Arquivo da categoria: Ecomuseus

Ecomuseus e inovação museológica

A questão dos ecomuseus, segundo a proposta de Hugges de Varine é um novo conceito de museus colocado em prática na década de 1970 em França.

A ideia de Ecomuseu é fazer com que a comunidade se tornem ema atores do processo museológico, intervindo nas suas diferentes fases, desde a conceção, execução, manutenção. do mesmo. Trata-se dum projeto em que o museólogo de assume como um dinamizador do desenvolvimento da comunidade.

O termos surge publicamente em 1971 em Dijon na 9ª Conferência Geral do ICOM. O termo “ecomuseu” terá sido criado por Hugues de Varine e Georges Henri Rivière, e Serge Antoine, conselheiro do presidente do Município de Dijon.

Integrado nas questões em debate sobre ecologia e os modos de ajustamento das atividades humanas ao ambiente, ecomuseu o conceito procura responder à necessária ligação do ser humano à natureza e à cultura presentes numa determinada paisagem.

Usado como instrumento de planeamento territorial em França, como forma de revitalizar paisagens em regressão demográfica, os Ecomuseus equacionam o uso do território como espaço de lazer e a manutenção dos seus diferentes patrimónios

O primeiro ecomuseu é implementado em 1971 na “Maison de l’Homme et de l’Industrie” em Creusot, o que pode ser considerado de protótipo de ecomuseu, onde a ideia era levar os visitantes a tomar iniciativa e a apropriar-se das acções do museu.

Segundo Henri Rivière, “L´Ecomussée un modele evolutic”, 1992, o conceito de ecomuseu é evolutivo e deverá acompanhar a evolução da comunidade e ajustar-se aos diferentes tempos enecessidades.

As diferentes definições do termos dadas por Riviere refletem essa mesma evolução. Em 1973, o ecomuseu caracterizava-se como um novo género de museu que tinha como base a interdisciplinaridade entre a ecologia, a dinâmica da comunidade, e o seu funcionamento orgânico.

Três anos depois, essa definição é revista, acentuando-se a “vontade de museu” como algo que inrrompe num determinado local, que se implante, constituindo un núcleo primário que vai criando alianças com grupos preexistente que produzem uma relação entre a comunidade e o meio ambiente, no tempo e no espaço. Estes grupos são elementos secundários do museu, mas asseguram a participação do agente chave.

Em 1980, o ecomuseu surge como um instrumento dos indivíduos na tranformação da natureza. Um local e um espaço de intervenção duma dada comunidade no territério e no seu tempo.

Trata-se portando dum local onde se mobilizam as vontades de agir, para proteger uma determinada memória e património, que parte da mobilização dos membros duma dada comunidade.

Com o tempo o termo foi sendo usado por diferentes agtores, nem sempre conhcedores do seu significado e objetivos.

De qualquer forma, como acentua Desvallés, o ecomuseu corresponde a uma nova forma de pensar e fazer a museologia, onde o espaço é o território, o publico é a comunidade que serve, e onde emergem novos objetos

Em Portugal a implantação do eco museu surse após a revolução de 1974. É um assunto que tratamos em A Miséria da Museologia em Portugal

No brasil a ideia tem também desenvolvimentos que em breve detalharemos. Para já fica aqui aligação para um caso interessante  – Eco museu Negra Vilma .