Viagem ao Brasil Barroco e Festa II

Leitura sobre a Cultura Barroca

No seu artigo sobre o regresso das identidades e globalização Boaventura Sousa Santos refere a questão das culturas de fronteira como espaços de análise de mudanças (Santos, 2013, 160).No tempo do regresso das identidades, do multiculturalismo, da transnacionalização, e das localizações as formas culturais de fronteira são as mais adequadas para a análise dos fenómenos, pois estas alimentam-se de fluxos contraditórios que as atravessam. Diz Sousa Santos “A leveza das zonas de fronteira tornam-se muito sensíveis aos ventos. É como uma porta de vaivém, e como tal nunca está escancarada, nem nunca está fechada” (ib.idem).

Ou seja para além do seu acentrismo e cosmopolitismo, a cultura de fronteira também tem algo de carnavalesco e de dramatização. São culturas que absorvem as formas sem se preocuparem com as essências. Reproduzem até à exuberância as estéticas e as éticas. São manifestações que se preocupam mais com a forma do que com o conteúdo. É certo que estas observações de Sousa Santos partem da forma cultural portuguesa. Mas aqui interessa-nos a sua segunda hipótese de trabalho (ib idem) em que estas formas culturais de fronteira, ainda que de forma diferencias, também se manifestam nos espaços lusófonos. A condição semiperiférica de Portugal produziu fenómenos coloniais imperfeitos. São também culturas acentricas e com tendência para a dramatização, que se misturam com outras influências que resultas dos seus processos sócias e políticos.

Vejamos como é que podemos fazer uma leitura da sociologia da cultura em relação a este passado, com base na apresentação de Renato Ortiz, feita na UFRJ a 10 de outubro, no seminário Arte, Cultura e Poder, organizado pela nossa amiga Myriam Santos.

A sociologia da cultura segundo Alfred Weber[1], um dos pais da sociologia da cultura, que escreve no início do século XX, traça uma narrativa da história desde o antigo Egito até tempo contemporâneo. No seu trabalho distingue a arte e a técnica, a cultura e a civilização, considerando que uma civilização é uma constelação de 4 sentidos.

O primeiro é um território de sentido, que dispõe de uma autonomia relativa define a cultura, o é culto e o que é cultivado. Trata-se de um conjunto de qualidades que se exprimem de diferentes formas. Pode ser pela arte, musica pela representação, que se autonomiza em constelação.

A segunda constelação é que se assume-se assim como uma totalidade. Uma totalidade que agrega um espaço geográfico específico, assume uma determinada identidade, constituída no seio das tensões vividas pelos atores. As nações do século XIX são configurações culturais que tornam específicas (populares) as linguagens clássicas formadas nos séculos anteriores.

A terceira constelação, deriva da produção do sentido. Essa especificidade que deriva da ideia de totalidade está inserido numa linha de evolução. Assim, o mundo primitivo, estudado pela etnologia, seria um mundo sem sentidos, cíclico, o mundo duma civilisão um mundo orientado.

A quarta configuração, é dada pela participação das massas. Uma cultura tem uma expressão coletiva. É vivida e recriada pelo conjunto social. No século XX, a racionalidade e o mercado vão assegurar que a ideia de cultura está vinculada aos processos de comunicação. Os bens e produtos culturais começam a ser produzidos e  ser distribuídos em massa.

A sociologia da cultura tem vindo a trabalhar sobre estas diferentes configurações. A partir desta última configuração tem vindo a refletir-se sobre o lugar da técnica no mundo contemporâneo. A tecnologia já não este restrita ao espaço urbano. A tecnologia é hoje um meio e um instrumento fundamental da produção e no consumo dons bens culturais, nas relações sociais. Que implicações têm a tecnologia nas relações sociais. Se a tecnologia invada o campo da cultura, assistimos ao esbatimento da diferença entre técnica e cultura. A escola de Frankfurt trabalha desde os anos trinta sobre esta questão. De alguma forma a ideia da oposição técnica como instrumento em oposição à cultura como meio de cultivo do espírito esbate-se e em alguns casos inverte-se, passando a tenica a constituir-se como o meio da difusão da cultura. Uma cultura de massas ou uma híper positividade da cultura.

Neste domínio o conceito de cultura de massas é interessante analisar. Massas enfatiza o ritmo de produção e consumo, quer em extensão, quer em quantidade. É um conceito difícil de operacionalizar no campo da cultura. A facilidade da sua distribuição implica uma inflexibilidade na sua produção, ao mesmo tempo que a oportunidade de preenchimento de nichos de mercado conduz à recusa da ideia de massa. A continua expansão dos mercados enquanto espaços de troca, com a sua dimensão global, com a monetarização da troca e com a aceleração da produção e consumo está a criar uma naturalização do mercado. O mercado torna-se na natureza. No espaço onde se concretizam as trocas.

