Caderno de Investigação – Mozambike – parte I

O Caminho de Djavula

Saída às 7 da madrugada para Djavula. Regresso às 19:30, já noite dentro. Debaixo de trovoada tropical sob Maputo acabei por gastar 200 paus em táxi mas valeu a pena.

O dia foi espectacular. Atravessado o rio Maputo no batelão logo pela manhã pudemos observar a azáfama no cais. Do Catembe chegam rios de gente para a grande cidade. Um dia de pequenos negócios. Produtos da horta, carvão em sacas. Todos se dirigem apressadamente para as ruas perdendo-se no cinzento da chuva. No Catembe a lama forma lagoas. No cais as vendedeiras de pescado oferecem os seus produtos. Espero pelo jeep debaixo do telheiro duma cantina.

Espero pela boleira de F á saída do cais. Encontro dois espanhóis que vão visitar o projeto de Djabula. Arrancamos pela picada. A estrada nacional 201 em direcção a Bela Vista. Atravessamos a ponte sobre o rio Tembe e passamos por Salamanga. O grande templo Hindu do Sul de Moçambique.

Pelo caminho fomos conversando sobre o projeto. Os seus vários problemas e as oportunidades de futuro. Chegados ao de Formação descemos do Todo o Terreno. Debaixo dum embondeiro a Filipa fez um briefing. Depois visitamos a oficina, o velho galinheiro onde foi ensaiada uma criação de galinhas e ovos para venda em Maputo, um projeto que não resultou devido à distância ao mercado. Uma oficina de mel. Olhamos a horta. Foquei com a sensação de que o projeto está num impasse.

Regressamos por Bela Vista. No caminho o jipe tem um furo. Macaco com pouco balanço. O suporte a entrar-se na lama. Falta altura. Demorará duas horas até mudar o peneu. Persistência e desenrascanço. Finalmente com roda seguimos. Em Bela Vista um almoço já pela tarde dentro de frango assado. Encanto partilhamos uma 2M anoitece. Cheira a chuva. O céu escurece e rebenta a chuva. Fazemos o resto do caminho na lama, debaixo de intensa chuva. Apanho o último batelão por uma unha negra. Nem compro o bilhete. Vai cheio de gente. Encontro um lugar no convés. Atravesso debaixo duma grande agitação. Três travestis seguem no convés para a noite da Bagamoio. Loiraças vistosas que agitam o barco.

DSCN3222 DSCN3223 DSCN3224 DSCN3225 DSCN3226 DSCN3227 DSCN3228 DSCN3229

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search