Museologia, Emancipação Social e Revivificação

Ao fim duma tarde outonal, na Fábrica Braço de Prata, a oriente da cidade de Lisboa, o jornal Mundo Diplomático celebra a sua edição nº 100, em língua portuguesa. Editado pela cooperativa Outro Modo, com uma periodicidade mensal, traz-nos uma leitura crítica do mundo e da situação portuguesa. Alinhado à esquerda o jornal não deixa de apresenta alguma leituras sugestivas.

Neste último numero, de setembro, um artigo sobre a nova bula do Papa Francisco “Laudato Si”, que tem passado despercebida em Portugal. Valerá a pena estar atento a esta Encíclica, pois, com a sua visão evangélica construída a partir do sul,  tem todas as características para congregar em seu torno importantes movimentos sociais. Já aqui dei algumas notas sobre isso.

Mas voltando à questão da festa da celebração, foi previsto a pintura dum mural. Foi isso que me levou até lá.

Aqui estão algumas imagens de sequência da sua execução

WP_20150917_19_16_34_ProWP_20150917_19_45_48_ProWP_20150917_20_00_54_ProCom a sua ingenuidade, as bombas de euros a caíram nas bocas vorazes dos capitalistas, numa metáfora à autofagia do capitaismo, insere-se na linha programática da revista.

O problema não é agora discutir o conteúdo da mensagem, mas sim sobre a sua forma:

Problema: Constituirá a pintura mural um ato emancipatório ?

Se assim for, que características de linguagem apresenta. quem são os seus atores, que performances executam. Tudo elementos interessante, mas que apenas responderão a uma parte do problema.

A parte mais relevante será saber se a acção (da pichagem) pode calssificar-se como um ato emancipatório. Um gesto de afirmação da liberdade em contexto urbano. Um grito que afirma uma leitura do mundo através dum ato performativo. Se assim for, a sua leitura não poderá ser exclusivamente feita pela racionalidade. Ela deverá partir da análise imagética para procurar entender a ação. O ato afirmativo da sua execução, e o seu tempo efémero de vida nas paredes.

Será pois um gesto de revivificação. 

Que desafio para a museologia ? O de conservar ou o de facilitar a emancipação social ?

A questão retoma a polémica em torno da Revista Análise Social que, em 2014, o seu número 212,  foi alvo duma tentativa de censura.

Voltaremos a esta questão.

 

Excesso I

ovinhoeasrosasDeve-se estar sempre embriagado. Nada mais importa. Para que o horrível fardo do tempo não vos pese sobre os ombros e vos faça pender para a terra, deveis embriagar-vos sem cessar.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude à vossa escolha. Mas embriagai-vos !
E se um dia, nos degraus de um palácio, na erva verde de uma valeta, na solidão baça do vosso quarto acordardes, já sóbrios, perguntai ao vento, á onda, à estrela, à ave, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai:
“Que horas são?”
E o vento, a onda, a estrela, a ave, o relógio, responder.vos-ão:
“São horas de vos embriagardes ! Para que não sejais escravos martirizados do tempo, embriagai-vos sem cessar. De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa escolha.
por Charles Boudelaire
pingamaores

Excesso IV -Elogio do Vinho

Um amigo meu, homem superior, considera que a eternidade é uma manhã e dez mil anos um simples fechar de olhos. O sol e a chuva são  as janelas da sua casa. Os oito pontos cardeais as suas avenidas. Caminha sem destino. Inútil se torna procurar as suas pegadas. A sua casa tem o céu por teto e a terra por leito. O seu único pensamento é o vinho. Nada mais, aquém ou além o preocupa.SevenWorthies

O seu modo de viver chegou aos ouvidos de dois respeitáveis filantropos: o primeiro, um jovem nobre; o outro um famoso letrado. Foram visita-lo com olhos furiosos e ranger de dentes. Agitando as mangas das suas vestes  reprovaram vivamente a sua conduta. 

Falaram-lho dos ritos e das leis. Do método e do equilíbrio. As suas palavras zumbiam como um exército de abelhas. Entretanto o seu interlocutor encheu o copo e bebeu-o de um trago.   Depois sentou-se no solo com as pernas cruzadas, encheu de novo o copo, afastou a barba e recomeçou a beber até que, com cabeça reclinada sobre o peito caiu num estado de ditosa inconsciência, apenas interrompidos por relâmpagos de semi-lucidez.

Os seus ouvidos não teriam escutado a voz do trovão, os seus olhos não teriam reparado numa montanha. Cessaram o frio e calor,   alegria e tristeza. Abandonou os seus pensamentos. Inclinado sobre o mundo contemplava o tumulto dos seres e da natureza como algas flutuando num rio… 

Zhulinqixian:  Seven Worthies of the Bamboo Grove; 

Percurso do Negro em Porto Alegre

O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre que visitei em agosto de 2015, no âmbito dos trabalhos do III CEAM em Porto Alegre é um projeto que busca dar visibilidade á presença da a comunidade afro-brasileira na cidade. Concentramo-nos no Espaço do museu e fomos acompanhados pelo Pedro Rubem Vargas, coordenador do projeto.WP_20150827_14_38_09_Pro

O Museu constitui-o se como um “Ponto de Memória” e forma-se a partir dum percurso pela cidade, na sua zona central. No espaço público do centro histórico da cidade foram instaladas de obras de arte, que simbolizam a contribuição da comunidade afro na construção da cidade.

