Amazônicas XIV – Da mão para a boca de Paul Auster

Da Paul Auster este “Hand to Mouth”, publicado em 1997, editado em 1998 pela Asa, agora disponibilizado com a revista visão em junho 2016, foi-me recomendado por um amigo. Só  durante os dias quentes e quietos de agosto o conseguir ler.damaoparaaboca

O título, um adágio popular, que se refere à luta pela sobrevivência começa assim: “Entre os meus vinte anos e os inícios dos trinta, atravessei um período de vários anos em que tudo aquilo que tocava se transformava num fracasso: o meu casamento terminou em divórcio, o meu trabalho como escritor soçobrou e vivi assoberbado por problemas de dinheiro. Não estou a falar de uma simples e ocasional escassez de fundos ou de alguma necessidade periódica de apertar o cinto, mas sim duma falta de dinheiro contínua, crónica, opressiva, quase asfixiante, que me envenenava a alma e me mantinha num estado de pânico interminável.

O livro é uma pequena narrativa autobiográfica do autor, escrita com sofrimento, angustia, mas ao mesmo tempo com um distanciamento humorado sobre a introspecção, á posteriori, sobre um passado feito de gestos desorientados. Temos a sensação de alguém que se ri de si próprio ao mesmo tempo que nos diz que é necessário andar, cair e levantar-se de novo para chegar onde se quer. Sobretudo ousar fazer.

 

Amazónicas XIII- Slam Poetry

Feito em Beja no encontro sobre Poesia Slam

Senti o poema

A sair de lá do lado de onde sopra o vento.

Do vento quenta das terras do sul.

De onde dão nomes às palavras.

 

Palavras quentes que abraçam

Palavras que nos deixa escrever

emoções que dançam em rodas

nas noites quentes.

 

Senti o poema a procurar a fresca fonte

Nos contos das palavras quentes

 

Beja 26 de agosto 2016

Amazónicas XII – Slam Poetry

A “Poetry Slam” ou poesia de rompante é uma competição ente poetas que recitam ou lêem os seus trabalhos originais. Os trabalhos podem ser julgados pelos participantes jurados, escolhidos ou não. Normalmente a classificação atribuída vai de 1 a sete, de onde os valores mais elevados e baixos são retirados.

A slam poetry foi sistematizada pelo poeta americano Marc Smith num café de Chicago, levando para o espaço da lazer uma prática das pausas de trabalho nas fábricas. A ideia de declamar um poema em menos de 3’ estava relacionada com a hora de pausa, para que o máximo de poesias fossem declamadas. Em julho de 1986, encontra uma casa no “Green Mill Jazz Club” e em 1987 as regras de competição são formalizadas. No ano seguinte, em agosto de 1988 em Nova York deu-se o primeiro festival de Slam Poetry. O movimento slam espalhou-se pela américa e pelo mundo. Em Portugal é protagonizado pela Portugal slam , que em outubro deste ano irá promover o seu primeiro festival com o tema “linguagens, fronteiras e encontros. Para além doe 3’ a poesia deve ser original.

Em Beja, nas palavras andarilhas fizemos uma oficina com Raquel Lima  que já havíamos encontrado nas lições do CES.

Algumas ideias base da poesia slam. Tem por base a palavra dita. A palavra é dita através dum processo de escrita criativa, onde o objetivo é criar um texto original para criar consciência social. Há um momento de meditação pessoal, um momento de criação e um momento de extroversão.

O desafio de escrever um texto original implica um processo reflexivo de criação e edição.

Exercício criativo.

  • Procurar três palavras, enunciadas espontaneamente.
  • Da escolha das três palavras, escrever 5 palavras, com base na exploração do som e do significado
  • A escolha das palavras pode ser feita aleatoriamente ou por sorteio. O exercício de criatividade destina-se a libertar a sensibilidade.

A partir da criação, cada um é convocado a escrever um poema.

A leitura do poema é de seguida filtrada.

Os filtros da leitura destinam-se a treinar a dicção e podem ser.

Exercício de leitura para um ponto na sala.

  • Ler com um lápis na boca
  • Procurar expressar emoções com sons.
  • Trocar vogais, etc.

Amazônicas X – Pontos de Cultura

Viapontos de cultura celiogem ao Brasil Des-silenciado.

“Quando o ministro Gilberto Gil convidou Célio Turino para desenvolver um programa de democartização do acesso à cultur mal se podia imaginar as extreórdinárias iniciativas, que cruzam o Brazil de um ponto a outro, do sertão ao mar, da Amazônia às Pampas. Neste belissimo livro – não resito usar as palavras belo, beleza, a melhor forma de defini-lo- Célio mostra como sua trajetória se confundo com a busca de políticas culturais democráticas e populares para o Brasil. Como uma geração que lutou contra a ditadura, deu continuidade à luta democrática abrindo novos caminhos para ela: na democratização social e cultural, na criação de meios para que o povo fale, cante, grite, desenhe seus sonhos e suas vontades.
A leitura deste livro permite conhecer o Brasil, o Brasil silenciado, o Brasil que era convidado antes apenas para assistir ao país inventado pelas elites brancas do sul e que agora se vai forjando nos espaços e nos tempos da sua emancipação.
Venham. Só tem a perder os silêncios opressores neste viagem que Célio nos convoca como seu melhor guia de futuros.”

