Civilização

Fonte EA – Bruno Martins Morais

Há fenômenos sociais que cruzam fronteiras políticas, não estando restritos à circunscrição de tribos, povos, nações, cidades ou Estados, indica o antropólogo francês Marcel Mauss (1872-1950) em artigo escrito em coautoria com Émile Durkheim (1858-1917), “Nota sobre a Noção de Civilização” (1913), e em estudo aprofundado de sua própria autoria, “As Civilizações – Elementos e Formas” (1929). Nesses textos, Mauss defende a transversalidade de tais tipos de fenômenos, que pode ser aferida com a ajuda de diversos exemplos. As coleções arqueológicas dos museus etnográficos e históricos propõem classificações científicas, ainda que hipotéticas, de ferramentas e objetos de arte, representando-as em mapas de dispersão e propondo genealogias para as técnicas. Mas esta dispersão pode ser observada não só no que concerne à cultura material; a filologia demonstra que o conjunto dos povos falantes de línguas indo-europeias partilham vocábulos e formas verbais, e um mesmo substrato de instituições elementares. As diversas nações iroquesas, por sua vez, compartilham as bases de um sistema religioso comum, e em todos os povos polinésios pode ser encontrada organização política semelhante. Tais fenômenos não são isolados, argumenta Mauss; ainda que existam de maneira independente, articulam-se em um sistema solidário, sendo localizáveis no tempo e no espaço.

A esses fatos, “que têm sua unidade” e sua “maneira própria de ser”, Mauss dá o nome de “civilização”, termo que engloba fenômenos dispersos em diferentes grupos sociais (os “fenômenos de civilização”), mas característicos o suficiente para remeterem à ideia de famílias de sociedades. Entre as sociedades que partilham um substrato mínimo, material ou cultural, há, segundo ele, um intercâmbio constante de elementos culturais passíveis de troca, que circunscrevem um sistema social mais amplo. Mas, a despeito das trocas, há um ponto no qual os fenômenos chocam-se diante da recusa deste ou daquele empréstimo, o que termina por definir uma fronteira civilizacional.

O modo como a noção de civilização é formulada expressa uma regra do método maussiano, que propõe que todo o conceito faça referência a um substrato específico, isto é, a um grupo humano ocupando uma porção determinada do espaço, em tempo determinado, o que leva a criticar os usos ordinários do termo, alimentados pelo romantismo alemão e por autores como Auguste Comte (1798-1857), que lidariam com uma ideia abstrata de civilização, entendida como categoria do espírito humano. Assim considerada, a noção acaba, segundo Mauss, por exprimir carga ideológica e por se associar à dominação política, abstraindo as individualidades nacionais. Ao visarem “a marcha geral da humanidade”, tais formulações deixam de lado o objeto próprio da pesquisa social: os organismos sociais e a expressão coletiva das personalidades que os povos constituíram no decurso da história. Nesses termos, compete ao sociólogo tratar de descrever as civilizações, classificando-as em gênero e espécie, e analisando-as de modo a explicar os elementos que as compõem. “Se não há uma civilização humana”, pondera o autor, “houve e há sempre civilizações diversas, que dominam e envolvem a vida coletiva de cada povo”; é com essa diversidade, mais do que com uma abstração política, que a sociologia como ciência deve estar comprometida.

Bibliografia

50 In: M. Mauss, Oeuvres 2, Paris, Les Éditions de Minuit, 1969 (Trad. Bras. Luiz João Gaio e J. Guinsburg.  São Paulo, Perspectiva, 1999 e Mauro Guilherme Pinheiro Khoury, Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 6 (17), 2007, p. 594-599 http://www.cchla.ufpb.br/rbse/DurkheimMaussTrad.pdf)

MAUSS, Marcel,  “Civilisation. Le mot et l’idée” In: MAUSS, M. Oeuvres 2, Paris,  Les Éditions de Minuit, 1969 (Trad. Bras. Luiz João Gaio e J. Guinsburg. São Paulo, Perspectiva, 1999)

A Magia dos Jardins de Corais

Fonte EA Natalia Ribas Guerrero e Flávio Bassi

Publicada em 1936, Coral gardens, a study of the methods of tilling the soil and of agricultural rites in the Trobriand Islands é a quarta e última monografia produzida por Bronislaw Malinowski (1884-1942) acerca da vida dos nativos das Ilhas Trobriand, no Pacífico Ocidental. Com quase mil páginas de extensão, a obra tem como foco a relação entre magia e práticas agrícolas dos trobriandeses. Embora não tenha tido a notoriedade e difusão de Argonautas do Pacífico Ocidental (1922), Coral Gardens foi considerada pelo próprio autor como sua obra mais bem-acabada, tanto pela exposição sistemática do método funcionalista quanto por sua inovadora abordagem em relação ao campo da linguística, juízo compartilhado por leituras posteriores da obra, como as dos linguistas Jean Rupert Firth (1890-1960) e Terence Langendoen.

Bronisław Malinowski e trobriandeses, 1918. Wikimedia commons.

BRONISŁAW MALINOWSKI E TROBRIANDESES, 1918. WIKIMEDIA COMMONS.

O livro é dividido em sete partes, distribuídas em dois volumes. No primeiro, Malinowski esboça aspectos gerais da vida social dos trobriandeses, tomando como base suas obras anteriores e o método funcionalista, exercitado antes, e que se encontra sistematicamente apresentado nos capítulos finais do primeiro tomo. Encontra-se aí descrita a distribuição da população do arquipélago em diversas aldeias e sua especialização econômica, além de sua integração em um sofisticado e abrangente sistema de comércio, o kula. Na segunda parte, a mais extensa do primeiro volume, Malinowski volta seu olhar às práticas agrícolas, à magia e ao regime de posse da terra – sobre os quais se assentam elementos centrais da organização social trobriandesa – além de se deter nos mitos que narram a origem dos clãs e sua conexão com determinadas porções do território, na divisão dos clãs em classes (ranks), nas regras matrimoniais e no papel de liderança ocupado pelo mágico. Em relação às roças, ou jardins cultivados, o autor as descreve como verdadeiras obras de arte produzidas pela tecnologia e pela magia, e não como meros espaços utilitários.

Uma das contribuições mais originais da obra é o esboço de uma teoria etnográfica da linguagem, levada a cabo no segundo volume da obra. O autor defende que os encantamentos mágicos, como toda forma de linguagem, devem ser entendidos em seu contexto como “atos verbais”, tendo por função produzir efeitos práticos. Para Malinowski, o verdadeiro fato linguístico é a fala em seu contexto, entendido em um sentido amplo, envolvendo não apenas as palavras, mas expressões faciais, gestual, atividades corporais, o grupo presente ao ato de fala e o próprio ambiente em que se encontram. Nesse sentido, a obra traz aportes pioneiros ao campo da linguística conhecido como pragmática, o que se evidencia, por exemplo, na sua apropriação por J. R. Firth.