O projecto

As primeiras ideias do projecto do museu do homem negro em Portalegre desenvolveram-se nos anos oitenta, a partir da Comunidade da Lomba do Pinheiro, a partir da constatação da invisibilidade da contribuição da WP_20150827_14_57_19_Procomunidade afro nas narrativas sobre a cidade. Porto Alegre foi porto de escravos negros até ao século XIX, e tiveram uma forte presença na construção da cidade e no desenvolvimento da agricultura. Alguns dos trabalhos desenvolvidos na altura permitiu resgatar algumas das memória da população afro, mas sem se conseguir formar um museu.

No início do século, a partir de diferente movimentos sociais da comunidade negra e da oportunidade oferecida pelos Pontos de Cultura e de Memória formou-se o primeiro elemento do percurso. O desenvolvolvimento partiu de uma construção coletiva da comunidade negra  de Porto Alegre procurando criar visibilidade da memória no espaço e criar condições para uma tomada de consciência sobre a cidadania e a identidade cultural. Os espaços são formados através de elementos simbólicos (obras de arte)  forma a serem fruídos através da memória do sítio. Uma memória construída pela passagem do negro no espaço. Ao mesmo tempo, o museu realiza diferentes ações de formação para jovens.WP_20150827_14_35_58_Pro

Constituindo-se como um projecto colaborativo do movimento negro, reunidas pelo Centro de Referência Afro-brasileiro, o primeiro elemento foi criado em 2011. Através da colaboração do grupo Angola Janga, foi executado a obra Tambor. O mesmo processo foi seguido para o elemento Pegada Africana. O terceiro elemento, o Bará, foi concretizado no Mercado, através da colaboração da Congregação em Defeza das Religiões Afrobrasileiras – CEDRAB RS. O quarto elemento, o Silar Afrobrasileiro contou com o apoio da FunArte e envolveu a formação da vários jovens do Quilombo do Areal. O quinto elemento ainda não está concretizado.

O Percurso do Negro

“O percurso visual em processo de execução evoca a presença, a memória, o protagonismo social e cultural dos africanos e descendentes no Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, cuja pesquisa histórico-antropológica indicou os lugares vivenciados pelos africanos, a fim de elaborar objetos de arte representativos” e é constituído por:

  • O Bará no mercado Público. Simboliza os caminhos que se cruzam. A ligação entre o passado e o presente. É um chão sagrado;WP_20150827_007
  • O painel afrobrasileiro, no local do Cais do Porto e antigo Ancoradouro; representa as ligações ao mundo;
  • WP_20150827_15_29_42_Pro WP_20150827_15_29_48_Pro
  • A pegada africana, no Largo da Quitanda (Praça da Alfândega), representa o contributo da cultura afro para o Brasil;
  • WP_20150827_15_41_01_Pro WP_20150827_15_41_09_Pro
  • No Pelourinho (Igreja das Dores) e antigo Largo da Forca, o elemento que falta concretizar, no espaço do justiciamento;
  • WP_20150827_15_58_57_Pro
  • O Tambor, junto à antiga praia, simboliza os diferentes contributos da comunidade negra em Porto Alegre. O Tambor em cimento, tem diferentes figuras, contando a história dos negros no Brasil, ao mesmo tempo. Ao bater no cimento podem compor-se diferentes sonoridades.
  • WP_20150827_014WP_20150827_16_07_46_ProWP_20150827_16_08_01_ProWP_20150827_16_14_25_ProWP_20150827_16_15_56_ProWP_20150827_16_17_01_Pro

Há ainda vários elementos que podem ser integrado no percurso, como por exemplo a Igreja da Nossa Senhora do Rosário, o Mercado Público e a Santa Casa de Misericórdia, a Colónia África e o Areal da Baronesa.  O objectivo do museu é criar processos museológicos a partir das relações sociais atuais e construir uma narrativa sobre a memória.

Porto Alegre, Brasil – visita de 27 agosto 2015

Site do Museu aqui

Continuar a lerPercurso do Negro em Porto Alegre

Manjares de Portalegre

Rosária Maria – Docaria Conventual em Portalegre

História de Manjares

Os tons são de branco e amarelo. Os ingredientes base são apenas três, o açúcar, as gemas e a amêndoa. Este trio desdobra-se em infindáveis delícias de nome e sabor celestiais, que cobrem a mesa redonda do centro da sala de jantar do restaurante Terraço, Tivoli Av. da Liberdade. São todas elas da autoria de Rosária Maroco, uma doceira de Portalegre cujas mãos fazem verdadeiros milagres de doçaria conventual.

Existe actualmente uma grande confusão entre o que é e não é doçaria conventual. A tendência é para chamar conventual a tudo o que tem ovos e um nome vagamente religioso, seja ou não receituário dos conventos, mas também a esquecer muitos outros doces também saídos dos livros das monjas e freiras.  Há grandes controvérsias em torno de certos doces, como os pastéis de nata. Conventuais? Já foram até atribuídos a um convento de frades, quando sabemos que as ordens masculinos não se dedicavam à doçaria. Outro assunto premente que rodeia a doçaria conventual é a discussão da redução do açúcar neste tipos de doces, a fim de permitir o seu maior consumo. A nossa doçaria conventual tem alguma dificuldade em agradar aos turistas, por questões que se prendem com o sabor mas também com a saúde.

Maria de Lourdes Modesto é a favor da redução do açúcar, afirmando que em certos doces, como por exemplo no pudim do abade de Priscos essa redução poderá chegar aos 150 g. Nem todos são dessa opinião. Pessoalmente, acho que se poderia ver caso a caso, doce a doce. Já no caso das gemas, a possibilidade de intervenção é nula.