Emir Sader

QUELS MUSÉES POUR LE 21° SIÈCLE ? de Huges de Varine

Est-ce une mode ? est-ce un mouvement de fond ? est-ce une conversion des professionnels de musées ? Le fait est que, ces derniers mois et encore ces jours-ci, j’entends parler de projets visant à “inventer” le musée du 21° siècle, ou bien à ouvrir le musée sur la société, ou encore à faire participer les habitants à la vie du musée. Des réseaux de musées, une université, des administrations nationales ou régionales, en Europe ou en Amérique, réunissent des muséologues, des politiques, des experts et les font “plancher”. Quelles que soient les langues dans lesquelles cela s’exprime, les mots et les concepts sont les mêmes. Il s’agit de chercher à faire que le musée, les musées s’ouvrent au plus grand nombre, ces habitants qui ne viennent pas et ne sont jamais venus au musée, sauf dans leur enfance avec leur classe ou à l’étranger pendant leurs vacances en suivant le guide.

Par contre, les démarches ne sont pas toujours les mêmes. J’en distingue deux principales selon que l’on privilégie le musée ou le territoire.

Dans la plupart des cas, c’est le musée lui-même qui est l’objet de la réflexion, avec deux déclinaisons différentes, parfois opposées, parfois complémentaires: ouvrir le musée sur l’extérieur pour y faire entrer la population, ou bien faire sortir le musée de ses murs pour aller à la rencontre de la population. Ouvrir le musée signifie le rendre plus attractif, changer certaines activités ou la manière de les réaliser, adopter des modes de communication allant de la publicité plus ou moins ciblée à l’utilisation des réseaux sociaux., mais il s’agit toujours d’un “public” qui doit entrer dans le musée. Sortir de ses murs signifie au contraire pour le musée une révolution dans ses méthodes, l’investissement de nouveaux lieux, la prise de risques, notamment pour les collections utilisées, une collaboration avec des personnes et des structures extérieures au musée qui n’ont pas les mêmes goûts, les mêmes logiques, les mêmes objectifs. On reste cependant, pour l’essentiel dans le cadre de la collection du musée. La collection est un trésor que l’on veut partager avec le plus grand nombre, ce qui impose à l’institution d’inventer de nouvelles formes d’action.

L’autre démarche est très différente: il s’agit de considérer le territoire, qui peut être un quartier, toute la ville ou encore celle-ci avec la région qui l’entoure. Le musée devient alors une institution au service du territoire et de son patrimoine. Sa collection n’est plus que la partie enfermée (le trésor) du patrimoine commun, mais le musée dispose par ailleurs de locaux, de personnels, de compétences, de moyens techniques ou scientifiques, qui peuvent être utilisés pour des actions, des programmes, voire même une stratégie patrimoniale à moyen ou long terme, qui peuvent inclure l’inventaire du patrimoine, la “mise en valeur” d’éléments de ce patrimoine in situ, la création de réseaux d’acteurs, une implication dans des domaines de la vie culturelle, sociale, économique, politique, dans l’aménagement de l’espace, dans la revitalisation de ressources anciennes ou la création de productions nouvelles à partir de l’héritage immatériel, etc.

Enfin on doit prendre en compte l’existence, fréquente, de plusieurs musées, souvent de nature très différente, dans la même ville et sur le même territoire. Là ce n’est plus “le” musée qui doit changer, mais l’ensemble des musées, qui sont d’ailleurs de plus en plus reliés en réseaux ou “systèmes” de musées, qui incluent aussi les monuments, les sites, les parcs naturels. Je crois cependant que ces réseaux ont surtout pour but d’optimiser leurs ressources institutionnelles et d’harmoniser leurs programmes et leurs calendriers, leurs actions de communication. Le plus souvent ils parviennent à coordonner leurs tarifs et à créer des billets uniques pour faciliter la fréquentation touristique. Mais je ne suis pas sûr que les villes qui agissent ainsi aient vraiment la volonté de se doter d’une politique cohérente du patrimoine dans l’intérêt de leur population. Les musées restent des attractions touristiques, dont les statistiques de fréquentation constituent la meilleure preuve de succès.

Devant cette tendance à la remise en question des politiques muséales du XX° siècle, on peut poser quelques questions, par exemple:

  • est-ce que les musées d’art, et surtout les musées de chefs d’œuvre, doivent rester l’étalon absolu de toute réflexion muséologique institutionnelle ?
  • est-ce que la gouvernance des musées est capable d’accepter la participation des corps intermédiaires (associations par exemple) et d’habitants de toutes origines sociales à la décision aussi bien sur les programmes que sur les méthodes d’action et sur les langages utilisés ?
  • est-il raisonnable de poursuivre les pratiques anciennes de la muséologie traditionnelle qui consomment la plus grande part des moyens disponibles, même en temps de crise: accroissement des collections à tout prix, création de nouveaux musées, construction ou extension de musées selon des concepts architecturaux spectaculaires où le contenant l’emporte sur le contenu et sur le service rendu ?
  • existe-t-il encore deux niveaux de patrimoine: un patrimoine noble constitué par les collections des musées et par les monuments et sites classés, et un patrimoine “modeste” qui n’intéresse que des érudits locaux et des associations de village ?