O processo de globalização do mercado tem vindo a acentuar esta distinção entre cultura e natureza. Os bens culturais já não podem ser consumidos fora do mercado e o mercado assume um papel central nas trocas culturais. Ora, se o mercado está assente na globalização tecnológica a mundialização da cultura transporta três novos elementos de transformação da cultura. Umas, já acima afloramos. Os produtos culturais são agora produzidos para o mercado mundial. Mas esta mundialização também produz uma alteração de perceção do espaço. Alteram-se as perceções entre o que está perto e longe, do que é inteiro do que extenso, do que é nacional do que é estrangeira. O que vem de fora já não é estranho. Procura-se o outro e descura-se o vizinho. –Alteram-se as relações de proximidade a uma escala global. Os vínculos ao outro alteram-se e o debate sobre as identidades transforma-se. O nacional deixou de estar subordinado às instituições de produção de cultura nacional. O Estado deixa de deter o monopólio dos mecanismos de produção cultural. O Estado deixa de produzir identidades.

A questão torna-se relevante para o debate, As estrutura de poder nacional caracterizavam-se por desenvolverem processos de legitimação, processo simbólicos e por processos estruturais. Como é que os novos poder globais de estão afirmar. Que símbolos apresentam, que legitimidades apresentam e que estruturas desenvolvem. A observação de como as culturas tradicionais estão a ser substituídas ou a transformar em culturas globais é um fenómeno interessante. Qual é a legitimidade da língua inglesa a afirmar-se com língua global. Como emergem as industria de Hollywood ou Bolywood. Como é as a Coca-cola e o MacDonald se estão a transformar em modos de vida globalizados.

Outra problemática relevante para a cultura, decorrente dos fenómenos de globalização, constitui-se nas questões do progresso. A ideia do progresso, que caracterizava a abordagem do social e a função da tecnologia altera-se. Se a tensão entre a tradição (uma temporalidade circular) e a modernidade (uma temporalidade linear) desaparecem, sempre com a superação pela modernidade. Essa superação, que levou a construção duma outra narrativa com base na natureza, que agora se opõe ao progresso, constitui uma outra grande narrativa que unifica os discursos sobre a modernidade. A quebra das linhas de tempo da modernidade, criando a diversificação dessa própria modernidade e das suas tradições irrompe como novas culturas, em oposição às culturas globais.

Esta alteração no interior da modernidade tem vindo a fazer emergir a ideia da “gestão cultural” como nova ideia a aplicar à cultura. A cultura passa então a ser uma técnica, onde se aplicam as “políticas publicas culturais”, atentos aos problemas dos públicos e da qualidade. A problemática da “gestão cultural” emerge com a racionalidade da cultura de massas, com as indústrias culturais. Esta racionalidade tem vindo a trazer para o discurso da cultura os temas dos discursos das empresas. Ela emerge na indústria cinematográfica nos anos setenta e alarga-se ao livro, à musica, ao teatro e às artes.

O objetivo duma política de gestão cultural é produzir eficazmente bens culturais para distribui-los com eficiência no mercado (nacional, e global). Esta racionalidade do mercado introduz nas políticas culturais novas racionalidade. Novas racionalidade políticas que levaram as políticas públicas, nos anos finais do século XX a olhar para a cultura como um mercado, que partindo do nacional se projeta no global. As políticas públicas culturais passam a ser espaços de gestão.

Se o Estado nacional se apropriou das expressões culturais para criar a cultura nacional, como é a esta cultura de estruturará na globalização. Por exemplo o folhetim, transforma-se em literatura, a pintura em fotografia, ao mesmo tempo que emergem novos meios de comunicação (radio, televisão, internet) que são num primeiro momento apropriados pelo estado, mas depois deixado livremente no mercado. Se sem cultura nacional não há estado nacional que tipo de formas culturais se constituem no mercado mundial.

As nações modernas tem vindo assistir a importantes transformações na esfera política. Transformações que acentuam o vínculo na consciência dos grupos[2] através da busca de especificidade. O debate em torno das questões culturais não deixa de ser marcado per esta característica de algo que facilita a consciência. Uma consciência que fazer cultura é produzir uma narrativa de poder, que a cultura é um espaço de tensão e negociação social.

Os anos sessenta foram marcados por uma intensa reflexão sobre as questões culturais que transformaram a cultura como uma totalidade. O discurso sobre o corpo, por exemplo, é uma questão que emerge no calor dos debates. A consciência de que o corpo mara uma conotação política. No corpo estão também inscritos os sinais do poder. O corpo como lugar de identidades coletivas passa então a poder ser objetos de trabalho na esfera da cultura, Da busca de ruturas.

As questões sobre as identidades acabam pró transportar para o campo da cultura os discursos dobre as políticas públicas. Deixam de ser afirmações do coletivo, para incorporarem as dimensões da individualidade. O espaço público deixa de ser apenas um espaço coletivo mas também é vivido pela individualidade. A emergência das ideias de direitos culturais vem acentuar estas dinâmicas. Em suma, as transformações na esfera da cultura caracterizam-se por assumir múltiplas dimensões. A sociologia da cultura dá conta de múltiplas polaridades que integram diferentes contextos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search