Por decreto de 1832, a vitória liberal trouxe a extinção das ordens religiosas, rebaixadas porque “buscavam o seu ponto de apoio no céu para devorar a terra”. Em Portalegre existiam dois conventos: o mosteiro de S. Bernardo, da ordem de Cister, fundado no início do século XVI e extinto em 1878, com a morte da última monja, e o convento de Santa Clara, da ordem de São Francisco, fundado no século XIV e extinto em 1834.

Vivendo com grandes dificuldades após a extinção dos conventos, muitas religiosas fizeram da doçaria o seu modo de vida, directamente ou através da partilha secular de receitas. Algumas dessas receitas das clarissas acabaram nas mãos das irmãs Cardoso ou Martela (Judite e Laurinda), que se tornaram as mais conhecidas doceiras de Portalegre. Pensa-se que uma amiga e vizinha da família, a D. Estrela, que tinha acesso fácil ao património do convento, quem terá passado as receitas à mãe das manas Cardoso, que por sua vez as comercializou e instruiu as filhas Uma das irmãs, a Judite, resolveu partilhar as receitas que com ela tinham partilhado e, com a ajuda da Câmara Municipal, ensinou a várias mulheres a arte da doçaria conventual.

Uma dessas alunas de Judite Cardoso foi Rosária Maroco, convidada do Tivoli para o a divulgação da cozinha do Alentejo. Trouxe para Lisboa uma montra da sua doçaria de fazer cair os queixos. Alguns desses doces são extremamente invulgares, mas todos eles são deliciosos e feitos a preceito conforme as receitas do convento. Desconhecidos para mim são o Leite de Serafim. Quanto ao Manjar Branco, desconhecia aquela maneira de o dispor no prato.

Aqui fica um miniguia das doçarias apresentadas por Rosário Maroco no Tivoli.

 

Queijo Dourado – Dentro de uma capa de massapão (açúcar em ponto de pérola e farinha de amêndoa, que antigamente era moída com o pilão) surge a luz dos ovos moles a que se juntou chila e fios de ovos. Os riscos na parte de cima imitam a palha onde os queijos verdadeiros eram curados e guardados.

Miniaturas – o mesmo massapão com recheio de ovos moles

Toucinho do céu – açúcar, amêndoa, ovos, manteiga e farinha (não leva abóbora-gila)

Manjar branco – Este doce será alvo de crónica própria quando acabar a minha investigação, mas tem duas curiosidades que o tornam diferente dos outros: não leva peito de galinha e é armado em pétalas que se montam em círculo e se comem à mão, com o preceito de se começar por cima e no sentido dos ponteiros do relógio. Leva açúcar, leite, farinha de arroz e fécula de milho. No fim vai ao forno envolvido em panos molhados para queimar.

Pastéis de Santa Clara – têm uma forma triangular diferente do habitual destes pastéis (em meia-lua). O recheio leva amêndoa, batata-doce, açúcar e gemas.

Presunto doce – massapão misturado com chocolate, recheio de ovos e gila.

Lampreia de ovos – é uma lampreia diferente da habitual com capas de trouxa de ovos. Leva açúcar, amêndoa e chocolate em pó para a massa, ovos moles para o recheio.

Leite Serafim – açúcar, farinha de arroz, fécula de milho, gemas e leite. Corta-se à faca e é um verdadeiro deleite dos serafins. Um dos meus preferidos.

Fartes ou fartens –  açúcar, amêndoa, gemas e gila. É embrulhado em hóstia e “caiado”  com açúcar branco em ponto. Também um dos meus favoritos.

Mimos ou pastéis de mimo – açúcar, manteiga, amêndoa, gemas e gila

Encharcada – açúcar e gemas (queimada no forno).

Rosária Maria Maroco tem estabelecimento aberto em Portalegre, no Rossio, mesmo em frente aos correios.

Rua Alexandre Herculano, 6 E

7300-121 Portalegre

Tel: 965 288 588

Facebook: https://www.facebook.com/rosariamaria.maroco

 

Vinhos de Portalegre

pingamaores

 

Com o nome Pinga Amores, o vinho é produzido pela Quinta da Senhora da Penha em Portalegre.

Disponível em três garrafas: grande reserva, reserva e colheita selecionada, as vinhas estão localizadas no alto do Monte da Penha, a 3 kilómetros de Portalegre. a encosta, orientada a sudoeste em dois pantamares, entre os 440 e os 650 metros de altitude.

A altitude e a proximidade da Serra de São Mamede favorecem  as castas Cabernet Sauvigon, Syrah e Touriga Nacional, de onde resulta um vinho encorpado e fresco. Na altitude mais baixa a estas castas adicionam-se as Alicante Bouschet, a Trincadeira, e o Aragonez

 

Vinho únicos para saborear com queijos e carnes de caça.

Foi esta quinta que visitamos na busca de imagens sobre a “cultura do vinho”

 

WP_20150912_007 WP_20150912_008 WP_20150912_009 WP_20150912_15_06_28_Pro WP_20150912_15_06_32_Pro WP_20150912_15_06_44_Pro WP_20150912_15_06_49_Pro WP_20150912_15_22_07_Pro WP_20150912_15_23_10_Pro WP_20150912_15_24_37_Pro WP_20150912_18_02_41_Pro

 

Musealización de las memorias: patrimonialización y representación de los conflictos

Musealización de las memorias: patrimonialización y representación de los conflictos

XI Congreso, 22 y 23 de Octubre de 2015, Donostia-San Sebastián (Gipuzkoa)

El museo es uno de los espacios en el que una sociedad, una comunidad o un grupo social representa su memoria colectiva. Aunque el concepto de memoria colectiva está lejos de contar con una definición clara y consensuada, se podría definir como un proceso que actualiza una serie de hechos, situaciones o acontecimientos que son compartidos por los miembros de un grupo social. Así, siguiendo a Pierre Nora, la memoria no es un estado, sino un proceso en evolución permanente, y abierto a la dialéctica del recuerdo y el olvido. Es, asimismo, un proceso variable en el espacio y en el tiempo que se construye y legitima de manera diferente en cada sociedad.