Merecem destaque também as inspirações que fornece ao antropólogo Stanley Tambiah (1929-2014) no ensaio The Magical Power of Words (1968). Reanalisando o material reunido por Malinowski em Coral Gardens à luz da teoria dos atos de fala de John Austin (1911-1960), Tambiah defende que ato e palavra se relacionam de forma indissociável no pensamento mágico. A abordagem pragmática ecoa ainda na análise de Alfred Gell (1945-1997) sobre a eficácia do objeto de arte e seu poder de agência. Coral Gardens foi também objeto de reflexão o historiador Karl Polanyi, para elaboração de sua crítica ao homo economicus, desenvolvida em A grande transformação (2000). Em sua introdução crítica à edição inglesa de 1966, Edmund Leach (1910-1989) aponta que Malinowski é inovador por descrever um modo de vida e não apenas descrições de costumes, modos e artefatos como seus antecessores; critica, entretanto, ser sua análise da sociedade pouco sociológica e concentrada nos indivíduos. Além disso, haveria, segundo Leach, uma contradição inerente ao seu tratamento dos trobriandeses como, ao mesmo tempo, únicos e universais, o que não o impede de reconhecer o “mestre do trabalho de campo antropológico” que foi Malinowski – Coral Gardens uma evidência irrefutável desse fato.

FIRTH, John Rupert, The Tongues of Men and Speech, London, Oxford University Press, 1964

GELL, Alfred, Art and agency, Oxford, Clarendon Press, 1998

LEACH, Edmund, “Introduction” In: Malinowski, B., Coral Gardens and Their Magic, Soil-tilling and agricultural rites in the Trobriand Islands (1935), London, George Allen & Unwin Ltd., 1966, v. 1

LANGENDOEN, Terence, London School of Linguistics: A Study of the Linguistic Theories of B. Malinowski and J. R. Firth, Cambridge, MIT Press, 1968

MALINOWSKI, Bronislaw, Coral Gardens and Their Magic. A Study of the Methods of Tilling the Soil and of Agricultural Rites in the Trobriand Islands (1935), London, George Allen & Unwin Ltd., 1966, v. 1 e 2

POLANYI, Karl, The Great Transformation: Origins of Our Time, New York, Farrar & Rinehart, 1944 (Trad. Bras. Fanny Wrobel. Rio de Janeiro, Campus, 1980)

SENFT, Gunter, “Bronislaw Malinowski and Linguistic Pragmatics”, Lodz Papers in Pragmatics v. 3 (2007), p. 79-96

TAMBIAH, Stanley, “The Magical Power of Words”, Man, New Series, v. 3, n. 2 (Jun., 1968), pp. 175-208

YOUNG, Michael W., “Malinowski’s Last Word on the Anthropological Approach to Language”, Pragmatics, v.1, n. 21 (2011), p. 1-22

 

Paisagem – Tim Ingold

Fonte EA André Sicherri Bailão

Desenvolvida por Tim Ingold (1948) ao longo de sua obra, a partir da leitura de etnografias variadas, e de trabalhos de ciências humanas, naturais e da filosofia – em particular dos trabalhos de Jakob von Uexküll (1864-1944), Martin Heidegger (1889-1976), James Gibson (1904-1979) e de Maurice Merleau-Ponty (1908-1961) -, a noção de paisagem (landscape) é pensada a partir de inúmeros processos que se verificam na passagem do tempo, na forma de registros duradouros de vidas e da atividade de gerações de seres, incluídos aí seres humanos, animais e plantas, assim como ciclos geológicos e atmosféricos. Paisagens estão intimamente relacionadas à temporalidade; são histórias e nos oferecem modos de contar histórias mais profundas sobre o mundo. Mas “temporalidade” não se confunde com “cronologia”, sucessão regular de um tempo vazio e quantitativo, ou com “história”, entendida como série variada de eventos qualitativos que nunca se repetem; perceber a paisagem, para Ingold, corresponde a um ato de memória, relacionado ao engajamento e à circulação em um ambiente impregnado de passado.

No artigo “Temporalidade da Paisagem” (1993), republicado na coletânea The Perception of the Environment (2000), o autor aprofunda sua crítica à oposição entre natureza e cultura, conceitos fundantes do pensamento moderno. O primeiro, referido às “paisagens naturalistas”, indicaria uma realidade dada, compreendida pelas ciências naturais e pela cartografia. O segundo, relacionado às “paisagens culturalistas”, como na coletânea dos geógrafos Stephen Daniels e Denis Cosgrove (1988), refere-se às imagens mentais e símbolos sobre o espaço, objetos de estudo das ciências humanas. A paisagem, em seus termos, não indica um mundo externo e acabado, independente dos seres que o habitam, tampouco imagens ou ideias sobre ele. Vivendo nas paisagens, nós as produzimos, tanto quanto somos produzidos por elas, por meio de processos materiais e cotidianos.

Para definir a paisagem, Ingold constrói paralelos entre práticas e conhecimentos de arqueólogos e de grupos com os quais os antropólogos trabalham, tais como os caçadores e criadores de renas da Lapônia (norte da Europa), com quem ele realizou seu trabalho de campo. Pensando nesses engajamentos cotidianos com seres, sinais e do passado e o mundo, o autor busca um caminho distinto daqueles adotados por alguns geógrafos e historiadores de iconografia e arte, como por exemplo Peter Gould e Rodney White (1974), Stephen Daniels e Denis Cosgrove (1988), que tendem a definir o conceito como sinônimo de “terra”, “natureza” ou “espaço”. A noção distingue-se de “terra”, categoria quantitativa e homogênea, em função de sua especificidade: cada paisagem é única, composta, ao longo de sua história, por texturas, contornos e elementos variados. Diferencia-se também de “natureza”, categoria que pressupõe uma realidade exterior aos seres que a compõem, e que se oporia à “cultura”, entendida como domínio das imaginações e representações. Contrapõe-se, ainda, a “espaço”, noção que costuma ser associada à visão distante de um observador onisciente, tal como aquela implicada na cartografia, com suas imagens estáticas, silenciosas e vazias do mundo e, como tal, diferente dos saberes e práticas produzidos nos engajamentos na (e com) a paisagem, sempre situados e em transformação. Com o auxílio dessas distinções, Ingold propõe uma caracterização positiva da paisagem referida ao mundo e pensada do ponto de vista daqueles que o habitam e o produzem, assim como dos lugares e percursos. Paisagem poderia ser aproximada da noção de “ambiente”, mas ele evita adotar o termo, por sua habitual associação à imagem de um mundo acabado, produzido por processos abióticos (como a geologia) e ocupado por seres vivos (que, do ponto de vista da biologia genética, também estariam prontos).

A Colheita do Trigo, Pieter Bruegel, o Velho, 1565, óleo sobre tela, 119cm x 162cm, Metropolitan Museum of Arts, New York. © Wikimedia Commons

A COLHEITA DO TRIGO, PIETER BRUEGEL, O VELHO, 1565, ÓLEO SOBRE TELA, 119CM X 162CM, METROPOLITAN MUSEUM OF ARTS, NEW YORK. © WIKIMEDIA COMMONS

