Arquivo da categoria: Lectures / Readings

A memória sou eu por Edgar Morin

Textos da entrevista de Edgar Morin sobre  a Memória.

Podse ser visto em  Edgar Morin

A memória sou eu. É como uma alma. Se perdermos a memória ficamos como um vegetal. Não temos mais alma. Mesmo do ponto de vista dum crente, não acredito que se possa conceber o inferno sem memória. A punição no inferno é recordar, de forma contínua, o mal que se fez. Nós somos as nossas memórias.

Com o passar dos anos, lembramo-nos das nossas memórias antigas. Lembramo-nos de coisas da infância que havíamos esquecido. A memória cresce com o tempo. Uma criança de seis meses não tem memória.

A memória vai-se adaptando com o tempo. Muda, reconfigura-se. Um grupo conservador, apropria-se das memórias que lhe são incómodas e reconfigurara-as. Um grupo revolucionário tende a criar novas memórias. A esquecer as velhas memórias a começar de novo.

A memória coletiva é a identidade coletiva.

Nós somos a nossa memória. Partilhamos memórias significativas que criam a identidade coletiva. Não nos podemos pensar como europeus se não conseguirmos criar a nossa memória coletiva. De criar a nossa identidade europeia.

Há uma relação entre a memória coletiva e a leitura. As bibliotecas são depositárias da nossa memória coletiva. A conservação e a difusão. A identidade e a biblioteca estão ligadas. O livro atravessa a história antiga da Europa. A biblioteca de Alexandria e o Museu. A Ideia da continuidade da memória.

A biblioteca é na verdade símbolo da continuidade de uma memória coletiva. Dante Alighieri, quando escreve a última parte da Divina Comédia, no livro sobre o Paraíso. Como é que descreve a imagem de Deus. “Num simples volume esconde-se a ideia do universo.” Veja-se apresenta a ideia de Deus como a biblioteca das bibliotecas.

II

A atualidade da memória hoje, está bem expressa no trabalho de Issac Assimov nos anos 50, escritor de ficção científica, que imaginou uma sociedade dominada pelos computadores. Num período de guerra, os computadores ficam todos bloqueados. Então os serviços secretos foram á procura da única pessoas no mundo que tinha memória. Que sabia fazer contas da tabuada. Foi capturado pelo Pentágono, pois só ele podia continuar a guerra. Era um texto profético, porque hoje, habitados que estamos às máquinas de cálculo, já não sabemos matemática. Issa acaba por atrofiar a memória das jovens gerações. Por exemplo, os meus alunos já não tem memória do que foi dito à trinta minutos atrás, se não tiverem tomado notas.

A memória semântica guarda a ideia que temos do universo. A memória episódica, a memória que guarda a nossa vida pessoal. Se mudamos de casa, matemos a memória semântica e perdemos a memória de curto prazo. Nós temos uma ideia de quem é napoleão, mas não sabemos nada sobre quem foi a sua mãe. Na verdade, o nosso cérbero perde mais facilmente a memória episódica do que a memória semântica. A memória provada perde-se mais facilmente do que a memória pública. Essa é a ideia do livro de Assimov. A deu que é possível .reconstruir ou manter a memória provada, através da memória pública.

Essa é a história do meu livro, “a misteriosa chama da Rainha Loana”, onde um ancião, afetado por um AVC, emerge da inconsciência, lembrando-se da história da humanidade, mas esquecendo-se da sua história pessoal. Nesse sentido é um livro anti Prust, onde redescobre a sua memória através dos objetos externos.

No somos feitos de tempo e vivemos no tempo. Já não sabemos definir exatamente o que é o tempo. Somo como um atleta, que para dar um salto em frente, tem sempre que ganhar balanço num passo para trás.

São os três êxtases da temporalidade segundo Heidegger: passado, presente e futuro. Mas como falava Santo Agostinho, sem memória não temos “anima”. O passado, o Dassein, é uma consciência (uma luminosidade), o presente, o Há –mão (zuhandenheit) e o Está-Aí (Vorhendenheit ). Sem “anima2 não há futuro.

III

Nós somos como anões nas costas de um gigante. É um texto que é famoso pelas palavra de a Issac Newton, mas que é, provavelmente muito mais antigo –Bernardo de Chatres 1139 – (nanos gigantum humeris insidentes). Essa é uma expressão medieval. A Idade Média é normalmente vista como uma época sem inovações. Um tempo em que a verdade é feita por revelações e meditação. No entanto, com o tempo fomos vendo que há muitas inovações.

E depois há esta frase hipócrita, de que nos ombros de gigantes, nós anões vemos mais longe. Isto quer dizer, que veneramos com respeito tudo o que é memória passada. Mas, podemos acrescentar qualquer coisa. Os nosso pais, quando terminarem o que têm para contar, começa o tempo em que nós temos que contar qualquer coisas.

Eu lembro-me do meu pai a ler a minha dissertação. Estava cheia de citações latinas e ele não sabia lati, Mas leu até ao fim. Era sobre São Tomás de Aquino, um tema de que ele não sabia nada. Pos no fim deixou de me contar histórias dele e passou a contar histórias de mim.

As listagens sempre me fascinaram. Listas de qualquer coisa são memórias. As listas são formas de recolher todo o saber sobre qualquer coisa, sem ser obrigado a organiza-lo.

O primeiro catálogo começa com a listagem dos navios na Ilíada de Homero.O poeta começa por descrever a extensão e grandiosidade do exército grego.O que é que está a fazer é um elenco. Uma lista ou inventário dos Navios.

Com o envelhecimento, se não há nenhum problema de alzheimer, a memória cresce. Quando somos mais velhos, recordamo-nos de coisas da nossa infância, que antes não recordávamos. Cresce o património da nossa memória. Aparecem recordações da invância, que antes não recordávamos.

Uma das coisas mais interessantes que me aconteceu, é que quando er pequeno, não falava em dialeto. Os meus pais falavam comigo em Italiano. Eu nunca falava em dialeto. Apesar disso, vivia num ambiente onde se falava dialeto e eu compreendia bem esse dialeto. Mas não falava. Agora, falo bem o dialeto. Veio à superfície. Assim acontece com a memória. Recordo-me hoje de muitas coisas da minha infância e juventude. Quando morrer recordar-me-ei de tudo.

 

Qual é a relação entre a humanidade e a herança cultural na teoria das causalidade. A arte só existe se é usada. Qualquer obstáculo é a regra dos princípios da

 

A propósito dos significados de “memória” e de “esquecimento”

Paolo Rossi

Na tradição filosófica, e também no modo de pensar comum, a memória parece referir-se a uma persistência, uma realidade de alguma forma intacta e contínua; a reminiscência (ou anamnese ou reevocação), pelo contrário, remete à capacidade de recuperar algo que se possuía antes e que foi esquecido.

Segundo Aristóteles, a memória precede cronologicamente a reminiscência e pertence à mesma parte da alma que a imaginação: é uma coleção ou seleção de imagens com o acréscimo de uma referência temporal.

A reevocação não é algo passivo, mas a recuperação de um conhecimento ou sensação anteriormente experimentada. Volta a lembrar implica um esforço deliberado da mente; é uma espécie de escavação ou de busca voluntária entre os conteúdos da alma: quem rememora ‘fixa por ilação o que antes viu, ouviu ou experimentou e isso, em substância, é uma espécie de pesquisa; diz respeito somente a quem possui capacidade deliberativa, porque deliberar também é uma forma de ilação’ (De memória et reminiscentia, 453ª).

A memória é de homens e animais, a reminiscência é só humana. Como dirá Tomás de Aquino, ‘o homem não possui, como os outros animais, apenas a memória, que consiste na lembrança imprevista do passado, mas também a reminiscência, que é quase fazer silogismos buscando a lembrança do passado’ (Tomás de Aquino, Summa Theologica I, Q 78, 4)”.

 

Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação de Enrique Dussel

Vai para alguns meses que tratamos as infliencias da Filosofia da Libertação. Agora chamamos a atenção para o artifo “Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação ” do  professor Enrique Dussel é professor Professor da Universidad Autónoma Metropolitana-Iztapalapa (UAM-Iz- -México) e da Universidad Nacional Autónoma de Mexico (Unam).

Ao reconhecer uma nova localização das culturas periféricas na história mundial, bem como partindo de uma concepção não monolítica e não substancialista de cultura, este artigo localiza, por um lado, a Europa na história mundial e propõe, por outro, um diálogo intercultural simétrico entre críticos das culturas ditas periféricas. Essas culturas periféricas foram colonizadas, excluídas, desprezadas, negadas e ignoradas pela Modernidade eurocentrada, porém, não foram eliminadas. O desafio que se coloca é o de estabelecer um diálogo transmoderno e simétrico entre essas culturas – tratadas como exterioridades da Modernidade – a fim de responder de outros lugares os desafios da Modernidade e pós-modernidade europeia.”

A Declaração do Funchal e os amigos dos Museus

Numa tradução pouco feliz  do Inglês “Museus : Lugares Sociais Emblemáticos” (Museums: Social Landmarks), a Declaração do Funchal aqui disponibilizada no passado dia 3 pelo ICOM Europa, tem sido aqui referida várias vezes.

Compartilho muitas delas, embora me parece que a declaração apresenta várias confusões entre a globalização e a Europa.  para simplificar, tem por vezes, uma visão sobre os museus eurocêntrica.

Sem menosprezar o contributo que se procura dar ( os seis pontos declarativos: mais financiamento para os museus; uma avaliação mais rigorosa das externalidades geradas pelos museus nas comunidades; a necessidade duma educação patrimonial ; a necessidade de melhorar os níveis de participação das comunidade; uma maior atenção à inclusão social; e novas política públicas para os museus com melhor uso dos serviços, recursos e e das novas tecnologias), há um conjunto de questões que vale a pena ter em atenção nesta declaração.

