Memória e Teoria social: Limites e campos emergentes para a ação museal

miriamspulveda

De Myrian Sppúlveda dos Santos, este “Memória Colectiva e Teoria social”, publicado em 2012 pela Imprensa da Universidade de Coimbra e da editora do Brasil  Annablume, constitui a 2ª edição do trablho de doutoramente da autora, realizado entre 89 e 93 na New Scholl of Social Resaerch.

Trata-se dum trabalho marcado pelo seu tempo, pelas polémicas e problemáticas. Tem contudo uma grande atualidade teórica para o trabalho sobre a memória social, pois a partir duma diversidade de abordagens atinge-se com mestria uma visão da complexidade  do trabalho sobre a memória coletiva como fenómeno. social.

A primeira parte do livro detalha com rigor o trabalhos dos classicos.A questão da relação do indivíduo com o coletivo como paradigma fundacional desta problemática. A abordagem da memória como um ritual de desenvolvimento de solidariedade no grupo, as marcas como monumentos e patrimónios que evidenciam as condições de “lugares de memória”. Ainda nesta primeira parte trabalham-se algumas abordagens mais minuciosas onde se procuram entende os processo de criação de redes simbólicas partilhadas pelos indivíduos.

Na segunda parte procura-se trabalhar a partir duma teoria crítica interroga-se a objectivação da memória colectiva.Os estudos sobre as narrativas da memória evidenciam que a linguagem  não só é uma interpretação do passado a partir do presente, como ela é também uma presença desse passado no presente. Esse questão introduz e bem a questão dos limites da teoria social sobre a memória. Trata-se duma abordagem rica que mobilizam diverso autores. ainda que as suas interpretações não sejam consensuais .

Para quem conhece os trabalhos desenvolvidos pela autora, após o seu doutoramento, este livro ajuda a entender o seu percurso de investigação e entende a actualidade da reflexão que aí é feita. Salienta-se, entre outros, os trabalhos sobre a formação das memória dos afrodescendentes no Brasil.

A utilidade deste livro para o nosso debate sobre a Memória Social advém das interrogação que  a autora faz sobre os limites da teoria social sobre a memória coletiva e, fundamentalmente a sua importância como processo de conhecimento. Uma questão que como salientamos no nosso artigo “Memórias Esbranquiçadas” relaciona a razão e a emoção como indutores de ação social.

O paradoxo da memória e o impasse do projeto antropológico

Num artigo anterior abordamos a questão dos “Abusos da Memória: Reflexões sobre o Boom da memória na antropologia” de David Berliner da Universidade de Harvard, um texto publicado  em 2005, na Antropolgy Quartely.

Neste artigo o autor toma de empréstimo uma parte do título do estruturalista Tzvetan Todorov, que escreveu em ( 19__) O Uso e abuso da memória. O tema do abuso também é colocado por Andreas Huyssen em Globalizing Critical Theory , que no capítulo 9 trata da questão “Resistência à memória: Usos e Abusos do Esquecimento Público .

O autor, David Berliner, traça resumidamente o quadro de evolução do conceito nas humanidades. Da sociologia, aos textos da História, de Nora e Connerton. A questão do processo cognitivo que a memória implica, ao nível pessoal e a sua relativa imprecisão ao nível coletivo. Acabando por abordar a questão dos impasses deste conceito que, quando usado num processo de investigação, é praticamente semelhante às conclusões que usam os conceitos de identidade social e cultura.

No trabalho que apresenta, Berliner procura demonstrar que o uso do conceito de memória social pela antropologia pode conduzir os trabalhos a uma confusão com o conceito de cultura.  Procura argumentar que o processo de extensão do conceito o conduziu a um beco que demonstra os limites do projeto antropológico. Um “emaranhamento” desnecessário que neste trabalho procura encontrar alguns desafios epistemológicos.

