Emic e Etic – Estilos de etnobiografia do objeto museologico I

EMIC – ETIC -Estilos de etnografia

A perspetiva intrior (Emic) e a perspetiva exterior (Etic) são termos sugeridos pelo linguista Kenneth L Pike[1] em 1954. Em “Language in Relation to a Unified Theory of the Structure of Human Behavior”. Pike criou a teoria tagmemica onde procedeu à distinção entre emic e etic. “Emic” (como em “phonemics” – fonologia) refere-se aos conhecimentos subjetivos e de signifcado. Quanto aos sons sons da língua, são considerado como “etic” (como em “phonetics”- fonética), referem-se ao estudo objetivo desses sons.

Segundo a teoria tagmemica apenas os falantes nativos duma língua dominam as descrições “êmicas”. Um falante duma outra língua apenas pode absorver a sua estrutura. Como tal apensa podem efetuar descrições éticas. A linguística, feita a partir duma abordagem ética, através da aplicação duma metodologia científica, apenas produz descrições, todas elas verificáveis e reproduzidas. Para absorver a dimensão emic é necessário uma aproximação ao interior da linguagem. Uma observação a partir do contexto.

Interessa-me esta questão por permitir estabelecer uma distinção entre as abordagens que se podem adotar em relação a um objeto museológico.

Correntes da antropologia

Comparativistas

Particularistas

Ideal das ciencias naturais Ideal das humanidades
Busca da explicação Busca da compreensão
Sintese comparativa Análise do particular
Busca de leis gerais Registo de casos unicos
Tendencia para o materialismo Tendencia para o idealismo
Abundante reflexão metodológica Atitude anti-teórica
Etnologia Etnografia
Procura traços comparáveis Procura a cultura em sí mesma
Desenvolvimento quantitativo Exaltação do qualitativo
Ênfase nas correlações impessoais Recuperação do individualismo metodológico
Formalismo Substantivismo

Relativamente ás correntes e abordagens podemos facilmente acrescentar

ETIC

EMIC

Estruturalismo e funcionalismo Culturalismo
Tendencia biologizante Tendencia psicologizante
Da parte para o todo Do todo para a parte

Estas diferentes perspetivas de abordagem perante os mesmos objetos de estudo, têm vindo a conduzir a resultados científicos distintos a conteúdos de investigação diferenciados.

Por exemplo a abordagem ETIC está tendencialmente mais ligada á antropologia biológica. Partem duma atitude mental de oposição, (pensamento binário) e procura compreender as grandes tendências do comportamento humano. Por seu lado as abordagens EMIC, ao procurarem encontrar a particularidade da cada individuo no seio da sua cultura, recolhe, simultaneamente a informação particular (do indivíduo em contexto) e informação geral. (da influencia social sobre o indivíduo). Trabalhando sobre um pensamento mais complexo, recolha muita informação qualitativa, que é difícil de trabalhar.

emic-etix2

Enquanto que a abordagem ETIC procura medir, comparar e esquematizar a realidade sem recurso à subjectividade discursiva dos indivíduos, a abordagem EMIC procura descobrir as especificidades de cada contexto em particular, recorrendo inclusivamente à interpretação dos atores sociais dos factos por eles referidos.

A museologia assume-se como uma ciência charneira entre as ciencias exactas e aquelas que até hoje são consideradas não exactas por carecerem da quantificação subjacente á definição do termo.

a museologia, através das etnobiografias assenta múltiplas plataformas teóricas e metodológicas onde cada um de nós poderá ir ao encontro quer de particularidades quer de universalidades oscilando entre todas as oposições que a própria dualidade humana implica.emic-etic1

 

 


[1] http://www-01.sil.org/klp/index.htm