Ce qui m’amène à penser que les musées, du moins ceux qui veulent sincèrement servir leur territoire et sa population, auraient intérêt à chercher de l’inspiration et des exemples de méthode, non pas dans des commissions d’experts, mais auprès des musées communautaires ou des écomusées qui ont déjà depuis vingt ou trente ans appliqué les principes déclarés en 1972 à Santiago du Chili, renouvelés en 1992 à Caracas, célébrés en 2012 pour le 40° anniversaire de Santiago. Car, manifestement, ce sont ces musées communautaires, petits et pauvres, sans collections de chefs d’œuvre, animés par des facilitateurs ou des coordinateurs parfois sans formation académique, qui ont pris au sérieux le principe de l’intégration sociale, du service à la communauté et qui l’appliquent au quotidien. Ils inventent des solutions simples, des modes d’organisation et de participation, ils associent tout le monde, non pas comme public ou comme visiteurs, mais comme co-acteurs de la gestion du patrimoine commun. Pourquoi ne pas leur envoyer en stage de formation permanente les cadres des grands musées urbains les plus voisins ?

P.S. Douze écomusées italiens ont invités les participants à la Conférence générale de l’ICOM qui va se tenir à Milan en juillet à venir les rencontrer sur leurs terrains. Pourquoi ne pas tenter l’expérience.

Um País de encruzilhada de culturas e raças

Atualmente somos confrontados com o desafio da diferença. É uma aposta que urge aceitar, porque não tem retorno, sob pena de nos excluirmos da história. Exige uma revolução “copernicana” cultural e social, para superar os erros do passado. É uma transformação que impõe a “centralidade da pessoa”, na sua singularidade e irrepetibilidade, ao nível da vida cósmica e da vida do planeta – situação semelhante para as culturas e raças.

Conceber um conceito de centralidade policêntrica, como espaço simbólico da humanidade, é a tentativa de colocar um “centro” coabitado, em cada lugar, pelo Homem e pela sua comunidade, fundado numa “ universalidade situada” e concreta, onde se falam várias vozes e que exige, consequentemente, um metamorfose antropológica – o centro, para existir cria, necessariamente, a periferia, como o espaço de vida “inferior” e do subordinado; ao contrário, “os centros”, anulam a ideia da periferia, porque vivem na pluralidade, na presença do Outro, do múltiplo, dando uma consistência diferente à nossa verdade.

O lugar da centralidade policêntrica do universalismo da diferença é o centro de uma mestiçagem, o espaço da contaminação das culturas, raças, indivíduos, ideias. A mestiçagem é uma ordem mental, espiritual, indiferente à cor da pele, à raça, que gera um mundo dialógico da liberdade e da compreensão mútua, onde todos tem o direito à sua intrínseca forma de estar (e não a cópia de uma outra), pelo direito em exibir uma autonomia, possuir a identidade “novellistic” como a “síntese do heterogéneo”, como refere Paul Ricoeur.

Este movimento contém resistências originadas pela leitura do mundo, construídas pelas memórias, vivências e experiências individuais mas ancorada em aspetos da memória do grupo social onde o indivíduo foi socializado. Essa História e memória oficial da sociedade estabelecem e expressam uma versão acordada e consolidada do passado, filtrada e interpretada por interesses e ideologias dominantes (em cada época), com os seus valores, mitos, arquétipos, uniformizadora de lembranças. No nosso caso, uma História construída e protagonizada por uma ocidentalidade que interpretou e registou memórias que urge hoje revisitar, pela impossibilidade de conhecer os Outros (e Nós), mantendo centros, periferias e silêncios! Assim, é importante impulsionar este movimento a fim de nos aproximarmos e conhecer o Outro, de recebê-lo com uma linguística e uma hospitalidade novellistic, como a troca das memórias. Este movimento de aproximação e conhecimento do Outro não conduz à rejeição da nossa História, antes propõe o seu enriquecimento. O que se pretende é dar entrada a outras Histórias, repensar outros dados, na urgência de uma visão mais holística da História onde sejam costuradas memórias emergentes, não monumentalizadas, integrados os significados e sentidos do Outro e valorizados os mitos, os sonhos, os desejos como fatores fundamentais dos seus percursos e marca das suas identidades.

Cabe aqui refletir sobre a nossa identidade edificada por um encontro de culturas, entrelaçada por relatos de outros universos culturais, construída com o Outro, fluida e orientada eticamente. Pelas razões expostas, o lugar da centralidade policêntrica do universalismo da diferença encontra-se na “cidade-mundo”. Em Portugal existem muitas “cidade-mundo” – Lisboa, Coimbra, Évora, Porto, entre outras – cidades que conservam, ainda, as características da civilização romana e, também, a influência de muitas outras culturas, que construíram o ethos barroco.

O conceito da “cidade-mundo”, como expõe o filósofo italiano Mario Perniola, nasce com a civilização romana, da qual o país de Lusitano é rico em histórias e memórias.

Roma era uma cidade (urbs) sem uma verdadeira origem, mas apenas um início, onde todos eram estrangeiros, a começar pelo seu fundador, Rómulo, com origem na Longa Alba, Tito Tazio e Numa Pompilio com origem em Sabina, mesmo Enea, protótipo da stirpe romana, com sangue grego. Todos em Roma vinham de outro lugar, até as divindades eram de locais e tempos diversos, sendo a cidade o lugar de acolhimento de “várias pátrias”.