Começa por notar que o termo memória foi marginal até à bem pouco tempo. Depois de ter sido dado como praticamente extinto nas abordagens das ciências sociais, nos anos 80 do seculo XX, deu-se  um boom. A marca é o trabalho de Pierre Nora, quando, para as comemorações do bi-centenário da revolução francesas, escreve os “Lugares de Memória

Esse livro deu origem ao mnétrofismo, um neologismo proposto por Joel Candau em “A Antropologia da memória definida como a incapacidade contemporânea de lidar com a perda. Segundo este autor a transmissão da memória nas sociedades ocidentais é menor do que noutras culturas, mas no entanto, nestas sociedades modernas do ocidente, ela produz uma angustia da perda, que se transforma numa obsessão.  Invadia pela presença profusa de imagens, informações e vestígios, que alimenta uma “Industria da Memória” a mercantilização (feitichismo) dessa memória produz uma névoa de referencias (data smog) que se carateriza por um excesso de oferta de informação.

O estudo da memória social nas diversas academias levou à descontrução dos textos históricos, à constante re-interpretação dos estudos do e sobre o passado, ao confronto com as narrativas esquecidas ou dominadas, à consciência da hegemonia na produção dos discursos. Jam Assmam e o pos-modernisnmo na escola alemã da linguagem serão responsáveis por estas novas abordagens.

A uma consciência da necessidade do questionamento da totalidade do passado e á problematização da presença dos fragmentos. Mais, essa consciência da vivência da memória como ato do presenta, introduz nos estudos sobre a memória a problemática da ação. A memória acaba por ser mais definida pela sua subjetividade o que leva à crítica história a colocar a questão da confiança e adequação das fontes da memória.

Estudos que conduzem à critica sobre os problemas da resistência e das fontes de História Oral, na sequencia dos trabalhos de Thompson.  A crítica a estes trabalhos reconhece que a memória acaba por ser confundida com “todos os traços do passado que se encontram no presente” não se trata, nem de uma percepção, nem duma lembrança. A memória deixa de ser um conjunto de representações e experiências que são partilhadas por todos, mas sim como os últimos traços do passado no presente. Esses traços são abordados, obsessivamente, como os elementos a preservar do passado e a transmitir para as gerações futuras.

O estudo da memória social não é o trabalho sobre estes fragmentos do passado nem sua a acumulação para reproduzir eese passado no presente. O trabalho sobre a memória social é uma produção de atos que nos fazem ter consciência da experiência que foi acumulada para nos mobilizar no presente. Como escreve Nora A memória social são os traços do passado que permanecem vivos na vida social dos grupos, ou o que é que os grupos fazem com esse passado. São esses traços do passado que nos fazem agir e constituem eles próprios formas de ação.

Contudo, esses traços não são o passado em si. Não contem em si a totalidade dos traços desse passado que o permitam reconstruir. Esta questão coloca os estudos sobre a memória social entre o campo da história (o estudo do passado) e a antropologia (o estudo das comunidades no presente). Uma multidimensionalidade que permite ao conceito de memória social viajar ao longo de vários lugares de observação e de ser usada por diferentes processos metodológicos.

Procurando concluir a síntese sobre os usos da memória social, recorre ao trabalho de Jacob Climo e Maria Catell ” Social memory and History: antropological prespectives” que ao procurar responder à questão de como a cultura se reproduz em contexto social e que elementos do dia a dia (eventos, valores, crenças, técnicas, estratégias) são seleccionados e transmitidos, conclui que “memória social corresponde às percepções, atitudes, comportamentos, valores e instituições que são comuns, coletivas”. Uma definição que torna praticamente impossível definir as fronteiras do conceito. O que é que é memória e o que não é memória ?. Se é partilhado por todos, tem que estar presente no universo, ou a partir de quantas pertenças pode ser considerado memória social. E como se distingue memória, sendo que a memória também são os traços do passado que se projetam no presente, de processo cultural. Esta identificação é um dos importantes limites do uso do conceito.

As abordagens pós-modernistas da memória social, constituíram um importante contribuição para o questionamento das suas metodologias. A reeinvenção da antropologia nos anos setenta, passou em larga medida por incluir novas áreas de estudos sobre as identidades culturais, sobre as tradições orais e as narrativas biográficas. A questão da memória social introduz o questionamento sobre os processos de reprodução e transformação das comunidades.

Por exemplo, alguns trabalhos pioneiros sobre a memória social, sobre os bardos revelou que os aspetos rituais não são tão uniformes e fixos como até aí se suspeitavam.Descobrem que a ritualidade performativa, embora atuando sobre um “libreto de base, vai produzindo novas abordagens, acabando por conduzir a formas performativas diferenciadas. Os mitos e as suas metamorfoses constituema essencia da transmissão cultural. Também Roger Bastid, nos seus trabalhos sobre as heranças africanas no Brasil, usa o conceito de memória social para trabalhar os fenómenos de sincretismos  religiosos. São autores que revelam a plasticidade do passado como uma forma de agir no presente.