Además, este proceso de construcción y legitimación de la memoria colectiva no es unívoco dentro de una sociedad. Diferentes colectivos e instituciones realizan sus propuestas mnemónicas en función de sus intereses y valores sociales, culturales y políticos del momento. Esos intereses y valores no tienen por qué ser concordantes dentro de una sociedad o comunidad, y, consecuentemente, pueden conducir a una lucha por el control del proceso de construcción y legitimación de la memoria. Por tanto, no es de extrañar que en una sociedad emerjan diferentes memorias y diferentes interpretaciones identitarias de lo que una sociedad es, ha sido y quiere ser. Así, al igual que en cualquier sociedad, el conflicto es también consustancial a la memoria colectiva, aunque aquél pueda no manifestarse por un tiempo como consecuencia de un consenso generalizado o porque permanezca latente.

Aunque cualquier hecho, situación o acontecimiento puede ser seleccionado para formar parte de la memoria colectiva, este congreso se va a centrar en un ámbito específico: aquél que tienen que ver con los conflictos armados y la violencia política de los siglos XX y XXI.

Por tanto, el objetivo de este congreso es analizar y debatir acerca de los procesos de patrimonialización y representación de dichos conflictos, llevados a cabo en los espacios museísticos y patrimoniales. Siguiendo al ICOM, se entiende por dichos espacios, aquellas instituciones permanentes, al servicio de la sociedad y abiertas al público, que adquieren, conservan, estudian, exponen y difunden el patrimonio cultural, en nuestro caso, relacionado con la temática del congreso.

Concretamente estará encaminado a responder a las siguientes preguntas:
– ¿Qué función desempeñan los espacios museísticos y patrimoniales en los procesos de construcción y legitimación de ese tipo de memoria colectiva?
– ¿A qué retos se enfrentan al abordar esa temática?
– ¿Qué papel juegan en la resolución de los conflictos armados?
– ¿Cómo representar los conflictos armados y la violencia política en las exposiciones?
– ¿Qué repercusión tienen en el público las propuestas museográficas?

Programa provisional
Ayán Vila, Xurxo M. & Herrero Acosta, Xabier (Euskal Herriko Unibertsitatea/Universidad del País Vasco) De las trincheras al museo: sobre el reciente proceso de patrimonialización de la Guerra Civil Española.
Bastías Sekulovic, Malena (Université Paris X Nanterre) Los públicos de la memoria, aproximaciones de una encuesta en el Museo de la Memoria y los Derechos Humanos de Santiago de Chile.
Bigand, Karine (Université d’Aix-Marseille) Représentation du conflit dans les musées en Irlande du Nord : stratégies d’exposition.
Boudellal, Malika (ethno-museographe) Révélations mémorielles autour du camp de Septfonds (Tarn-et-Garonne, France).
Boursier, Jean-Yves (Université de Nice) Promenades sur les champs de ruines.
Chevalier, Dominique (l’Université Lyon1-ESPE) Les mémoires douloureuses au musée : entre exposition, muséification et mise en scène.
Domènech Casadevall, Gemma; Font Agullô, Jordi; González Vázquez, David & Marquès Sureda, Salomó (Institut Català de Recerca en Patrimoni Cultural, Museu Memorial de l’Exili, Universitat de, Universitat de Girona) La memoria del exilio republicano a través de sus espacios: patrimonio, turismo y museos en el territorio catalán transfronterizo.
Hocquet, Marie (Centre Marc Bloch) Donner corps à une mémoire et faire éprouver le passé : Appréhender la muséalisation de la mémoire au Musée de la Stasi de Berlin Lichtenberg.
López Ortega, Viviana (Instituto Nacional de Antropología e Historia de México) Espacios de la memoria: distinciones y afinidades. El caso de la ciudad de México.
Lyons, Kathryn (Musée canadien de l’histoire) Construire « Paix: L’exposition » au Musée canadien de la guerre.
Sosa, Ana María (Universidade Federal de Pelotas) Patrimonialización y gestión de lugares vinculados a memorias traumáticas en Uruguay.

El congreso contará con las secciones de ponencias invitadas y de comunicaciones libres.
El plazo para el envío de propuestas de comunicaciones finalizará el día 11 de Mayo de 2015.

Dirección de envío de las propuestas: actividades.oiasso@irun.org
– Se confirmará la recepción de la propuesta.

Características de las propuestas de comunicaciones:
– Deberán responder a una o varias de las preguntas planteadas en la convocatoria anterior.
– Deberán basarse en estudios de caso.
– Deberán contener los siguientes tres secciones: a) Aproximación teórica y metodología empleada, b) Descripción de la experiencia o el estudio de caso, y c) Bibliografía.
– La extensión de las tres secciones será entre 800 y 1.000 palabras.
– Se podrá presentar en cualquier de los idiomas oficiales del congreso (castellano, euskara y francés).