De modo a guiar os leitores na compreensão de sua formulação, Ingold cria o neologismo “tarefagem” (taskscape), distinto do conceito de “trabalho”, categoria da economia e que o antropólogo considera quantitativa e homogênea. “Tarefa” estaria ligada aos diferentes atos de viver, sentir, perceber e se deslocar no mundo, todos esses atos situados, qualitativos e heterogêneos, produzidos por diversos agentes em relação (e em) resposta a atos e processos de outros agentes e da paisagem. ‘Paisagem’ e ‘tarefagem’ emergem das mesmas correntes de atividades, sendo, portanto, inacabadas e em perpétua construção. Para exemplificar a ideia, ele analisa o quadro A Colheita do Trigo (1565) de Pieter Brugel, o Velho, como se estivesse no interior da paisagem, olhando ao redor de si mesmo. Com isso, o autor segue as transformações e os processos produzidos pelos atos de habitar, marcados pelos ritmos e ciclos sociais, biológicos, geológicos, em ressonância uns com outros. A paisagem “encorpora” (embody) ciclos, movimentos, feições e vidas na forma de características duráveis, como vales, montes, caminhos, padrões de vegetação e urbanização, árvores, rios etc. O antropólogo destaca, assim, que qualquer oposição entre o que seria “animado” e “inanimado” perde de vista o fato que até mesmo os ciclos geológicos são processos vivos se considerados em outras escalas de tempo (uma paisagem somente parece constante ou imutável na curta duração da escala humana). A noção foi retomada e redefinida no artigo “Paisagem ou Mundo-Clima?”, de sua coletânea Estar vivo (2011), em que critica sua primeira formulação, que desconsiderava o céu e a atmosfera como partes integrantes da paisagem. A paisagem não é estática nem constante, graças ao vento, chuva, calor, frio (que denominamos “tempo” – weather), tampouco está acima das paisagens; as superfícies materiais estão imersas no meio fluido que ele denomina mundos-climas (weather-worlds), sendo impossível percebê-las sem os fluxos do meio luminoso, dos deslocamentos dos sons, calor e umidade que constituem o que convencionamos chamar de “atmosfera”.

O conceitual ingoldiano constitui uma referência para trabalhos etnográficos e historiográficos no campo da antropologia da paisagem. Em função das suas reflexões, paisagem passou a ser considerada não mais como cenário externo acabado ou como imagens mentais, mas como um mundo produzido e em contínua transformação, analisado conjuntamente com ações e movimentos humanos e não-humanos. Como exemplos das repercussões de suas ideias é possível mencionar as coletâneas publicadas no Reino Unido, organizadas por Eric Hirsch e Michael O’Hanlon (1995); por Monica Janowski e Tim Ingold (2012); por Arnar Árnason, Nicolas Ellison, Jo Vergunst, Andrew Whitehouse (2012); e no Brasil, por Marta R. Amoroso e Gilton Mendes dos Santos (2013). Entre antropólogos brasileiros, o conceitual produziu um campo de experimentação interessante para a história indígena e a etnologia, de maneira a dar corpo e história às produções e circulações de povos indígenas em seus engajamentos no (e com) o mundo, com a flora e a fauna.

Bibliografia

AMOROSO, Marta, “Natureza e sociedade nos aldeamentos indígenas do Império: diálogos da Ordem Menor dos Frades Capuchinhos com a história natural”, Revista de História – edição especial, São Paulo, USP, 2010, p. 271-301

AMOROSO, Marta & SANTOS, Gilton (orgs.), Paisagens Ameríndias: lugares, circuitos e modos de vida na Amazônia, São Paulo, Editora Terceiro Nome, 2013

ÁRNASON, Arnar, ELLISON, Nicolas, VERGUNST, Jo & WHITEHOUSE, Andrew (orgs.), Landscapes beyond Land. Routes, Aesthetics, Narratives, Oxford, Berghahn, European Association of Social Anthropology Series, 2012

DANIELS, Stephen & COSGROVE, Denis (orgs.), The Iconography of Landscape: Essays on the symbolic representation, design and use of past environments, Cambridge, Cambridge University Press, 1988

GOULD, Peter & WHITE, Rodney, Mental Maps. Harmondsworth, Penguin, 1974

HIRSCH, Eric & O’HANLON, Michael (ed.), The Anthropology of landscape: perspectives on place and space,Londres, Clarendon Press, 1995

INGOLD, Tim, “Temporality of the landscape” [1933] In: T. Ingold, The Perception of the Environment. Essays in livelihood, dwelling and skill,Londres, Routledge, 2000

INGOLD, Tim, “Landscape or Weather-World?” In: Tim Ingold, Being Alive. Essays on movement, knowledge and description, Londres, Routledge, 2011 (Trad. Bras. Estar Vivo. Ensaios sobre Movimento, Conhecimento e Descrição, São Paulo, Ed. Vozes, 2015)

JANOWSKI, Monica & INGOLD, Tim (orgs.), Imagining Landscapes. Past, Present and Future, Londres, Routledge, 2012

VELHO, Otávio, “De Bateson a Ingold: passos na constituição de um paradigma ecológico”, Mana,  Rio de Janeiro,  v. 7, n. 2, 2001, p. 133-140

Relações Culturais e parentescos

Fonte EA Aline Lopes Murillo

Cultures of Relatedness (2000) é uma coletânea organizada e introduzida pela antropóloga britânica Janet Carsten, composta por oito ensaios assinados por Charles Stafford, Sharon Hutchinson, Helen Lambert, Rita Astuti, Karen Middleton, Barbara Bodenhorn, Jeanette Edwards e Marilyn Strathern (1941). Resultado de uma conferência sobre fronteiras e identidades realizada na Universidade de Edimburgo em 1996, o livro é uma resposta à Critique of the Study of Kinship (1984) em que o antropólogo norte-americano David Schneider (1918-1995) condena o método genealógico que, segundo ele, estaria baseado na suposição ocidental de preeminência da biologia na criação de laços de parentesco, concluindo ser o parentesco um conceito que não existe em outras sociedades, senão nas ocidentais. Com o objetivo de refutar as abordagens biologizantes do parentesco, os ensaios de Cultures of Relatedness buscam referências teóricas e metodológicas nos estudos de gênero e na antropologia feminista – por exemplo, nos trabalhos de Jane Collier e Sylvia Yanagisako, e nos de Judith Butler (1956) -, bem como na obra de Bruno Latour (1947), para defender que o parentesco é também construído.

A proposta de Janet Carsten é incorporar à reflexão a noção de relatedness, termo que dá relevância metodológica às dimensões do cotidiano (comensalidade, troca de nomes, amizade etc.) na produção de laços de parentesco. Os artigos do livro analisam materiais etnográficos de contextos distintos – chineses, Nuer, indianos, Vezo, Karembola, Iñupiat e os habitantes de Alltown, norte da Inglaterra – buscando entender o que significa “estar aparentado” e quais símbolos (além das substâncias biológicas) criam vínculos profundos e duradouros associados à esfera de parentes. A perspectiva defendida no volume, conhecida como o novo parentesco, utilizou-se do pensamento de Schneider para pensar a concepção de parentes em função de outras dimensões, diferentes do elo biológico. O esforço para desnaturalizar o lugar da mulher (mãe/esposa); para contestar as opressões de gênero relacionadas ao caráter natural da procriação e das diferenças fisiológicas; além da tentativa de compreender fenômenos como a adoção transnacional e o casamento homo-afetivo levou esse grupo de pensadoras a problematizar a dicotomia natureza/cultura, enfatizando a permeabilidade de suas fronteiras. Mary Bouquet, autora do capítulo de encerramento do volume, defende que a cisão biológico/social é reflexo da transição da antropologia das coleções de museus, ou de gabinete, para o método genealógico. Segundo ela, os mapas genealógicos forneceram uma análise racional às exposições em museus sobre os povos do mundo, além disso, representaram um tipo de “visão pura” sobre as sociedades e permitiram a separação entre ‘natural’ e ‘cultural’ nos estudos do parentesco. O questionamento dessa cisão (natural-cultural) é a questão chave dos trabalhos reunidos na obra cuja proposta é uma “nova antropologia comparativa” que coteja formas de conhecimento ocidentais e não-ocidentais para mostrar como elas operam afinidades e diferenças entre pessoas nas diversas maneiras de produzir, manter e desfazer “relacionalidades”.