Os impasses da antropologia

A memória social não constitui uma essência da antroplogia. não constitui a preocupação sobre as forma como as permanências e as continuidades caracterizam as comunidade um foco do trabalho antropológico. não constituirá a antroplogia da memória uma antropologia do conhecimento interroga-se o autor, mobilizando Vicent Caprazano em Imaginative Horizons. A continuidade, a permanência e a transformação.

Afinal, interroga-se Berliner, o que éque há de esencialmente novo nos estudos sobre a memória social. para alguns, memória coletiva cobre aspetos que antigamente se chamava os estudos sobre mitologia (Gedi & Elam) ou aborda questões como Natureza, cultura e linguagem” (Klein).

A proposta do outros, sobre qual a utilidade do conceito de memória social nos estudos de antropologia, é o entendimento que les permitem sobre as continuidade. para além de propor uma fusão  entre o conceito de cultura e memória social, esse conceito é útil para entender a continuidade e persistência das emoções, das praticas e das representações das instituições, que constituem um campo essencial do trabalho da antropologia.

A questão do esquecimento contudo não é abordado nos processos de construção de identidades. Deborah Bataglia levanta a questão da relevância do esquecimento na sociedade. A presitencia da não-presença é tão relevante como a presença. Assim como há lembranças, há elementos, que não sendo nomeados, são presentes através da sua ausência.

Esta oposição entre memória e não memória, escapa ao set antroplógico. A análise das praticas de rememoração institucionalizada torna possível olhar para as continuidades da vida social, das formas de vida social preservadas, mas deixa de fora o que está esquecido. De alguma forma a análise da memória social olha para a continuidade e permanência, mas não alcança a transformação. O que é retido é apenas um dos ingredientes do que se transforma. O que existe serve também para mostrar o que não existe. O que sendo conhecido, quer ficar esquecido. Essa abordagem não permite trabalhar com o problema da inovação. não permite vislumbrar o que estando em transformação se vai constituir como novo, como é que a continuidade se transforma.

A critica da antropologia da memória

E questão da semelhança entre o conceito de memória social, identidade social,e cultura acabou por remeter os estudos da memória para o campo do senso comum. A noção de memória social acaba por ser desvalorizado como conceito operativo e torna-se pouco claro.

O autor defende a necessidade de ultrapassar esta estado e aproveitar o legado que ele permite. Segundo Berliner, ele foi útil para entender o processo de transformação cultural. com efeito o conceito de memória social permite entender que ela se constitui a partir do encontro dos diferentes membros duma comunidade entre si e com o passado. Este encontro entre o tempo cronológico e o tempo social (entre o kronos e o kairos ) é essencial na construção do novo e nos ajustamentos aos problemas sentidos e vividos por essa comunidade. Muda o que necessita de ser ajustado.

A persistência do passado é tão necessária como o processo do encontro onde esse passado é convocado, não na sua totalidade mas como lembranças e como esquecimento. memória social torna-se assim num conceito com uma maior amplitude para estudar os processos de conservação e transformação.

Essa abordagem permite ultrapassar a crítica de que tudo é memória e que no limite, a própria sociedade é constituída pela memória social. ou de que a cultura é também memória, ou que a recolação é memória, ou que reprodução cultural é a passagem da memória.

todas estas abordagens deixam de lado a questão essencial de tentar compreender porque é que as pessoas se lembram e esquecem o seu passado.

O autor defende que é necessária à antropologia uma visão da mais madura da noção de memória social, que a proteja do abuso do seu uso na esfera pública e a recoloque no caminho defendido por Paul Ricoeur de criar uma memória justa.

Sobre a questão da memoria e esquecimento de Paul Ricouer já escrevemos na RevistaHerancas_Globais_Memorias_Locais_no_1

Funes el memorioso de Jorge Luís Borges e o problema da memória social

borgeselmemorioso

Vai para um ano que na Livraria Saraiva  em São Paulo, onde entrei para encontrar um pouco de tranquilidade, no meio dum intenso movimento social que paralisava a Avenida Paulista, encontrei este livrinho “Ficções” de Jorge Luís Borges. É uma edição traduzida com cuidado, pela editora companhia das Letras, nesse ano de 2013, republicada pela 7º vez.