O pantheon Romano, enquanto templo de todos os Deuses era, de facto, o local de convergência de todos os que habitavam os vários territórios do império, expressando e simbolizando a diversidade das culturas ali reunidas. Roma, consequentemente, não fazia sentir aos seus habitantes, que eram estrangeiros, desconhecidos, marginais mas, sim, cidadãos de pleno direito. Cidadãos de uma “cidade-mundo”, onde todos, sem distinção da raça, religião e cultura, podiam viver na plenitude o direito da sua existência, porque civitas Roman é o sincretismo de todas as manifestacões espirituais do império.

Para Perniola as características da civilização romana das “cidade-mundo” são reencontradas na cultura barroca, muito presente em Portugal, no século XVIII.  O barroco é também o espaço colonial que se aproxima do Outro e põe em contacto diversas culturas. É o repto de uma racionalidade mestiça. O móbil dos Jesuitas que são filoumanistas na Europa, mas, também, do filoconfucianismo na China, do filoinduismo na India, porque portadores de um pensamento da diferença, que educa no respeito das outras culturas, sem medo das miscigenação, ciente que a mestiçagem é a fundação do mundo.

À força destas considerações interrogamo-nos sobre a possibilidade de concretizar uma outra experiência do mundo – Portugal foi romano, resistiu às invasões bárbaras, foi árabe e europeu, emergindo nas suas cidades vários estilos: românico, gótico, manuelino, renascentista, barroco, etc. Consequentemente o país de Lusitânia é o espaço privilegiado para o retorno das“cidade-mundo”, enquanto espaço simbólico da diversidade da humanidade, onde todas as culturas, superam colonialismos e imperialismos, re-entram no palco cénico da história e fazem ouvir a sua voz.

António Vallleriani, Grupo Multiversum, Teramo, Italia

Luisa Janeirinho, socióloga, museóloga, Lisboa, Portugal

Amazónicas IX (Notas sobre milão)

NOTAS SOBRE O FORUM DE MILÃO SOBRE ECOMUSEUS E MUSEUS COMUNITÁRIOS.

Pedro Pereira Leite

Os ecomuseus, os museus comunitários e a museologia social estiveram em debate durante a 24ª Conferência Geral do ICOM, realizada em Milão no passado mês de julho. O Fórum sobre Ecomuseus e a agenda dos Ecomuseus Italianos mereceram um intenso debate entre os profissionais de todo mundo, em diferentes momentos, onde ficou demonstrada a relevância da ecomuseologia social e dele resultou a convicção sobre a necessidade de se construíram propostas de ação conjunta para os próximos anos.

O Fórum foi dinamizado pelos colegas italianos, propondo para debate o Documento Estratégico dos Ecomuseus italianos[1] e contou com uma participação ativa de Hugues de Varine[2], Donatella Murtas, Mário Moutinho, Amareswar Galla, Raul Lugo, Teresina Cruz entre tantos outros amigos. O primeiro encontro realizou-se a 4 de julho, através dum encontro conjunto do ICOFOM, do CAMOC e do MINOM, dois comités de trabalho do ICOM (sobre Museologia e Museus de Cidade) e uma estrutura associada (Nova Museologia), onde foram apresentadas as diferentes formas de intervenção dos ecomuseus, dos museus comunitários e outros processos de museologia social. Posteriormente, entre 6 a 8 de julho, em sessão especial, foram apresentados as diferentes experiências no mundo e foram realizadas visitas aos ecomuseus italianos.

Não cabe no espaço desta informação apresentar a riqueza do debate realizado e a diversidade das experiencia, mas não queremos deixar de apontar algumas notas para o futuro, tendo em particular atenção o que podermos fazer em conjunto Portugal e países lusófonos.

Uma primeira nota que merce destaque é da potencialidade e a atualidade que este encontro mostrou sobre a intervenção dos processos ecomuseais e comunitários no nosso tempo. Uma potencialidade na mobilização e participação das comunidades a partir dos seus patrimónios e heranças; na relevância do património e da memória para a dinamização da economia local, não apenas na revitalização de regiões em recessão, mas também das cidades e espaços afetados por processos de globalização; e finalmente, da sua adequação como instrumento para o reconhecimento e conservação das “paisagens culturais”, na base na conscientização ambiental e na procura de práticas de transição.

Trata-se de um conjunto de questões que dão resposta à última Recomendação da UNESCO sobre “Museus e coleções, sua Função e Social e promoção da sua Diversidade”, e que abrem espaço de diálogo muito intensos na área da economia solidária e turismo social.

Uma segunda nota sobre este Fórum, é sobre a evidência de que estas experiências, a sua riqueza e diversidade, necessitam de ser partilhadas através de redes de conhecimento, bem como da utilidade de discutir a suas práticas e instrumentos de forma mais alargada, nomeadamente através de encontros entre os ativistas e praticantes da museologia social e comunitária. Para isso é necessário criar uma agenda e dar consistência às formas e instrumento de trabalho e criar relações entre diferentes processos.

A proposta de criação duma Rede de Ecomuseus, em Itália, parece ser uma proposta poderá dar consistência à fragilidade, por todos reconhecia, que os ecomuseus são localmente instrumentos muito dinâmicos, mas com fraca capacidade de afirmação global. Os ecomuseus mostram dificuldades em comunicarem e partilharem as suas experiências e processos em escalas mais largas. A criação da rede, seja na base da região, seja transnacional poderá agregar toda a diversidade de processos que estão a surgir, na América do Sul, na Ásia, ao mesmo tempo que poderá contribuir para criar uma base de comunicação entre profissionais e promover espaços de encontro e formação.