A incorporação da noção de relatedness às discussões sobre o parentesco é considerada fundamental para que os estudos escapem da oposição biológico/social, mas Carsten pondera que pensar as “relacionalidades” afastadas da dimensão biológica, arrisca colocar outro problema: quaisquer relações poderiam ser vistas, no limite, como relações de parentesco. Esta foi justamente a porta de entrada para diversas críticas feitas à ideia de relatedness.Uma corrente que enfatiza o caráter biológico do parentesco, por exemplo Warren Shapiro e Maurice Godelier (1934), a acusou de menosprezar a importância dos aspectos reprodutivos, dando relevância às construções sociais e culturais. A etnologia americanista, especificamente Eduardo Viveiros de Castro (1951) criticou o novo parentesco por considerar que ele carrega o traço eurocêntrico da dicotomia dado/construído, específica do parentesco ocidental, apontando o caráter construído do parentesco para qualquer sociedade. A partir dessas críticas, a ideia de relatedness passou a ser conhecida como parentesco construtivista.

Imagem da família com o casal no meio, Silverdalen, Suécia. Entre 1890 e 1910. Nordiska Museet. Wikimedia Commons

IMAGEM DA FAMÍLIA COM O CASAL NO MEIO, SILVERDALEN, SUÉCIA. ENTRE 1890 E 1910. NORDISKA MUSEET. WIKIMEDIA COMMONS

Atento a esses debates, Marshall Sahlins (1930) produziu o conceito de mutuality of being que, assim como a noção de “relacionalidade”, considera os aspectos cotidianos, como comensalidade e convivência, na definição do parentesco. Ele define o parentesco como implicações mútuas construídas por meio de relações sociais. A existência coletiva compartilhada entre as pessoas e que as faz pertencer umas às outras pode ser, nos seus termos, chamada de parentesco. Nesse sentido, ele também amplia o significado do conceito se aproximando do mesmo problema posto pela ideia de relatedness: o risco do vácuo analítico, já que qualquer relação poderia ser definida como parentesco. A despeito dos limites apontados, estudos desenvolvidos pela antropologia brasileira, interessados na noção de família e suas conexões com a política, migração, gênero, ciência e memória, vêm utilizando e desdobrando as reflexões presentes em Cultures of relatedness.

bibliografia

BIBLIOGRAFIA

BUTLER, Judith, Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity, London, Routledge, 1990

CARSTEN, Janet, Cultures of Relatedness: New Approaches to the Study of Kinship (edited), Cambridge, Cambridge University Press, 2000

CARSTEN, Janet, After Kinship, Cambridge, Cambridge University Press, 2004

CARSTEN, Janet, “Entrevista com Janet Carsten”, Entrevista concedida a Igor José de Renó Machado e Ana Cláudia Marques. Revista de Antropologia da UFSCar, n. 6, v. 2, São Carlos (SP), Universidade Federal de São Carlos, jul./dez. 2014, p. 147-159 (Trad. Bras. Victor Hugo Kebbe e Bruna Potechi. Revisão de Igor José de Renó Machado)

CARSTEN, Janet, “Janet Carsten on the Kinship of Anthropology”, Entrevista concedida a Nigel Warburton. Social Science Bites, January 13, 2016, disponível em <http://www.socialsciencespace.com/2016/01/janet-carsten-on-the-kinship-of-anthropology/> Acesso em julho de 2016

FONSECA, Cláudia, “De afinidades a coalizões: uma reflexão sobre a ‘transpolinização’ entre gênero e parentesco em décadas recentes da antropologia”, Ilha: Revista de Antropologia, Vol. 5, n. 2, Florianópolis, 2003, p. 5-31

GODELIER, Maurice, Métamorphoses de la parenté, Paris, Fayard, 2004

MACCORMACK, Carolyn e STRATHERN, Marilyn (eds.), Nature, culture and gender, Cambridge, Cambridge University Press, 1980

MACHADO, Igor J. R., “Parentesco, Migração e Espaço: reflexões sobre o entrelaçamento entre movimento e família”, 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal-RN, 2014

MACHADO, Igor J. R, Deslocamentos e Parentesco, São Carlos, Edufscar, 2015

PATTERSON, Mary, “Introduction: reclaiming paradigms lost”, The Australian Journal of Anthropology, n. 16, v.1, 2005, p. 1-17

SAHLINS, Marshall, “What kinship is” (part one), Journal of the Royal Anthropological Institute, n. 17, v. 1 (N.S.), 2011 p. 2-19

SAHLINS, Marshall. “What kinship is” (part two), Journal of the Royal Anthropological Institute, n. 17, v. 2 (N.S.), June 201, p. 227-242

SCHNEIDER, David, A Critique of the Study of Kinship, Ann Arbor, University of Michigan Press, 1984

SHAPIRO, Warren, “What human Kinship is primarily about: toward a critique of the new kinship studies”, Social Anthropology, n.16, v. 2, Cambridge, Cambridge University, June 2008, p. 137-153

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo, “The gift and the given: three nano-essays on kinship and magic” In: BAMFORD, Sandra e LEACH, James (eds.), Kinship and beyond: the genealogical model reconsidered, New York/Oxford, Berghahn Books, 2009, p. 237-268

 

A inércia da Rede Portuguesa de Museus

Entre as várias críticas que tem vindo a ser feita à Rede Portuguesa de Museus, sobretudo sobre a sua desadequação à realidade museológica portuguesa e a sua incapacidade de integrar as questões da participação, tal como é definido no nosso Direito Constitucional, é o do seu zelo inquisitorial sobre as funções que considera que os museus devem cumprir, quando integram a rede, face ao completo desleixo sobre a verificação da sua continuidade no tempo.

Um exemplo disso é o Despacho 5978/ 2017 do Ministro da Cultura, publicado hoje em Diário da República onde, por Despacho do Ministro (note-se a preciosidade administrativa incluída no conceito luso de rede) o Museu do Brinquedo é “expulso” da rede, por ter deixado de existir.

Até aqui tudo bem. A questão é que o museus fechou portas em 2014, e sá agora, praticamente 3 anos depois é que os serviços diligentes da DGPC deram conta disso.

É o que se chama estar atento ao panorama museológico.

Estratégia Nacional de Educação Ambiental

Foi aprovada, a 8 de junho, pela resolução do Conselho de Ministros n.º 100/2017, a Estratégia Nacional de Educação Ambiental para o período 2017-2020 (ENEA 2020).

A Estratégia Nacional de Educação Ambiental pretende estabelecer um compromisso colaborativo, estratégico e de coesão na construção da literacia ambiental em Portugal, através de uma cidadania inclusiva e visionária que conduza a uma mudança de paradigma civilizacional, traduzido em modelos de conduta sustentáveis em todas as dimensões da atividade humana.

A concretização desta Estratégia prevê 16 medidas enquadradas por 3 objetivos estratégicos: Educação Ambiental + Transversal, Educação Ambiental + Aberta e Educação Ambiental + Participada.

As medidas identificam ações, áreas de tutela, principais promotores, calendário e investimento do Fundo Ambiental previsto. Aos valores indicados acresce o investimento privado e de outros fundos que se venham a identificar, designadamente do PO SEUR.