Nessa edição reencontrei o conto de 1944 “Funes: o memorioso“. Dez páginas, entre a 99 e a 108, que nos fala desta personagem. Trata-se dum dos contos que mais gosto em Borges, onde o seu estilo narrativo, seco e luminoso, conciso na palavras e denso nos significados. As narrativas de Borges são melodiosas. O ritmo é poético. a intensidade narrativa mostra um mundo em crescimento, cheio de contrastes, numa natureza violenta.

Ireneu Funés é a personagem central deste conto, “cara de Índio taciturna e singularmente remota, atrás dum cigarro (…) de mãos afiladas de trançador”. Conta Borges que Irineu era rapaz que não se dava com ninguém, mas que tinha a faculdade de saber sempre a hora, com a precisão dum relógio. A tragédia que arrastou Irineu para as travas, levou a que a comunidade pedisse aqueles que o conheceram, para escrever sobre ele.

Borges encontrou-o por três vezes. a primeira numa fugaz sortida numa tarde de intempérie, numas férias numa aldeia lacustre do Uruguai, na banda oriental. Já não se recordaria desse evento sem a replica do seu primo. A segunda vez, três anos depois, já estudante de Latim, em férias na aldeia de terracota, para onde fora em férias estivais à procura de repouso para suas leituras. Depois de alguns anos sem ir a Fray Bentos a ao perguntar por conhecidos, soube que Irineu havia ficado paralítico, após um acidente com um cavalo.

Algum tempo depois Irineu surpreendeu-o, solicitando alguns livros par a leitura. Desconhecia o autor que Irineu dominasse a língua do Lacio. Com alguma zombaria empresta-lhe duas obras. Uma era o livro de Plínio “Historia Naturalis“, com o propósito confesso de o desmotivar face à grandiloquência dos antigos.

Um funesto evento obriga-o a regressa mais cedo, a ao fazer a mala, o narrador recorda-se que havia emprestado os livros a Irineu. Como partiria no dia seguinte, não lhe restava outra oportunidade senão ir nesse noite resgatar o livro. Na rancho da mãe de Irineu, o personagem encontrava-se nos cómodos do fundo a ler o livro  sétimo, capitulo XXIV. A em latim. Vale a pena atnetar  ´`as palavras escritas de Broges

“No Rancho bem arrumado, a mãe de Funes recebeu-me.

Disse-me que Irineu estava no cômodo do fundo e que não me surpreendesse de o encontrar às escuras, porque Irineu custumava passar as horas mortas sem acender a vela. Atravessei o pateo de lajotas, o corredorzinho, chegeui ao segundo pateo. Havia uma parreira; a obscuridade chegou a me parecer completa. Ouvi de repente a voz alta e zombeteira de Irineu. Aquela voz falava em latim ; aquela voz (que vinha do escuro) articulava com moroso deleite um discurso ou prece ou encantação. Ressoaram as sílabas romanas no pátio  de terra; meu temor julgava-as indicifráveis, intemináveis; depois no enorme diálogo daquela noite, soube que formava o primeiro parágrafo do capítulo XXIV do livro sétimo da “Naturalis historia”. O assunto desse capítulo é a memória, as últimas palavras foram  ut nihil non iisdem verbis redderetur auditum.” (p. 103)

A frase latina, escrita com precisão da memória contem um paradoxo. Em castelhano (e também em português), ao dizermos que “nada que tenhamos ouvido, não pode repetir-se com as mesmas palavras” afirmamos uma impossibilidade.

A questão trata-as de saber o que é que a memória retém. Se nada pode ser repetido com as mesmas palavras, a memória recria-se a si mesma. Esta dupla negação negação do nada do que ouvimos e da sua impossibilidade de reprodução é a chave dos trabalho sobre a memória humana. Já lá iremos a esta questão.

