Cultura e Dignidade Humanan CXIII – Mercado Criativo em sintese

Se queremos começar a construir uma economia criativa, há um certo número de pontos que temos que estar atentos:

Ter tempo. Não se pode desenvolver uma economia criativa num curto periodo de tempo. Tem que ser uma estratégia pensada a médio e longo prazo.

Em Segundo lugar. É necessário ser persistente. A economia criativa não se cria nu dia. É necessário ser perseverante e focar-nos naquilo que queremos criar

Em terceiro lugar é necessário comunicar, tem que se olhar para paisagem social do mundo global e procurar onde o produto se pode encaixar, que clientes se podem capturar. A comunicação é um elemento chave dos processos da economia criativa. Não esquecer que a comunicação é um processo dialógico. Que é através da comunicação que as alianças e parcerias são construídas, que é através da comunicação dialógica que o mercado se vai fazendo sentir.

Finalmente, a economia criativa não se aprende de fora. Aprende-se quando se faz e quando se está em processo.

Em síntese, a Economia Criativa é um conjunto largo de pequenas empresas, muito dinâmicas a adaptáveis, que atuam num determinado ambiente económico. São olhadas como uma alternativa de futuro e estão a criar prespetiva de transição económica, societal e ambiental através da criatividade e da inovação dos produtos culturais-