Proceso de selección
– El comité de selección estará integrado por personal cualificado procedente del mundo universitario y del mundo de los museos y el patrimonio.
– Se aceptarán hasta un máximo de 8 comunicaciones.
– La selección se resolverá en el mes de Junio.
– El texto de las comunicaciones seleccionadas se deberá enviar antes del 12 de octubre de 2015.
– Para la publicación de las comunicaciones será obligatoria la presencia de los autores en el Congreso.
– Extensión de la comunicación: Extensión: 7.000 – 7.500 palabras.
– Las normas de publicación se enviarán a las propuestas seleccionadas.

Más información:
943.63.93.53 – actividades.oiasso@irun.org

A grande dávida do “Laudato Si” por Jeffrey D. Sachs

“The Great Gift” por Jeffrey D. Sachs

Pope Francis’ encyclical “Laudato Si’” is a great and timely gift to humanity. To avoid a catastrophic collision of the world economy and environment, humanity urgently needs to change the trajectory and functioning of the world economy. Yet the world economic system is a juggernaut nearly impervious to coordinated changes at the global scale. “Laudato Si’” opens the path to a veritable revolution of ideas to bring about the needed changes.

As Pope Francis eloquently and accurately describes, the economic juggernaut is destroying biodiversity, dangerously altering the climate and undermining the life-support systems of the planet for humanity and millions of other species. On all of this, Pope Francis offers a compelling summary of the scientific evidence, presented with clarity and precision. His concision and precision on these matters exemplifies the church’s profound commitment to the marriage of faith and reason, with its abiding commitment to science.

Yet, as Pope Francis describes, the economy keeps barreling along, seemingly oblivious to these hazards and to the deadly costs they are imposing on the world’s poor and vulnerable people. In the very powerful phrase of his earlier exhortation “Evangelii Gaudium,” the world suffers from a “globalization of indifference” that makes it nearly impossible for humanity to reorient toward sustainable development over the current destructive trajectory. 

The church has grappled with the economic juggernaut since Leo XIII’s encyclical “Rerum Novarum”(1891), which confronted the “new things” of the industrial age. From then till now, the church has made the supremely important point that the economy can serve human wellbeing only if it kept within a moral framework for the common good.

The Faustian bargain of capitalism is to put economic self-interest—the pursuit of profit and wealth—at the center of the economic machine. Self-interest is a very powerful elixir, capable of spurring the most remarkable economic achievements, but also capable of inciting the most shocking abuses, from slavery to child labor to human trafficking to environmental destruction. A market economy without a moral framework inevitably becomes a profound danger to itself; the intoxicating forces of greed are unleashed without moral restraint and overwhelm our innate sociality, goodness and compassion.

Since “Rerum Novarem,” the church has therefore profoundly insisted that while private property rights are to be respected, property rights must be kept within the bounds of the common good. The church calls this the “universal destination of goods,” the idea that market goods must serve a higher moral purpose, not only the blind outcome of market forces. There can be no inviolability of private property rights above moral claims. As Pope Francis writes: “Thus God rejects every claim to absolute ownership: ‘The land shall not be sold in perpetuity, for the land is mine; for you are strangers and sojourners with me’ (Lev 25:23).”

The global market economy today largely operates outside of any guiding moral framework. Some business leaders reject even the most basic norms of honesty in business transactions. When they cheat their counterparts, they sneer that their counterparts are big boys who should take care of themselves.

A Sustaining Vision

Unleashed from a moral framework, the juggernaut recognizes no boundaries, not even the boundaries of the physical Earth, of Creation. The conflict of untrammeled private property and the common good was starkly on display in the United States in 1994, when the Senate took up the ratification of the U.N. Convention on Biological Diversity (C.B.D.). The C.B.D. was adopted by the U.N. member states in 1992 in order to stop the blind destruction of nature, but the U.S. Senate refused to ratify the treaty under pressure from landowners in western states who argued that private property rights take precedence over the survival of other species.

Pope Francis offers an “integral ecology,” which respects the fundamental interconnectedness of the economy, society and environment. “We are part of nature, included in it and thus in constant interaction with it,” writes Pope Francis. “Recognizing the reasons why a given area is polluted requires a study of the workings of society, its economy, its behavior patterns, and the ways it grasps reality.” Because of this fundamental interconnectedness, this integral ecology, “We are faced not with two separate crises, one environmental and the other social, but rather with one complex crisis which is both social and environmental. Strategies for a solution demand an integrated approach to combating poverty, restoring dignity to the excluded, and at the same time protecting nature” (No. 139)

Pope Francis offers a brilliant explication of the importance of a new form of research, one that I like to call the emergent field of sustainable development, to integrate the areas of specialized knowledge into a comprehensive and interconnected form of understanding. To quote the encyclical on this point:

Ongoing research should also give us a better understanding of how different creatures relate to one another in making up the larger units which today we term “ecosystems”. We take these systems into account not only to determine how best to use them, but also because they have an intrinsic value independent of their usefulness. Each organism, as a creature of God, is good and admirable in itself; the same is true of the harmonious ensemble of organisms existing in a defined space and functioning as a system. Although we are often not aware of it, we depend on these larger systems for our own existence.

“Laudato Si’” offers a compelling, eloquent and reasoned appeal to a new way of understanding, an inspiring call on humanity to use reason and faith to create a world in which the economy is once again bound by the common good, and in which the common good embraces the reverence for the physical Earth and other species. As with all great philosophical and religious insights, Pope Francis’ encyclical offers a vision that looks both backward and forward. He looks backward to the ministry of St. Francis of Assisi, who preached the love for nature; and he looks forward to practical solutions in our time to creating a new economic system that harnesses technologies and morality to save the planet.