  1. Em primeiro lugar, as dinâmicas de criação de novos museus êm sido registadas fora da Europa. Há cabeça a China e o mundo Chinês, que como se viu no encontro de Pequim está com uma grande vitalidade.  E também necessário nãs esquecer o caso americano, sobretudo a sul, e a crescente afirmação dos museus africanos, embora esta última muito tímida.
  2. A questão tem interesse se fizermos um exercício de pensarmos, por exemplo, no caso de Portugal , onde é que estão os museus criados nos últimos 10 anos que tenham estas dinâmicas. Terá o Museu dos Coches e o MAT essas valências. Terão sido implementadas na rede de museus. No que sei, e com os limites que tenho, o museu não é em Portugal um fenómeno social dinâmico.
  3. A crise económica sentida, foi sobretudo uma crise económica europeia. Se quisermos ser mais rigorosos uma crise das economias periféricas da Europa. Isso justifica o marasmo onde caíram os museus da regiões em crise e a dinâmicas dos museus em espaços geo-económicos em crescimento.

Ora numa relação muito sumária destas questões, se associarmos dinâmica museal à dinâmica económica, projetada que está a estagnação da Europa, não será de prever que o investimento público nos museus (e na cultura) não deverá ser mutio superior ao que já é.

O que nos deixa a todos na condição de fazer mais e melhor com os mesmos recursos ou com  a capacidade de ir buscar mais recursos.

Eu não sei se isso implica um novo paradigma na relação entre os museus e património com defende o Pedro Cardoso Pereira (na sua mensagem 18698). Mas obriga-nos certamente a procurar novos “Social Landmarks” para os museus, ou “referencias sociais” para os museus.  Referencias socais que implicam certamente discutir as questões do poder e da diversidade na sociedade.

Ou seja, esta declaração, sendo uma intenção de futuro para os museus, transporta os dilemas do tempo contemporâneo.

Mas, e isto é o mais relevante e interessante nesta declaração é que ela é assinada pelo ICOM Europe e  pela Federação Mundial dos Amigos dos Museus. Uma questão a que voltaremos em breve.

A propósito do Jardim da Estrela – Percursos patrimoniais

In Aldraba  abril 2018

  1. O objeto social da ALDRABA – Associação do Espaço e Património Popular centra-se, estatutariamente, na “preservaçãoe nadivulgação do património popular”, entendendo-se como tal a “abordagem integrada de objetos, práticas, factos e vivências, privilegiando a valorização dos testemunhos humanos e recorrendo às adequadas disciplinas da especialidade” (n.º 2 do art.º 2.º dos nossos Estatutos).

 

O conceito de quais são os “objetos” que interessam para o património popular não é pacífico, pelo que viémos a defini-lo como “os instrumentos, objetos, artefactos e espaços associados que, em Portugal, as comunidades, os grupos e os indivíduos reconhecem como fazendo parte integrante do seu património”. Quanto ao conceito das “práticas” relevantes para o património popular, explicitámo-lo como sendo “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e aptidões que, em Portugal, as comunidades, os grupos e os indivíduos reconhecem como fazendo parte integrante do seu património”.

Temos, pois, um sentido muito amplo para o património popular de que a ALDRABA se ocupa…

A natureza, o meio físico, os elementos biológicos e minerais, fazem ou não parte do “nosso” património popular?

Claro que sim, e daí as múltiplas abordagens que temos vindo a fazer acerca da realidade natural do nosso país, de que destacamos, designadamente, o que escrevemos no n.º 22 da revista, em outubro de 2017, sobre a tragédia do património florestal português. E, antes disso, o que escrevemos em junho de 2007, no n.º 3, sobre o bacalhau, em dezembro de 2007, no n.º 4, sobre o mar como património, em abril de 2012, no n.º 11, sobre a cal artesanal, em outubro de 2015, no n.º 18, sobre a região de Sistelo, e em abril de 2017, no n.º 21, sobre a região do Douro.

  1. Em dezembro de 2008, um trabalho de José Narciso, no n.º 6 da revista “ALDRABA”, tratou pela primeira vez do tema “O Jardim da Estrela”.

Aí se evidenciou que este espaço ajardinado de Lisboa, inaugurado em 3 de abril de 1852, inicialmente designado por Passeio da Estrela e mais tarde por Jardim Guerra Junqueiro, foi desde sempre um local privilegiado de lazer da população lisboeta, cujas riquezas se descreveram amplamente na nossa revista.

No passado dia 17 de fevereiro de 2018, por ocasião da 7ª Rota da ALDRABA – “Pela Estrela com o poeta João de Deus”, a nossa Associação voltou agora a evocar o Jardim da Estrela, que foi visitado durante a “Rota” pelos  participantes naquela atividade.

Recordámos que o jardim foi criado no século XIX, em frente à Basílica da Estrela, em Lisboa, nuns terrenos de António José Rodrigues, sendo a iniciativa da sua construção devida a António Bernardo da Costa Cabral, com o apoio de D. Maria II, Manuel José de Oliveira e de um donativo de quatro mil réis de um português do Brasil, Joaquim Manuel Monteiro.

Segundo a saborosa descrição da escritora Alice Vieira (in “Esta Lisboa”, 1993), em abril de 1852 as enchentes foram tantas que, às cinco horas já custa a andar, às cinco e meia já ninguém anda, e às seis andam uns pelos pés dos outros… E sublinha Alice Vieira que “jardins públicos era um tesouro que a cidade só muito tardiamente recebeu (…) Jardins de palácio, cercas de conventos, tapadas, matas, eram muitos. Mas, jardins que a todos pertencessem, e onde todos tivessem o direito de respirar, muito poucos havia”.

Na segunda metade do século XIX, o Passeio da Estrela esteve na moda e na altura possuía elementos que já não existem, como estufas, quiosques e um pavilhão chinês. Nos anos 70 do século XIX, existiu mesmo um leão na sua jaula, que havia sido doado por Paiva Raposo, vulgarmente conhecido por Leão da Estrela, que estava instalada num pavilhão próximo da entrada da Avenida Pedro Álvares Cabral.

Ao longo do século XX, o Jardim da Estrela continuou a ser um dos jardins públicos lisboetas mais concorridos, sendo de destacar a apropriação que a população fez desse seu espaço. A título de exemplo, quando em 1939 – em pleno regime autoritário fascista – as autoridades desenvolveram um projeto de “modernização” que levaria ao prolongamento da Av. Álvares Cabral até ao Largo da Estrela, rasgando o jardim, a contestação foi tão generalizada que o projeto foi abandonado…

Na nossa 7ª Rota, detivémo-nos junto à estátua de João de Deus, agora existente dentro do Jardim. E evocámos aí os poetas que têm celebrado o Jardim da Estrela, entre os quais António Gedeão (o Rómulo de Carvalho, professor de Química do Liceu Pedro Nunes, ali bem em frente), que escreveu: “(…) E também gostei muito do Jardim da Estrela / com os velhos sentados nos bancos ao sol / e a mãe da pequenita a aconchegá-la no carrinho / e a adormecê-la / e as meninas a correrem atrás das pombas / e os meninos a jogarem ao futebol. / À porta do Jardim, no inverno, ao entardecer / à hora em que as árvores começam a tomar / formas estranhas, / gostei muito de ver / erguer-se a névoa azul do fumo das castanhas”.

  1. AALDRABA também assume como tarefa sua a preservação e a divulgação do património natural português, ao mesmo nível dos objetos e das práticas que integram o nosso património popular.

O Jardim da Estrela em Lisboa foi um excelente teste a esta nossa disposição e a este nosso propósito.

A melhor forma de o reafirmarmos é transcrever aqui a última estrofe do poema do António Gedeão acima citado:

Triste de quem não tem,

na hora que se esfuma,

saudades de ninguém

nem de coisa nenhuma.

José Alberto Franco

Vontade de Museu e o orçamento participativo de Lisboa

Apesar de ter pouco tempo para a escrita nesta listas, tenho vindo a acompanhar os debates sobre a proposta do Museu da Interculturalidade em Lisboa, na sua ligação com a iniciativa do orçamento participativo de Lisboa.

Não resulta claro  nesta discussão se a proposta de Matilde de Sousa Franco para o Museu da Interculturalidade e a proposta do Memorial da Escravatura (projeto p 126 vencedor no orçamento participativo de Lisboa) é sobre a mesma questão.

Tenho ideia que Matilde de Sousa Franco, tem desde sempre vindo a defender a ideia do tal museu da interculturalidade ou da celebração do “encontro de culturas” tal como a elite intelectual portuguesa gosta de se referir à tragédia colonial e pós-colonial portuguesa, procura, como sempre tem vindo a fazer, reunir apoios e influencias para um projeto que é digamos assim “designio de vida”.

Já o Memoria da Escravatura, no orçamento participativo, resulta duma iniciativa da sociedade civíl, nesta caso da “afro-descendentes” que se mobilizou.

Ora entre os dois processos há uma distância epistemológica que vale a pena registar.

No primeiro caso, o do Museu, não é mais do que uma vontade duma elite intelectual, ainda que celebrada, por narrativas simbólicas e legitimada por influentes lideres de opinião, entre os quais o peso pesado António Guterres.

O segundo caso, o do memorial da escravatura, é também uma vontade duma elite de afro descendentes, que confronta a narrativa elitista, procurando impor uma outra narrativa, da diversidade do presente.

Para além da diferença epistémica, que poderia ser uma razão para dialogar e avançar conjuntamente, e da diferença de  legitimidade que  as duas propostas transportam, a do orçamento participativo, por via do paradigma da democracia participativa, e a do orçamento da CML, por via da legitimidade do paradigma representativo, há ainda uma terceira questão que valeria a pena discutir. A da vontade de museu.

