Viagens na Fronteira

Olivenza

Olivenza é uma terra raiana. Chegados ao fim da tarde, passado o Guadiana em Badajoz, dirigimo-nos para Sul até à Ribeira de Olivenza. Entramos em direção ao centro da cidade. Percorremos a cerca medieval, vigiada pela torre de Menagem do velho castelo português.

Dentro do velho castelo, na antiga cadeia encontra-se instalado o Museu Etnográfico Gonzalez Santana. Trata-se dum museu municipal criado com as colecções desse filantropo local. Em 1980 a partir dum pequeno núcleo expositivo foi fomentada a ideia de criação do museu. O projeto de museu desenvolve-se então para ser instalado na “panaderia do rei”. É inaugurado em 1991.

Instalado no interior dum conjunto de edifícios históricos, o museu de agradável visita apresenta um conjunto variado de coleção etnográfica estremenha. O motivo a visita é a exposição “El água en el hogar antes da la década de los 60”, produzida por Miguel Ángel Vellecillo Teodoro e Maria Teresa Plaza Nuñes. Trata-se duma exposição temporária, criada a partir das colecções dos museus sob o tem da água. Através de objetos e de fotografias é feita uma proposta de revisitação aos modos de uso da água na cidade.

A década de 60 é o momento em que a cidade passa a ser abastecida pela rede pública. A proposta é olhar para os modos de uso da água antes desse tempo. Olivença está situada numa região freática rica. Ali perto, as antigas termas de São Francisco são conhecidas desde o tempo dos romanos, são um exemplo dessa riqueza freática.

A identificação dos pontos de captação de água: As antigas fontes e os modos de captação e transporte das águas são a primeira proposta de interpretação. Nas diferentes casas as águas são armazenadas em cisternas. Vários filtros são apresentados. O uso da água nas lavagens é um outro elemento. As aguadeiras e as lavadeiras são as personagens que surgem como as principais profissões ligadas à água. Com a chegada da água, os tanques passam a ser espaços municipais.

O asseio e a higiene pessoal são uma outra forma de uso da água documentada na exposição. Os lavatórios, os banheiros, as silas e até os bacios são objetos de outro tempo. Na vila as necessidades dos seus habitantes eram recolhidas de manhã por carros de muares que passavam. A partir da exposição documentam-se os vários ofícios relacionados com a água.

A exposição dispõe ainda dum guia educativo que permite desenvolver diversas actividades pedagógicas com público escolar. O museu editou O Guia do Visitante e seis monografias sobre outras tantas salas do museu: Arte Sacra, Arqueologia, Música, Jogos e Brinquedos, Artefactos agrícolas e meteoritos.

Situada na raia Olivenza foi no passado um território disputado entre a monarquia castelhana e portuguesa. Com o tratado de Alcanizes em 1217. Doada à ordem dos Templários, e vila crescerá como terra de fronteira. Um castelo altaneio, rodeado de fosso fará a defesa duma cidade murada. No seu interior cruzam-se duas ruas. Dom João II e Dom Manuel farão importantes obras, onde sobressai a imponente igreja de Maria Madalena. Ampliadas as muralhas medievais, a cidade será palco de disputa nas guerras peninsulares. A muralha medieval dará lugar à muralha de nove baluartes. Conjuntamente será construída a imponente ponte da ajuda, para permitir o abastecimento de tropas a partir de Elvas. Em 1801 nas disputas das guerras peninsulares passará para o domínio espanhol.

A identidade portuguesa surge marcada na tipologia de construção e nos materiais urbanos. A calçada portuguesa marca as ruas pedonalizadas. O oliventino, o português da raia terá sido falado pelas gentes de Olivença até aos inícios do século XX. Com o franquismo acentua-se a centralização castelhana. Os últimos anos permitem uma maior liberdade de busca de referências. Olivenza surge-nos como um pequeno burgo aristocrático. Com várias casas senhoriais terá feito da Oliveira a sua principal riqueza.

Os Silêncios de Olivenza? Onde está a identidade oliventina. Qual a relação de Olivença com Badajoz.

Saídos da cidade vamos em direção ao Guadiana. A ponte da Ajuda, uma ponte fortificada sobre o Guadiana, destruída para impedir o acesso de margem direita acentua a dependência do território de Badajoz. Passados os anos bélicos, uma nova ponte facilita agora a comunicação entre as duas margens.

IMG_8828

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search