Cultura e Dignidade Humana – CVII – Modelo de Negócio Criativo de Marketing

O modelo tradicional

No modelo tradicional de negócio, a primeira coisa a definira, é saber qual será o público-alvo. Quem é que vai comprar o que vou oferecer. Há uma necessidade de mercado a satisfazer, uma necessidade que foi detetada ou criada. Por vezes temos uma coisa que sabemos fazer, ou que queremos vender, e procuramos oferecer isso no mercado.

A primeira coisa que queremos fazer em vendar em larga escala. No mercado global. Arranjamos um espaço, colocamos lá os produtos, procuramos chamar pessoas, fazemos uma página na internet. Procuramos vender na internet. Isto é uma forma de trabalhar que não á a mais favorável ao mercado da inovação e da criatividade. O mercado criativo é constituído por pessoas que querem a distinção do produto que adquirem. O mercado criativo é um mercado de nichos.

Por isso, quando procuramos criar um negócio criativo, com base no modelo tradicional, a primeira coisa a fazer é entender o nicha de mercado onde se pretende atuar. Qual é o posicionamento do produto que se quer oferecer par aum mercado cultural.

Por exemplo, se quer atuar no campo da música há que, em primeiro lugar entender de música (tocar) e sobretudo de que tipo de música se quer oferecer.

Nas cidades há normalmente lugares de músicas, consoantes culturas, gerações ou outro tipo de oferta musical que é necessário conhecer, para saber onde o gosto e a vontade pessoal se inserem. É necessário ter consciência da distintividade do potencial criativo e ter a consciência que há muitos outros que também o têm e procuram desenvolver. É preciso procura o seu nicho de mercado.

É certo que também é possível oferecer os produtos num mercado mais vasto. Por exemplo, um costureiro, pode trabalhar num mercado quase exclusivo, de produtos únicos para clientes selecionado, ou par aum mercado mais vasto e de massas. O que é relevante nesta questão é que é possível escolher entre segmentos de mercado de diferentes setores e procurar qual o respetivo públio-alvo ou cliente alvo.

Defenido o que se quer fazer e onde se quer oferecer, é necessário pensar na formatação do produto. O que é que se vai oferecer no mercado. Pensar porque é que as pessoas, querem comprar esse produto. Que valor é que estão dispostas a pagar. Na verdade o que é necessário fazer é uma relação entre o valor que se pensa que é adequado ao trabalho e o que normalmente se paga por esse serviço. Será pois útil procura serviços ou produtos semelhantes para comparar.

A questão do valor do produto ou serviço é crucial. O valor é uma quantidade, mas também tem incluída a qualidade percebida. Por exemplo, um serviço oferecido pode ser mais caro no mercado, mas isso pode contrabalançar com uma maior rapidez da sua oferta. Quando se pensa no valor dum serviço ou dum produto, é necessário ter uma ideia de como ele se posiciona no mercado, como é percebido, que distinção pode ter. O valor não é apenas o seu custo, mas sobretudo a perceção que dele se tem pelo consumidor. O seu grau de novidade e a possibilidade de o satisfazer.

Depois de definido o valor do que se quer oferecer, em terceiro lugar, é necessário procurar clientes. É necessário criar canais de comunicação para atingir os clientes do mercado que se pretende. Para abrir canais é entender como é que a oferta vai ser feita, onde vais ser feita, como vai ser feita.

Onde é que o produto ou serviço vai ser oferecido. Vai ser numa loja, on line, em mercados ou outras lojas. Vai ser embrulhado ou personalizado. As pessoas/cliente vão ter de se deslocar que for oferecida um evento performativo. Todas essas situações implicam diferentes canais para comunicar.

Em quarto ligar é necessário criar uma relação com os clientes. A melhor forma de o fazer é através da satisfação do serviço ou produto oferecido. Essa é sempre uma questão chave na satisfação, que leva a que os clients voltem a procurar o produto ou serviço. Mas é necessário enteder também os limites e o alcance dos relacionamento. No mercado criativo não só há muita oferta de produtos ou serviços, como também, pela sua própria natureza, estabelecem-se relações muito próximas entre os diferentes tipos de ofertas. Pelo que há sempre uma necessidade de renovar ou aumentar as relações entre clientes consumidores, de forma a manter a novidade e a diversidade.

Em quinto lugar é necessário pensar no rendimento da atividade. O emrendedor criativo investiu dinheiro, tempo e recursos no produção e oferta do produto ou serviço. No empreendorismo está dinheiro envolvido. Há custos a serem suportado. O produto ou serviço tem que cobrir, pelo menos, os custos envolvidos. Deverá também acrescentar alguma renda para que o processo se possa manter. Mas a transação também tem que ser pensada. O produto ou serviço envolveu a colabaraçao de terceiros. O pagamento é feito na altura, é dilatado no tempo ou é pré-pago. Tudo isso influencia o rendimento. É também necessário pensar nos custos financeiros envolvido (impostos e segurança social). No final é necessário fazer o balanço de negócio. Satisfaz e é rentável?