As with “Evangelii Gaudium,” the environmental encyclical is profoundly a message of optimism, that a new awareness and morality, that a breakthrough from indifference, can yet protect humanity and preserve the Earth. Pope Francis’ optimism, indeed joy, reminds me of a statement of President John F. Kennedy, as he embarked on an arduous, and ultimately successful quest to negotiate a nuclear arms agreement with the Soviet Union in 1963. “Man’s reason and spirit have often solved the seemingly unsolvable, and we believe they can do it again.”

This historical reference is apropos, not only in spirit but in the fact that this earlier episode of human problem solving, a half-century ago, was also helped by an epochal encyclical, “Pacem in Terris” of Pope John XXIII, which sought to place international affairs of state within a moral framework. Back in 1963, as the world teetered on the brink of nuclear self-annihilation, Pope John XXIII labored to inspire world leaders with a vision of survival and the common good. His great encyclical was hand delivered to the White House and the Kremlin.

We have cause to believe that “Pacem in Terris” helped to inspire the moral vision of Kennedy, Khrushchev and other leaders of the day. We have similar cause to believe that Pope Francis today has given us a message that will speak to all humanity, including the political leaders who will soon head to the United Nations to adopt Sustainable Development Goals in September and to Paris to decide on a vital course correction on human-induced climate change. Yes, we have before us at least the possibility of epochal change.

Jeffrey D. Sachs is director of The Earth Institute, Quetelet Professor of Sustainable Development and Professor of Health Policy and Management at Columbia University in New York City. He is also special adviser to U.N. Secretary General Ban Ki-moon on the Millennium Development Goals and author of The End of Poverty (2005). His most recent book is The Age of Sustainable Development (Columbia University Press, 2015).

Sobre o conceito de Museologia Social

in Cadernos de Sociomuseologia nº 1, 1993 pp, 5-6

por Mário Moutinho

mlogoim

O conceito de Museologia Social, traduz uma parte considerável do esforço de adequação das estruturas museológicas aos condicionalismos da sociedade contemporânea. Este esforço de adequação, reconhecido e incentivado pelas mais importantes instâncias da museologia, foi sintetisado pelo Director Geral da Unesco, Frederic Mayor, na abertura da XV Conferência Geral do ICOM da seguinte forma:

o fenómeno mais geral do desenvolvimento da consciência cultural – quer se trate da emancipação do interesse do grande público pela cultura como resultado do alargamento dos tempos de lazer, quer se trate da crescente tomada de consciência cultural como reaçâo às ameaças inerentes à aceleração das transformações sociais tem no plano das instituições, encontrado um acolhimento largamente favorável nos museus.

Esta evolução é evidentemente, tanto, qualitativa como quantitativa. A instituição distante, aristocrática, olimpiana, abcecada em apropriar-se dos objectos para fins taxonómicos, tem cada vez mais – e alguns disso se inquietam – dado lugar a uma entidade aberta sobre o meio, consciente da sua relação orgânica com o seu próprio contexto social. A revolução museológica do nosso tempo – que se manifesta pela aparição de museus comunitários, museus ‘sans murs’, ecomuseus, museus itinerantes ou museus que exploram as possibilidades aparentemente infinitas da comunicação moderna – tem as suas raízes nesta nova tomada de consciência orgânica e filosófica.

Este processo anunciava-se já na Declaração de Santiago (1972 UNESCO/ICOM) onde se considerava também:

“Que o museu é uma instituição ao serviço da sociedade da qual é parte integrante e que possui em si os elementos que lhe permitirem participar na formação da consciência das comunidades que serve; que o museu pode contribuir para levar essas comunidades a agir, situando a sua actividade no quadro histórico que permite esclarecer os problemas actuais.

Que esta nova concepção não implica que se acabe com os museus actuais nem que se renuncie aos museus especializados mas que pelo contrário esta nova concepção permitirá aos museus de se desenvolver e evoluir de maneira mais racional e mais lógica a fim de se melhor servir a sociedade.

(…)

Que a transformação das actividades do museu exige a mudança progressiva da mentalidade dos conservadores e dos responsáveis dos museus assim como das estruturas das quais eles dependem;”.

Na Declaração de Caracas de 1992,que o ex-presidente do ICOM, Hugues de Varine, considerou como a mais profunda reflexão colectiva sobre museus e museologia dos últimos vinte anos estes princípios são claramente reafirmados e considerados como fundamentais para o desenvolvimento da museologia e estruturam a prospectiva apresentada no Relatório de Síntese da XVI Conferência Geral do ICOM.

A abertura do museu ao meio e a sua relação orgânica com o contexto social que lhe dá vida tem provocado a necessidade de elaborar e esclarecer relações, noções e conceitos que podem dar conta deste processo.

O alargamento da noção de património, é a consequente redefinição de “objecto museológico”, a ideia de participação da comunidade na definição e gestão das práticas museológicas, a museologia como factor de desenvolvimento, as questões de interdisciplinaridade, a utilização das “novas tecnologias” de informação e a museografia como meio autónomo de comunicação, são exemplo das questões decorrentes das práticas museológicas contemporâneas e fazem parte de uma crescente bibliografia especializada.

Em Portugal, apesar deste movimento ser mais recente, deve-se reconhecer que estas questões têm sido amplamente debatidas no presente contexto de descentralização, de reforço do poder autárquico e da democratização da vida cultural e associativa.

Refira-se a título de exemplo e em particular as “Jornadas sobre a função social do Museu” organizadas pelo MINOM (Movimento Internacional para uma Nova Museologia) em Vila Franca de Xira 1988, Portimão 1989, Vilarinho da Furna 1990, Lisboa 1991 e Setúbal 1992 e os “Encontros Nacionais de Museologia e Autarquias” que já tiveram lugar em Lisboa 1990, Beja 1991 e Setúbal 1992.