Foi já publicado no portal do Fundo Ambiental o aviso “Apoiar uma Nova Cultura Ambiental” de Incentivos ao Desenvolvimento de Programas, Projetos e Ações de Educação Ambiental conforme estabelecido na Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020 (ENEA2020).

O presente aviso contribui para a prossecução das medidas #3, #8, #9, #10, #11 e #16 da Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020 e visa promover operações de Educação Ambiental, incentivando a sua replicação por outros agentes ou regiões e fomentando a criação de parcerias como forma de projetar uma sociedade mais inovadora, inclusiva e empreendedora, estimulando o debate público sobre os valores associados ao desenvolvimento sustentável.

Constituem beneficiários elegíveis a administração pública central, associações e fundações, empresas independentemente da sua forma jurídica, estabelecimentos de ensino superior e não superior e organizações não-governamentais de ambiente e equiparadas. O beneficiário pode apresentar candidatura em consórcio, sendo o beneficiário a entidade líder, competindo-lhe estabelecer os acordos ou contratos necessários à implementação da operação.

A dotação máxima do Fundo Ambiental afeta ao presente aviso é de €1.500.000 (um milhão e quinhentos mil euros), sendo que as taxas máximas de co-financiamento são as seguintes:

• 70% (setenta por cento) para os beneficiários administração pública central, associações e fundações, empresas independentemente da sua forma jurídica, estabelecimentos de ensino superior e não superior incidindo sobre o total das despesas elegíveis, com cofinanciamento limitado a 100.000 € (cem mil euros) por operação;

• 95% (noventa e cinco por cento) para os beneficiários organizações não-governamentais de ambiente e equiparadas, incidindo sobre o total das despesas elegíveis, com cofinanciamento limitado a 100.000 € (cem mil euros) por operação.

Não são financiados projetos que tenham já sido anteriormente objeto de financiamento público ou comunitário.

Consulte aqui a Estratégia Nacional de Educação Ambiental.

Consulte aqui o aviso publicado no portal do Fundo Ambiental.

Conceito de Arte

fonte: EA, por Hélio Meneses e Rafael Hupsel 

O antropólogo britânico Alfred Gell (1945-1997) desenvolve seu conceito de arte como parte de sua proposta de estabelecimento de uma nova antropologia da arte. Responsável por uma rotação de perspectivas nesse domínio, Gell revisa conceitos como obra de arte, artefato, tecnologia da arte, estética, encantamento, magia e estilo, o que resulta em uma complexa teoria sobre a agência do objeto artístico.

No artigo “A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia(1992), o autor considera as diversas artes como partes de um vasto e frequentemente não reconhecido sistema técnico, que ele denomina “tecnologia do encanto”. Nessa perspectiva, objetos de arte seriam fruto de uma atividade técnica de transubstanciação engenhosa de materiais e das ideias a eles associados. Gell reivindica aí o emprego de um “filisteíismo metodológico”, postura de total indiferença do antropólogo no tocante ao valor estético das obras de arte. Para elucidá-la, utiliza como exemplo objetos de arte criados com a intenção de funcionar como “armas”  em uma “guerra psicológica”; é o caso das tábuas que ornam as proas das canoas dos participantes do kula, sistema de trocas realizado pelas populações das ilhas Trobriand. A intenção por trás do uso dessas tábuas é fazer com que os parceiros da troca que estão em outras ilhas, ao observarem as canoas chegando, se deslumbrem a ponto de perderem os sentidos, oferecendo braceletes e colares mais valiosos do que de costume. A eficácia dos objetos de arte como componentes da tecnologia do encanto e o poder de fascinação que exercem são resultantes do encanto da tecnologia empregados em sua construção. Gell prioriza, assim, a análise da eficácia do objeto de arte, seu poder de agência.

No artigo On Coote’s ‘Marvels of everyday vision’” (1995), por sua vez, Gell realiza uma crítica à posição defendida pelo antropólogo britânico Jeremy Coote de que haveria sociedades que, mesmo sem produzir arte, possuiriam um conceito de estética. Coote utiliza como exemplo o conjunto de categorizações de cores, formas e padrões produzidos pelos Dinka do Sudão a partir das manchas e da coloração do gado, e que são projetadas na classificação de tudo aquilo que tange sua visualidade no dia a dia. A objeção de Gell a essas teses, que defendem a existência de uma estética Dinka, se volta ao pressuposto de que obras de arte não devem ser reduzidas a artefatos, podendo também englobar vegetais, seres animados, pinturas corporais e tatuagens, entre outros. A própria forma como os Dinka criam e enfeitam alguns de seus bois, enaltecendo e cultuando suas qualidades e atributos por meio de poemas e canções os convertem, para o autor, em objetos de arte. Para ele, razões estéticas (como a de “beleza”) são indissociáveis de razões práticas (como a de auferir “prestígio”). Em suma, sua crítica à posição de Coote reside em mostrar que não existe uma antropologia da estética que não seja também uma antropologia da arte, ou mais precisamente, uma antropologia dos objetos de arte. Também no ensaio “A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas (1996), Gell advoga o abandono da noção de estética pela antropologia da arte – que almeja desfazer distinções correntes entre obras de arte e “meros” artefatos – analisando a presença de uma rede de caça tradicional Zande em uma exposição de arte contemporânea. Se, ao veicularem significados, as obras de arte encarnam intencionalidades complexas, também os instrumentos, ao evocarem os nexos sociais de sua produção e uso, seriam candidatos potenciais à adjetivação de obras de arte.

Essas teses sobre o objeto artístico, desenvolvidas em uma série de artigos e intervenções do autor em debates acadêmicos, desembocarão no seu mais conhecido (e inacabado) livro sobre o tema, Art and Agency: an Anthropological Theory (1998). Lançada postumamente, a obra contem a proposta de uma metodologia para a antropologia da arte. Gell inova ao afirmar, na contra-corrente, que a arte seria menos um suporte de comunicação de sentidos simbólicos, que um sistema de ação e de mediação de relações sociais. Ao rejeitar definições sociológico-institucionais, estéticas e semióticas do objeto artístico – agora renomeado como “índice” – o autor propõe uma definição teórica, com ênfase nos seus processos de agência, intenção, causação, resultado e transformação.

O conceito de arte que Gell delineia ao longo de sua obra tornou-se uma referência incontornável para os estudos de antropologia da arte, devido às suas críticas aos limites das abordagens estética (oriunda da filosofia), institucional (da sociologia), interpretativa (da própria antropologia) e das aproximações de cunho mais historicista ou formalista (polarizadas entre os campos da história e da crítica de arte). Em diversos contextos etnográficos – que vão desde as terras altas da Papua-Nova Guiné, passando pela Oceania, Sul da Ásia, Índia e chegando até as terras baixas da Amazônia – as formulações de Alfred Gell permitiram que diversos antropólogos, impactados pelas possibilidades teóricas abertas pelo autor, não mais dissociassem a produção e a circulação de objetos de arte de suas propriedades de agência e de sua relação com tópicos de interesse da Antropologia que vão além do campo de estudo da arte.

