meias uma serie de dez bilhetes para as viagens. Centro da cidade, com a sua sé. São Paulo é uma mistura colorida de diferentes olhares. A palavra que emerge é a diversidade. O verbo, é o que traz a mensagem. A luz que a palavra transporta é iluminada pelo verbo. A beleza da arte é mostrar a luz que incide sobre o objeto. A transparência da luz é um conceito interessante para desenvolver.

Atravessei o Largo da Luz com o povo agarrado a si mesmo. Uma humanidade que caio no deslumbramento do si. Agarrado aos poderes da química. Daí à entrada nas 100 gravuras de Salvador Dali desenhadas para a edição do Livro “ Divina Comédia” de Dante Alighieri. O trabalho de mergulhar na profundidade o inferno, encontrar os vícios , vícios que estão dentro de si.

Acompanhado por Virgílio emerge no Purgatório. Um caminho para espiar os vícios. A procura do aperfeiçoamento moral. A análise do ser. A escolha do caminho e o enfrentamento dos desejos humanos. O Purgatório como caminho da revelação e do autoconhecimento. Finalmente o paraíso, acompanhado por Beatriz, onde as virtudes são recompensadas.

Escrevo estas palavras no diário sentado no Pátio do Colégio. O lugar fundador de São Paulo, fundado pelos Jesuítas nos idos de setecentos. A Igreja foi restaurada no século XX, em 1954 segundo está inscrito nas pedras. Aliás, todo o complexo foi alvo de sucessivos restauros, cada um deles contextualizado pela preocupações do tempo. O certo é de Manuel da Nóbrega e do padre Anchieta chegou até nós uma notável herança. A transformação em 1554, do Planalto de Pirantiniga, entre os rios Tietê, Anhangabaú e Tamanduateí, com a anuência do cacique Tibiriçá, que comandava uma aldeia de guaianases nas proximidades, num barracão de Taipa é um espaço dinâmico que acompanha a história do Brasil. Destruído em 1759 aquando da expulsão dos jesuítas,  a cidade permanece. Reconstruído acompanha hoje a cidade de São Paulo que se tornou uma megacidade. Agora na igreja assiste-se a uma liturgia dominicana. Canto sacro acompanha a celebração litúrgicas. Os á s clérigos recebam os crentes à porta. Acompanham a entrada e procuram criar uma comunidade de comunhão. Através do canto encontram um denominador comum. Através da voz humana procuram o eco do divino. Procuram, através da palavra divina a humanidade.

Terminado o almoço, visita às galerias do pário. Uma pequena exposição mostra, na cave, os habitantes do espaço de são Paulo. Espaço dedicado aos índios. No primeiro andar, arte sacra. Quadros e estatuetas. Há uma tradição paulista de pequenas estatuetas em madeira.

A Caminho do Parque do Irabaguera. Descida numa estação de metro e uma longa caminhada a pé. No parque está o museu Afro, dentro dum edifício do Óscar Niemeyer. O parque está cheio de gente. É domingo e todos procuram o ambiente fresco da natureza. Anda-se de patins, skate, bicicleta ou a pé. No palco um programa de música com Elis Regina. Quem não gosta leva a sua própria música. Os rappers formam pequenos grupos de improvisação. As esplanadas cheias de gente. As crianças comem sorvetes. Namorados passeio de mão dada. As pessoas dão beijos no meio da rua. Os namorados passeiam de mão dada debaixo das árvores. Plantas da amazónia. Plantas que deixa um cheiro adocicado no ar. A Poética do Cheiro como experiencia da cidade permite-nos sentir a felicidade e bem-estar.

Visita ao Museu de Arte Moderna. Um novo edifício, adaptado para um novo museu pela Universidade de São Paulo, também do traço do Niemeyer. Na cave os ramos da amazónia que crescem entre paredes. As fotografias duma cidade em progresso que se transforma todos os dias. A construção do projeto documentada na imagem tornada exposição. Esta fúria de documentar tudo e de tudo expor é um tormento.

Regresso de autocarro. Sente-se a corrente humana. Amanhã começa a conferência e é preciso preparar as coisas. Saio no Metro Republica e dirijo-me para o Hotel. No caminho, mais uma exposição “Crisálida”Um museu sobre a diversidade. Um património fotográfico, recolhido ao longo de dezenas de anos. Vou janta ao MBP. Ali perto o povo dança samba.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development