A vontade de museu é essa expressão duma comunidade que escolhe uma maneira de se representar. Nesta questão, a vontade de museu não só é na sua forma divergente, como no plano dos conteúdos também o é.

E temos como exemplo, para refletir, a trágica  situação do museu da escravatura em Lagos, a cidade dos Descobrimentos, como se gosta de proclamar. Vai para dez anos que na lixeira da cidade foram resgatados esqueletos dos escravos descritos por Zurara, nos idos de quatrocentos. Caso único na Europa e no Mundo. Esses escravos estão esquecidos em Coimbra, sem que os tais intelectuais de hoje lhe tenham reconhecido valor. Os mesmo intelctuais que montaram uma deplorável exposição com objetos africanos (recolhidos nas coleções locais), confundindo escravatura e africanos, como os seus (nossos) antepassadaos confundiram a humanidade com a mercadoria.

Estará a dupla Raposo e Franco conscientes do desafio de criar uma narrativa da “diversidade” . A partir de onde, com que e com quem

Museu da  Interculturalidade de Origem Portuguesa, e não Museu das Descobertas

Museu  da  Interculturalidade de Origem Portuguesa, e não Museu das Descobertas por Matilde Sousa Franco

24/3/2018, in Observador

Há quase quatro décadas que defendo a criação deste museu no nosso país que foi autor não só da primeira Globalização como, no séc. XXI, continua a destacar-se como “pioneiro” no diálogo intercultural

  1. 2018 – É tempo de nos reconciliarmos com o passado, a favor da inclusão, do diálogo, da solidariedade, da paz

1.1. Em 2018, finalmente, há uma constelação propiciadora da criação em Portugal do que chamo Museu  da  Interculturalidade de Origem Portuguesa, promotor dos quatro fundamentais objectivos que indico neste subtítulo, de acordo com  projecto que defendo e actualizo desde há quase quatro décadas.

1.2. De facto, só nos  meses de Fevereiro e Março deste ano houve as seguintes quatro declarações oficiais de suma importância e totalmente de acordo com este meu projecto museológico  do Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, as declarações, que seguidamente transcrevo, do Presidente da República, do Secretário-Geral da ONU, do Coordenador Nacional do Ano Europeu do Património Cultural e da Directora- Geral do Património Cultural, Ministério da Cultura:

“Portugal assume a sua história em tudo aquilo que tem de bom e de mau”, afirmou o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, durante a visita oficial a São Tomé e Príncipe, em 21 de Fevereiro de 2018, quando prestou homenagem a vítimas do colonialismo, e foi recebido de forma entusiástica.

Em 16/3/2018, o Secretário-Geral da ONU António Guterres disse que “diversidade é uma fonte de riqueza … (mas) só por si não garante a harmonia de uma sociedade”…”para que haja   efectivo pluralismo e uma coesão “tem de  haver “um grande investimento “envolvendo governos, autarquias, líderes religiosos e sociedade civil” … “o investimento realizado tem de ser continuado, e com grande persistência.” Estas declarações do Secretário-Geral da ONU foram proferidas na Mesquita de Lisboa, quando o Presidente da República  Marcelo Rebelo de Sousa condecorou a Comunidade Islâmica de Lisboa, numa cerimónia em que se assinalaram os seus 50 anos (esta foi a 1ª Comunidade Islâmica na  Península  Ibérica após a retirada dos árabes). Estiveram presentes todos os Presidentes da República de Portugal, o Presidente da Assembleia da República, o Cardeal Patriarca de Lisboa, o Imã da Universidade de Al Azhar (Cairo) e muitas outras personalidades (jornal online “Observador” 16/3/2018).

Neste Ano Europeu do Património Cultural, o Coordenador Nacional Guilherme d`Oliveira Martins, em artigo publicado no “Expresso” de 10/2/2018, apelou a que: não haja “multiplicação de iniciativas avulsas, fugazes e sem consequência”, se  incentivem visitas a lugares com valor patrimonial, se garanta ligação à criação contemporânea, se ajude a tomar medidas contra a especulação urbana e imobiliária, envolvendo escolas e sociedade civil.

Dias depois, também pela comunicação social, o Ministério da Cultura, através da arquitecta e directora-geral do Património Cultural Paula Silva, especificou  que quer a programação deste ano dedicado ao Património “o mais nacional possível, para que seja sentida por todos” (“Expresso” 24/2/2018).

1.3. Lembre-se ainda que em 2018 se completam: 600 anos da descoberta da ilha de Porto Santo (e em 2019 da ilha da Madeira), as quais nos lançaram a mais descobertas marítimas; 530 anos da passagem do Oceano Atlântico para o Oceano Índico, a passagem do Cabo da Boa Esperança, por Bartolomeu Dias, e se completam 520 anos da descoberta do caminho marítimo para a Índia, por Vasco da Gama, números redondos que nos compelem na urgência de melhor lembrar estes feitos que nos abriram novos mundos.

1.4. Penso que um projecto museológico que se procura concretizar adequando-o a todos estes quesitos e pode ser extremamente mobilizador a nível da Europa e do Mundo, é o do Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, a partir de Portugal.

De facto, o país foi autor não só da primeira Globalização, mas no séc. XXI continua a destacar-se por ser “pioneiro” no diálogo intercultural, como ainda foi acentuado, em 16/3/2018, na mencionada e significativa cerimónia realizada na Mesquita de Lisboa.

Tal projecto tem a máxima preocupação em se adequar às ansiadas modernas “formas (eco)comunitárias de ser museu”, na feliz síntese de Luís Raposo, brilhante ex-director do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, e actual presidente do Conselho Internacional de Museus – ICOM Europa, num texto “Sobre novos museus e nova museologia”, de 4/1/2018. Peço licença para exprimir o gosto que sempre tive em projectos sociais, o que me fez ser considerada por especialistas, pelo meu trabalho enquanto directora do Museu Nacional de Machado de Castro, em Coimbra (1980-1984), uma das pioneiras da Museologia Social.

Para os não especialistas em museus, devo lembrar que o Conselho Internacional dos Museus – ICOM, a maior organização internacional do sector, é dedicada à preservação e divulgação do património natural e cultural mundial, do presente e do futuro, tangível e intangível, tem relações formais com a UNESCO, e esta tem por objectivo máximo a Paz. O ICOM tem estatuto consultivo no Conselho Económico e Social das Nações Unidas.

1.5. Coincidindo com os mencionados pressupostos e objectivos pacifistas, é útil citar dois escritores:

António Sérgio (1883-1969), que foi considerado por Fernando Piteira Santos (“Jornal de Letras” 26/4/1983) “o maior pensador português”, e por Eduardo Lourenço (Revista “Pública” do Jornal “Público” 25/5/2003) “o maior pensador português do séc. XX”, observa no texto de 1938 “Para a Definição da Aspiração Comum dos Povos-Luso-Descendentes. (A propósito de uma conferência de Gilberto Freire)”, inserto no vol. VI dos “Ensaios”, Editorial Inquérito Limitada, Lisboa, 1946, pp. 205-222 “Qual a característica essencial e básica da cultura dos Luso-descendentes? … Uma das primeiras … plasticidade de espírito dos portugueses, que os torna adaptáveis ao costume alheio, facilmente comunicativos com os outros povos”… (em quase todos os pontos) tenderei a concordar com Gilberto Freire; e no entanto (porque não confessá-lo) não deixo de sentir ante o seu reparo uma sombra de dúvida ou de perplexidade, um não sei que travo de insatisfação…”

António Valdemar, no artigo intitulado “Portugal por dentro” (“Diário de Notícias”, 11/4/1999) a propósito da diáspora portuguesa: “Perdura um sentimento de solidariedade humana, para com indivíduos radicados nas mais diferentes partes do mundo. Depara-se a componente afectiva, a cordialidade e simpatia, que levou Gilberto Freyre a afirmar que “depois de Cristo, ninguém contribuiu mais do que o português para a fraternidade dos povos”.

Anote-se que, depois da revolução do 25 de Abril, quando naturalmente se repensava a identidade portuguesa, muitos passaram a ostracizar o referido Gilberto Freyre e o luso-tropicalismo, devido à sua alegada identificação com o Estado Novo e políticas de Direita, mas por exemplo são claramente de Esquerda os mencionados António Sérgio, que falecido antes da revolução foi perseguido, preso e exilado durante a ditadura, e António Valdemar, que felizmente ainda está vivo, e se conta entre os que já tiveram a ousadia de enfrentar essa corrente. Recordo que o Fado, desde o 25 de Abril e em simultâneo inflamadamente também por muitos, identificado com o Estado Novo, é desde 2011 Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, por iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa …

Ainda a propósito da UNESCO e de Gilberto Freyre, lembro o essencial conjunto de modernos estudos contidos em “Luso-Tropicalismo, uma Teoria Social em Questão”, Org. de Adriano Moreira e José Carlos Venâncio, Vega Editora, Lisboa, 2000. Apesar das restrições de espaço, devo fazer citações de dois desses autores:

Adriano Moreira, em “Revisitar Gilberto Freyre”: “… Trata-se antes de um critério que parece antecipar a perspectiva que levou a UNESCO a organizar uma História da Humanidade, em busca do património comum do género humano, habitante da casa comum que é a terra. Não teria qualquer fundamento admitir que a perspectiva gilbertiana está isenta de aperfeiçoamento crítico, e até eventualmente de abandono justificado pela formulação de um ponto de vista abrangente dos conhecimentos alargados que vamos obtendo. … é evidentemente oportuno revisitar Gilberto e o luso-tropicalismo, reconhecer o muito de antecipação do seu pensamento, procurar apoio na actualidade dos seus conceitos, designadamente servir a paz a partir da conclusão de que as emergências são um resultado superador e positivo dos custos, conflitos, amarguras, em que se traduz o passivo de todas as acções colonizadoras do passado, penhor das reconciliações exigidas para o acomodamento de todas as memórias, impostas pela mundialização das dependências e interdependências, base de um globalismo que finalmente evite a concretização dos pessimismos polemológicos. … O património complexo da brasilidade, onde somam as contribuições ameríndias, africanas, japonesas, alemãs, italianas, não tem a mesma composição do património angolano, ou do património moçambicano, ou do património timorense, este o único lugar do Pacífico onde concorrem as variáveis estruturais que deram identidade a cada um dos Estados de língua oficial portuguesa. Daqui a real dispersão de solidariedades que atraem cada um dos países para grandes espaços intermediários do globalismo, o Brasil para o Mercosul, Angola para a África Austral, a Guiné para a área do franco, Moçambique para a Comunidade Britânica, Portugal para a União Europeia, para a NATO, para o Conselho da Europa. Prever que os conceitos estratégicos respectivos possam não ser harmonizáveis não exige grande análise, mas reconhecer que a solidariedade horizontal que a realidade luso-tropical representa é um exemplo das contribuições para uma nova ordem mundial pacífica e cooperante não exige mais do que acolher a evidência.”