Bibliografia

BOWDEN, Ross, “A Critique of Alfred Gell on Art and Agency”, Oceania Vol. 74, No. 4, 2004, p. 309-324

CHUA, Liana & ELLIOT, Mark (ed.), Distributed Objects: Meaning and Mattering after Alfred Gell, London & New York, Berghahn Books, 2013

COOTE, Jeremy & SHELTON, Anthony, Anthropology, Art and Aesthetics, Oxford, Clarendon Press, 1992

GELL, Alfred, “The technology of enchantment and the enchantment of technology” In: J. Coote & A. Shelton,  Anthropology, Art and Aesthetics. Oxford, Clarendon Press, 1992

GELL, Alfred, Wrapping in Images: Tatooing in Polynesia, Oxford, Clarendon Press, 1993

GELL, Alfred, “On Coote’s ‘Marvels of Everyday Vision’” In: J. F. Weiner (ed.), Too Many Meanings: A Critique of the Anthropology of Aesthetics, special issue, Social Analysis, n. 38, 1995

GELL, Alfred, “Vogel’s net: traps as artworks and artworks as traps” In:  A. Gell,  The Art of Anthropology (essays and diagrams), London, The Athlone Press, 1996

GELL, Alfred, Art and agency, Oxford, Clarendon Press, 1998

GELL, Alfred, The Art of Anthropology (essays and diagrams), London, The Athlone Press, 2001

HIRSCH, Eric, “Alfred Gell (1945–1997)”,  American Anthropologist, 101, 1999, p.  152-5

INGOLD, Tim (ed), Key Debates in Anthropology,  London, Routledge (Cap. “Aesthetics is a cross-cultural category”, presentations for the motion by Jeremy  Coote and Howard Morphy, p. 249-294), 1994

LAYTON, Robert, The anthropology of art. Nova York, Columbia University Press, 1981

MORPHY, Howard & PERKINS, Morgan, The anthropology of art – a reader,  Oxford, Blackwell, 2006

MORPHY, Howard, “Art as a Mode of Action”. Journal of Material Culture, vol. 14, no. 1, 5-27 (Trad. Bras. Guilherme Ramos Cardoso. PROA: Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 3, 2011/2012. Disponível em: http://www.revistaproa.com.br/03/?page_id=125 )

PINNEY, Christopher & THOMAS, Nicholas (eds.),  Beyond Aesthetics (art and the technologies of enchantment), Oxford, Berg, 2001

 

Liminaridade e communitas de Victor Turner

Fonte: EA Rafael da Silva Noleto e Yara de Cássia Alves

Victor Turner (1920-1983), antropólogo britânico que dedicou boa parte de seus esforços intelectuais ao entendimento das simbologias subjacentes aos rituais, deu contribuição significativa à compreensão das práticas rituais ao refinar a noção de liminaridade e elaborar, a partir dela, o conceito de communitas. O autor concebe a ideia de liminaridade como correspondendo a um momento de margem dos ritos de passagem: fase ritual na qual os sujeitos apresentam-se indeterminados, em uma espécie de processo transitório de “morte” social, para, em seguida, “renascerem” e reintegrarem-se à estrutura social. Liminaridade é, portanto, uma condição transitória na qual os sujeitos encontram-se destituídos de suas posições sociais anteriores, ocupando um entre-lugar indefinido no qual não é possível categorizá-los plenamente. Segundo Turner, a vida social se movimenta a partir de um movimento dialético, envolvendo estrutura social e communitas, estrutura e antiestrutura, alimentado pelas práticas rituais.

O antropólogo iniciou as reflexões sobre o tema em O processo ritual: estrutura e antiestrutura (1969), a partir de inspiração retirada de Os ritos de passagem (1909) de Arnold Van Gennep (1873-1957). Suas contribuições teóricas estão fundamentadas na análise de práticas rituais observadas entre os Ndembu, povo da região da África Central, e em uma ampla revisão da literatura antropológica disponível sobre a temática do ritual. Em sua  obra, Victor Turner concebe a liminaridade como condição social efêmera vivenciada por sujeitos temporariamente situados fora da estrutura social, dando origem ao que ele denomina communitas, isto é: uma forma de antiestrutura constituída pelos vínculos entre indivíduos ou grupos sociais que compartilham uma condição liminar em momentos especificamente ritualizados. Os sujeitos liminares agrupados pela communitas são marcados pela submissão, silêncio e isolamento, considerados como tábula rasa em relação à nova posição social a ser assumida após a conclusão do ritual de passagem. O autor opta pelo termo latim communitas à noção de comunidade, de modo a não conferir circunscrição espacial ao vínculos entre os sujeitos liminares, já que o caráter de antiestrutura da communitas está baseado em relações sociais e não em pertencimentos territoriais.

Turner expande a compreensão dos termos liminaridade e communitas para além dos contextos rituais classicamente analisados na antropologia, destacando que hippies, profetas, artistas, assim como integrantes de movimentos milenaristas e religiosos podem ser também considerados sujeitos liminares, que se agrupam em communitas diversas. Nesses casos, no entanto, a condição liminar parece ser permanente já que tais sujeitos se opõem ou, no mínimo, desafiam a estrutura social como única forma de organização social possível. No caso dos movimentos milenaristas, por sua vez, a condição liminar mostra-se transitória, durável até o momento em que as profecias nas quais o grupo acredita não se concretizam. Independente do contexto ritual, Turner destaca que, além estarem situados em uma condição de indiferenciação social por nome, status e gênero, os integrantes da communitas podem ser também marcados pela suspensão (ainda que efêmera) do direito à propriedade e das obrigações de parentesco.

De modo a fundamentar suas teses, o antropólogo recorre às etnografias de E.E. Evans-Pritchard (1902-1973), entre os Nuer, e de Meyer Fortes (1906-1983), entre os Tallensi, para mostrar que liminaridade e communitas evidenciam o que ele genericamente denomina “o poder dos fracos”. Ele afirma que em sistemas de parentesco patrilineares, nos quais os atributos jurídicos e políticos são transmitidos pela ascendência paterna, as mulheres encontram formas – muitas vezes justificadas pela mitologia e pelas práticas rituais – de marcar a importância da descendência materna na constituição pessoal e mística dos sujeitos. Em sistemas de parentesco matrilineares, onde o status jurídico e político é dado pela ascendência materna, por sua vez, os indivíduos que desenvolvem estratégias liminares para demonstrar sua importância na estrutura social seriam, inversamente, os homens. Esses exemplos permitem assinalar que, diante do confronto com a estrutura social, os sujeitos em condição liminar constituem uma solidariedade proporcionada pelo estabelecimento da communitaspara marcar a relevância de sua posição social em contexto político, cultural e jurídico determinado. Turner conclui que toda estrutura social, acompanhada pelos ritos que concedem direitos de acesso a determinadas esferas de poder ou status, coopera para a existência de uma antiestrutura na medida em que produz sujeitos liminares, transitórios ou não, que se agrupam em communitas. Assim, a relação entre estrutura e communitas traduz uma dialética imprescindível à vida social em qualquer contexto.

Posteriormente, os conceitos de liminaridade, communitas e drama social serviram como pontos de partida para que Turner, a partir de seu interesse pelo universo do teatro, problematizasse as interações possíveis entre dramas sociais e dramas estéticos. Seu encontro teórico com Richard Schechner (1934-) originou um novo campo de estudos na disciplina, denominado Antropologia da Performance, que se beneficia das imbricações entre a antropologia e o teatro, e que vem encontrando grande repercussão no Brasil.