Mais à frente o autor dá a solução. “Não vou tratar de reproduzir as palavras dele, irrecuperáveis agora. Prefiro resumir com veracidade as muitas coisas que Irineo me disse. O estilo indireto é remoto, fraco; eu sei que sacrifico a a eficácia da minha narração, que os meus leitores imaginem os períodos entre-cortados que me acrabunharam naquela noite” (p. 106)

O conto prossegue com a descrição do diálogo entre os dois. Após o acidente, Irineu passou a recordar-se de tudo. Sabia e recorda-se de tudo sem excepção. Havia criado um sistema de memorização através de números, em que cada símbolo correspondia a um nome.

a verdade é que vivemos adiando tudo o que é adiável; talvez todos saibamos no fundo que somos imortais e que cedo ou tarde, todo o homem fará todas as coisas e saberá tudo” (pag 10)

Irineu havia criado um vocabulário infinito através da série natural dos números e um catálogo mental de todas as imagens da lembrança. E aqui Borges dá-nos um outro paradoxo. A inutilidade do catalogo criado por Irineu apresenta, simultaneamente uma balbuciante grandeza que era incapaz de entender o conceito ou a ideia simbólica do conjunto. Irineu sabia todo o movimento do mundo. Tudo o que se sucedia em qualquer lado era conhecido.

Todo esse conhecimento era para Irineu um enorme sofrimento. Tudo era previsível. tinha dificuldade em dormir, pois isso afastava-o do mundo. Irineu aprendia tudo mas nada sabia. Não sabia pensar.

Diz Borges “Suspeito, contudo que não fosse muito capaz de pensar. Pensar é esquecer diferenças, é generalizar, abstrair. (p. 108). O autor angustiou-se quando pensava que os seus gestos nessa conversa perdurariam para sempre. “No mundo entulhado de Funes não havia senão detalhes, quase imediatos”.

E  a claridade da madrugada tomou contas das sombras do pátio.

Trata-se dum conte genial como Borges nos habituou. com ironia fala-nos de que como é importante recordar e esquecer, e que sobretudo a rememoração tem uma dupla face, o si e o outro sem o qual não há si.

A Relevância da Memória Social em Ciências Sociais

memoryreader

Recebi dum amigo uma ligação para um artigo de David Berliner sobre os Abusos da memória: Reflexões sobre o boom da memória na antropologia.

Sendo certo que o trabalho se centra sobretudo na antropologia, valerá a pena alargar o campo de debate a uma área mais vasta, procurando delimitar o seu campo de análise e definir os limites do seu uso. Voltaremos noutra ocasião a este texto. para já interessa colocar em cima da mesa os instrumentos com que temos vindo a trabalhar.

Na nossa tese de doutoramento “Casa Muss-amb-ike: o compromisso no processos museológico“, trabalhamos exaustivamente a questão da Memória social. Nela abordamos a sua génese com os trabalhos de Henri Bergson nos primeiros anos do século XX e dos trabalhos de Maurice Halbawchs. Tracei um quadro genealógico da polissemia do conceito. Em português, logo para iniciarmos as questões da polissemia, como se escreve o conceito: Memória coletiva ou memória social ? Não é indifrente, pois Sociaux e Colective embora integrando a mesma família, não são extamente iguais.

Depois prosseguimos com o uso deste conceito por várias ciências sociais. Abordamos as Teorias das Representações, a questão da identidade social, dos limites da teoria social, a questão dos Lugares de Memória da História.

Uma abordagem que deixa claro a questão do trabalho sobre o fenómeno social da memória. Uma outra questão que levanta um problema metodológico. Sendo a memória um processo cognitivo, que assenta num processo,  a fixação de eventos, emoções, aprendizagens, ou sentimentos pelos indivíduos de modo a mobilizar em determinados contextos é também ela uma questão neurológica. Desse ponto de vista, embora a memória seja individual, ou melhor se manifeste nos indivíduos, a problemática de memória social, ou coletiva, aborda aqueles fenómenos que são relembrados pelo conjunto social. O estudo da memória social tem que analisar os individuos e os objetos que estes produzem, de forma a torna-los socialmente significativos. A teoria do valor patrimonial dos objetos revelou-se útil para entender esse processo.

Estamos pois perante o estudos de fenómenos sociais, que se manifestam em indivíduos, através das suas memórias e objeto socialmente reconhecidos. E como que que essas memórias se formam, como se reproduzem, como são usadas e transformadas pela sociedade, é uma outra interessante questão, que levanta as problemáticas do poder na sociedade. Por essa razão inscrevemos a nossa tese no campo da museologia, uma ciência transdisciplinar que trabalha as questões do poder e da memória na sociedade.

