Caderno de Investigação – Mozambike – parte I

Marracuene

Domingo de manhã vamos ao Marracuene. Vamos mata bichar numa nova padaria duns tugas. Em Maputo abrem-se novas padaria. Os tugas quando chegam gostam de instalar padarias. Há uma padaria no novo Centro Comercial ao pé do Tribunal Administrativo que tem um pão bem tuga. Nas padarias estabelecem-se diálogos. A reprodução dum país através dos seus gestos como estratégia de sobrevivência. Conversas sobre os negócios. O patrão sempre de olho atento no balcão.

Saímos pela EN 1 em direção ao Xai-Xai. Mais ou menos a 25 de distância surge a FACIL. Na estrada, de início, a habitual confusão de domingo.

A história dos Moçambicanos é igual a tantas outras. Famílias desestruturadas. Estamos perante 3 gerações. Uma que aqui chega, na época colonial, para procurar sobreviver. Outra, nacional, nasce em Moçambique e faz toda a sua vida em Moçambique. Está hoje bem na vida e sabe mexer-se no território, aproveitar as oportunidades e evitar as dificuldades. A terceira geração vive os tempos da globalização. Nasceu em Moçambique mas tem os olhos postos no mundo. Tem acesso ao mundo, mas não sabe muito bem distinguir o real do virtual. São sinais dos tempos. Uns assistiram e fizeram construir uma nação. Criaram afilhados. Viram chegar e partir muita gente. Uns chagavam cheios de esperança. De vontade de fazer. Outros chegavam com vontade de ganhar. Partiam. Uns com saudades, outros sem vontade de voltar.

A emergência duma nação foi feita numa aliança entre os combatentes do norte e os aculturados do sul. A influência sul-africana vai emergindo como contágio. O lodge sul-africano marca a paisagem no Marracuene. Piscina, e bungalaws no meio do mato. O mato é ainda um espaço selvagem.

Estávamos sentados. De repente a I. levanta-se e exclama: – Uma cobra! Uma Mamba. Rápido, dois rapazes saltam para a estrada. Com dois paus esmigalham a cabeça do pobre bicho que se aventurara nos domínios dos veraneantes. Estava à hora errada no locar errado. Não tinha estabelecido alianças duradouras.

Descansado, mergulho no Indico. – Olha lá tem cuidado com os Tubarões! Gritam-me. Este é sem dúvida um mundo perigoso Regresso. Sento-me numa cadeira à conversa com C Olhamos para o mar. Ele diz-me: “sou capaz de estar uma tarde a olhar para as ondas.“

No bar há um empregado que não fala. Ele passa silencioso por entre as pessoas, diligente. Tem uma estratégia de sobrevivência que passa por não se fazer notado. Acabamos a almoçar pizza.

Regressamos atravessando o Nikomati numa lancha. Na saída vendedores de camarões e amendoins enxameiam o espaço. No caís uma rapariga no bar. Um bar vazio. O que é que há de estranho no bar vazio. Será uma estratégia de sobrevivência.

Cai a noite em Maputo. Nesta altura do ano cai rápida. Vamos jantar ao alentejano. J. e a sua mulher macua vão apresentar o filho da Ilha. O problema é sempre o visto. Aparentemente um alemão não pode ter um filho moçambicano. Um filho moçambicano não pode ter um visto moçambicano para visitar a Alemanha num passaporte alemão. A Alemanha não pevê a dupla nacionalidade. A mulhar macua ostenta o seu orgulho swahili.

DSC00258 DSC00259 DSC00260 DSC00261 DSC00262 DSC00263 DSC00264

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search