Bibliografia

DAWSEY, John, MÜLLER, Regina, HIKIJI, Rose Satiko & MONTEIRO, Mariana F.M. (orgs),  Antropologia e Performance: ensaios Napedra,  São Paulo, Terceiro Nome, 2013

SCHECHNER, R., Between Theater and Anthropology, Philadelphia, The University of Pennsylvania Press, 1985

TURNER, V., The Ritual Process: Structure and Anti-Structure, Chicago: Aldine Publishing Co., 1969. (Trad. Bras. Nancy Campi de Castro. Petropolis, Vozes, 2013)

TURNER, V., Dramas, Fields and Metaphors: Symbolic Action in Human Society, Ithaca, Cornell University Press, 1975

TURNER, V., From ritual to Theatre, New York, PAJ Publications, 1982

TURNER, V., The Anthropology of performance, New York, PAJ Publications, 1987

VAN GENNEP, A., Les rites de passage, Paris, Émile Nourry, 1909 (Trad. Bras. Mariano Ferreira. Petrópolis, Vozes, 1978)

7 Principles for heritage based urban development – Final publication of COMUS-Project available!

From COMUS Project

On-going efforts towards sustainable development require sound and innovative perspectives on human rights and democratic governance, beyond solely economic concerns. With the consideration of heritage as a social, economic and political resource, it is essential to develop a new way of looking at heritage, by setting the ground to reframe relations between all involved stakeholders. This has been done in the COMUS-Project.

Communities at the heart of heritage governance

In the context of eastern Europe, there are many small and medium-sized heritage towns with historic urban areas and valuable cultural heritage assets facing various challenges. Some of these challenges include economic downturns, emigration of skilled people, as well as ageing populations. Experience with participatory practices and local community engagement for the preservation and reactivation of the cultural heritage to support the cultural, socio-economic urban development is in its early stages. In this context, preserving and reactivating heritage sites – whether they are historic, spiritual or industrial – implies the double challenge of dealing with low investment in capacity and limited skills and resources. Sites that had previously been significant for their heritage value and importance for local or national identities became neglected or even derelict; others suffered due to the legacy of centralised planning systems and limited capacity and resources at the local level to deal with the growing responsibilities of decentralisation.

As these countries have been going through atransitional period in their economic and political structures, new ways of addressing these challenges become important for the democratisation process where heritage may play an essential role in mobilising innovative powers in communities.

The COMUS project “Community-Led Urban Strategies in Historic Towns” aims to address these challenges and demonstrate how cultural heritage and its regeneration can provide opportunities for the financial, social and cultural development of a town (heritage based urban development). Therefore, the European Union, the Council of Europe and the Organization of World Heritage Cities jointly developed a community-based, cultural heritage-led, development methodology that was inspired by the HerO (Heritage as Opportunity) project and tested in nine pilot towns in Armenia, Belarus, Georgia, the Republic of Moldova and Ukraine.

COMUS brings heritage and communities together, in the heart of decision making on urban regeneration and local development. It introduces a methodology based on existing heritage resources, laying out an integrated approach with emphasis on the process. It further argues that urban heritage is not an isolated concept on its own, but is part of a larger system, and therefore should be considered in the entirety of a heritageled and community-based development process. In the context of the COMUS project, heritage is considered as a means and not the end result itself, demonstrating an increased role by communities in decision making. Thus, COMUS advocates for working with all layers of society simultaneously, encouraging a new constructive dialogue among all involved.

The main objective of the COMUS project was to stimulate social and economic development through enhancing cultural heritage and urban regeneration in historic towns by

  • Broadening the concept of heritage as a resource in the context of human rights and democracy;
  • Increasing the capacity of local and national authorities in the management of their heritage resources;
  • Empowering communities and citizens as the main actors in carrying out their heritage-led development processes.

Some Key Facts on the COMUS Project:

  • duration: 30 months: Jan 2015 to June 2017;
  • Nine small historic towns: Goris and Gyumri (Armenia), Mstislav (Belarus); Chiatura and Dusheti (Georgia); Soroca (Republic of Moldova); Lutsk, Zhovka and Pryluky (Ukraine);
  • Three implementing partners: European Union, Council of Europe, Organization of World Heritage Cities (OWHC);
  • Over 200 national and local stakeholders involved in participatory processes;
  • 45 heritage sites analysed and transposed into project concepts;
  • € 650,000 project budget.

The final publication shares the wide-ranging experiences gathered during the implementation of this methodology, presenting its key technical and organisational principles, with the aim of applying this methodology successfully elsewhere. The title is:

COMMUNITY-LED URBAN STRATEGIES IN HISTORIC TOWNS (COMUS) Communities at the heart of heritage governance – Principles for heritage based urban development of small and medium-sized heritage towns in countries in transition

Please find your free electronic copy here!

All photos: https://www.flickr.com/photos/56218409@N03/

Educação Patrimonial

O nosso bom amigo Pedro Cardoso Pereira defendeu num postal publicado nesta lista Museum em 5 de julho a necessidade de incluir a Educação Patrimonial nos curriculos escolares. Questiona se essa não será uma bandeira que valerá a pena levantar pela organizações do patrimónios.

Estou completamente de acordo com esta proposta. Vários trabalhos sobre a neurociência social tem vindo a evidenciar a relevância das competências e das capacidades desenvolvidas nos primeiros anos de vida para a organização social. E como sabemos a organização social implica conhecer as relações existentes e procurar o modo como cada um se se insere de forma a contribuir para o bem comum.

A educação patrimonial permite desenvolver a capacidade de reconhecimento de si e do outro em contexto. A educação patrimonial permite partir da consciência sobre o local, sobre  ação social da comunidade existente e das suas heranças e criar capacidade de capacidade de iniciativa  no  presente como expressão da vontade de futuro.

A educação patrimonial permite ligar a escola ao meio social envolvente e incluir a participação e criativa das comunidades locais.

A questão em Portugal exige contudo um debate sobre o que se pretende fazer com o Património. como tem vindo a ser referenciado em diferentes locais, as organizações culturais, em particular as do património, apresentam grandes dificuldades em criar uma agenda comum e em associarem-se para atingir objetivos.

São por isso necessário bandeiras. A Educação patrimonial poderá ser uma ideia semiófora?

 

XVIII Conferencia Internacional do MINOM


En el mes de octubre se realizará en la ciudad de Córdoba (Argen􀆟na) la XVIII Conferencia del Comité
Internacional para una Nueva Museología de ICOM. MINOM reúne a trabajadores de museos e
ins􀆟tuciones culturales que, comprome􀆟dos a través de acciones directas en sus comunidades,
asumen los debates, intereses y propuestas sociales de las colec􀆟vidades en las que están implicados
como mediadores y educadores patrimoniales.
Cada año, los miembros del MINOM organizan reuniones e intercambios regionales abiertos a toda la
comunidad interesada. La Nueva Museología, surgida en 1972 en la Mesa Redonda de San􀆟ago de
Chile, proponía un acercamiento antropológico al patrimonio, corriendo la mirada del objeto para
centrarse en los sujetos y las relaciones sociales, culturales, simbólicas, polí􀆟cas y económicas que
propiciaron su materialidad y su inmaterialidad. Así, la atención pasa del objeto a las personas y
grupos sociales. Por primera vez las Conferencias Internacionales de MINOM tendrán lugar en
nuestro país, al otro lado de la cordillera, donde se propuso por primera vez la opción de museos
con-y-para la comunidad. En este marco, invitamos a tratar dos ejes temá􀆟cos de profunda
actualidad en nuestra región:
EJE 1: Museos, acciones patrimoniales y experiencias educativas en espacios de privación de la
libertad. Jóvenes y adultos privados de la libertad son incorporados a instituciones de regímenes
cerrados que históricamente han estado asociadas a fines de control y normalización. Esta
perspectiva, que se modifica a partir del aporte de los derechos humanos, da lugar a otras
experiencias posibles -experiencias liberadoras- dentro de esos espacios. El museo como espacio
de comunicación y de construcción de sentidos, y el patrimonio como la materialidad que guarda
en sí la memoria y las identidades individuales y colectivas, se abre como derecho y herramienta
ante la necesidad social de desarrollar posibilidades para modificar lo dado.
EJE 2: Museos y acciones patrimoniales en torno a cuestiones de género.
Vale recorrer cualquier museo del mundo para encontrar expresiones artísticas o referencias
materiales que contribuyeron a perpetuar prácticas naturalizando la desigualdad y otras formas
de violencia. No escapan a este debate la definición de rasgos de lo femenino y del rol social de la
mujer, por poner sólo un ejemplo. Ante el cambio de paradigma, vale la pena revisar cómo los
museos y la interpretación del patrimonio que éstos albergan favorecen otras construcciones y
reconocimientos posibles a la cuestión de género en su amplia y rica diversidad.