A terceira nota que o encontro sobre ecomuseus nos deixou é do seu potencial de irradiação e contágio em processos de desenvolvimento das comunidades, das suas formações sociais, das suas bases económicas e da integração dos recursos territoriais e ambientais. O trabalho nos ecomuseus e museus comunitários implica uma elevada interdisciplinaridade nos processos, revelando-se um ecomuseu como um laboratório de futuros e como um potencial espaço para criação de inovação social.

Uma quarta nota relativa à questão das paisagens. O tema geral da conferência do ICOM foram os Museus e as paisagens culturais e aprovação da carta de Sienna. Os museus procuram constituir-se como espaços de interpretação da paisagem. Nesse sentido os ecomuseus já são hoje, por definição, lugares e processos de musealização das paisagens. Mais, o desafio dos ecomuseus é o de serem também atores na formação dessa paisagem. Os ecomuseus permitem a intervenção na preservação ambiental, regressando á Convenção da UNESCO de 1972, sobre proteção e promoção do património mundial, cultural e natural, ultrapassando a falsa oposição entre natureza e cultura.

Uma quinta nota deste encontro é de que hoje é necessária uma colaboração entre os Ecomuseus e outras organizações que atuam no território. Relações mais profundas com o ICOMOS, com organizações de turismo solidário e do terceiro setor, são hoje fundamentais para criar compromissos nas agendas locais. Neste encontro ficou claro que é necessário criar espaços de debate sobre questões comuns com as organizações que intervêm no território. A experiencia dos ecomuseus, em Itália, mostra a possibilidade de usar este modelo como laboratório. Ficou todavia o desafio de entender os seus limites e alcance.

Finalmente uma última nota, o pensar como e sobre que forma este potencial pode vir a ser desenvolvido em Portugal. O desafio de pensar a constituição de uma rede de ecomuseus portugueses está na agenda, e a celebração, no próximo ano dos 35 anos do Ecomuseu do Seixal, onde a nossa querida colega Graça Filipe procura dar corpo ao processo de musealização da fábrica da Pólvora, em Vale de Milhaços, pode ser o momento adequado para discutirmos todos como o podemos fazer. A proposta está lançada e apelamos à colaboração de todos para concretizar esta ideia, em Portugal e se o conseguirmos, nos países Lusófonos[3].

[1] http://www.ecomusei.eu/?page_id=1591

[2] Hughes de Varine autor escreveu “Raizes do Futuro”, onde apresenta a sua experiencia sobre os ecomuseus. Veja-se https://midas.revues.org/458

[3] Para integrar esta ideia enviar um mail para pedropereiraleite@hotmail.com ou contatar o ICOM Portugal info@icom-portugal.org

Amazónicas VIII

Memória Acesa

A Missiva da XVII Conferência do Movimento Internacional para uma Nova Museologia, Nazaré 2016

Pedro Pereira Leite – MINOM-ICOM

arigoca

Há sítios no mundo que são mágicos. Lugares que têm aura. A comunidade da Nazaré, nas margens do rio Madeira, um afluente do rio Amazonas, na fronteira do Brasil com a Bolívia é um destes lugares. Aí estivemos, no mês de agosto, a participar na XVII Conferência Internacional do MINOM. Um evento construído em parceria com a Universidade Federal da Rondónia, que ai desenvolve um projeto de extensão com o Instituto Minhas Raízes, criados por habitantes das comunidades ribeirinhas, que fazem da intervenção cultural um modo de afirmar a sua identidade e preservar as suas memórias. A possibilidade de criar um museu na comunidade serviu de pretexto para o encontro.

A Amazónia é hoje uma das nossas fronteiras. Um pouco do futuro da humanidade passa pela manutenção da sua diversidade e dos seus sistemas de vida. A comunidade da Nazaré, constituída por índios e seringueiros, que há mais de cem anos se fixaram nas margens do rio Madeira, sabem que estão integrados num sistema complexo. As práticas neo-extrativistas, que marcam as economias ditas emergentes, rapinam de forma intensivas as matérias-primas que alavancam o seu “desenvolvimento”. Como em tudo, há outros lados das histórias. Há quem ganhe e há quem perca.

O lado da perda é um sentimento vivo na Nazaré, São cheias violentas e nunca vistas, reduções abruptas de caudais de água, diminuição acentuadas dos peixes no rio. A comunidade sabe que depende do rio. Se o rio muda a comunidade muda. Eles não querem mudar. Eles não querem ficar do lado da certo da história e por isso lutam contra a remoção das comunidades das margens dos rios e contra a pressão para o abandono dos seus modos de vida ancestrais, em comunhão com a natureza. Cantam e defendem a sua vida ligada aos seus espaços no âmbito da procura dum “Bem-viver”. A memória acesa é hoje um dos seus principais recursos nessa luta.

A Missiva da Nazaré, construída em colaboração pelos participantes do XVII MINOM procurou identificar as questões relevantes nas práticas da nova museologia e assumiu o seu compromisso de procurar novas respostas adequadas à construção de uma outra relação com a natureza, com os outros e com a diversidade[1].

