Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul

Guerra e paz em Mozambique

Os dias nascem da noite

E nunca o contrário

 

A guerra e a paz em Moçambique foi o tema da nossa intervenção no Seminário (

https://www.academia.edu/4581711/Mozambike_Peace_Resolution_Processn)Heritages Pratices on contested spaces” realizado em Setembro de 2013 na Irlanda do Norte. http://www.minom-icom.net/2013-heritage-practice-contested-spaces )

Nessa intervenção procuramos apresentar, de forma sumária as razões de levaram ao conflito armado pós-colonial e as formas do seu processo de paz. Acentuamos nomeadamente a questão do “traditional hiring” como como uma das formas de proceder à reconstrução da chamada harmonia social e o perdão pelos crimes de guerra. Segundo essa formula, foram evitados os tribunais e esquecidos os crimes praticados em nome da reconciliação. As vítimas foram esquecidas e o silenciamento dos crimes foram tratadas como assuntos individuais.

Ora neste momento, em que a guerra volta a surgir no horizonte, a questão da não resolução dos crimes de guerra poderá ou não constituir-se como motivo para a eclosão do conflito. É certo que vinte anos nos separam desse tempo de guerra. Mas a memória, para os que viveram a guerra não tem tempo. A memória, enquanto manifestação do passado no presente, é uma realidade.

Vem estas palavras a propósito do artigo e Benedito Luís Machava, “Carta aberta ao Moçambicanos nas cidade sob tensão política ou regresso à guerra” publicado no Savana e 17 de Janeiro de 2014, pp 15-17) que a FZ me esprestou para ler e o clima de pré-guerra que se anuncia.

Sabemos que estão a ser efetuadas operações militares na Gorungosa. O Exercito Moçambicano tentou por diversas vezes capturar, sem sucesso, o líder da Renamo. Tudo isso ao mesmo tempo que procura desenvolver as conversações de paz. Para um observador sem dados concretos, para alem das fontes jornalistas, não parece muito avisado efetuar operações militares ao mesmo tempo que se acena com a paz, com o respeito pela democracia e pelas opiniões divergentes. Há quem diga que o problema das eleições presidenciais em Moçambique é a causa maior da agitação. Há quem diga que são interesses exteriores, fundamentalmente pelo acesso às ricas matérias primas da região, ou até pela partilha dos proveitos das sua exploração. Há quem veja intervenções externas. Tentativas de divisão da nação, que, pelo menos em três  situações em áfrica já deixaram para trás os compromisso de ialta de inviolabilidade das fronteiras coloniais. Dois fatos parecem incontornáveis. A inépcia das Forças Armadas Moçambicanas em conseguir atingir objetivos, aparentemente simples, incluindo a captura de guerrilheiros da Renamo, ou de circunscrever os seus movimentos a determinadas áreas. E a surpreendente capacidade da Renamo em, passados vinte anos, operar com eficácia, ameaçando as rotas comerciais das matérias primas e, desde os últimos dias, após a evacuação do seu líder para a Zâmbia, da possibilidade de estender o conflito até à capital Maputo, com efeitos, onde os efeitos psicológicos serão certamente grandes. Interrogações sobre de onde veem as armas da Renano, quem treina os seus homens, quem são os seus estrategas, serão apenas algumas das questões que seria interessante ver respondido, a par da aparente fragilidade dum exercito nacional.

Não temos de momento respostas para estas questões. O que é certo é que o horizonte está a começar a ficar carregado e o passado volta a ameaçar a paz, regressando velhos fantasmas.

É nesta questão que o artigo de Machava é relevante porque no fala da guerra e da responsabilidade da guerra. A sua tese é a de que a guerra só pode ser feita porque ela é aceite como pratica social. No caso de Moçambique, embora Macahava só tenha nascido em 1984, fala das escolhas desse tempo como uma sucessão de equívocos. Primeiro eram bandidos rodesianos, depois sul-africanos, eram processos de agressão internacional, que levou o povo moçambicano a apoiar essa guerra. Afinal, quando se fez a paz em 1994, e quando se contaram os votos, verificou-se que 40 % não estavam com a FRELIMO. A paz também permitiu perceber que nem sempre os bandidos armados eram da Renamo. Muitos dos bandidos eram apenas bandos armados sem controlo. E foi a partir daí que se reconstrui a paz no país.

Ainda que esta tese de Machava possa ser discutível, ela defende que o facto de não se ter feito um processo de justiça sobre os crimes de guerra. Que se tenha privilegiado os processos ao nível local, esse esquecimento não levou à pacificação das feridas. Segundo Machava essa são as cicatrizes que agora se abrem. Vamos ver.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

One thought on “Mozambike II: Estudos sobre fronteiras a sul”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search