Encontro da Primavera do ICOM.PT (XI)

AC [ 1:09’ 16] Muito obrigada. Vamos então passar aos comentários.

CC [1: 09’ 24’’] São comentários breves dada a hora para questões muito complexas. Vamos depois continuando a conversar ao longo da manhã. Eu junta-las ia para facilitar a resposta. Primeiro devo agradecer ao Luís Raposo, eu não conheço o documento do Conselho da Europa. Obrigado, vamos ler e comparar. Em relação às políticas museológicas, ao papel dos governos e dos profissionais, questões levantadas pelo Manuel Oleiro, pronto, temos aqui o busílis da questão!

A Recomendação, como eu comecei a dizer, é uma Recomendação que é dirigida aos governos, aos estados membros. Nós estamos aqui, como profissionais dos museus, com diversos relacionamentos nas diversas redes profissionais. Felizmente temos connosco o Subdiretor do Património Cultural, Dr. David Santos, e aquilo que nós podemos fazer é também influenciar, propor e levar a quem de direito. Não posso no entanto deixar de deixar algo, que de certa maneira é óbvio, mas talvez valha a pena voltar a afirmar. É que todos estes documentos e este por maioria de razão é aquele que estamos aqui a discutir, são produto de determinadas conjunturas. Este foi fruto de um momento muito feliz que o Brasil viveu na sua museologia e no seu desenvolvimento museológico há alguns anos atrás. E foi fruto do empenhamento das pessoas que estavam à frente das instituições e fruto dum casamento, diria eu também, muito profícuo com o poder político, conseguiram levar isto avante e conseguiram dinamizar outros governos e outros colegas. Fruto das conjunturas, quando a Silvana invoca as experiencias nórdicas de à anos atrás, eu tenho a dizer que não são os mesmos nórdicos que estavam na assembleia de maio, porque as políticas mudaram de tal maneira nesses países que as pessoas que agora estão sentadas nestes fóruns internacionais e representa os respetivos governos têm uma visão muitíssimo diferente, que vai no sentido das fusões e até do encerramento, de cortes de recursos e por aí fora. Portanto há aqui um equilíbrio um pouco difícil.

A Clara Cabral da Comissão da UNESCO deu os parabéns ao ICOM por esta sessão. Ora esta sessão está apenas a cumprir aquilo que se diz no final da Recomendação, que é onde se pede exatamente aos estados que divulguem e promovam a discussão em torno destes documentos, e finalmente agradeço muito à Joana ter reiterado aquele ponto que eu também, enfim eu tive de ler mas me parece também que é muitíssimo importante, e que tem realmente a ver com a questão da geração de receitas de aumentos dos custos, do aumento do turismo e de um pouco por todos os lados os governos incentivarem e reverem apenas nos indicadores quantitativos, do numero de visitantes e do número das receitas produzidas, os parâmetros para ter o financiamento. E essa realmente não é a linha que pessoalmente eu prefiro e não é a linha que esta recomendação nos vem dar.