Percurso do Negro em Porto Alegre

O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre que visitei em agosto de 2015, no âmbito dos trabalhos do III CEAM em Porto Alegre é um projeto que busca dar visibilidade á presença da a comunidade afro-brasileira na cidade. Concentramo-nos no Espaço do museu e fomos acompanhados pelo Pedro Rubem Vargas, coordenador do projeto.WP_20150827_14_38_09_Pro

O Museu constitui-o se como um “Ponto de Memória” e forma-se a partir dum percurso pela cidade, na sua zona central. No espaço público do centro histórico da cidade foram instaladas de obras de arte, que simbolizam a contribuição da comunidade afro na construção da cidade.

O projecto

As primeiras ideias do projecto do museu do homem negro em Portalegre desenvolveram-se nos anos oitenta, a partir da Comunidade da Lomba do Pinheiro, a partir da constatação da invisibilidade da contribuição da WP_20150827_14_57_19_Procomunidade afro nas narrativas sobre a cidade. Porto Alegre foi porto de escravos negros até ao século XIX, e tiveram uma forte presença na construção da cidade e no desenvolvimento da agricultura. Alguns dos trabalhos desenvolvidos na altura permitiu resgatar algumas das memória da população afro, mas sem se conseguir formar um museu.

No início do século, a partir de diferente movimentos sociais da comunidade negra e da oportunidade oferecida pelos Pontos de Cultura e de Memória formou-se o primeiro elemento do percurso. O desenvolvolvimento partiu de uma construção coletiva da comunidade negra  de Porto Alegre procurando criar visibilidade da memória no espaço e criar condições para uma tomada de consciência sobre a cidadania e a identidade cultural. Os espaços são formados através de elementos simbólicos (obras de arte)  forma a serem fruídos através da memória do sítio. Uma memória construída pela passagem do negro no espaço. Ao mesmo tempo, o museu realiza diferentes ações de formação para jovens.WP_20150827_14_35_58_Pro

Constituindo-se como um projecto colaborativo do movimento negro, reunidas pelo Centro de Referência Afro-brasileiro, o primeiro elemento foi criado em 2011. Através da colaboração do grupo Angola Janga, foi executado a obra Tambor. O mesmo processo foi seguido para o elemento Pegada Africana. O terceiro elemento, o Bará, foi concretizado no Mercado, através da colaboração da Congregação em Defeza das Religiões Afrobrasileiras – CEDRAB RS. O quarto elemento, o Silar Afrobrasileiro contou com o apoio da FunArte e envolveu a formação da vários jovens do Quilombo do Areal. O quinto elemento ainda não está concretizado.

O Percurso do Negro

“O percurso visual em processo de execução evoca a presença, a memória, o protagonismo social e cultural dos africanos e descendentes no Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, cuja pesquisa histórico-antropológica indicou os lugares vivenciados pelos africanos, a fim de elaborar objetos de arte representativos” e é constituído por:

  • O Bará no mercado Público. Simboliza os caminhos que se cruzam. A ligação entre o passado e o presente. É um chão sagrado;WP_20150827_007
  • O painel afrobrasileiro, no local do Cais do Porto e antigo Ancoradouro; representa as ligações ao mundo;
  • WP_20150827_15_29_42_Pro WP_20150827_15_29_48_Pro
  • A pegada africana, no Largo da Quitanda (Praça da Alfândega), representa o contributo da cultura afro para o Brasil;
  • WP_20150827_15_41_01_Pro WP_20150827_15_41_09_Pro
  • No Pelourinho (Igreja das Dores) e antigo Largo da Forca, o elemento que falta concretizar, no espaço do justiciamento;
  • WP_20150827_15_58_57_Pro
  • O Tambor, junto à antiga praia, simboliza os diferentes contributos da comunidade negra em Porto Alegre. O Tambor em cimento, tem diferentes figuras, contando a história dos negros no Brasil, ao mesmo tempo. Ao bater no cimento podem compor-se diferentes sonoridades.
  • WP_20150827_014WP_20150827_16_07_46_ProWP_20150827_16_08_01_ProWP_20150827_16_14_25_ProWP_20150827_16_15_56_ProWP_20150827_16_17_01_Pro

Há ainda vários elementos que podem ser integrado no percurso, como por exemplo a Igreja da Nossa Senhora do Rosário, o Mercado Público e a Santa Casa de Misericórdia, a Colónia África e o Areal da Baronesa.  O objectivo do museu é criar processos museológicos a partir das relações sociais atuais e construir uma narrativa sobre a memória.

Porto Alegre, Brasil – visita de 27 agosto 2015

Site do Museu aqui

Continuar a lerPercurso do Negro em Porto Alegre

Manjares de Portalegre

Rosária Maria – Docaria Conventual em Portalegre

História de Manjares

Os tons são de branco e amarelo. Os ingredientes base são apenas três, o açúcar, as gemas e a amêndoa. Este trio desdobra-se em infindáveis delícias de nome e sabor celestiais, que cobrem a mesa redonda do centro da sala de jantar do restaurante Terraço, Tivoli Av. da Liberdade. São todas elas da autoria de Rosária Maroco, uma doceira de Portalegre cujas mãos fazem verdadeiros milagres de doçaria conventual.

