Amazônicas XIV – Da mão para a boca de Paul Auster

Da Paul Auster este “Hand to Mouth”, publicado em 1997, editado em 1998 pela Asa, agora disponibilizado com a revista visão em junho 2016, foi-me recomendado por um amigo. Só  durante os dias quentes e quietos de agosto o conseguir ler.damaoparaaboca

O título, um adágio popular, que se refere à luta pela sobrevivência começa assim: “Entre os meus vinte anos e os inícios dos trinta, atravessei um período de vários anos em que tudo aquilo que tocava se transformava num fracasso: o meu casamento terminou em divórcio, o meu trabalho como escritor soçobrou e vivi assoberbado por problemas de dinheiro. Não estou a falar de uma simples e ocasional escassez de fundos ou de alguma necessidade periódica de apertar o cinto, mas sim duma falta de dinheiro contínua, crónica, opressiva, quase asfixiante, que me envenenava a alma e me mantinha num estado de pânico interminável.

O livro é uma pequena narrativa autobiográfica do autor, escrita com sofrimento, angustia, mas ao mesmo tempo com um distanciamento humorado sobre a introspecção, á posteriori, sobre um passado feito de gestos desorientados. Temos a sensação de alguém que se ri de si próprio ao mesmo tempo que nos diz que é necessário andar, cair e levantar-se de novo para chegar onde se quer. Sobretudo ousar fazer.