Amazónicas III

WP_20150923_09_32_02_Pro‘O imaginário amazónico e poderoso. Na literatura, Jose de Alencar e a sua Iracema. O mito das Amazonas, as mulheres guerreiras que irrompiam ferozmente, vindas  da selva, as suas flechas venenosas. A Selva de Ferreira de Castro. A epopeia dos seringueiros, da borracha. Um fertil campo para a ciência. Os Tristes Trópicos de Levi Strauss,,Maurice Godelier e as suas pesquisas sobre as economias ditas primitivas. A Casa Grande e  a Sanzala. O Povo Brasileiro de Darci Ribeiro. Uma lista sem fim, para nao entrarmos em detalhes sobre a biodiversidade.

Não é pois uma vinda pessoal inocente. As amazónicas de Corto Maltese, influenciará certamente   o meu titulo. A subida do Rio e os trabalhos sobre o excesso, também. Nao se pode dizer que as elevadas expectativas não estejam presentes. Que estão.

Mas ao fim desta manhã, o que na verdade assolou o meu espírito, é esta extraordinária capacidade de reunir pessoas. O MINOM agrega. Agrega pessoal com potencia.

Amazónias II

WIN_20160801_120458WIN_20160801_120510Amazónia por fim ao cabo de dois dias de viagem. Lisboa, Salvador, Brasília, Campinas, Campo Grande, Cuiaba e, Finalmente Porto Velho. Aeroportos. Gentes em viajem. Não lugares e naos assuntos. Tudo para aqui chegar. Ha minha espera Marcelle, o calor húmido da floresta. Uma ceia num restaurante familiar, uma boa salada. Gente simpática e acolhedora.

Marcelle deixa me no hotel Samir. Da janela do quarto observo a vegetação. Lá fora O DIA RAIA e a cidade começa a agitar se.

Agora vamos lá ao trabalho.

 

Amazónias I

WIN_20160731_091922Escreve Joao Paulo Borges Coelho, na sua novela rural ‘Agua’, recentemente publicada em Portugal (2016), sobre duas das suas personagens, Ryo e Lama, que anda ambos a perscrutar a natureza. Metade do tempo a sondar (recolher dados), a outra metade a interpretar.

Metáfora do autor que percorre, com sabor do conhecimento africano e olhar antropológico, as historias recentes de Moçambique. As condiçoes naturais, as ideias do desenvolvimento, a tradicionalidade e a modernidade.

Ryo é partidário do processo. E o curso da água que vai determinar o caminho que percorre. Laama, é partidario de que o rumo, pelo menos o potencial ja esta incrito, no inicio.

Visoes da historia, ou melhore, os seus paradoxos. O seu segredo está no início, ou   é o seu crescimento que o determina?

Independentemente das doscussões dos cintostas, a natureza segue o seu curso. Hoje os dois doscutem a água. Ou melhor a falta dela. O que antes era um obstaculo furioso, torna-se hoje um fio rarefeito, deixando as gentes circular, á procura dessa água que escasseia. O que antes era um problema, por excesso, é hoje um problema por escassez. Com a alteração da quantidade, muda se a qualidade.

Criatividade e inovação

Colocar novas ideias úteis para o mundo. Qualquer um pode ser criativo.

As cidades são pontos de criatividade.

O espaço público está disponível para a criatividade. As cidades dispõem de espaço privado, doméstico e de uso público. O terceiro espaço, de natureza pública é um espaço de disputa. Uma paisagem cultural.

Criar paisagens culturais é criar dinâmicas em espaços público. As cidades criativas são cidades que aumentam o Bem-estar dos seus cidadão.

Uma rua tem sempre duas saídas. O espaço público pode ser útil ou inútil. Pode servir para fazer conexões e pode ser lugar para trabalhar  em conjunto.

Fazer um mapa cultural da cidade. Os projetos oferecem recursos, incluindo objetos que documentam a cidade e as memórias dos seus residentes.

Ludwig Wittgenstein e as formas de vida

A experiência humana é sempre limitada e simbólica. Cada objeto transporta significados que são revelados pela linguagem.

A linguagem emerge como o ato de nomear e de usar os simbolos para delimitar as diferenças.

O aforismo “A verdade está na linguagem” significa que o significado é construído pelas ações e é estabelecido pelas ações. Dessa forma as ações apenas tem sentido quando compartilhadas.

Imaginar uma linguagem significa imaginar uma forma de vida.

Paul Virgolino e a ciência

A ciência é uma capacidade ou um produto da construção de factos e um instrumento de investigação exploratória. A ciência moderna transformou-se numa tecnociência.  Na capacidade de construir factos a partir de necessidades da sociedade.

Sendo a ciência o conhecimento da natureza e das relações dos seres humanos na sociedade, a ciência foi durante os últimos quinhentos anos uma arte que iluminava o conhecimento da sociedade.

A técnica ou o conhecimento técnico implica a subordinação da criação e das necessidades de inovação ao mercado. O conhecimento que sucumbe às relações de mercado, que se submete às exigência da rentabilidade, torna-se redutor . Tudo o que se investiga tem que ser rentável. Socialmente rentável, excluindo tudo o que se situa fora da logica do mercado  Dessa forma, a ciência que ilumina é substituída pela técnica..

Michel Foucault e o poder invisível

O poder disciplinador ou o poder invisível para Michel Foucault, é um poder que se exerce fazendo-se invisível. Ele faz-se invisível para aqueles que submete, exigindo-lhe por contrapartida uma visibilidade obrigatória e absoluta.

Trata-se duma observação que Michel Foucault fez a partir das observações em hospitais psiquiatricos, onde os doentes estão fisicamente submetidos a espaço sempre visíveis, por olhos sempre invisíveis.