Viagem ao Brasil Barroco e Festa II

Experiencia limite: A questão do esquecimento das línguas.

Rosana Kohl Bines do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade PUC – Rio apresentou a questão das Línguas da Infância na Narração da Morte. Aqui ficam algumas questões que retivemos

O desaparecimento das línguas como um campo de estudos da memória social. O esquecimento na psicologia social, em Freud e em Jung e Jackobson levantam questões interessantes.

Para Freud na sua linguagem da psicanálise, a diferença entre uma ideia inconsciente e uma ideia pré-consciente (um pensamento) resulta de que no primeiro caso o material de trabalho está oculto, enquanto no segundo caso se verificam representações verbais. Nomes que navegam perdidos como fragmentos  mnésicos.

Na teoria de Freud, a mente é composta pelo Ego, superego e id: o núcleo do ego é o sistema das perceções, o id são as pulsões instintivas, o superego é o ideal do ego como representação do id perante o ego. As representações verbais têm como função converter os processos mentais interiores em perceções. O Ego é verbalizado pela fala. A linguagem torna-se assim uma forma (pulsão) instintiva (id), que convertem em ego quando (ou se) atingem o mundo exterior. O ideal do ego que, na qualidade de ideal, o limita e censura, só permite ao ego exteriorizar aquela parte do id que ele, superego seleciona previamente segundo os interesses do ideal a manter. Esse ideal é apresentado ao ego originário do mundo exterior. O mundo interior representa os dados exteriores ajustando-os aos seus desejos. Estamos perante uma situação de permanente tensão.

A linguagem como tensão do sujeito é um instrumento de trabalho da psicanalise. O inconsciente é um campo de conflito. Uma margem. É nessa fronteira que se forma a categorização linguística.

Assim como através da linguagem, o psicanalista avalia o discurso do sujeito, uma fala enunciada pelo superego, que diz aquilo que quer, ou que acha, que seja ou deva ser ouvido; e um outro discurso, a do discurso inconsciente (o do id) onde se enunciam todas as percepções, acessíveis pela gestualidade, pela congruência dos discursos. O discursos transporta um conjunto de mensagens, onde a descoberta da adequção da sua motivação permite que os discursos de ajustem.

Ora se a descoberta da motivação faz entender a conduta dos sujeitos e a perturbaçãodo discurso resulta da substituição simbólica da motivação inconsciente (que contem trauma ou situações reprimidas, o discurso enuncia as antinomias que existem no próprio sujeito, visíveis pela entre língua e discurso; e uma outra antinomia, visível pelo conteúdo e das rupturas do discurso, onde emergem o inconsciente. Através do conteúdo inconsciente deduz-se o simbolismo da linguagem inconsciente.

Como num jogo de espelhos, em cada história dum sujeito vislumbram outras histórias, que esclarecem a motivação. O esquecimento é uma dessas sintomáticas ruturas do discurso. Uma das margens

Através das linguagens do inconsciente (que seria a do sonho, a do mito e, parcialmente, a da poesia), aprende-se o caráter das coisas. As linguagem do inconsciente estão mais próximas da língua natural co-extensiva, através das quais se processa a aquisição dos padrões da cultura. Nas suas margens, a linguagem do inconsciente transporta a dimensão do universal. Do que tendo existido, continua a existir nas sombras do que é resolvido pela antinomia dos discursos. Através delas podemos aceder à natureza de coisa não-aprendida, e, portanto, universal, característica da linguagem do inconsciente.

Esta abordagem linguística do esquecimento revela que a linguagem é mais do que a produção de sons. Se a linguagem é a forma assumido por um conjunto de fonemas, associados a sons fonéticos e a conceitos, em situação de contexto, ela também revela o salto que é feito sobre o esquecimento. Os ecos da língua infantil, as lenga lengas como ecos do som inicial. Como seria esse som inicial que nada continha. O som inicial seria uma onomatopeia, um som sem valor de representação, ou seria um exclamar. Um grito que continha todos os sons. Há que explorar estas ligações com os trabalhos de Dante Alighieri na sua teoria da linguagem. Como se sabe Dante inicia o movimento de uso das línguas vulgares como línguas de comunicação. Ver a questão de Petarca e Boccaccio

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search