Rui Manuel Loureiro, em “O Luso-Tropicalismo em Contexto Asiático (Século XVI)”: “… Concluiria esta exposição com uma citação que revela bem a actualidade candente do luso-tropicalismo. “De um ponto de vista actual, a mais impressionante conquista dos portugueses terá sido talvez o seu frequente e rápido sucesso em estabelecer relacionamentos mutuamente satisfatórios com muitos e variados povos encontrados nos caminhos para o Extremo Oriente. Perguntar como alcançaram eles esta proeza, é sondar os mistérios da mentalidade portuguesa. É óbvio que os portugueses eram claramente superiores aos espanhóis, e incomparavelmente superiores aos holandeses e aos ingleses, na sua capacidade de responderem de forma despreconceituada e apropriada às influências de culturas estranhas.” Tratar-se-á de uma citação de Gilberto Freyre ou de algum dos seus discípulos portugueses ? De forma alguma. O autor desta citação é Urs Bitterli (1989: 68), um historiador suíço que é actualmente um dos mais conceituados estudiosos dos fenómenos de contactos culturais”. (O autor indica, na Referência Bibliográfica: BITTERLI, Urs, 1989, “Cultures in Conflict”, Stanford).

1.6. A “componente afectiva, a cordialidade e simpatia” dos portugueses, tão bem enfatizadas por António Valdemar, continuam agora a ser apreciadas e destacadas também pelos estrangeiros que vivem entre nós, pelos milhares de turistas que agora nos descobrem.

Tal coincide, por exemplo também, com as declarações feitas há dias por Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal: “Portugal sempre foi conhecido como um país inclusivo, que sabe acolher, receber e tratar bem quem nos visita” (entrevista à revista “Visão” (1/3/2018)”.

Estas são cativantes qualidades dos portugueses não só do passado, mas deste presente hipermoderno, humanizando-o, tornando-o mais feliz.

1.7. Em recentíssimo análise de Eduardo Lourenço intitulada “O que são os portugueses hoje”, escreve a revista “Visão” (22/3/2018): “Para o maior pensador português vivo a explicação do que somos reside, em grande medida, naquilo que fomos no passado … somos europeus, americanos, pequeninos e eternos marinheiros”. Afirma Eduardo Lourenço: “o extraordinário na aventura foi esse contraste entre o que nós realmente somos enquanto país (pequeno, não muito rico …) e o nosso imaginário de gente que sai daqui e que vai à descoberta de novos mundos. Não haverá muitos povos com esta espécie de décalage entre aquilo que são e as utopias que nascem dessa consciência … A Europa só se pensa em termos mundiais e não esqueçamos que foi connosco que ela, pela primeira vez, se pensou desse modo. Cometemos uma proeza sem repetição. Somos o que somos porque fomos os primeiros a levar a Europa para fora da Europa”.

1.8. Há a maior urgência mundial em que se fomente a paz, mas em espírito oposto também à referida “harmonia da sociedade”, na expressão usada por António Guterres ainda em 16/3/2018, fomos surpreendidos no dia seguinte com notícias de iniciativas municipais, através do “Expresso” (17/3/2018), com o título: “Memorial da escravatura reabre feridas. Monumento será em Lisboa. Associação de afrodescendentes rejeita integrá-lo no museu das Descobertas”.

A Câmara Municipal de Lisboa pelos vistos tem meios e resolveu avançar agora com a criação de um Museu das Descobertas, num louvável mas pouco prudente dinamismo, e como se verifica na notícia do semanário a iniciativa é já altamente discutível e polémica, como aliás era expectável.

A notícia, que ocupa toda uma página do jornal, informa que o monumento foi um dos projectos escolhidos no âmbito do Orçamento Participativo de Lisboa 2017/2018 e foi proposto por uma associação de afrodescendentes.

O jornal cita, por exemplo, as opiniões de:

Catarina Vaz Pinto, Vereadora da Cultura da C.M.L. “O memorial deve ser um local de reconhecimento e de homenagem, mas também de reflexão e de educação para a cidadania e para os direitos humanos.”;

Beatriz Dias, presidente da DJASS – Associação de Afrodescendentes “Para combater o racismo é preciso criar estruturas simbólicas, e era muito claro para nós a necessidade de criar um monumento contra a celebração das Descobertas”;

Ângela Xavier “Considero a construção do memorial absolutamente prioritária, como sendo a primeira etapa para um projecto de maior alcance que pode convergir num Museu da Escravatura”;

Ricardo Roque “ seria importante que ao memorial estivesse associada uma dimensão museológica”, mas sublinha que “a designação Descobertas/Descobrimentos corre o risco de evocar uma visão estrita, eurocêntrica e ideológica da história ao longo do império português, que não corresponde aos atuais estudos críticos e históricos sobre este complexo fenómeno”;

João Pedro Marques “A ideia de celebrar a abolição da escravatura e a correlativa resistência dos povos escravizados é em boa medida ficcional e distorcida porque na época do abolicionismo não houve nas colónias portuguesas em África revoltas contra a escravatura”… este historiador defende que o ideal seria a criação de um Museu dos Descobrimentos, e aí “reservar-se-ia uma sala, ala ou o espaço que se entendesse para a evocação museológica da escravatura”.

O “Expresso” especifica: “O programa eleitoral de Fernando Medina defende, contudo, que o Museu das Descobertas seja uma estrutura que “inclua alguns espaços/museus já existentes e outros a criar de novo, e que promova a reflexão sobre aquele período histórico nas suas múltiplas abordagens de natureza económica, científica, cultural, nos seus aspetos mais e menos positivos, incluindo um núcleo dedicado à temática da escravatura”. Não se percebe se por núcleo, a câmara se refere ao memorial, a uma sala do museu ou a algo mais ambicioso. O memorial da escravatura recebeu mais de mil votos e, depois de aprovado, foram-lhe atribuídos cem mil euros para a concretização…”

Para procurar ajudar a resolver esta conflituosa e melindrosa situação em Lisboa, procuro ver o que há de positivo e constato que: a CML tem felizmente meios financeiros para um novo museu de grande envergadura, como é o caso de um Museu dos Descobrimentos; a Vereadora da Cultura Catarina Vaz Pinto, que é uma humanista, considera essenciais as componentes de educação para a cidadania e para os direitos humanos, o que coincide com os objectivos do Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa; João Pedro Marques defende que a “evocação museológica da escravatura” devia constar num espaço do Museu dos Descobrimentos; como Ricardo Roque muito bem notou, como seria expectável e justifico, um Museu das Descobertas assim concebido gera fundos ódios, viva controvérsia e está ultrapassado.

Convergem com o Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa as essenciais componentes pretendidas pela Vereadora da Cultura Catarina Vaz Pinto, e pelos historiadores indicados no parágrafo anterior.

Sublinhe-se que o Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa é também solução para sarar as referidas feridas reabertas, as quais correm o risco de causar temíveis gangrenas se não as tratarmos de imediato, com sabedoria e diplomacia.

1.9. Assim, para corresponder ao apelo lançado em 16/3/2018 por António Guterres “tem de haver um grande investimento envolvendo governos, autarquias, líderes religiosos e sociedade civil”, espera-se que com urgência a CML reconverta a sua iniciativa museológica do Museu das Descobertas no Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, o que não é só questão de designação, mas de filosofia geral, conteúdos, etc., conforme adiante explico.

  1. Mais-valias com o Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa

2.1. Em resposta a estes desafios tão oportunos e recentes, é não só perfeitamente adequado, mas financeiramente viável (e pode ser altamente rentável), um museu também gerador de desenvolvimento económico e social, mobilizador porque focado não só no Património Cultural (Material e Imaterial) da Europa, mas também no disperso pelo Mundo, e na actualidade.

Este museu pode atrair multidões de visitantes, nacionais de todos os estratos sociais pois o museu deve ter essencial componente social,

Propõe-se um museu que não se restringe ao que Luís Raposo chama “mercado dos museus”, nem aos habituais cinco vectores de unificação planetária de uma cultura-mundo, segundo o filósofo e sociólogo francês Gilles Lipovetsky: mercado, ciência, informação, indústria cultural e as novas tecnologias.

O Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa pode e deve não só expor os diversos assuntos históricos, mas demonstrar o diálogo intercultural através dos séculos, até à actualidade.

Deve também ser espaço de diálogo intercultural na actualidade, dando visibilidade inclusivamente a populações de periferias nacionais e internacionais. ser espaço de reconciliação e de paz.: um museu moderno, multidisciplinar, polifacetado, pedagógico, atraente, e também ele pioneiro !

