Viagem ao Brasil Barroco e Festa II

A fronteira no Brasil

Regressando à questão da análise das fronteiras e da sua relevância a partir do caso da narrativa do museu histórico nacional do Rio de Janeiro. A narrativa está bem clara e atual. A construção da nação brasileira é um esforço coletivo. Na saída da exposição, um espelho apresenta a imagem de quem sai. Uma metáfora onde se apresenta cada um como construtor dessa história. Nesse sentido, a construção dessa nação foi um alargamento das fronteiras, um esforço de afirmação de algo que continua. Algo que está em tensão com o tempo. Um fluxo que vindo do passado se procura projetar no futuro como possibilidade.

Também não deixa de ser curioso que essa modernidade expográfica seja apresentada através dos modernos instrumentos tecnológicos, mentando a relação com as formas expográficas centradas nos objetos. Espaços sem janelas, com espetáculo de luzes.

Vamos ver qual é essa correspondência com o que se passa no exterior. Sentado nos jardins do palácio do museu da Republica, agora perto da Prais do Flamento, procuro dialogar entre o sítio do velho castelo de defesa, morro arrasado pela modernidade, palácio recuperado como memória, e o sítio deste museus, que cresceu na velha estrada que ligava às chácaras do café dos arredores da cidade, absorvido por essa cidade.

Qual é afinal o sentido destas narrativas. O que há de comum e de diferente entre o Museu Histórico e o Museu da Republica. Ambos os museus passaram por processos de renovação. O primeiro, mais intenso e completo, ainda com alguns sinais das velhas exposições (o páteo dos canhões ou o museu dos transportes), mas claramente em modernização nas novas exposições temporárias (a exposição sobre os jogos olímpicos). Este da Republica mais lento. Com os primeiros pisos ainda marcado pela sacralidade do espaço de casa museu, centrado no quarto de Getúlio. Nos últimos pisos a libertar tensões da modernidade. Caricaturas de pessoas nas escadas. O museu a procurar tomar conta do espaço. A aproveitar e a racionalizar o espaço na procura de outras linguagens e outros protagonistas. A convivência entre o espaço mítico e o espaço profano. A emergência duma república mítica, uma republica minominiana, duma museologia do afeto e do humor.

Por exemplo, a exposição sobre os presidentes, apresentada na galeria de exposições temporárias, onde se apresentam uma série de quadros dos retratos ou fotografias dos diversos presidentes, decorados com figuras do tempo. A novidade desta exposição é colocar, na linha do tempo as figuras de banda desenhada. Tudo em folhas A4, numa solução expográfica barata. A apresentação do Zeitgeist de cada época

De onde vem este conhecimento. Qual é a sua origem. Afinal de onde é que brotam estas ideias que nos surgem. Elas reproduzem os objetos externos À nossa mente, ou são criações da nossa imaginação. Não é um problema fácil Teve ao longo dos anos diferentes propostas de abordagem.

A proposta platónica centra-se na convicção de que o conhecimento provém do objeto. Através das sensações ou do pensamento, o que se pensa vem do exterior do eu, do sujeito. Com cada objeto é único, a sua relação com o todo efetua-se nesse tal mundo ideal. A alma pode entrar em contacto com esse mundo das ideias. Um mundo de imaterialidade. Essa mesma alma, que ao corporizar, perde a sua ligação, mas mantêm a reminiscência ou anamesis dessa pertença original. O conhecimento é uma aproximação. Sempre imperfeita, sempre construída de sombras, como na alegoria da caverna, mas possível de ir desvelando.

Em Aristóteles, o conhecimento resulta do esforço do próprio sujeito. A mente elabora os dados da experiencia e procura neles o que há de universal. A procura da essência ou da poética faz parte desse caminho

Os neo-platónicos, muito influenciados por Santo Agostinho vão manter essa relação de exterioridade entre o universal, exterior e o particular, com resultado das especificidades de cada um. A ideia de Deus, como ideia da perfeição, iluminadora dominará durante vários séculos o pensamento europeu.

A reforma do pensamento escolástico com Tomás de Aquino vai efetuar uma síntese entre o pensamento platónico e aristotélico. Ao relacionar a perfeição do universal, com a ideia da ação humana para elevação do espírito, desloca o centro da procura do pensamento da busca da imanência pela revelação, para a procura dessa essência pela experiencia. A tensão entre razão e emoção marcará o conhecimento moderno. Descartes e Locke são disso um exemplo.