A importante participação nessas reuniões de museólogos, conservadores, autarcas, responsáveis associativos, investigadores e professores universitários, ligados sempre e de formas diferentes a processos museológicos que cobrem todo o país, testemunham claramente que a comunidade museológica portuguesa se integra e é cada vez mais actora neste processo geral de transformação, renovação e inovação que percorre os museus e a museologia.

É pois neste contexto nacional e internacional, que a formação no domínio da museologia, deve ser entendida como um factor fundamental no desenvolvimento das nossas estruturas museológicas.

Esta formação que em nosso entender deve ter obrigatoriamente por base o quadro geral da museologia, tal como está definido no Art. 3 do Estatuto do ICOM, deve ter também em consideração as novas condições sociais da produção museológica.

LX Factory

Ainda num ensolardado dia no final de verão passamos pela LX Factory, um espaço alternativo que se tem vindo a transformar num centro comercial retró nesta antiga zona industrial de Lisboa.

Acompanho de muito longe este processo de renovação urbana. O que não deixa de ser curioso, para além da crescente comercialização, do espaço onde para alem dos ateliers, cada vez há mais lojas e espaços de restauração, é a sua dinâmica.

Com efeito para esta antiga zona de Alcântara foi proposta uma renovação urbana. O alcantara XXI é um espaço  com base no espaço residencial que vem substituir o industrial. Um programa que durante a última décadas avança e recua com grandes contradições.

Apesar disto este espaço não cessa de se transformar. Será que é possível um planeamento “pesado”, de desenhar a cidade de novo, ou dos limites do cerzir a partir do existente para renovar os usos ?WP_20150906_16_51_22_Pro WP_20150906_16_47_31_Pro WP_20150906_16_47_18_Pro WP_20150906_16_45_56_Pro WP_20150906_16_23_32_Pro WP_20150906_16_23_23_Pro WP_20150906_16_23_07_Pro WP_20150906_16_22_57_Pro WP_20150906_16_22_53_Pro WP_20150906_16_22_44_Pro WP_20150906_16_12_37_Pro

Mascaras a Oriente

As máscaras são um excelente modo de trabalhar em oficinas educativas nos museus. já escrevemos sobre isso noutro lugar .

No passado fim de semana, um ensolarado dia de setembro, a propósito do aniversário da Ema, visitamos esta simpático atelier no Museu do Oriente, onde os serviços educativos organizaram uma oficina de máscaras, a partir da recriação dum pequeno conto tradicional chinês.

Eis os resultados:

 

WP_20150906_17_46_10_Pro WP_20150906_17_46_01_Pro WP_20150906_17_44_49_Pro WP_20150906_17_42_57_Pro WP_20150906_17_42_31_Pro WP_20150906_17_37_03_Pro WP_20150906_17_35_35_Pro

Laudato Si

O Papa Francisco publicou, no passado mês de julho, uma Encíclica com o titulo “Laudato Si”.

Em termos gerais coloca a seguinte questão ao mundo: Em que mundo queremos viver e o que mundo queremos legar para as crianças que estão agora a crescer.

Não se trata apenas das questões morais que fazem parte da essencia da religião católica. O papa também não trata apenas das questões ambientais. Trata-se dum discurso que se centra sobre o que podemos e queremos fazer no mundo. Nesse sentido é um forte apelo à intervenção e ao compromisso social.

Algumas das questões tratada pela encíclica são:

  • a relação entre a pobreza e a fragilidade do planeta;
  • a convicção de que os fenómenos do mundo estão interligados;
  • A crítica ao novo paradigma de poderes que emergem das tecnologias;
  • a responsabilidade das políticas locais e internacionais;
  • a proposta de considerar o valor de cada criatura, incluindo a natureza, base da proposta duma ecologia humana;
  • a proposta de transparência nos debates internacionais;
  • a proposta duma busca de novos estilos de vida  e o combate ao desperdício;
  • a proposta de procura outras maneira de entender a economia e o progresso.

Comentaremos estas questões a propósito dos debates que faremos sobre os novos SDG. Fica aqui a nota de que também na preparação desta encíclica, Francisco introduz uma inovação. O de ter aumentado o  numero de consultas e participação, muito para além do seu colégio de cardeais. É essa inovação que lhe permitiu alargar o debate ao mundo da ciência.

 

Objetivismo, Subjetivismo e Intersubjetividade

Epistemologia

Episteme é palavra que surge em Platão como a busca do conhecimento verdadeiro. A epistemologia afirma-se na filosofia no século XIX, como procedimento do conhecimento. Questões como a natureza do conhecimento, as etapas do conhecimento, as hipóteses,  limites e alcance do conhecimento científico, são o objeto da epistemologia. No estudo do processo assume especial relevância os procedimentos metodológicos. A metodologia assume um campo de convergência com a epistemologia, porque se preocupa, na investigação com o espaço de análise das condições e dos limites  dos instrumentos de análise dos fenómenos e da linguagem usada na investigação.

Os principais referenciais epistemológicos constituem-se em termos da objetividade (positivismo) e da subjetividade (relatividade). Nós propomos ultrapassar esse impasse metodológico, pela intersubjetividade, o que temo vindo a trabalhar a parti da hipótese de neurociencia social.