Ora o livro que acima apresentamos, “on collective memory” que já adquirimos posteriormente, no desenvolvimento dos nossos trabalhos nesta área fala-nos desta diversidade. através da apresentação dos autores em pequenos textos, organiza-se em cinco secções.

  • uma primeira secção onde se apresentam os percursores e os clássicos
  • num segunda secção as questões da História, da memória e da identidade
  • na terceira, o poder, a política e a contestação
  • na quarta parte, o processo de mediação, comunicação e transmissão da memória
  • na quinta e última parte, a questão da memória, da justiça na época contemporânea.

Desenvolveremos isto mais à frente com a questão dos abusos da memória na antropologia

 

 

 

O Fim do Mundo Antigo e o Princípio da Idade Média

mundoantigo

De Ferdinand Lot, “O Fim do Mundo Antigo e o Princípio da Idade Média”, publicado em 1927, em França, republicano nos anos 50 e publicado em Portugal em 1980 pela Edições 70, é um tijolo de 980 páginas, que constituía uma leitura obrigatória para a licenciatura em História que na época fazia.

De notar o desfasamento de tempo entre a publicação em França e em Portugal, o que revelava bem o atraso que então se vivia entre o pensamento histórico europeu, sobretudo a renovação pela escola francesa,  e o pensamento histórico em Portugal.

O livro caiu-me na mão, depois de ter estado a vasculhar numa prateleira por textos sobre o Algarve, a ainda tinha dentro a ficha de leitura, que em boa hora o Hamilton Santos ensinava a fazer. Foi um hábito que fui mais ou menos mantendo, mas em cadernos do que em fichas da papelaria da moda.

Vem isto a colação pois nessa fichas resumia a questão essencial do livro. O problema da transição. Um dos problemas da história, na delimitação do se objeto de análise, tem a ver com a questão da categorização do tempo. A oitocentista divisão em idades (pré-história, idades antiga, média, moderna e contemporânea,), que em certa medida tem por base a teoria das três idades de Santo Agostinho (memória,intenção e espera ou pretérito, presente e futuro), é aqui questionada numa proposta de análise da “transição” ou seja um momento intermédio entre um mundo (uma cosmovisão, uma organização económica e social) vekho e algo de novo que emerge, ainda sem contornos precisos. Propões-se a que a história, como disciplina que estuda o tempo, caracterizando o passado e o que lhe sucedeu, deveria estar em condições de entender os processos que levaram a essa transformação. No fundo a questão da mudança, que é um problema que surge no século XIX, é explicar o que muda e porque muda.

Diz-nos  Ferdinan Lot que nessa altura, as análise que procuravam explicar a mudança , em termos pedagógicos (o século XIX é o século da emergência do ensino da história) não dispunha de bases para entende a mudança. Porque é que as transformações marcantes ocorreram, porque é que no campo da mentalidade, o mundo antigo deixou de explicar o mundo e emerge esse mundo a que chamamos medieval na Europa. . Recorde-se que é um tempo em que a Europa se fecha sobre si mesma, abandona as cidades e procura construir a Cidade de Deus.

A inovação do trabalho do autor neste livro foi o de ter ido resgatar testemunhos indirectos desse tempo. Começa por abordar a questão da crise política do século III. A perda de legitimidade do Imperador. O poder do Imperador era um poder essencialmente militar. O poder é algo que é delegado pelos militares que influenciam a eleição do Imperador. As legiões romanas, por volta do século III acabam por se acantonar nas regiões da Europa. São as legiões de delimitam as fronteiras do Império e o Imperador é o seu chefe simbólico.

No século III, a Oriente, os Persas ganham hegemonia sobre Constantinopla, e expandem uma nova religião que se confronta com a religião grego-latina. As legiões do Oriente deixa progressivamente de reconhecer a autoridade do Imperador e passam a submeter-se a quem mais paga. Apoiam quem lhes acena com mais benefícios. A conversão ao cristianismo por Constantino, a liberdade religiosa e a transferência da capital do Império para Bizâncio tem efeitos permanentes. A separação do Império e a tentativa de recomposição do poder político tem um efeito fugaz e não atenua a crise religiosa. A transformação da religião católica como religião dominante vai influir na organização do Estado e marcar a predomínio da malha paroquial. Assiste-se a uma regressão do mundo romano, a uma emergência de sistemas de troca direta e em géneros. A linha dorssal do comercio entre as regiões do Império entra em decadência.  O mundo torna-se mais fechado. Leituras que hoje são interessante para pensarmos a Transição entre o velho mundo que conhecemos e o novo mundo que emerge na Fronteira.