2.2. Há décadas que diversas personalidades solicitam e insistem na criação de um Museu dos Descobrimentos /das Descobertas, e eu própria o venho considerando prioritário desde há 36 anos, com esse nome, o qual na década de 1990 actualizei para Museu do Multiculturalismo de Origem Portuguesa.

Como hoje em dia se questiona o conceito de multiculturalismo, a que se prefere, e bem, a interculturalidade, por implicar maior diálogo e aproximação (“o intercultural é o motor da evolução das sociedades”, na expressão do filósofo francês Jacques Demorgon), penso que a designação desta essencial instituição museológica deveria ser Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, como seguidamente justifico.

2.3. De facto, o conceito de descobrimento começou a ser posto em causa depois da II Guerra Mundial, é “civilizacionalmente autocentrado”, por vezes há viagens anteriores, o descobrimento é uma parte da expansão, pelo que, recentemente, muitos historiadores preferem, em vez de descobrimentos, falar em expansão, conceito que implica a ocupação efectiva dos espaços.

Note-se que, por exemplo, ainda em 1994, o Círculo de Leitores publicou o “Dicionário dos Descobrimentos Portugueses”, dirigido por Luís de Albuquerque.

Francisco Contente Domingues, catedrático de História da Universidade de Lisboa, director dos Estudos Pós-Graduados em História Marítima, presidente do International Committee for the History of Nautical Science, dirigiu o “Dicionário da Expansão Portuguesa 1415-1600” lançado em 2016, pelo Círculo de Leitores, em entrevista ao jornal “Público” (17-01-2016), sintetizou: “É perfeitamente evidente que há pessoas que não gostam de “descobrimentos”. Porque no fundo reportam-se sempre à chegada ou ao contacto dos povos europeus com outros povos. A palavra “expansão” também provoca esse mal-estar.”

2.4. Penso que a “interculturalidade”, que implica diálogo civilizacional, tem quádrupla vantagem:

evita não só o referido mal-estar, mas também o substitui por um sentimento de aumento de auto-estima nos diferentes povos e culturas, e ainda por melhor compreensão entre os intervenientes, sobretudo se for acompanhada por essenciais acções pedagógicas de proximidade, de diálogo, de esclarecimento. Assim, também se responderia à ambição de várias comunidades, muitas delas empurradas para as periferias de Lisboa, por vezes para outras cidades.

engloba a expansão e os descobrimentos

engloba ainda outros aspectos relacionados, inclusivamente da actualidade, os quais são muito pacificadores, têm mais a ver com o interesse não só erudito, mas também com a realidade e a curiosidade do cidadão comum, e que milhões de pessoas por todo o Mundo, portuguesas e estrangeiras, apreciarão ver explicados, sobretudo através da forma visualmente mais acessível proporcionada pela exposição museológica, e pelos meios áudio-visuais que o museu pode conceber e que a tecnologia hoje já permite chegarem aos ecrãs de juntas de freguesia, autarquias, escolas, embaixadas, etc. e também a computadores, telefones, etc. São aspectos que implicam múltiplos intercâmbios e se poderão amplamente designar por interculturais, e com os quais por vezes nos deparamos no dia a dia, intercâmbios de povos e culturas, com aspectos económicos, comerciais, linguísticos, musicais, “viagens” também de animais, plantas, produtos, etc. Estes intercâmbios propiciaram, por exemplo, viagens de pessoas (como milhões de outros portugueses, eu própria tenho antepassados de Goa, uma avó de Bombaim/Mumbai, uma tia-avó de Angola, primos na China, no Brasil), viagens de diversas expressões artísticas, de produtos culinários que rapidamente globalizaram exotismos, etc.

este conhecimento intercultural feito em contextos, revelando aproximações, nem sempre pacíficas, entre povos e culturas, ajudará a melhor compreender acontecimentos, pode ser propiciador de paz.

2.5. Dou apenas cinco exemplos de interculturalidade:

na Linguística: os crioulos baseados no português, cujas afinidades nos permitem compreender, por exemplo, o Patois de Macau (onde papiar, segundo o Dicionário da Academia das Ciências, significa falar com alguém sobre determinado assunto), o Papiá Kristang da Malásia, o crioulo cabo-verdiano, o papiamento, falado na América, nas Antilhas, etc.

na Música: as origens intercontinentais do Fado, que é Património Mundial da UNESCO; o fascínio pelos ritmos africanos, brasileiros, etc.

na Botânica: os estudos do professor de Agronomia Tropical José Eduardo Mendes Ferrão sobre “Plantas dos Descobrimentos Portugueses nos séculos XV e XVI”, “L`Aventure des Plantes et les Découvertes Portugaises” , etc. têm permitido novos fascinantes avanços científicos sobre especificidades de plantas portuguesas.

uma pesquisa que estou a fazer sobre as designações do peru (animal ) em diferentes países e continentes, a qual poderei resumidamente indicar: sendo este animal originário da grande área da América então chamada Peru, e sido trazido para a Europa pelos espanhóis, que lhe chamam pavo, foi o peru levado para a Índia pelos portugueses, e por exemplo em francês e em russo a designação implica a origem da Índia (respectivamente Dinde e Indok), e no moderno hindi dão-lhe a designação portuguesa … peru ! O inglês, como sabemos, identifica o animal com a Turquia, chamando-lhe “turkey”. O termo português “peru”, é o único europeu que indica a verdadeira origem geográfica do animal.

na Culinária: “Cuisines of Portuguese Encounters. Recipes from Portugal, Madeira/Azores, Guinea-Bissau, Cape Verde, São Tomé and Príncipe, Angola, Mozambique, Goa, Brazil, Malacca, East Timor, and Macao”, da autoria de Cherie Y. Hamilton, publicação de Hippocrene Books, Inc., New York, 2001, foi possível através de uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, e dá-nos um conjunto de receitas interculturais, prontas a serem servidas, e com garantido sucesso, no restaurante do Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa.

  1. Alguns elementos justificativos para a urgente criação do Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa

3.1. Permita-se-me lembrar os meus anteriores apelos pela criação do que há décadas se chamaria Museu dos Descobrimentos, designadamente:

Quando escrevi em “Mundo da Arte. Revista Mensal de Arte, Arqueologia e Etnografia”, nº 10, Coimbra, Edições Epartur, Setembro de 1982, p. 15: “Numa época em que, por todo o País, surgem constantemente ideias e iniciativas para criar novos museus, pergunto-me: perante a escassez de verbas, perante a dificuldade de arranjar instalações e pessoal habilitado, quais as prioridades a seguir ? É claro que é extremamente positiva e de continuar a incentivar a crescente e indispensável consciencialização das populações em vista à defesa do nosso património cultural. … Num plano genérico, penso que é necessário estabelecer prioridades na criação de novos museus, sobretudo quanto a dois aspectos: objectos mais característicos de e para Portugal e objectos de mais fácil perda para o património do País. Dois aspectos relevantes mesmo numa perspectiva mundial, por poderem mostrar contribuições das mais valiosas que a cultura portuguesa prestou à cultura universal e, nessa medida, documentarem caracteres decisivos da nossa produção cultural, tanto no passado como em termos de futuro. São eles, designadamente: o Museu dos Descobrimentos (que, evidentemente, deveria ser muito mais do que os actuais Museu de Marinha e Museu da Sociedade de Geografia)…”.

3.2. Há 30 anos, no Colóquio da Universidade Católica Portuguesa “Os Descobrimentos – memória e projecto” (19 a 21 de Fevereiro de 1988), apresentei a comunicação “Os Descobrimentos e a Arte. Quando Portugal escreveu a História da Humanidade” (“Diário Popular” 22, 23 e 24 de Fevereiro de 1989), a partir da qual fui então convidada para a Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa.

Nessa comunicação eu já insistia na interculturalidade, e especifiquei por exemplo que: “considero o termo Descobrimento, não só no sentido de achamento, mas também no de começo da exploração, fixação, influência; influência esta que é recíproca da cultura dos descobridores na dos povos atingidos e vice-versa. ” e “… os feitos de Diogo Cão e Bartolomeu Dias representam, no domínio das concepções geográficas e cosmológicas, o passo definitivo da Idade Média à Modernidade. De facto, Colombo, tendo contudo revelado a existência dum continente, não alterou com a sua descoberta as referidas concepções, pois essas terras situavam-se no hemisfério norte, como a Europa”.

Citei então reputados historiadores, propositadamente todos estrangeiros e de diferentes nacionalidades: o sul-africano W. G. L. Randles, professor em Paris, que insistia no facto de terem sido as viagens dos portugueses para sul, ao longo da costa africana, que provaram a Terra ser esférica, habitada e que os mares envolviam as terras; o norte-americano Daniel Boorstin, que escreveu “o feito de Vasco da Gama foi mais importante do que o de Colombo porque foi mais longe…(e) foi um pioneiro no que respeita a navegar em torno dos continentes e não só através dos mares”, sintetizando esta opinião na frase “a figura de Vasco da Gama ofusca a de Cristóvão Colombo”. Este historiador reconheceu também o pioneirismo dos portugueses e que “os Descobrimentos Portugueses ainda não tiveram o reconhecimento e as celebrações que merecem no Ocidente de língua inglesa”; o inglês Arnold Toynbee (1885-1975), dividiu a história da Humanidade em época pré-gâmica e post-gâmica, considerando os feitos de Vasco da Gama como momento crucial de avanço na História; o francês Fernand Braudel (1902-1985) que escreveu: “Como pôde Portugal, país tão pequeno, desempenhar tal papel ? Na verdade, foi ele que inaugurou a expansão europeia que irá revolucionar o Mundo”.

