Viagens na Fronteira

Cultura arraiana

barrancos

Nas terras arraianas  escuta-se o falar barranqueno. A cultura arraiana é uma cultura de singularidades. A linguagem mistura o português meridional com o castelhano extremenho. As terras foram mineradas na antiguidade. As minas de Aparis são testemunho ainda visível, juntamente com alguns castelos em xisto. A pastorícia outra atividade que deverá ter trazido alguma prosperidade  e facilitado o assentamento. A História escreve-se ainda com linhas pouco precisas. De Noudar o concelho desloca-se para a atual vila de Barrancos  com a União Ibérica. Terra ermas e isoladas que explicam os falares arcaicos que Leite de Vasconcelos, em 1939, deixou na “Filologia Barrenquena”.

Na visita ao Museu Municipal de Arqueologia e Etnologia de Barrancos, instalado num pátio duma das casas apalaçadas a sul da Praça da Liberdade, encontram-se os resultados das escavações arqueológicas, quase todas elas provenientes do Castelo de Noudar. Um pátio com pergoildas e um pequeno anfiteatro e duas salas. Uma de arqueologia e outra de “etnologia”. Na arqueologia encontramos a clássica sequência: O paleolítico e o calcolítico com alguns exemplares da escrita ibérica, o romano, o visigótico, o islâmico e o medieval. As cerâmicas testemunham essa medievalidade. Depois fala-se das dificuldades de povoamento, da mudança para a vila de Barrancos, até que hoje, Noudar feito Monumento Nacional, em 1911, faz parte da sua memória.

A parte etnológica é constituída por peças dos médicos com consultório em Barrancos. O médico Pelicano Fernandes, um dos melhores alunos do curso de medicina em 1930 e picos, convidado por Pulido Valente para assistente, que acaba por regressar à terra natal, para se dedicar durante cinquenta anos a tratar os seus conterrâneos. A sala do museu mostra velhos objetos.

A questão das narrativas acaba por ser também visível no Largo da Liberdade. dum lado a sociedade dos rapazes, do outro dos senhores. Um dualismo duma vila que se reune no último domingo da agosto, para nessa praça afirmaras suas tradições de lidar os toiros bravos.

No café central falamos destas coisas, e doutros. Por exemplo, dos protestos dos habitantes da Nova aldeia da Luz. Queixam-se os senhores que “agora os pobres têm casas iguais a nós”.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

The inclusion of community knowdlege on territorial development

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search