Viagem ao Brasil Barroco e Festa II

Outros pensares 

Trabalhamos sobre a questão da formação das identidades. As forma de narrar as identidades. Como sabemos os modos de narrar a identidade foram, no século XIX nas Américas e no século XX, na Ásia e na África, processo de afirmação cultural que sustentaram a construção da emancipação social. A construção da entidades políticas sul-americanas, com base no modelo Estado-nação, nas periferias da Europa Nacionalista, constrói estados multi étnicos. Espaços de confrontação entre grupos a partir da qual são construídas as narrativas identitárias.

Como todas as construções sociais, as narrativas constroem-se e dissolvem-se, recontextualizam-se e reajustam-se aos dados do real. O confronto entre o “demos[2]” e o “etnos”, do confronto entre a consciência da diferença e da diversidade produz os elementos de conservação e de inovação. A dialética dos processos identitários assume assim diferentes formas e ajustam-se a diferentes conteúdos em função dos diferentes contextos.

Ora, a propósito desta fluidez na questão identitária, e a propósito da reflexão sobre a características barrocas e de fronteira da identidade portuguesa, Boaventura Sousa Santos, em “Modernidade, identidade e cultura de fronteira” (Santos, 2013, 137), afirma, a partir do manifesto da antropofagia de Oswaldo de Andrade, que a recusa a inicialidade genética, transportando o passado para o presente, permitindo um recomeço, funda o novo horizonte de possibilidade. Este apelo à redescoberta do que une o grupo implica a presentificação do outro e o conhecimento da posição a partir do qual de enuncia o discurso. É esse posicionamento que permite a apropriação seletiva e transformadora das heranças.

A cosmovisão do património oscila entre o uno e o todo. Entre aquilo que sendo único representa o todo e entre aquilo que sendo todo representa a individualidade. A ação humana, o livre arbítrio, fundamentam e alicerçam desde o renascimento a base da ação dos indivíduos. “o humanismo renascentista é a primeira manifestação da subjetividade” Santos, 2013, 140) Entre o uno e o grupo, a “subjetividade individual” e a “subjetividade coletiva” postulam a necessidade de ler o mundo como uma “communitas”. A ação decorre num espaço delimitado, onde se inclui e exclui quem pertence ao grupo. Ou pelo menos, em que condições se pertence ao grupo.

A organização que ocupa esse espaço, no renascimento, é o Estado Nacional. Uma tentativa de recuperação da ideia da comunnitas medieval, defendida por Jean Jacques Rosseau em “o contrato social” . Um contrato em que cada membro duma comunidade coloca-se debaixo da “vontade geral” e onde cada membro é uma parte do todo, cabendo a todos a proteção de cada um. Com a vida em comunidade o individuo ultrapassa o seu estado natural e insere-se num estado civil. Uma ordem social. Essa ordem social é assegurada pelo estado. A questão da tensão entre a liberdade individual e a vontade coletiva, leva á questão da delimitação da soberania, num determinado espaço e num determinado território, que será uma das questões que chega à atualidade. A questão do uno e do todo, ou do contexto e da circunstância. O conflito entre a abstração da lei e a prática da lei.

A aplicação destes princípios na criação das modernas identidades dos grupos levou à afirmação dos processos circunstancialidade em prejuízo do de contexto. Ou seja levou à afirmação dos princípios abstratos das identidades, em detrimento das análises circunstâncias. O princípio do Estado Civil defendido por Roseau, que se baseava no contrato social, na relação dinâmica entre o uno e o todo, entre o geral e o específico, colapsa. Esse colapso permite os diferentes epistemicidios levados a cabo pelos europeus no mundo moderno. O método da colonização é a negação do outro, como indivíduo e como organização social.

Na formação das identidades modernas os fins justificam os meios. Da guerra justa, às práticas higienistas do estado, em nome do bem comum, abstratamente defendido pelo poder hegemónico, o individuo e a sua sociabilidade é arrastado para o interior dum turbilhão de violência.