3.3. Há 18 anos, na África do Sul, no Museu Bartolomeu Dias, em Mossel Bay, a convite de Maria Alzira Seixo, apresentei a comunicação “Museum of Multiculturalism of Portuguese Origin”, dentro da temática geral “The Paths of Multiculturalism”, integrada no Congresso da Associação Internacional de Literatura Comparada, realizado então em Pretória. Apresentei diversas abalizadas opiniões sobre as características únicas da presença portuguesa no mundo, que se poderão sintetizar no artigo de Tony Emerson intitulado “ The Unimperial Empire. For richer or poorer, the Portuguese were different”, publicado na revista americana “Time”, por ocasião da passagem de Macau para a China, em Dezembro de 1999. Para a organização do museu enfatizei o aspecto pedagógico, recorrendo à utilização de tecnologias modernas, réplicas de objectos, etc. O texto foi publicado no ano 2000 pelas Edições Cosmos, limitando-me agora citar a também tão actual conclusão: “What I think would attract the crowds and display the Portuguese identity is the Museum of Multiculturalism of Portuguese Origin, where there should be a tremendous educational intent, resorting to a variety of objects and techniques, so that any Portuguese person or foreigner would clearly understand what the Portuguese Discoveries and expansion represent. I am certain that such a museum would also help us, people of different cultures, to understand ourselves better. It would, furthermore, be a contribution to peace in the world.”

3.4. Em 24 de Março de 2001, na revista do jornal “Expresso”, dei uma entrevista sobre a criação desse museu, em que se englobariam os emigrantes e os imigrantes até à actualidade, referindo expressamente que o museu deveria ser valioso contributo para o entendimento, a paz entre os povos.

Esta minha sugestão colheu o apoio de várias entidades, muitas das quais eu nem conhecia, como foi o caso da Câmara Municipal de Alcobaça, que formalizou de imediato o seu apoio pelo ofício nº 5017, de 26/3/2001, com o assunto: “Solicitação de reunião – Museu do Multiculturalismo de Origem Portuguesa”.

3.5. O museu não avançou em 2001 porque adoeci então gravemente, mas agora tem mais actualidade . Evidentemente, o Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, deve ser feito sem complexos, assumindo Portugal, país há mais de seis séculos autor da 1ª Globalização e de prática universalista, os aspectos positivos e negativos da sua História, com a máxima objectividade científica histórica, sob orientação de uma equipa altamente credenciada, englobando também especialistas de outras áreas, de forma a que tenha forte componente actual e prática, e recorrendo, se necessário, a patrocínios financeiros.

Tal é não só oportuno, mas urgente, nesta era de gigantescos afluxos turísticos.

  1. Até Vasco da Gama é quase esquecido. Dois livros agora publicados evidenciam chocante desconhecimento da história

4.1. É essencial uma abordagem serena, reflectida e madura, que a conjuntura de 2018 permitirá, até também porque como do passado também se deve aprender a não repetir os seus erros, peço licença para mencionar as realidades que vivenciei em 1998, exactamente há vinte anos, aquando das comemorações do 5º Centenário do notabilíssimo feito de Vasco da Gama, a Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia.

Nos finais de 1997/ inícios de 1998, fui à Índia; em Mumbai/Bombaim e Goa comprei dezenas de livros sobre a presença portuguesa, edições e reedições feitas então e com antecedência, mesmo na capital da Índia, Nova Delhi, numa atitude altamente meritória e descomplexada do país colonizado em relação ao referido centenário. No entanto, em Portugal as comemorações viram-se envoltas em extraordinárias e complexadas polémicas, e em grande parte acabaram por ser feitas em … França, em Paris, que nada tem a ver com esse acontecimento !!!.

4.2. Observe-se a falta de divulgação e de merecida pública homenagem, ainda na época presente, aos responsáveis pelos feitos dos Descobrimentos, por exemplo em relação a Vasco da Gama (cerca de 1469-1524).

4.3. Comece-se por pesquisar “Vasco da Gama”, como fazem a maior parte das pessoas, na internet, no Google, e aparecem nove itens: em primeiro lugar, o centro comercial construído em Lisboa no Parque das Nações, onde se realizou a Expo 98 (a Feira Internacional de Lisboa, de 1998, sob o tema “Os Oceanos: um património para o futuro, por ocasião das Comemorações do 5º Centenário do Caminho Marítimo para a Índia), e em 2º, 3º, 4º , 5º e 9º lugares surgem os seguintes itens, todos relativos a esse centro comercial: cinema, lojas, horário, restaurantes, e cinecartaz. Em 6º lugar, aparece a ponte próxima, que atravessa o Tejo, em 7º lugar surge o navegador, que remete para os referidos Ponte e Centro Comercial, e ainda para a Torre (actualmente um hotel, mas também construída em 1998 no Parque das Nações, como contraponto à Torre de Belém – do séc. XVI e desde 1983 Património Mundial da UNESCO), e em 8º lugar surge o Club de Regatas, clube de futebol, brasileiro, fundado um século antes, em 1898, aquando do 4º centenário da descoberta do caminho marítimo para a Índia !!!

4.4. Agora, imaginemos um turista em Portugal que procura ver Vasco da Gama em estátuas, em locais públicos: em Lisboa, observa a do túmulo no Mosteiro dos Jerónimos, e as de difícil identificação, porque contêm também outras figuras, no Arco da Rua Augusta /Praça do Comércio, e no Monumento dos Descobrimentos, em Belém; a estátua de Sines, reivindicada desde 1898, só foi erigida em 1970, para comemorar os 500 anos do nascimento do navegador; lembrando que Vasco da Gama foi o 1º Conde da Vidigueira, também em 1970 foi nessa vila erguida uma estátua, e há outra em Évora; a estátua de Angra do Heroísmo data de 2016 e deve-se à generosidade de um emigrante.

4.5. Vasco da Gama deu o nome, em Portugal e no estrangeiro, a algumas praças, ruas, avenidas, inspirou por exemplo, em 1865 a ópera “L`Africaine” de Giacomo Meyerbeer e Eugène Scribe, e em 1872 uma outra ópera ainda menos conhecida, deu o nome, em 1898, ao aquário lisboeta, situado no Dafundo, fundado aquando das comemorações do 4º centenário da descoberta do caminho marítimo para a Índia, e o qual foi dos primeiros aquários do mundo …

Têm o nome de Vasco da Gama, por exemplo: na Índia, em Goa, a cidade portuária e o Vasco Sports Club, equipa de futebol fundada em 1951; em Cochim, a igreja de S. Francisco (a mais antiga igreja europeia na Índia), onde o navegador esteve sepultado durante 14 anos, e como se verifica que Vasco da Gama é uma boa designação para atrair os turistas, lojas e restaurantes recentemente aí disputam o seu nome; na África do Sul, na Cidade do Cabo, há um bairro Vasco da Gama; no Brasil, surgem mais dois clubes de futebol, modalidade desportiva que pelos vistos gosta de se inspirar no navegador, havendo em Portugal uns clubes de futebol com o seu nome também em Sines e na Vidigueira… e na lua há uma “cratera Vasco da Gama”…

4.6. Estas homenagens a Vasco da Gama são chocantemente poucas, dispersas, e com elas não se aborda sequer a acção e a importância mundial do navegador.

4.7. Como foi amplamente dado a conhecer através da Comunicação Social em Fevereiro/Março de 2018, é generalizado em Portugal o desconhecimento da História, mesmo no Ensino Básico e Secundário, como é provado por dois professores da disciplina, Luís Mascarenhas Gaivão e Isabel Moreira Brito, que acabam de lançar dois livros inspirados na sua prática docente, respectivamente “História de Portugal em Disparates”, da editora Guerra e Paz, e “D. Sebastião desapareceu em Alcácer do Sal ? e outras respostas disparatadas nos Testes de História”, da editora Manuscrito.

Depois destas verificações, penso ser mais fácil decidir que urge, através deste museu, ensinar História de Portugal e a interculturalidade global que propiciou!

  1. Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa – plano museológico geral e uma pormenorização

Sediado em Lisboa, capital também da Expansão, dos Descobrimentos, e da Interculturalidade, o museu deve assentar em sólidas e diversificadas bases científicas e financeiras, recebendo fundos provenientes de entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais.

Para o museu ser verdadeiramente moderno, pretende-se de forma prática, aliciantemente pedagógica, e divertida, criar um bem fundamentado Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, que seja interessante e integrativo, para portugueses e estrangeiros.

Sugiro que tenha os seguintes oito pilares:

Seja interactivo e tenha adjacente um parque temático, o que já tenho visto sem custos excessivos, nem áreas muito grandes. Neste caso, o fulcro do parque temático deveria ser o de um curso de água (simulando o rio Tejo e o mar), em que os visitantes pudessem embarcar em barquinhos reais, e simular passar pelos locais da Expansão, dos Descobrimentos, da Interculturalidade.

Além do parque temático, um espaço expositivo único (não polinucleado), onde seja possível uma visão geral e integrada, extremamente atractiva, pedagógica e geral dos acontecimentos, dando ao conjunto um carácter participativo. Tal, além de ser mais prático e apreciado pelos visitantes, também tem imensas vantagens financeiras, quanto a organização, vigilância, guardaria, etc., pois implica muito menores custos de funcionamento e de manutenção, o que peço licença para aconselhar, com conhecimento profissional de décadas, enquanto museóloga de carreira, conservadora e directora de vários museus e palácios, lembrando que inclusivamente trabalhei na CML, onde me dediquei sobretudo ao Museu da Cidade/Palácio Pimenta, ao Museu Rafael Bordalo Pinheiro, e a percorrer a capital, resguardando e valorizando imensos bens patrimoniais, e fazendo visitas guiadas, o que me levou a conhecer em profundidade o património municipal.

Conviria instalar o museu junto ao Tejo em terrenos devolutos (?), aproveitando um edifício antigo (?), ou vários edifícios antigos contíguos (?) — e há tantos espaços com condições, assim haja vontade política para tal!