Musealização duma Lágrima ou o problema da imaterialidade

velasquez

A imaterialidade na luz e da sombra

Já lá vão dois anos quando a propósito dos encontros do MINOM Portugal  sobre “Oralidade: Memória e Esquecimento” que  estava a organizar no Museu de Setúbal, a nossa colega, Isabel Vitor, a propósito da questão dos desafios da musealização a imaterialidade perguntava:  “- Como se musealiza uma lágrima ?”.

O contexto da reunião era o de organizar o primeiro encontro do MINOM sobre esse tema, que havia sido lançado nas jornadas sobre a Função Social do Museu que se tinha organizado em Monte Redondo em 2012. Depois duma reunião preparatória em Entradas, Castro Verde, no núcleo da oralidade do Museu da Ruralidade haviamos-no balançado para organizar dois encontros anuais, na primavera e no outono, sobre a questão da Memória e do Esquecimento e o papel da oralidade no âmbito da museologia social. A ideia na altura era estimular o debate a partir do encontro em locais que estivessem a trabalhar sobre a oralidade, para em conjunto pensar e analisar métodos de trabalho, proposta de abordagem que estimulassem e enriquecessem a reflexão da museologia social sobre a questão da memória e do esquecimento.

Infelizmente não participamos nesse encontro, uma vez que estávamos em trabalho de campo em Moçambique. Contudo o desafio da questão “como se musealiza um sentimento, um afeto, manteve-se. Não era um tema fácil.

Sabemos que as narrativas nos museus acabam por se tornar em narrativas assepticas. Na maioria dos casos não se trabalham as emoções. Apenas em situações limites, como os memoriais da resistência ou do holocausto, ou naqueles museus de história onde se procura criar uma museografia monumental, como forma de afirmação duma narrrativa hegemónica, se criar essa tensão (em cinema climax) da narrativa. Tudo o demais é uma expografia branda. Amena como se escreveu num outro blog.

E este é um aparente paradoxo da museologia. Sabemos que quando preparamos a construção duma narrativa, mesmo que participada, há que procurar um conceito gerador. Uma ideia forte que mostre a tensão. Como nos diz Mário Chagas, a gota de sangue que deve estar em todo o museu. Mas se essa tensão tem que estar presente na geração duma  expografia, como é que ela passa para a construção da narrativa, quando sabemos que a gramática tem que respeitar os momentos de tensão com os momentos de transição. Ainda que a proposta da narrativa seja construída pelo visitante, pela escolha dos seus percursos, ou pelas propostas de participação a que adere, a questão dos sentimentos, a lágrima permanece um desafio, que pode ser melhor ou pior solucionado com recursos expográficos.

Mas a questão da emoção que se gera no visitante provém de onde. A emoção transcende o exposto. Resulta duma experiência de encontro em contexto. Pierre Mayland na sua proposta sobre o Riso, que temos vindo a desenvolver na Aula do Riso, apresentou uma interessante abordagem, ainda com muito para explorar.

Avançamos agora um pouco mais na reflexão a propósito do quadro de Velasquez “as meninas”, pintado em 1565, onde através do contraste ente a luz e a sombra se revelam mundos e imagens de representação. A grande complexidade deste quadro, que se transforma como um objeto narrartivo, mostra-se não só como um quadro realista como transporta toda a carga idealista do mundo aristocrático. O cículo de luz, o mundo retratado, o visível, contrastando com a penumbrs, de linhas verticas, que se diluem no espaço. Por entre espelhos, emergem figurar, que espreitam. Os reis de Espanha que olham, como os antepassados. O próprio autor em pose, como um auto retrato olhando para o futuro. Um  quadro que cristaliza no tempo na sua crueza da espontaneidade. Afinal o que encontramos reletido nas imagens do mundo são sempre as nossas imagens

De alguma forma o desafio para a museologia social sobre as representações coletivas de emoções em narrativas museológica parece estar já resolvido neste quadro. É certo que o contexto é diferente, a materialidade é diversa. A solução está no encontro que ele permite. No quadro com o mundo aristocrático. Na museologia social com a comunidade.

