A Declaração do Funchal e os amigos dos Museus

Numa tradução pouco feliz  do Inglês “Museus : Lugares Sociais Emblemáticos” (Museums: Social Landmarks), a Declaração do Funchal aqui disponibilizada no passado dia 3 pelo ICOM Europa, tem sido aqui referida várias vezes.

Compartilho muitas delas, embora me parece que a declaração apresenta várias confusões entre a globalização e a Europa.  para simplificar, tem por vezes, uma visão sobre os museus eurocêntrica.

Sem menosprezar o contributo que se procura dar ( os seis pontos declarativos: mais financiamento para os museus; uma avaliação mais rigorosa das externalidades geradas pelos museus nas comunidades; a necessidade duma educação patrimonial ; a necessidade de melhorar os níveis de participação das comunidade; uma maior atenção à inclusão social; e novas política públicas para os museus com melhor uso dos serviços, recursos e e das novas tecnologias), há um conjunto de questões que vale a pena ter em atenção nesta declaração.

  1. Em primeiro lugar, as dinâmicas de criação de novos museus êm sido registadas fora da Europa. Há cabeça a China e o mundo Chinês, que como se viu no encontro de Pequim está com uma grande vitalidade.  E também necessário nãs esquecer o caso americano, sobretudo a sul, e a crescente afirmação dos museus africanos, embora esta última muito tímida.
  2. A questão tem interesse se fizermos um exercício de pensarmos, por exemplo, no caso de Portugal , onde é que estão os museus criados nos últimos 10 anos que tenham estas dinâmicas. Terá o Museu dos Coches e o MAT essas valências. Terão sido implementadas na rede de museus. No que sei, e com os limites que tenho, o museu não é em Portugal um fenómeno social dinâmico.
  3. A crise económica sentida, foi sobretudo uma crise económica europeia. Se quisermos ser mais rigorosos uma crise das economias periféricas da Europa. Isso justifica o marasmo onde caíram os museus da regiões em crise e a dinâmicas dos museus em espaços geo-económicos em crescimento.

Ora numa relação muito sumária destas questões, se associarmos dinâmica museal à dinâmica económica, projetada que está a estagnação da Europa, não será de prever que o investimento público nos museus (e na cultura) não deverá ser mutio superior ao que já é.

O que nos deixa a todos na condição de fazer mais e melhor com os mesmos recursos ou com  a capacidade de ir buscar mais recursos.

Eu não sei se isso implica um novo paradigma na relação entre os museus e património com defende o Pedro Cardoso Pereira (na sua mensagem 18698). Mas obriga-nos certamente a procurar novos “Social Landmarks” para os museus, ou “referencias sociais” para os museus.  Referencias socais que implicam certamente discutir as questões do poder e da diversidade na sociedade.

Ou seja, esta declaração, sendo uma intenção de futuro para os museus, transporta os dilemas do tempo contemporâneo.

Mas, e isto é o mais relevante e interessante nesta declaração é que ela é assinada pelo ICOM Europe e  pela Federação Mundial dos Amigos dos Museus. Uma questão a que voltaremos em breve.