Como muitos dos objectos originais que interessam ao museu, como mapas, etc. estão em coleções, portuguesas ou estrangeiras, que não os cederão para o museu, é necessário e conveniente recorrer às novas tecnologias e a réplicas, o que de forma alguma diminui o seu interesse.

Na zona expositiva do museu não só se assinalarem os temas, locais, etc., mas também por exemplo os contactos interculturais e rotas o mais diversas possível e até à actualidade, como: Vasco da Gama, Bartolomeu Dias, Fernão de Magalhães (português ao serviço do país vizinho), migrações, miscigenações, escravaturas portuguesas e estrangeiras, os judeus, os cristãos, os muçulmanos, os hindus, modas das “chinoiseries”, do orientalismo, das culturas africanas, da cultura brasileira, rotas do açúcar, do ouro, das pedras preciosas, do chá, do café, do chocolate, da porcelana, do milho, do peru, da batata, rotas musicais que conduziram ao fado e não só, etc.

Para melhor explicar os conteúdos do museu, serão úteis, também em várias línguas, audioguias. A loja do museu, espaço sempre altamente rentável, poderá vender, além das óbvias diversas edições/ publicações mais ou menos profundas para diferentes públicos, e objectos inspirados nas milhentas temáticas do museu, os imensos produtos típicos da interculturalidade. O possível restaurante do museu já tem os originais e apelativos menus preparados, com as receitas pormenorizadamente feitas no citado livro “ Cuisines of Portuguese Encounters”. Serão também um sucesso, os guias do museu vestidos de acordo com as épocas e regiões, e seguindo os princípios da “Living History”, as recriações históricas inspiradas em tantos temas e contextos.

Como complemento, penso ser fundamental que o museu fomente contactos externos. Graças às novas tecnologias, será fácil arranjar material do museu, como os referidos roteiros temáticos, que seja também visionado, em Portugal e no estrangeiro, em escolas, juntas de freguesia lisboetas, outras autarquias portuguesas, centros culturais, museus, embaixadas, diversos países, agentes turísticos, de viagens, e outros meios, incluindo os portáteis smartphones. Pretende-se não só difundir os conhecimentos, mas atrair visitantes, muitos dos quais no próprio museu melhor se poderão reencontrar com as suas identidades, devendo o museu ter profundas preocupações sociais.

Por outro lado, pretende-se fomentar as visitas a lugares com valor patrimonial cultural, área em que, segundo o Eurobarómetro, Portugal está em último lugar. As ideias para estas visitas serão facilmente postas em prática por agentes culturais e turísticos. Sendo devidamente valorizados os locais com interesse patrimonial cultural, é mais fácil atrair iniciativas e patrocínios para aí fomentar a criação contemporânea em fotografias, esculturas, urbanismo, arquitectura, etc. Em consequência, a valorização patrimonial cultural desses locais ajuda a que para aí se tomem medidas contra a especulação urbana e imobiliária, especulação que descaracteriza, diminui ou retira mesmo o valor patrimonial cultural, o qual também pode ser rentável.

De acordo com estes pressupostos, a escassez de espaço leva-me a apresentar, pelo menos, uma sugestão concreta relativa à valorização de arredores de Lisboa..

A propósito de há dias se terem completado 525 anos sobre a documentada passagem do genovês Cristovão Colombo por Portugal, no regresso da 1ª expedição à América, lembro que ele esteve então nos Açores, em Lisboa, dormiu em Sacavém (concelho de Loures), encontrou-se com o rei D. João II em Vale do Paraíso (concelho da Azambuja), depois, no concelho de Vila Franca de Xira, encontrou-se com a rainha D. Leonor e o futuro rei D. Manuel I no Convento de Santo António da Castanheira, e no regresso a Lisboa dormiu em Alhandra.

Ora, vemos que por exemplo Itália, Espanha e até locais onde Colombo nunca esteve, homenageiam e aproveitam o nome do navegador, até com benefícios turísticos.

Colombo tem inquestionável profunda ligação a Portugal, onde viveu cerca de dez anos (cerca de 1476-1486), onde aprendeu imenso de navegação, onde nasceu o seu filho mais velho, e onde regressou pelo menos estes dias de Março de 1493, e em 1498 regressou a Porto Santo e à Madeira. No entanto, se formos à internet pesquisar este importante navegador em “Colombo Portugal”, apenas aparecem 8 itens, todos relacionados com o Centro Comercial Colombo construído em Lisboa, em 1994!

Os concelhos de Loures, Azambuja e Vila Franca de Xira são presentemente em parte dormitórios de Lisboa, e ficariam muito valorizados se melhor evocassem e divulgassem a sua história, por exemplo, a referente a esta passagem de Colombo. Assim, a quinta de Santo António da Castanheira, que foi recentemente recuperada, estando em curso um projecto de adaptação do convento a hotel, traria uma extraordinária mais valia para o concelho de Vila Franca de Xira, e sobretudo para essa unidade hoteleira, se no seu espaço fosse lembrado o histórico encontro de 1493.

Não esqueço que Colombo é por vezes malquerido, sobretudo em certas populações da América espanhola, mas se se explicarem as maravilhosas trocas interculturais que daí advieram, tal ajudará a melhor compreensão e possível aceitação.

O Museu da Interculturalidade de Origem Portuguesa, na sua acção interna e externa, muito pode ajudar à inclusão, ao diálogo, à solidariedade, à Paz.

Colaboradora do Instituto de Altos Estudos da Academia das Ciências de Lisboa; Sócia de: Academia Portuguesa da História, Sociedade Científica da  Universidade Católica Portuguesa, Academia Nacional de Belas-Artes,  ICOM – International Council of Museums; matildesousafranco@gmail

O arquivo Pharos?

Conjunto de Perguntas para a Revista Verso #3

  1. O Pharos é um arquivo online de arte, criado por inúmeras instituições e museus. Quais os pontos positivos dessa iniciativa?

Tenho pouco conhecimento do projeto. Conheço-o fundamentalmente através de notícias do comité do ICOM para a Documentação: o CIDOC. Sei que procura criar um modelo de referência conceptual para toda a documentação sobre o património cultural. Há na verdade um conjunto alargado de “instituições e memória”, (arquivos, bibliotecas e museus) que não só dispõem de fontes documentais extensas, de diferentes épocas, como também partilham o imperativo ético de as disponibilizar de forma universal e em condições de equidade.

Estamos pois perante dois desafios, a que a tecnologia se propõe dar resposta através da digitalização. Por um lado, da criação duma plataforma  de acesso aos arquivos, que permita a interoperabilidade dos diferentes sistemas, o a sua disseminação pela sociedade. Tratam-se de dua atividades que se diferenciam, pois não basta que seja acessível para que tenha uso, é também necessário, que essa instituição promova o seu uso. Isso será, porventura, o que justificará os custos do projeto.

O projeto implica também vários desafios conceptuais, que é também os seus riscos ou limites. A criação dos sistema, e sua interoperabilidade tem por base a formulação de conceitos descritivos que se constituam como chaves de acesso á informação. Isso implica que a documentação venha a ser tratada com base nessa construção, implicando a transformação dos respetivos suportes em base de informação digital. Fisicamente o documento desaparece da sua forma original, para se disponibilizar digitalmente. Com essa transição tecnológica corre-se o risco de hajm importante perdas de informação, não considerada relevante na concepção do modelo.

Sendo globalmente positivo a extensão do acesso e a inclusão de novas e inovadoras ferramentas de pesquisa, é necessário não esquecer que toda a escolha implica perdas.

 

É Correto dizer que o valor de culto foi inteiramente substituído pelo valor de exposição atualmente?

Conjunto de Perguntas para a Revista Verso #2

De acordo com o trabalho de Walter Benjamin que acima referi (Benjamin: 1992, 84) o valor da obra de arte na era da tecnologia é alterado pela transformação do seu valor de culto (mágico) para um valor oculto (expositivo). Enquanto os objetos mágicos, segundo Benjamin, se constituem como um dialogo entre a sociedade e o mundo espiritual (uma espécie de dádiva aos deuses), na era da tecnologia, a exposição constitui-se como um dialogo humano. A humanização da arte reside na sua exposição. Nesse sentido, a afirmação de que o valor de culto é substituído pelo valor de exposição é correto.

É todavia necessário compreender essa posição de Walter Benjamin, no quadro do seu pensamento dialético, como oposição de contrários. Para fazer uma analogia com a teoria económica, enquanto objeto de culto, uma obra de arte não possui para uma comunidade um valor de troca (valor nulo), ao passo de possui um valor de uso incalculável; essa mesma obra de arte, num sistema expositivo, dispõe de um valor de troca elevadíssimo e um valor de uso próximo do nulo. Ou seja a hipótese de análise que varia neste pensamento é o contexto vivido pela comunidade. A criação de atributos de identidade que se constitui como subjetividade.

Exemplificando com dois exemplos extremos. A joia da coroa da Rainha de Inglaterra, embora possa ter um valor calculado no mercado de joias, apenas pode ser usado como símbolo da realeza (no território britânico) e não pode ser trocada. Por seu lado a mascara africana, usada num dado contexto ritual, numa dada comunidade, possui um elevado atributo no seu uso contextual, perdendo-o por completo fora desse contexto, fazendo com que a sua troca possa ser possível fora do tempo de uso. Isto, porque de acordo com a teoria de Benjamim, a aura não está no objeto em sí, mas na relação que ele estabelece com o espaço e com o tempo.

Concluindo, ainda na arte contemporânea os objetos de arte , para além de terem ganho esse valor de exposição, através da sua apresentação pública, também se multiplicaram na forma, no sentido que qualquer um não só qualquer objeto se pode constituir como “arte”, desde que uma dada comunidade assim o considere, como, o objeto exposto necessita de ser descodificado. Se nas igrejas a gramática da leitura estética, da estatuaria, por exemplo, se integra numa dada arquitetura, com hierarquias e funções bens conhecidas, de acesso a um conjunto de leitoroes. Nas exposições democráticas as obras são apresentadas a partida sua unidade simbólica e estética, sendo normalmente necessário um mediador para efetuar a tradução entre linguagens.