Todo o conhecimento fundamenta-se num paradigma. O lugar de enunciação é o paradigma segundo Thomas Kuhn em “A Revolução Essencial”  (Khun, 1970) indica algumas variáveis dos paradigma: Ele baseia-se na a constelação de crenças, valores, técnicas etc…, partilhadas pelos membros de uma determinas comunidade e, durante algum tempo dá resposta a problemas socialmente relevantes numa comunidade científica. A produção científica, no âmbito dum determinado paradigma, constitui-se como um modelo de procedimentos. A aprendizagem e a investigação científica implica a aprendizagem prévia do modelo e das técnicas inerentes a esse paradigma.

A ciência baseia-se  explica fenómenos (eventos observáveis relevantes para o tempo). O fenómeno constitui-se assim como uma experiência do mundo. Uma experiência individual, socialmente partilhada, num dado espaço e num dado tempo. Há assim, na filosofia um sujeito, que observa e um objecto que é observado.  A relação entre o sujeito e o objeto constitui o centro do debate epistemológico. As condições de observação, a posição do observador, a definição do que é observado são questões que determinam o que a ciência produz.

Ora se a alteração ou a mudança dum paradigma implica a mudança da visão do mundo, do lugar de enunciação, vejamos rapidamente o que podemos considerar a partir dos dois lugares “clássicos” de enunciação : A objetividade e a subjetividede que são tembém eles construções determinadas pelo paradigma que os constituem.

Continuar a lerObjetivismo, Subjetivismo e Intersubjetividade

Centro de Interpretação Jardim da Gulbenkian

Com o nome Centro de Interpretação Gonçalo Ribeiro Telles / Museu Gulbenkian abriu o mais recente equipamento museológico neste complexo da Fundação Gulbenkian.

Costumo dizer aos alunos de museologia que este é o mais perfeito exemplo da ideia de Museu. O espaço junta o Museu, que alberga a rica colecção do fundador. Para alem desse espaço, imutável, existem espaços para exposições temporárias. A partir desse edifício acede-se  à Biblioteca de Arte, ao espaço de restauração e ao edifício Sede. Neste último, os diferentes auditórios (3) desenvolvem uma interessante programação. Durante alguns anos a Fundação teve uma orquestra própria e uma companhia de dança. Atualmente concentra-se em 5 areas de atuação: Artes, Educação, Ciência, Desenvolvimento e Iniciativas Globais. Ainda dispõe do Centro de Arte Moderna , também ele com espaço de exposições temporárias, serviços educativos, restauração e uma livraria. É neste complexo que agora se implementou o Jardim, onde também se encontra um auditório de ar livre, espaços de escultura.

Custumo defender  que isto é um museu, porque tudo o que aí se concretiza é a missão do museu. Não é certo que todos tenham esse entendimento, já para muitos o museu será apenas a coleção de objetos.

No entanto, na perspectiva da museologia, o que aqui é um museus não passa dum gabinete de curiosidades. Dum excelente gabinete de curiosidades, muito bem museografado, com excelentes profissionais. Nele podemos observar a técnica museográfica desenvolvida no século XX.

O museu como Centro Cultural, defendido por André Malraux, também aqui se encontra. O Centro de Arte Moderna, construído nos anos oitenta, para albergar a colecção de arte moderna , que entretando, Rui Mário Gonçalves ia aconselhando a comprar. Trata-se dum investimento. Esta fundação tem como suporte o legado empresarial do sue fundador, gerido através da Partex, empresa que atua na atividade energética.

Para alem dessa Centro Cultural, os eventos, as iniciativas a favor da comunidade constituem uma importante função social que todos reconhecem nesta instituição, sem que tovavia, nela se reconheça a função do museu.

Diríamos que se trata duma questão de nomes. Talvez sim. A Fundação Oriente e o seu museu também adoptam este modelo. Serralves, o Centro Cultural de Belém, A Fundação EDP /Museus de Eletricidade,  O Museu das Comunicações e a Fundação Portuguesa das Comunicações.

Um compromisso que tem por base um preconceito entre o que é o museu e a ação filantrópica: Museu é o que está parado nos objetos. Filantropia é o que fazem as fundações. Museu é tudo isso, defendo eu perante os alunos. Conservar sim, mas também construir acção.

E o Jardim. Pois também ele é um espaço de conservação. No passado os jardins botânicos faziam parte do Museu. No século XIX enraizaram-se no edificío e separaram-se da natureza. Hoje entendemos que fazem parte do mesmo espaço.

Também a Gulbenkian, o redescobriu. De espaço de lazer, muito bem feito, integra-se hoje num intenerário de descoberta. De redescoberta da natureza em espaço urbano, da sua sustentabilidade. Da ligação do eu ao mundo.

O espaço apresenta um lugar de restauração, e um pequeno nicho “tecnológico” onde através de multimédia se conta a história do jardim. Um multimédia interativo permite várias entradas para o temas. Do centro parte-se para a exploração do espaço.

WP_20150904_18_13_34_Pro WP_20150904_18_13_27_Pro WP_20150904_18_11_07_Pro WP_20150904_18_10_59_Pro WP_20150904_18_10_26_Pro WP_20150904_18_10_20_Pro WP_20150904_18_09_39_Pro WP_20150904_18_09_37_Pro WP_20150904_18_09_15_Pro WP_20150904_18_09_08_Pro WP_20150904_18_08_52_Pro WP_20150904_18_08_00_Pro WP_20150904_18_07_28_Pro WP_20150904_18_07_25_Pro WP_20150904_18_07_17_Pro WP_20150904_18_07_07_Pro WP_20150904_18_06_43_Pro WP_20150904_18_06_30_Pro WP_20150904_18_06_05_Pro WP_20150904_18_05_39_Pro

The inclusion of community knowdlege on territorial development