Gabu. Memórias das minhas tristes putas

181942_1824318336004_3101189_nEstamos mais solitários. Gabu partiu, deixa-nos as suas memórias. Viveu para conta-las.

Que memórias. Encontrei-o  vai para trinta anos em Manágua. Viva-se então a revolução sandinistas. À margem dos dois super poderes, acreditava-se que se construía um novo mundo. Nas  margens do lago Manágua, ouvíamos as palavras poéticas de Gabu.

Anos mais tarde, passeei em Lisboa com a sua imagem. O camarada Ricardo Machaqueiro, então na Dom quixote, organizou uma apresentação das suas memórias. “Viver para conta-las”. Inundamos Lisboa da sua imagem em tamanho real.

Bem, Lisboa talvez seja um exagero. O Bairro Alto, o coração da cidade. Gabu estava ali. Falava connosco. No final da noite foi connosco, por essa lisboa. era um de nós. contou-nos as sua memórias. Falou-nos das suas tristes putas. Até altas horas. Ontem partiu.

Ao encontro dessas memórias que eu canto.

Estou vivo para as contar. Pus ao meu filho o nome de Gabriel. Chamo-lhe Gabu….