Caderno de Investigação – Mozambike – parte I

As culturas na Cidade

Ontem, em casa da I. Jantamos como o Z e a I O jantar foi esmerado. Entradas de geleia com atum e prato principal de camarão no forno.

Saio de manhã para a cidade. Inicio a busca da Poética. Andar pela cidade. Fazer a sua cartografia. As ruas da cidade de Maputo são coloridas. É curioso como as capulanas estão a desaparecer da cidade. Em vez das roupas coloridas, das longas peças de tecido enroladas ao corpo da mulher e das camisas tropicais dos homens, surgem agora os fatos cinzentos dos executivos. As mulheres, é certo, ainda ostentam a sua africanidade nos penteados elaborados. Aproximam-se da imagem sul-africana. Mas a concentração urbana e o delírio do excesso e do consumo passaram a ser um sinal característico da cidade.

Há uma grande carga energética no ar. Os fenómenos concentram energia. São mais visíveis do espaço e menos duradouros no tempo. Tudo passa rapidamente. Procuramos na cidade olhar para alem dos olhos. Escutar o som da cidade. Olhar para o movimento. Sentir os cheiros da cidade.

Na porta da pastelaria Surf sou quase atropelado por um todo o terreno vermelho. Para em cima do passeio. Sai uma negrinha formosa. Voluptuosa nas formas. Roupas finas ondulando ao vento. Transporta a arrogância de quem sabe que concentra os olhares. Será a amante do ministro?

Mas para além da ostentação da riqueza há ainda a ostentação da pobreza. Não será bem ostentação. Será mais um novo tipo de pobreza. No Norte do País foi criado num Fundo de Desenvolvimento Local com sete milhões de U$ para fazer as populações de Cabo Delgado saírem da pobreza absoluta. Os pescadores e os comerciantes de peixe são os beneficiários. O objetivo é ajudar na compra de motores e novas artes de pesca.Mas quem acaba por beneficiar são os comerciantes, porque acabam por ter condições para aceder aos projetos.

De acordo com os regulamentos, um pescador pode candidatar-se a um apoio até 200.000 meticais para comprar o novo motor ou arte. No entanto, como o valor é dividido por todos os candidatos, acaba por receber apenas ¼ do que solicita. Fica com uma dívida. Como o dinheiro não chega para investir, acaba por gastar noutras coisas e fica mais pobre. Antes eram pobres e sem dívidas. Agora são pobres com dívidas.

O fundo acaba apenas por beneficiar uns quanto. “O fundo é para os amigos”. Os pescadores são marginalizados. Pouco são os projetos viáveis, e quando eles surgem, são apropriados pela “máfia” que se instala entre os dadores e os beneficiados. Por exemplo, o caso da bomba de gasolina apresentado em Q. foi regeitado, para um ano mais tarde ser apresentado pelo governador de C. que assim se apoderou dum projeto feito e pago por outro.

Há discursos sobre o silêncio. Vozes que não se ouvem. Ouvimos estas palavras a caminho do complexo industrial de Salamanga. Falara A e K. Ambos são dirigentes associativos e sentem os problemas.

Porque é que as pessoas pobres são alegres. Perguntou F à entrada do barco quando regressamos de Catembe. Fiquei com a pergunta no ar enquanto olhava ao longe os prédios de Maputo e sentia a brisa do mar a bater-me no rosto.A minha volta sentia a concentração de gente. Olhei os seus rostos sorridente. F tinha razão, eles mostram-se felizes. Vinham de muitos lados, juntavam-se ali, naquele momento e naquele barco, para logo que chegarem a terra partirem lestos à procura do seu destino. Eis um pergunta a que tenho que tentar responder.

Nessa noite fomos ao bar da estação. Estava cheio de tugas à procura dos corpos das miúdas. Encontros com álcool e tabaco. Fumo e ritmo. A emergência do corpo. Realça-se o contraste com os que vinham no barco. Há aqui uma opção de investigação que é necessário seguir.

DSCN3718 DSCN3719 DSCN3720 DSCN3721 DSCN3722 DSCN3723 DSCN3724 DSCN3725 DSCN3726 DSCN3727 DSCN3728 DSCN3729 DSCN3730 DSCN3731 DSCN3732 DSCN3733 DSCN3734 DSCN3735 DSCN3736 DSCN3737 DSCN3738 DSCN3739 DSCN3740 DSCN3741 DSCN3742 DSCN3743 DSCN3744 DSCN3745 DSCN3746 DSCN3747 DSCN3748 DSCN3750 DSCN3751 DSCN3752 DSCN3753 DSCN3754 DSCN3755 DSCN3756 DSCN3757 DSCN3758 DSCN3759

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search