Escrita Ibérica e cultura arraiana

 

escritaiberica

A Propósito de escrita íbérica surgem ao longo da área raiana diferentes alfabetos que foram usados pelas populações peninsulares antes da romanização. Inscritos em estelas e outros monumentos líticos, dão origem a uma variedade de aproximações. assim podemos encontrar A escrita levantina, a cóniga e a tartessica, a hispânica meridional ou lusitana.

Ha na sua organização algum caos que termos que ordenar.

  • Silabário de Espança
  • Escrita do sudoeste (ou tartésica ou lusitana meridional)
  • Alfabeto greco-ibérico
  • Escrita ibérica sudeste (ou meridional)
  • Escrita ibérica noroeste (ou levantina)
    • Variante dual
    • Variante não-dual
  • Escrita celtibérica
    • Variante oriental
    • Variante ocidental

 

Museologia e Provérbios em Árvore das Memórias

 

proverbios changana

Concluímos ontem a correção do artigo “Modos de Fazer e Estar em Djabula, Mozambike” que, juntamente com Ana Fantasia, Patrícia Maridalho e Filipa Zacarias, havíamos apresentado no Colóquio Internacional “Epistemologia do Sul” que se realizou em Coimbra, entre os dias 10 e 12 de julho.

Relata parte do trabalho de campo no projeto “Arvore das Memórias”. Para além do trabalho de campo, das recolhas de histórias de vida, é sempre interessante recolher documentos. Neste trabalho socorremo-nos da recolha do padre Armando Ribeiro, publicada originalmente em 1971, republicaqdo em 1998. O padre Armando Ribeiro é também autor duma Gramática Changana, publicada em 1965, Canticos Religiosos, de 1962. No livrinho anuncia-se ainda um dicionário Chanagana Português, Cozinha Changana, e Usos e Costumes do Nosso Povo, que desconhecemos de foram publicado.

Estes trabalhos etnológicos inserem-se nos trabalhos das missões e constituem um importante referencial para o trabalho com as comunidade.

Aprendi com os mestres da história social que temos que ler um texto até ouvirmos a voz que está por detrás desse texto. Os sons que ecoam através das palavras ditas. Silêncios que emergem. Nos vários trabalhos que temos vindo da fazer sobre as narrativas biográficas, habituamo-nos a ler até conseguir escutar a conversa dos outros. Todos sabemos que um dos erros básicos da metodologia das entrevista é ouvirmos nas palavras dos outros aquilo que queremos que eles digam.

Um dos trabalhos que levamos para esta viagem é trabalhar sobre os provérbios, os ditos de ocasião. As formas de cumprimento, os gestos, as canções do movimento. Enfim tudo o que nos permita escutar o quotidiano.

O ditado popular, um tema que tem sido trabalhado pelos historiadores da língua transportam o saber da tradição. Aqui interessa-nos sobretudo pela transcrição dos provérbios como elemento complementar da gramática. Se a gramática duma língua descreve a sua estrutura formal (as leis da linguagem) os provérbios constituem a essencia dessa linguagem. De certa forma são anteriores à sua fixação.

Acresce, que na velha discussão sobre a literatura e a oratura, se distinguirá a primeira pela existência de escrita, e a segunda pelo uso da fala. A fixação da escrita destas últimas precederá a formação das gramáticas e possibilitará a emergência da literatura. a literatura como uma ordenação das letras.

É certo que hoje esta questão está ultrapassada, pois os limites da literatura à muito que ultrapassaram a questão formal. O que ainda é contudo relevante é a questão do contexto.

Em Dajbula, os contadores começam por fazer uma pergunta. Uma interrogação. Um gesto para captar a atenção. Só depois é que se seguem os contos, a narrração dos mitos. histórias fantásticas de lendas. finalmente terminam com as histórias do antepassados. Histórias verdadeiras que se passaram no espaço e no tempo.

para mais informação sobre os provérbios veja-se o Diário de Mozambike II

Provérbios e museologia social: para uma critica da imaterialidade

 “Os dias nascem da noite e nunca o contrário”