Eu jamais partirei da Nazaré, porque lá vi o que é esta nossa força, junta, que nos faz mover o mundo. É esta a nossa memória acesa que nos dá essa força que nos junta. O que posso eu fazer se não agradecer ter podido viver para contar esta experiencia vivida em conjunto com gente boa, empenhada no futuro. E talvez, dar aqui, nesta terras do Atlântico, bordejadas pelo mediterrâneo, um sabor deste museologia nova.

[1] Para consultar o texto da Missiva da Nazaré:veja-se : https://globalherit.hypotheses.org/5235

Encontro da Primavera do ICOM.PT (XII)

PL [1:13’30’’] Obrigado. Apenas mais algumas palavras. Os temas são de facto muito interessantes mereceriam uma conversa mais detalhada, mas para não prejudicar os nossos colegas que de seguida vão trabalhar também um tema interessante, que é a Carta de Siena. Ficam então uns breves comentários.

Efetivamente hoje vivemos um tempo complexo em relação ao papel do Estado e das políticas públicas na sociedade. A nossa organização política, na Europa e em grande parte do mundo é o sistema democrático, com base na representatividade – a democracia representativa, e hoje fala-se muito de que forma é que nós hoje podemos aumentar, melhorar a participação dos cidadãos nos processos de decisão. A democracia quer dizer o governo do povo, e portanto ela só funciona se as pessoas participarem, se elegerem os seus representantes, e sobretudo se fizerem chegar a sua voz aos seus representantes, quando estes estão no exercício dos seus mandatos. E este é o grande problema, pois quando os representantes estão no exercício do mandato fazem o que a sua consciência dita, ou o que os seus grupos de interesses determinam. Ora hoje para equilibrar esta fragilidade entre o interesse geral e os interesses específicos de cada momento protagonizados pelos representantes, fala-se cada vez mais da necessidade de equilibrar a democracia representativa com formas de democracia participativa.

Por isso hoje em dia, e esta Recomendação é um espelho disto, incentiva-se que os estados membros (na maior parte dos casos democracias representativas) incentivem os seus cidadão a participar nas tomadas de decisão que os afetam. É claro que esta é uma questão muito complexa, mas a museologia, que é o caso que nos interessa, há muito que trabalha com os processos participativos e com as comunidades. E aqui está um desafio interessante para as políticas públicas. Não fará hoje muito sentido o estado promover um processo de planeamento centralizado para políticas públicas em todo o território. Hoje fará mais sentido estabelecer um quadro geral de referências e objetivos, um quadro de convergência de interesses, e depois procurar os lugares onde se encontram as forças vidas da sociedade, e partir delas para construir, e esperar que esses processos contagiem outros lugares. Hoje em dia a democracia participativa está muito ligada com os princípios da ação em Rede. Hoje é extremamente importante saber trabalhar em redes, em processos colaborativos. Isso podemos fazer, e já esta a ser feito nos nossos museus, muitas vezes de forma muito eficiente.

Em relação às questões que a Joana colocou, em relação à sustentabilidade dos museus. Esta é uma questão que está também na ordem do dia. No ano passado foi aprovada pelas Nações Unidas a Agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, e há aqui toda uma articulação entre a economia, a sociedade e o ambiente, no qual a cultura, embora não seja um pilar destes ODS, e as suas organizações tem que dar resposta. As nossas organizações têm que ser rentáveis, se prosseguirem o lucro. Têm que ser equilibradas se não tiverem fins lucrativos, têm que ser sustentáveis ambientalmente e devem promover uma sociedade justa e inclusiva. As nossas organizações têm que ser produtivas, socialmente úteis. E isto é um desafio!

É evidente que nos museus nós não trabalhamos com o lucro. Mas também não podemos cair numa análise de balanço de mercearia, em que o número de visitantes é equivalente ao valor da receita. Ou eventualmente adicionar na contabilidade os custos da conservação dos edifícios e coleções e da sua gestão. Nos museus nós trabalhamos com valores que os economistas chamam as externalidades. E isso necessita de ser adicionado ao balanço dos museus. Quando falamos dos museus, do seu valor social, também estamos afalar deste ativo que se produz e que irradia para a sociedade. Há portanto custos que se diluem no tempo e no espaço, criando ativos noutros lugares. É preciso fazer ver isso de forma clara aos políticos.

Hoje por exemplo existem nas cidades, e a maioria da população já vive nas cidades, existe um setor muito dinâmico que é chamada a Economia Criativa. A Joana que está à frente dos museus de Lisboa conhece bem esta vitalidade que hoje a nossa cidade apresenta e grande visibilidade que os diversos equipamentos culturais têm no centro da cidade. Evidentemente que nem tudo poderá estar bem mas esta discussão levar-nos ia para fora desta nossa Recomendação que aqui nos trás.