Sendo certo que contra essa “racionalidade descontextualizada” (Santos, 2013, 144) foi contrariada pelos diferentes movimentos políticos (liberalismo/romantismo, marxismo/realismo. O Romantismo pela exacerbação do original e do específico e o marxismo pela organização do social pelo estado de acordo com modelos centrais. De acordo com a proposta teórica de Sousa Santa, o conflito entre regulação e emancipação levou, a que no marxismo essa tensão se desenvolve-se entre as classes. Essa radicação, que levou à confusão entre a classe operária e o partido, e entre este e o Estado, levou ao abandono das formas de mediação, que apesar de tudo, a social democracia e o capitalismo conseguiram manter, se não em todos os espaços, pelo menos em muitas formas de organização social, ainda também que nem sempre prefeitas.

A construção dos vínculos identitários, no romantismo vai verificar-se pela recontextualização de três vínculos, o vínculo étnico, o religioso e o natural; sendo que no marxismo se dá apenas pelo vínculo de classe. Todos esses vínculos acentuaram a dominação do indivíduo pelas formas de organização do estado. Progressivamente o Estado torna-se a entidade dominante na produção das identidades coletivas. Como diz Sousa Santos “sob a égide do capitalismo, a modernidade deixou que as múltiplas identidades e os respetivos contextos intersubjetivos que as habitavam fossem reduzidos à lealdade terminal ao Estado, uma lealdade omnívora das possíveis lealdades alternativas” (Santos, 2013, 147). Um papel em que as ciências sociais, com Durkheim com as solidariedades mecânicas e orgânicas corporiza. Nos tempos mais recentes, a questão da analise da formação dos processos identitários parece deixar claro que estamos perante uma reconfiguração destes processos. Que eles se constituem como elementos integrantes das tensões entre regulação e emancipação, sendo que, como alternativas, no mundo económico, a regulação parece dispensar a tutela reguladora do Estado, emergindo formas alternativas de hegemonia de poder. Assistimos pois a uma reconfiguração dos processos identitários. Ou como diz Sousa Santos, “a recontextualização e a particularização das identidades e das práticas está a conduzir a uma reformulação das inter-relações entre os diferente vínculosatrás establecidos, nomeadamente entre o vínculo nacional classista, racial, étnico, e sexual” (Santos, 2013, 149).

Esta descontextualização e recontextualização dos processos identitários leva à compreensão mais profunda que de essa é uma componente do processo histórico, uma componente das tensões existentes na sociedade, representadas por atores e instituições. As identidades são socialmente construídas, tal como a memória é socialmente construída. O fato de se entenderam tensões emancipatórias entre os diferentes atores, entre essa pluralidade de representações e a pluralidade de vínculos é uma forma de reconstrução identitária. Importa pois olhar para a multiplicidade dos processos de comunicação que existem entre elas.

Como campo de concentração e negociação entre atores, o campo das identidades e das memórias está em permanente recontextualização. Assistimos à sua aceleração no tempo e à sua multiplicação no espaço. Tudo está simultaneamente em todo o lado e simultaneamente, não está em lado nenhum.

Pode ser útil olhar para a proposta metodológica de Sousa Santos como ponto de partida (Santos, 2013, 153): Olhar para cada cultura como um processo. Isto é nenhuma cultura é auto-contida e nenhuma é coincidente com os limites do Estado. Uma cultura é algo que está em reconfiguração e nenhuma cultura é coincidente com as unidades políticas do Estado. Em segundo lugar, nenhuma cultura é auto-contida mas também não é indiscriminadamente aberta. Tem aberturas, prolongamentos, interpenetrações e interviagens próprias que são as suas especificidades. Em terceiro lugar, a cultura dum grupo social não uma essência. Uma cultura é um auto criação, uma negociação entre indivíduos que constroem sentidos hegemónicos. Uma cultura, como trajetória, não é inseparável do tempo que a antecede, nem da vontade de ação dos seus membros.

Daí a relevância da análise das fronteiras.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search