Redes de Museus XV – Casos de Redes Privadas

Entre os casos de Redes de museus, as redes de museus provadas é um caso que está no Limbo. Nunca se vê tratada essas coleções e empresas, muitas vezes vistas como pouco dignas de crédito na medida em que o objetivo é de natureza comercial, opondo-se assim à natureza sem fins lucrativos do ICOM.

Todavia, abstraindo a questão comercial, é naturalmente de pensar como é que estas redes funcionam e qual a sua situação no panorama museológico Português.

Todos conhecemos a Coleção Berardo, depositada no CCB em Belém.  “O Museu Coleção Berardo é um espaço museológico de referência em Lisboa, onde o visitante pode desfrutar do melhor da arte moderna e contemporânea. Neste museu é possível encontrar, tanto na mostra permanente da Coleção Berardo como no leque muito variado de exposições temporárias, obras de artistas dos mais diversos contextos culturais e variadas expressões que construíram a história da arte do último século.”

Entre as suas atividades há serviços educativos, para difeerentes públicos, e organizam-se a partir do espólio, exposições temporárias.  Mercê do esforço do colecionador, nesta colação temos acesso a muitas obras de pintores do século XX, com entradas em novas tecnicas expressivas, tal como video e instalações. Deverá também ter atividade de conservação. Mercê dum contrato com o Estado Portguês, esta colação/museu pode ser visitas por todos.

Até aqui tudo bem. Só que Berardo tem muitos outros espaços museológicos híbridos.

Na Madeira, de onde é originário, tem uma Fundação que gere o Monte Palace, onde apresenta uma bela coleção africana “Museu Monte Palace – Paixão Africana”. O Monte Palace é também um Jardim Botânico e um Hotel.   O museu da mãe natureza completa o conjunto.

Ainda em termos de jardins o Jardim Budha Eden o jardim da paz, situado nos terrenos luxuriosos da Quinta dos Loridos, no Bombarral mostra um espaço mais universal.

Mas será no vinho que poeremos encontrar algumas novidades. em termos de rede de coleções. O Comendador Berardo. No Bombarral

Nas velhinas Caves Aliança  na quinta da Terrugem criou o Undergraund Museum Colecction  um espaço expositivo aproveitando as caves, inclui sete colecções da arqueologia, etnografia, mineralogia, paleontologia, azulejaria e cerâmica, abrangendo uma impressionante extensão temporal com milhões de anos.

Na também Histórica Quinta do Carmo, em Estremoz está a preparar um espaço expositivo.

Na raíz do projeto está a Quinta da Bacalhoa, um palácio do século XVI, e a adega museu da Quinta de Bacalhoa onde está exposto a exposição   “Arte, Vinho e Paixão” inaugurada em 2004. Uma exposição constru+ida a partir das obras do acervo do comendador, que associa a arte e o amor ao vinho tornou. Arte como expressão de sensações, da criação estética do belo, associação ao fazer e cuidar do vinho.

Um outra exposição, sobre  Arte Digital aborda o início do comércio entre Portugal e Inglaterra, marca dum dos vinhos da casa “Catarina”.

Mais recentemente a Exposição de Homenagem à Rainha Ginga  “Out of Africa” apresenta  um exppsição sobre mascaras de angola.

Notas sobre a Política Museológica Nacional II

Notas sobre o documento do ICOM (estas notas forem efetuadas sobre o primeiro documento proposto para discussão. O documento final, para o qual o link remete, resulta da contribuição de vários colegas do ICOM, com os quais trocamos estas linhas.

Sobra autonomização do setor dos museus na orgânica da Cultura:

Questão: Valerá a pena criar este ponto na agenda ou reforçar a questão da RPM ?

Sobre a revitalização da Rede Portuguesa de Museus. Parece que será necessário, em primeiro lugar avaliar a concretização real do potencial de RPM e das possíveis alternativas (Redes Regionais) que estão em curso.

Do ponto de vista duma política museológica participativa, deves-se pensar a Rede de Museus como um processo facilitador ao invés da  estrutura burocrática hierárquica.

Isso implicaria o conhecimento e diagnóstico do panorama museológico nacional, uma atividade que se poderia inserir na atividade do Observatório da Atividades Culturais, exntino em 2012, mas que urge recuperar. O observatório deveria ser uma estrutura participada entre o MC a Ciência, as Universidades e as ONG do Património.

Sobre a proposta de cumprimento da Lei-Quadro dos Museus Portugueses, nomeadamente sobre a questão dos núcleos dos museus, deverias ser pensada um  reavaliação da Lei e a sua recomposição em função das novas realidades no terreno, decorrentes das novos processos museológicos.

Sobre a flexibilização dos modelos de gestão dos museus portugueses, deverá ser pensado a partir do que já foi feitos. Por exemplo o Modelo  do MNAA. Que vantagens e que inconvenientes foram encontrados, que possibilidades existem.. É necessário pensar  sobre modelos e alternativas: analisar os casos dos CCB, Gulbenkian, Serralves Monte-Lua, Parque de Foz Coa, Museu do Douro. Por exemplo ICOM  poderá consagrar um número do boletim às novas experiências de gestão patrimonial?

Um outra questão é a dignificação dos profissionais e consolidação da oferta pública de museus. .A questão passa em parte pela dignidade no trabalho. Para além das questões de natureza sindical, que em princípio não se enquadram nas atividades do ICOM, mas que cada vez mais não pode escamotear, há quem pensar em termos da qualificação das profissões museais.

É certo que os níveis de remuneração não podem ser considerado fora das competência necessária às profissões museais, mas é hoje necessário pensar que competências são essas, e se essa oferta está a ser feita pelo sistema de formação. Por exemplo, porque razão a museologia é ainda hoje uma formação de pós-graduação e não inicial?

Seria  necessário fazer um esforço de pensar nas competências dos profissionais de museus, tendo em atenção da nova Recomendação da UNESCO de 2015. e pensar a qualificação profissional ao longo da vida profissional e do intercâmbio de experiências com outros profissionais, em particular no reforço de ações inovadoras no espaço da lusofonia; Cabo Verde, Moçambique, São Tomé, Angola, Macau, Timor, comunidades portuguesas.