Em relação à questão do Luís Raposo, eu também não conheço a Resolução do Conselho da Europa, mas há aqui um campo comum entre várias instituições: Museus, Arquivos, bibliotecas, pois todas eles trabalham no campo das instituições de memória. No entanto todas tinham políticas diferenciadas. Por exemplo em Portugal são tuteladas pelo Ministério da Cultura que com altos e baixo criou em todo o país uma política para museus, outra para bibliotecas, outra para arquivos, outra para o Património, outra para o teatro outra para o cinema. Ora hoje em dia nós estamos confrontados com a questão de como é que podemos manter todas estas instituições a funcionar. A funcionar com a dignidade que elas merecem, note-se. Provavelmente termos que criar sinergias entre elas, fazer acontecer processos museológicos nas bibliotecas, nos teatros. Que hajam teatros nos museus. Enfim, temos hoje que ser criativos e procurar atuar conforme podemos com os recursos que dispomos e ter uma ideia de que fins queremos alcançar. E esse esforço temos que ser nós a fazer.

Para terminar, esta questão da colega sobre os museus que estão moribundos. Bem às vezes os museus também morrem. Temos que encarar estes processos como naturais. Muitas vezes estes pequenos museus estão muito ligados às pessoas que os fizeram, que o mantiveram. Se não souberem renovar-se eles definam com a perda da vitalidade das pessoas. Por exemplo, os ecomuseus em França e no Canadá foram experiências que registaram diferentes dinâmicas. O Hughes de Varine já reconheceu várias fases nos ecomuseus, onde cada uma delas procurava responder à essa perda de vitalidade que se sentia. Os museus funcionam com pessoas e as pessoas têm estas circunstâncias. Ora neste pequenos museus, a única forma deles funcionarem é conseguir que a comunidade se empenhe nesses espaços. Se aproprie deles e tome conta deles e nels desenvolva as suas atividades.

Só uma última questão, a divisão entre a museologia do norte e a do sul. Eu gosto muito da divisão entre os nórdicos, frios e individualistas e as cultura do sul, quente e dos afetos. Bem estas divisões são o que são e por vezes não passam de banalidades. Mas no mediterrâneo nós trabalhamos com as pessoas, gostamos de olhar olho no olho, de sentir o contato e de estar em comunhão. E de alguma forma temos que manter esta nossa tradição de olhar para o outro e trabalhar com o outro e fugirmos dessa tendência de criar normas nos museus. Nós temos nos nossos museus uma tendência de colocar guias, audiovisuais e procurar a autonomia dos vistantes. Essa norma europeia de visitar um lugar agarrado a um guia deveria, quanto a mim ser evitado. Devemos procurar que os museus sejam lugares de encontro, e ao invés de criar distância, aproximar. Esta Recomendação permite que esta nova museologia, seja fundamentalmente um espaço de encontro.

Esta é uma convicção pessoal de que um museu é um lugar de encontro, um lugar onde nos encontramos connosco, com os outros, onde reconhecemos a diversidade do mundo. É aí que podemos trabalhar naquilo que são os objetivos da humanidade, de alcáçar uma cultura de paz e prosperidade e bem-estar para todos.

AC 1:[21’03’’] Obrigado a ambos. Damos por encerrada esta mesa. Segue-se um intervalo de 10 minutos. Até já.

Aplausos.

Encontro da Primavera do ICOM.PT (XI)

AC [ 1:09’ 16] Muito obrigada. Vamos então passar aos comentários.

CC [1: 09’ 24’’] São comentários breves dada a hora para questões muito complexas. Vamos depois continuando a conversar ao longo da manhã. Eu junta-las ia para facilitar a resposta. Primeiro devo agradecer ao Luís Raposo, eu não conheço o documento do Conselho da Europa. Obrigado, vamos ler e comparar. Em relação às políticas museológicas, ao papel dos governos e dos profissionais, questões levantadas pelo Manuel Oleiro, pronto, temos aqui o busílis da questão!

A Recomendação, como eu comecei a dizer, é uma Recomendação que é dirigida aos governos, aos estados membros. Nós estamos aqui, como profissionais dos museus, com diversos relacionamentos nas diversas redes profissionais. Felizmente temos connosco o Subdiretor do Património Cultural, Dr. David Santos, e aquilo que nós podemos fazer é também influenciar, propor e levar a quem de direito. Não posso no entanto deixar de deixar algo, que de certa maneira é óbvio, mas talvez valha a pena voltar a afirmar. É que todos estes documentos e este por maioria de razão é aquele que estamos aqui a discutir, são produto de determinadas conjunturas. Este foi fruto de um momento muito feliz que o Brasil viveu na sua museologia e no seu desenvolvimento museológico há alguns anos atrás. E foi fruto do empenhamento das pessoas que estavam à frente das instituições e fruto dum casamento, diria eu também, muito profícuo com o poder político, conseguiram levar isto avante e conseguiram dinamizar outros governos e outros colegas. Fruto das conjunturas, quando a Silvana invoca as experiencias nórdicas de à anos atrás, eu tenho a dizer que não são os mesmos nórdicos que estavam na assembleia de maio, porque as políticas mudaram de tal maneira nesses países que as pessoas que agora estão sentadas nestes fóruns internacionais e representa os respetivos governos têm uma visão muitíssimo diferente, que vai no sentido das fusões e até do encerramento, de cortes de recursos e por aí fora. Portanto há aqui um equilíbrio um pouco difícil.