Existe actualmente uma grande confusão entre o que é e não é doçaria conventual. A tendência é para chamar conventual a tudo o que tem ovos e um nome vagamente religioso, seja ou não receituário dos conventos, mas também a esquecer muitos outros doces também saídos dos livros das monjas e freiras.  Há grandes controvérsias em torno de certos doces, como os pastéis de nata. Conventuais? Já foram até atribuídos a um convento de frades, quando sabemos que as ordens masculinos não se dedicavam à doçaria. Outro assunto premente que rodeia a doçaria conventual é a discussão da redução do açúcar neste tipos de doces, a fim de permitir o seu maior consumo. A nossa doçaria conventual tem alguma dificuldade em agradar aos turistas, por questões que se prendem com o sabor mas também com a saúde.

Maria de Lourdes Modesto é a favor da redução do açúcar, afirmando que em certos doces, como por exemplo no pudim do abade de Priscos essa redução poderá chegar aos 150 g. Nem todos são dessa opinião. Pessoalmente, acho que se poderia ver caso a caso, doce a doce. Já no caso das gemas, a possibilidade de intervenção é nula.

Por decreto de 1832, a vitória liberal trouxe a extinção das ordens religiosas, rebaixadas porque “buscavam o seu ponto de apoio no céu para devorar a terra”. Em Portalegre existiam dois conventos: o mosteiro de S. Bernardo, da ordem de Cister, fundado no início do século XVI e extinto em 1878, com a morte da última monja, e o convento de Santa Clara, da ordem de São Francisco, fundado no século XIV e extinto em 1834.

Vivendo com grandes dificuldades após a extinção dos conventos, muitas religiosas fizeram da doçaria o seu modo de vida, directamente ou através da partilha secular de receitas. Algumas dessas receitas das clarissas acabaram nas mãos das irmãs Cardoso ou Martela (Judite e Laurinda), que se tornaram as mais conhecidas doceiras de Portalegre. Pensa-se que uma amiga e vizinha da família, a D. Estrela, que tinha acesso fácil ao património do convento, quem terá passado as receitas à mãe das manas Cardoso, que por sua vez as comercializou e instruiu as filhas Uma das irmãs, a Judite, resolveu partilhar as receitas que com ela tinham partilhado e, com a ajuda da Câmara Municipal, ensinou a várias mulheres a arte da doçaria conventual.

Uma dessas alunas de Judite Cardoso foi Rosária Maroco, convidada do Tivoli para o a divulgação da cozinha do Alentejo. Trouxe para Lisboa uma montra da sua doçaria de fazer cair os queixos. Alguns desses doces são extremamente invulgares, mas todos eles são deliciosos e feitos a preceito conforme as receitas do convento. Desconhecidos para mim são o Leite de Serafim. Quanto ao Manjar Branco, desconhecia aquela maneira de o dispor no prato.

Aqui fica um miniguia das doçarias apresentadas por Rosário Maroco no Tivoli.

 

Queijo Dourado – Dentro de uma capa de massapão (açúcar em ponto de pérola e farinha de amêndoa, que antigamente era moída com o pilão) surge a luz dos ovos moles a que se juntou chila e fios de ovos. Os riscos na parte de cima imitam a palha onde os queijos verdadeiros eram curados e guardados.

Miniaturas – o mesmo massapão com recheio de ovos moles

Toucinho do céu – açúcar, amêndoa, ovos, manteiga e farinha (não leva abóbora-gila)

Manjar branco – Este doce será alvo de crónica própria quando acabar a minha investigação, mas tem duas curiosidades que o tornam diferente dos outros: não leva peito de galinha e é armado em pétalas que se montam em círculo e se comem à mão, com o preceito de se começar por cima e no sentido dos ponteiros do relógio. Leva açúcar, leite, farinha de arroz e fécula de milho. No fim vai ao forno envolvido em panos molhados para queimar.

Pastéis de Santa Clara – têm uma forma triangular diferente do habitual destes pastéis (em meia-lua). O recheio leva amêndoa, batata-doce, açúcar e gemas.

Presunto doce – massapão misturado com chocolate, recheio de ovos e gila.

Lampreia de ovos – é uma lampreia diferente da habitual com capas de trouxa de ovos. Leva açúcar, amêndoa e chocolate em pó para a massa, ovos moles para o recheio.

Leite Serafim – açúcar, farinha de arroz, fécula de milho, gemas e leite. Corta-se à faca e é um verdadeiro deleite dos serafins. Um dos meus preferidos.

Fartes ou fartens –  açúcar, amêndoa, gemas e gila. É embrulhado em hóstia e “caiado”  com açúcar branco em ponto. Também um dos meus favoritos.

Mimos ou pastéis de mimo – açúcar, manteiga, amêndoa, gemas e gila

Encharcada – açúcar e gemas (queimada no forno).

Rosária Maria Maroco tem estabelecimento aberto em Portalegre, no Rossio, mesmo em frente aos correios.

Rua Alexandre Herculano, 6 E

7300-121 Portalegre

Tel: 965 288 588

Facebook: https://www.facebook.com/rosariamaria.maroco

 

The inclusion of community knowdlege on territorial development