Caderno de Investigação – Mozambike – parte I

Reencontro com José Forjaz- O homem, o arquiteto e o professor.

Saio de manhã cedo e sinto de novo o cheiro da cidade das acácia vermelhas. Dormi apenas algumas horas. Após a chegada a I e C estavam à espera no aeroporto e fomos comer qualquer coisa rápida. Depois pusemos as conversas em dia. S está a descer da Ilha e Y de regresso a Maputo para repensar os objetivos. Saio para comprar um cartão de telemóvel. A Ana trocou-me o meu velho cartão de Moçambique com o de São Tomé. Um dos meus trabalhos será sentir a poética da cidade. Vaguear pelas ruas. Sentir os seus movimentos. Os seus cheiros.

Logo à saída do Centro Comercial Polana, passo pelo atelier do Arquiteto JF e marco uma reunião com a secretária. Levo de Coimbra o pedido de recolher alguma informação sobre a obra do arquiteto.

Prossigo pela cidade. No palácio dos casamentos a música invade o ar. É sexta-feira e é sempre um dia de muitos casamentos. Foi uma ideia importada dos antigos países de leste após a independência. Funciona como um registo. Em Maputo é uma ocasião para ver ao vivo a cor e o som.

Continuo pela Julius Nyerere. Entro no Centro Cultural Português, no piso térreo da embaixada de Portugal. Apresenta uma exposição de fotografias sobre o lixo de Maputo. A lixeira de Maputo é um ponto de atracão para crianças à procura de alimentos. É um olhar sobre a miséria que nos é proposto. Par uns é um modo de vida, para os europeus é uma mostra do atraso. Uma narrativa que nos remete para a passividade da contemplação. É uma exaltação do lixo.

Sigo a minha busca do sabor da terra. Procuro o perfume das acácias rubras. Sigo para o Jardim dos namorados. Toca o novo telefone. É uma chamada o atelier do Arquiteto Forjaz a marcar a reunião para o meio-dia. Regresso a casa apresado para apanhar o gravador.

Ao meio-dia entro na vivenda ao lado do Polana. José Frojaz recebe-me de camisa branca. É a segunda vez que o visito, depois de em 2009 ter trabalhado nos seus arquivos. Tem um Mac em cima da mesa. Conversamos sobre a exposição. Exlico-lhe que pertendia uma entrevista para construir um guião. Ele mostra-me o livro “José Forjaz” que foi feito pela Escola Portuguesa. Tem uma compilação da sua obra. Oferece-me o livro. Diz.me que tem uma exposição organizada por um amigo. O arquiteto Keil do Amaral (o Pitum de Canas de Senhorim). Tenho os contatos. Logo no primeiro dia tenho matéria para trabalhar.

A exposição, marcada para dezembro em Coimbra. O livro que me oferece chama-se a “Poética do Espaço”. Curioso não é. A arquitecto contina a rabiscar nos esquiços que tem em cima da mesa. É um mestre da arquitetura.

scan0004F_edited-1JoséForjaz_folheto

scan0011 scan0023

 

Ver resultado destas entrevistas em Pedro Pereira Leite

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search