Museologia e Pensamento Contemporâneo

Para um novo senso-comum é uma proposta epistemológica de Boaventura Sousa Santos. Desde a publicação em 1987 do “Discurso sobre as Ciências Sociais”, posteriormente desenvolvidos na Introdução a Uma Ciência Pós-Moderna em 1989 e na “Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da Experiência”,publicado em 2000. Sousa Santos defende que o conhecimento dominante criado pela Ciência Moderna não está de acordo com o que sabemos

A crítica à epistemologia do norte é feita a partir de três contextos de crise paradigmática: O contexto do conhecimento, o contexto sociopolítico e o contexto cultural:  Esta crise do conhecimento tem vindo a ser tratado por Boaventura Sousa Santos a partir da análise crítica da relação entre sujeito que conhece sobre objeto que é conhecido através do método de observação. O autor defende que não há uma neutralidade axiológica nesta relação, uma vez que quem questiona (ou observa) determina a resposta (a observação) A ciência é comprometida e não há um conhecimento sobre o objeto que não envolva também o sujeito que conhece.

A ciência não é mais de que um modo de explicar a realidade, através de determinados procedimentos que interferem com essa mesma realidade. O conhecimento é hoje mais uma probabilidade. Uma busca dum novo senso comum com base em pergunta pertinentes.

0

Este novo senso-comum permite conceber a existência duma realidade objetiva prévia ao sujeito. Uma realidade que é anterior ao sujeito cognostente e que o estrutura. Uma realidade que não é necessariamente conhecida por esse sujeito.

Ora todos nós, como sujeitos ou como cientistas criamos modelos sobre essa realidade. Modelos que procuram estar em correspondência e em conformidade prever essa realidade. A validade do modelo, a sua verdade, advém desta verificação.

Isto implica que não exista uma verdade absoluta, nem tão pouco uma verdade incorporada no sujeito. O que se verifica é apenas a adequação do modelo à extensão da realidade analisada. Entre a realidade e o modelo verifica-se uma diferença de extensão e de qualidade. É pois possível e muito natural que se verifique uma realidade para além da que é analisada no modelo conceptual do sujeito. Um mundo transcendente.

Uma vez que a realidade é modelada por uma ação, é essa ação que, enquanto percurso, liga o conhecimento ao mundo objetivo. Uma ação que é ela própria transcendente ao ligar o sujeito ao mundo objetivo, produzindo um conhecimento da realidade que é apenas aquele que conseguimos entender.

Ora se extensão da interrogação determina a extensão da resposta a qualidade dessa interrogação determina a qualidade do conhecimento obtido. O conhecimento é apenas uma parte do real. O que se conseguiu extrair.

Esta interrogação sobre o sujeito que conhece, o objeto que se conhece e o conhecimento em si mesmo modula o pensamento contemporâneo. As interrogações sobre a unidade e a totalidade, o contínuo e o descontínuo continuam a polarizar as categorias do conhecimento.

O Tudo é parte de outro todo, o somatório dos descontínuos é um contínuo, os recetores são também emissores e o objeto é também um sujeito deixaram de se constituir como paradoxos e incorporaram a fenomenologia do conhecimento através dos sisgtemas abertos. Sistemas de níveis em que cada elemento pode ocupar diferentes posições nem diferentes sistemas.

Se a mente dum ser humano opera num destes níveis, nada impede que se a mente social seja um outro nível. Uma mente em que o conhecimento emerge como uma natureza relacional intersubjetiva.

A proposta da intersubjetividade na museologia permite articular as relações entre a unidade da mente com as interações sociais que fundamentam a partilha social de objetos qualificados.

Casa Muss-amb-ike, 29 de Maio 2013

LogoCasaMUSS2