Caderno de Investigação – Mozambike – parte I

A dualidade

Acordo cedo e leio um pouco a saborear o tempo da manhã. Tomo banho e desço ao Natilus para comer o croissant prensado e um sumo de laranja. Encontro Z. Conversamos sobre Maputo. O Z é uma personagem atenta da vida de Maputo. Olhar arguto observa o que se está a passar.

Tenho que me despachar porque fiquei de ir à fortaleza falar com M. Z dá-me boleia até à baixa. Entramos na estação para beber uma Manica. É cedo e nunca bebo antes do meio-dia, mas o bar da estação tem aquele encanto. Aproveito par ver a exposição sobre o Museu dos Caminhos de Ferro que se anuncia e olhar para a galeria Kulungwana. Tem uma exposição sobre viagens. Trânsitos e inquietações. Conversamos amenamente. O telemóvel toca. Era M a perguntar se podemos alterar o encontra para a tarde. Continuamos na conversa. Uma conversa agradável que corro sobre o que é Moçambique, como são os Moçambicanos.

Às duas horas despeço-me de Z e atravesso a Bagamoio Falamos dos públicos. Dos problemas, dos recursos disponíveis. Da motivação para fazer coisas. Como gerir um espaço museológico de natureza militar, que concentra heranças coloniais, objetos de memória da libertação. A estratégia passa por se assumir como um centro de arte contemporânea. A fortaleza como uma porta de entrada para a cidade. Não há galerias em Maputo.

Saio e regresso a casa. Passo pelo CES Aquino de Bragança. Encontro-me como J. Falamos sobre as questões das estratégias para o Indico. Uma conversa amena que poderá ser recuperada mais tarde. Passo pela livraria Conhecimento na 24 de Julho. A velha livraria Europa-America desapareceu. Transformou-se numa loja de decorações. Compro um livro do José Luís Cabaço sobre a Luta de Independência. A dualidade de Simmel A dualidade resulta das energias que se confrontam. Uma dialéctica interpretativa do real.

Penso na questão da dualidade. Partindo duma determinada posição, no espaço e no tempo cada um depende do outro para observar. A observação individual está em contexto (depende do social). Logo os olhares são transcalares e transtemporais. –A relação de subordinação, que emerge da relação social potencia ou a ordem ou a subversão da ordem. A transtemporalidade como subversão da ordem. A tatuagem e os piercingos como marcas do tempo. Donde que resulta que ordem e poder é uma oraganização do espaço e do tempo.

DSCN3990 DSCN3991 DSCN3992 DSCN3993 DSCN3994 DSCN3995 DSCN3996 DSCN3997 DSCN3998 DSCN3999 DSCN4000 DSCN4001 DSCN4002 DSCN4004 DSCN4005 DSCN4006 DSCN4007 DSCN4008 DSCN4009 DSCN4010 DSCN4011 DSCN4012 DSCN4013 DSCN4014 DSCN4015 DSCN4016 DSCN4017 DSCN4018 DSCN4019 DSCN4020 DSCN4021 DSCN4022 DSCN4023 DSCN4024 DSCN4025 DSCN4026 DSCN4027 DSCN4028

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search