A Clara Cabral da Comissão da UNESCO deu os parabéns ao ICOM por esta sessão. Ora esta sessão está apenas a cumprir aquilo que se diz no final da Recomendação, que é onde se pede exatamente aos estados que divulguem e promovam a discussão em torno destes documentos, e finalmente agradeço muito à Joana ter reiterado aquele ponto que eu também, enfim eu tive de ler mas me parece também que é muitíssimo importante, e que tem realmente a ver com a questão da geração de receitas de aumentos dos custos, do aumento do turismo e de um pouco por todos os lados os governos incentivarem e reverem apenas nos indicadores quantitativos, do numero de visitantes e do número das receitas produzidas, os parâmetros para ter o financiamento. E essa realmente não é a linha que pessoalmente eu prefiro e não é a linha que esta recomendação nos vem dar.

Encontro da Primavera do ICOM.PT (X)

CC [52’ 53’’] Também para concluir, no que respeita à incidência nacional de políticas, eu vejo o impacto desta recomendação sobretudo a três níveis. Tendo em conta que já possuímos a legislação enquadradora, onde muitos outros países não possuem. O primeiro é no plano das coleções. Portanto ela é um impulso para tratarmos também o assunto das coleções visitáveis, que não teve desenvolvimento desde a sua contemplação na Lei-quadro dos Museus. É portanto um impulso também para podermos cooperar com colegas de outros países e vermos como é que nos outros países, sobretudo aqueles que já referi, Espanha e Itália, têm vindo a aprofundar esta matéria.

O segundo aspeto tem a ver com o desenvolvimento de instrumentos de planeamento que contemplem as grandes áreas desta Recomendação. Refiro-me a documentos que à pouco mencionais, como seja de Planeamento Estratégico, seja de planeamento operacional e que contemplem estas grandes linhas.

Finalmente, aquilo que parece a definição de museu, que transparece neta Recomendação, que é um museu do século XXI, construído em termos participativos, com a colaboração dos públicos. Isso é um aspeto que é transversal ao texto da Recomendação, parece-me que a interiorização, a adoção desse paradigma dum museu participativo, em que as afinidade e os papeis dos públicos vai muito além da sua simples consideração como visitantes, ou mesmo utilizadores, é talvez o aspeto que tem um alcance maior, que pode ter uma repercussão, uma mudança de paradigma e de mentalidades, que são sempre mais lentas essas mudanças, mas que seria aquele em que eu apostaria, duma forma até diria didática, pondo em prática, as boas práticas que esta recomendação nos sugere.

AC [55’ 27] Muito obrigado a ambos. Não se falou de tudo, mas penso que se abordaram os principais pontos desta declaração.

Encontro da Primavera do ICOM.PT (IX)

AC [49’ 18’’] Uma última questão. De facto ter uma Recomendação Internacional pode ter um impacto significativo, em particular para aqueles países que não têm políticas definidas, legislação definida. Nós em Portugal temos uma legislação. A Lei-quadro de 2004, bem definida, consensual entre os profissionais. De que forma esta Recomendação pode fazer a diferença ou pode ter impacto nas políticas nacionais, para além da nossa legislação? É uma pergunta para ambos.

PL [50’00’’] Posso começar eu, já que estamos na última questão. Eu penso que esta Recomendação é um instrumento que vai influenciar. A clara já referiu que há mais de cinquenta e cinco anos que não havia uma declaração da UNESCO sobre os museus e agora existe. Quando os estados membros se comprometem com uma Recomendação, como aconteceu com Portugal, significa que há toda uma responsabilidade que assumem de implementar, pelo menos ao nível da produção de legislação e ao nível dos museus que tutelam. Isso é já extremamente positivo. De aperfeiçoar o que já existe.

Mas eu penso que há também um outro alcance desta Recomendação, para nós que trabalhamos com Museus, que são as relações que temos com outras comunidades. Falo concretamente das relações que temos no âmbito da Lusofonia, sobretudo com os Países Africanos de Expressão Portuguesa. Países como Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé, mas também das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo. Nos Estados Unidos, no Canadá, na América Central, na Venezuela, na África do Sul, em Goa e no Extremo Oriente, em Timor. Enfim, em muitos destes lugares os instrumentos jurídicos não são tão afinados como os que existem em Portugal, e nós podemos através desta Recomendação, que agora foi traduzida para português, ajudar a compreender e a desenvolver os trabalhos sobre os diferentes patrimónios que resultam destes encontros.

Ele tem também uma virtude. É um instrumento que nos ajuda na produção dum pensamento científico nesses países. Quem tem acompanhado as relações que Portugal mantém no âmbito da CPLP, sabe que há políticas de apoio aos museus nestes novos países. Embora muitos deles já sejam independentes há cerca de 40 anos, em muitos casos não tem tido capacidade técnica e financeira para formar profissionais de museus. Quem trabalha no campo da cooperação para o desenvolvimento sabe que na cultura tem um instrumento fundamental para aprofundar os diálogos. Ora com esta Recomendação temos um quadro de referência, com os bons valores, ou boas práticas, como hoje de diz. Hoje é muito necessário divulgar as boas-práticas. Mostrar casos em que os museus estão bem relacionados com as comunidades, como contribuem para o desenvolvimento do território, como valorizam a economia e capacitam pessoas.

Para concluir, penso que é hoje da maior relevância termos este instrumento nas nossas mãos, mas como há pouco referi, depende sobretudo de nós, profissionais dos museus, sabermos usa-lo de forma adequada. Saber usar a Recomendação para responder a questões relevantes em cada lugar onde atuamos é um desafio às nossas capacidades para explorar as potencialidades de renovação que ele nos oferece.