Com Kant procura-se a resolução entre ente conhecimento formado pela razão ou pela experiencia. A síntese Kantiana, em que o conhecimento resulta da ação do sujeito sobre o objeto e do resultado dessa observação do objeto sobre o sujeito O objeto provêm da matéria. O sujeito adiciona a forma. A forma existe a priori e o objeto à posteriori. Nas categorias de conhecimento Kantiano, o espaço e o tempo são produção do intelecto, e existem à priori ao passo que as demais categorias – de qualidade (ser, não-ser, limite), de quantidade (unidade, multiplicidade, totalidade), de relação (acaso, causa-efeito e interação), e de modalidade (possibilidade/impossibilidade, realidade/irrealidade, necessidade/contigência) existem nos objetos e podem ser observadas. Dessa observação resultam juízos. Os juízos, são operações lógicas sobre a observação, que constituem o conhecimento científico válido. São efetuados a partir duma observação dum sujeito, num dado espaço e num dado tempo, sobre um objeto. Essa observação incide sobre a sua qualidade (juízo afirmativo, negativo ou indefinido), sobre a sua quantidade (singularidade, universalidade ou particularidade), sobre a sua relação (categórico, hipotético, disjuntivo), e problemáticos (juízos assertório e apodíticos). Esta seria a gramática do conhecimento.

Como sabemos, Hegel procurará criticar esta filosofia crítica sobre o conhecimento transcendental na sua “Fenomenologia do Espírito”. Antes de procurar a verdade da coisa em si mesma, é necessário um método sobre o que significa conhecer. O que é o conhecimento e como é que controlamos o seu acesso. Se o conhecimento conduz à verdade, à totalidade, como é que escolhemos e porque escolhemos o caminho. Pois sendo essa totalidade o absoluto, qualquer caminho serviria para lá cegar, e tal não acontece. Como assegurar que não há erro. Por outro lado, implicando a escolha uma intenção, como é que essa escolha poderá conduzir à totalidade. Ou seja a escolha não é o todo, mas apenas um meio para atingir o todo. Assim sendo, com resolver o paradoxo entre o fim o e meio. A dialética procura resolver esse impasse sobre a observação de objetos no espaço e no tempo, introduzindo essa relação do objeto transcendental com o processo dialético.

Haverá ainda outros desenvolvimentos na teoria do conhecimento, que noutras alturas abordaremos. Interessa-nos agora introduzir a questão do valor do conhecimento. O que é que vale o conhecimento e para que serve. Ou melhor como é que aferimos a veracidade do conhecimento. O conhecimento, tal como a memória social são conjuntos de informações aferida pela experiencia. Experiencias verdadeiras. Todavia, uma experiencia verdadeira apenas o é num determinado contexto e circunstância. A forma como temo de confiar nas nossas experiencia é não só assegurar que naquelas circunstâncias e naqueles contextos de verifica uma determinada dinâmica, como também devemos assegurar que, variando os contextos e as circunstâncias, a capacidade de conhecimento se matem válidas. A dimensão da inovação do conhecimento implica não só o alargamento do seu campo como o seu aprofundamento multidimensional.

A validade o conhecimento implica portanto separar a sensação imediata, do esforço de racionalização, procurando as ideias. No entanto, as sensações são também elas uma forma de conhecimento. É através delas que recebemos os dados do mundo exterior, e é através delas que comunicamos com o mundo exterior e com os outros. Ou seja é esse confronto com do sujeito exterior, a resistência do mundo, que constitui a realidade.

Existe portanto uma dimensão onírica e uma dimensão social na produção do conhecimento. O valor do conhecimento emerge da sua adequação a esse real e o modo de o aferir é através da sua partilha social. Uma realidade que se traduz nos fenómenos. O valor do conhecimento emerge da análise dos fenómenos e a sua validade é demonstrada pela sua adequação.

Vejamos então o fenómeno do Brasil a partir das suas narrativas identitárias. A construção dessa narrativa identitária expressa a relação dos diferentes poderes sociais e adequa-se ao tempo da sua construção. Trata-se portanto dum discurso. Nós pretendemos ler para além dele. A partir dele e da observação da realidade, encontrar os fenómenos de mudança.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search