Viagem ao Brasil Barroco e Festa II

A vida como hipótese de êxtase

Jaime Ginzburg trabalha sobre literatura e violência. As situações limite exploradas como hipóteses narrativas. Trata-se de narrativas hipotéticas onde o excesso é trabalhado como um todo. Um todo de impossibilidade. Jaime Ginzburg trabalha sobre a forma com a realidade é entendida. O excesso é uma forma da compreensão do todo. Nas situações limite, de que forma é entendida a questão do todo. A compreensão do todo é elíptica. Revela-se nas situações limites como um todo no seu absurdo real. A análise do lugar dos discursos sobre as situações limite é o seu tema de investigação. Qual é a fala daquele que está no lugar do escravo. Qual é a linguagem dum personagem que está no limite.

Nas estratégias de terror o êxtase é uma experiência do sagrado. Exige a compreensão do sagrado. Nessa compreensão, a experiência do transe é uma experiência de revelação. O trauma é o elemento de representação da experiência.

O êxtase é uma possessão. Uma ebulição interior. Um momento de contacto entre o sagrado e o profano. Um momento em que a ordem e a desordem se reencontram. No êxtase exprime-se uma emoção, um sentimento de imortalidade. O desejo é uma suspensão do consciente. Um momento de tensão interior. O êxtase acontece perante deus e o amor, ou nas situações limite. Produz um estado de felicidade máxima.

O momento do êxtase é no entanto um resultado processual. Implica um ritual. Uma iniciação. A situação do terror, o terror inicial. O medo é uma componente inicial da emoção do êxtase. Ele implica um renascimento. O momento iniciático é o momento da transformação. A mutilação e a criação de sinais corporais é parte da procura do êxtase. O êxtase e o desejo como condição imperativa, como exigência da consciência. O ritual do terror é voltado para o choque extremo. Há uma procura do ferir. De criar uma marca. A capacidade de cumprir o ritual é uma imagem da dimensão humana. Uma experiencia de situação limite vivida como uma janela de entendimento sobre o si.

O estudo das situações limite, para além de permitir abrir as janelas de entendimento, também revelam que o passado não se explica completamente pelo presente.


[1] Doutorada em Antropologia visual e Arqueóloga, investigadora da Universidade do Pernambuco. Tem vários trabalhos sobre a área do Nordeste.

[2] Na Grécia Antiga, o demo (em grego: δῆμος) era uma subdivisão da Ática, região da Grécia em torno de Atenas. Os demos já existiam, como meras subdivisões de terra nas áreas rurais, desde o século VI a.C., e mesmo antes, porém só adquiriram um significado mais importante depois das reformas de Clístenes, em 508 a.C.. Nestes reformas, o alistamento nas listas de cidadãos de cada demo passou a ser obrigatória para a obtenção da cidadania, que até então era obtida através da associação com uma fratria ou grupo familiar. Ao mesmo tempo, os demos foram criados na própria cidade de Atenas, onde não existiam anteriormente. No total, ao fim das reformas de Clístenes, a Ática estava dividida em 139 demos. A transformação dos demos em unidades fundamentais do Estado enfraqueceu os genoi, grupos familiares aristocráticos que até então dominavam as fratrias.

Um demo funcionava até certo ponto como uma pólis em miniatura, e alguns demos, como o de Elêusis e Acarnas, de fato consistiam de cidades importantes. Cada demo tinha um demarca (demarchos) que a supervisionava, bem como diversos outros funcionários civis, religiosos e militares. Cada demo tinha seus próprios festivais religiosos, e era responsável por coletar impostos e gastar sua renda da maneira que melhor lhe aprouvesse.

Os demos eram categorizados com os outros demos da mesma área, formando trittyes, grupos populacionais maiores, que por sua vez eram combinados de maneira a formar as dez tribos (phyles) de Atenas. Cada tribo continha uma trittys de cada uma das três regiões: a cidade, o litoral e o campo.

Phyle (Greek φυλή phulē, “clan, race, people”, derived from ancient Greek φύεσθαι “to descend, to originate”) is an ancient Greek term for clan or tribe. They were usually ruled by a basileus. Some of them can be classified by their geographic location: the Geleontes, the Argadeis, the Hopletes, and the Agikoreis, in Ionia ; the Hylleans, the Pamphyles, the Dymanes, in the Dorian region.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search