O Território como espaço de dignidade

O Território é um espaço de dignidade humana. 

A ideia do não lugar, defendida por Marc Augé no seu livro “Não-lugares”, como lugares de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado,

Segundo nos diz Augé no seu livro , viemos um tempo e um espaço de super modernidade. Um tempo de excesso e abundância. Excesso de informação, excesso de espaços vividos, execesso de relações e de identidades. Esta modernidade corresponde a transformações das categorias de espaço, tempo e indivíduo.

No espaço os não-lugares, produtos desta modernidade, são de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado. Opõe-se dessa forma ao locus antropológico, definido por Mauss, do lugar como totalidade identitária. O espaço é o lugar da observação. Tudo o resto não é observável, ou pelo menos não será relevante. O lugar antropoloógico é um lugar de encontro do antropólogo. O lugar escolhido, no mundo natural, exterior onde acontecem os fenómenos observáveis. O lugar habitado tem referencias. Nomes. Identidades. É um lugar sentido e vivido. Trata-se dum espaço relacional.

Pelo contrário, os não lugares são espaços de transição. Não acontecem encontros, não são observáveis nem relevantes.

Por seu lado a categoria do tempo, nesta modernidade, caracteriza-se pelo aceleramento da informação. Há um excesso de informações. Aqui Augé distingue-se dos pós-modernistas, para quem a ideia do limite da ideia de progresso, a concretização desse progresso significaria o fim da História. Nos não lugares, enquanto espaços de transição, o tempo mostrava-se interdependente. Assim, contrapondo-se ao encolhimento do espaço, o tempo acelerava-se. A noção de mudanças climática, de concentração urbana, de consumo de recursos, de migrações acentua-se.  Uma alteração de escala que faz emergir esse não lugares como espaço de passagem, de transito.

Finalmente, contrapondo aos excessos da informação, da fragmentação do tempo e da emergência destes lugares de transição, a categoria de indivíduo também se altera. O individuo nos não lugars é um individuo em transitividade. Constitui-se como um centro.

A singularização do individuo, a rutura com as pertenças no espaço e no tempo levam ao excesso da cultura mundial, vazia na sua produção constantes de produtos novos. Com Elias quebram-se as relações de indentidade com o espaço e com o tempo. As identidades colapsam nas suas referências espacio-temporais. Os indivíduos de não lugares, são simultaneamente tudo e não são nada. Desaparecem as noções das fronteira e de pertença. O não lugar é um mundo efémero, sem memória, sem ritmo.Um lugar de excesso. São mundo suspensos, vividos no momento, sem antes e sem depois.

No fundo auge propõe estas não lugares como um novo locus da antropologia. Em oposição ao lugar relacional, da tradição, o não lugar é um locus de investigação de contradição e complexidade.

Nesse sentido, estudar o espaço enquanto excesso numa prespetiva de emancipação social será equacionar o tempo como afirmação duma oportunidade de mundaça. Olhar para o Koirés do espaço, para além do seu cronos, procurando resgatar, na sua força semântica, a sua capacidade de gerar mudança.