Embora a questão pose ser considerada verdadeira para mutios objetos estéticos, há ainda uma herança do tempo sagrado que pode influir na leitura.

1. Como a tecnologia influenciou a arte?

  1. Como a tecnologia influenciou a arte?

A arte, enquanto expressão da singularidade do ser, sempre esteve ligada à tecnologia. Nas pinturas pré-históricas, na estatuária e nas pinturas e cerâmicas da China, do Médio Oriente, dos povos andinos ou africanos, há sempre presente uma “tecnologia”. Há uma relação entre a expressão artística e a tecnologia que a cada momento a formação social dispõe. A tecnologia da extração de pigmentos, do uso do fogo, do conhecimento dos comportamentos dos materiais e da sua transformação. Há contudo, uma questão que a tecnologia não resolve completamento até certa altura. Uma obra de arte transporta em si alguma genialidade, um caracter singular e único que resulta do labor do artista ou artesão.

A distinção entre arte e artesanato é útil para entender esta relação entre arte e tecnologia. Walter Benjamim, em 1936, na sua “A Obra de Arte na era da sua reprodutibilidade técnica”, (Benjamin Walter, (1992), Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, Lisboa, Relógio de Água, pp 73-113) aborda com mestria esta questão. O que Walter Benjamim se apercebeu foi as alterações que estava a acontecer no campo da produção artística com a emergência das tecnologias. Interroga-se Benjamim sobre o caracter da obra de arte quando a tecnologia permite a sua replicação. Interroga-se onde está o caracter único da obra, quando o aqui e agora de obra pode ser replicada em sucessivas cópias, idênticas ao original até infinito. Isso começa a suceder de forma percetível com a fotografia e o cinema no final do seculo XIX. Não deixa aliás de ser um caso paradigmático

Esta questão do fim da singular é vista por Benjamim como o “colapso” da aura. O objeto, libertado da sua singularidade, torna-se um produto de massa. Uma mercadoria. E como mercadoria, incluído no sistema económico capitalista, transforma-se num produto de massas. No entanto, como Benjamim também reflete a partir da sua postura dialética, para cada “época” histórica, encontra-se uma correspondência estética. E é nesse contexto que o autor inscreve a ideia de que a era da reprodutibilidade técnica, corresponde no plano da cultura, à era da produção de massas. Nesse sentido, no atual contexto tecnológico a arte, a sua produção e o seu consumo são marcada pela elevada densidade tecnológica.

Isso não significa contudo que a arte e os artistas não continuem a ter “autonomia” e “liberdade” em relação à escolha das suas produções e criações.

Conjunto de perguntas para a Revista Verso

Educação para a Paz e a relação com o ambiente I

O  Curso Intensivo Online Aberto em Segurança Ambiental e Sustentabilidade para a Paz é um curso da SDSA Academy que examina a relação entre recursos naturais e o meio ambiente por um lado, e paz e conflito, por outro.

Esta é um esforço de relação entre estas duas questões, o ambiente e a conflitualidade. Cada um dos elementos apresentam diferentes contributos ao longo dos conflitos na sociedade. Seja nas razões de conflito, seja na continuidade do conflito, seja ainda na sua contribuição para a resolução dos conflitos.

Trata-se duma questão atual e relevante para a análise dos conflitos no mundo e para a preservação e uso sustentável do património natural e ambiental.

Sabemos por exemplo que os  lucros da venda do petróleo financiaram a atividade do chamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria e a venda do carvão financia o Al-Shabbad na Somália. Também sabemos que as alterações climáticas, a seca, representou um fator que desencadeou o conflito na Síria em 2011. No passado sabemos que as vendas de minério em África alimentam grupos armados em África, e na América do Sul (Colômbia).

.Em todos os conflitos nos últimos 10 anos há uma relação entre os recursos naturais disponíveis e os conflitos armados. Nos últimos cem ano, disputas por recursos naturais são também causas de conflitos. E esta relação fica mais evidente à medida em que os conflitos “idelógicos” se tornam menos importantes.

Este é um mapa que mostra uma visão global de todos os conflitos ambientais ao redor do mundo hoje. Por exemplo, conflitos pelo acesso à terra e aos recursos hídricos no Quênia. Tensões e queixas dos impactos ambientais da mineração e dos projetos petrolíferos no Peru. Grandes manifestações sociais sobre o acesso ao Oleoduto em Dakota nos Estados Unidos. Agora, mesmo que esses conflitos não evoluam para uma luta armada, eles podem sim ser violentos.

Em 2016 a Global Witness reportou que em média quatro pessoas são mortas por semana defendendo suas terras e recursos naturais do desenvolvimento comercial.

Vamos procurar responder a três questões fundamentais:

  • Como é que os recursos naturais e o meio ambiente contribuem para ou agravam os conflitos armados e a violência?
  • Como os recursos naturais e o meio ambiente são afetados pelas guerras?
  • E, como os recursos naturais e o meio ambiente podem contribuir para o estabelecimento da paz e reconstrução?

 

Para além da resposta a estas questões procuraremos esclarecer  conceitos e apresentar alguns casos, bem como apresentar ferramentas para avaliar e responder a essas questões  para criar programas e políticas

O trabalho será feito tendo como base o  o ciclo de vida do conflito. Começamos com a trabalho sobre os conceitos. Passamos para a análise dos fatores de eclosão de conflitos com base na disputa dos recursos naturais.  Analisamos os riscos do usso do ambiente como causa de conflito. Depois analisamos os riscos para o ambiente através dos usos de recursos naturais em conflitos e a forma como podem influenciar o decurso do conflito. No final analisa os riscos e oportunidades para a paz a partir da prespetiva do ambiente.

Embora o conflito armado seja o modelo estrutural do trabalho , muitas das ferramentas e estratégias apresentadas são aplicáveis a resolução de conflitos locais sobre recursos naturais.

 

Políticas Públicas para a Cultura XIV – O Desafio da Diversidade Cultural

No último postal, ao elaboramos os desafios contemporâneos para as políticas culturais públicas acompanhamos a opinião de (Rubin,2009, 111) de colocar a diversidade cultural como questão chave na legitimação da construção das políticas públicas da cultura. Colocar a diversidade no lugar onde antes estava a identidade nacional e a globalização.

Esta ideia implica vários desafios. Um primeiro de detalhar os conceitos de diversidade cultural. A ideia que diversidade é um recurso e não um problema a superar. Diversidade Cultural não é apenas uma diversidade étnica, intercultural ou culturas híbridas. É trabalhar na densidade teórica da ideia de diversidade. Como propões François Bernard, (apud Robin) [1] a noção de diversidade deverá ser pensada como processo.

A diversidade como algo que emerge da luta e da confrontação na sociedade. Não é mais a busca dos consensos, mas a procura de compromissos, criados a partir das tensões existente nas comunidades. A diversidade cultural como valor universal é a legitimação contemporânea das políticas culturais.

Como diz Rubin “A diversidade cultural deve ser imaginada como campo de forças, em continuada tensão, bem distinta do consenso quase harmônico inscrito nos documentos oficiais vigentes, internacionais e nacionais. Em lugar de um mero acervo multicultural, a diversidade cultural deve interpelar as políticas culturais com suas tensões, contradições, dilemas, impasses, desvios: enfim, como tudo aquilo que é um desafio demasiadamente humano” (op.cit).

[1] BERNARD, François de (2005). Por uma redefinição do conceito de diversidade cultural. In: BRANDT, Leonardo (Org.). Diversidade cultural. São Paulo: Escrituras/

Instituto Pensarte.

Políticas Públicas para a Cultura XIII– Desafios Contemporâneos

Olhamos para os três momentos dos modelos de políticas culturais públicas, a políticas de identidade nacional, as políticas de globalização e cosmopolitismo, e o modelo de afirmação das comunidades locais. Olhamos para o caso português, a procurar observar os modos como estes modelos se desenvolvem. Vamos agor olhar para os atuais desafios das políticas pública para acultura.

Em primeiro importa coloca o desafio das comunidades sustentáveis necessitaram dos usos da cultura como ferramenta do seu desenvolvimento sustentável. O desenvolvimento local das comunidades e dos territórios implica a mobilização da participação das comunidades, a mobilização das organizações da sociedade. Isto levanta a questão da construção da agenda das políticas públicas. Deverá ela ser feita a partir do Estado ou das diferentes comunidades? Isso implica apoiar as comunidades no desenvolvimento das suas formar culturais simbólicas. A questão ou o deasafio que estas questões colocam é a dimensão global dos processos culturais. Ou seja. Há uma produção simbólica mundial e um consumo localizado. Importaria que as políticas publicas incentivassem a produção local de conteúdos culturais com potencial de se manifestarem globalmente.

Não significa esta questão que as questões do nacional não se coloquem. Naturalmente que as políticas públicas não podem deixar de ter uma componente nacional. A questão é que elea não se devem manifestar como uma identidade singular, mas como uma manifestação de diferenças ou de diversidades que dialogam numa comunidade. As vivências identitária não são unívocas, mas resultam de fluxos em constante reposição, em diálogo entre o local e o global, entre os diferentes locais que constituem o global.

De certa forma em cada local existem dinâmicas contraditórias que resultam de memórias tensas e nem sempre resolvidas. As políticas culturais devem ser desenhadas para permitir o diálogo crítico e criativo entre as diferentes visões da sociedade. Esse é um desafio da cultura como instrumento de desenvolvimento sustentável.

O desafio da legitimação das políticas culturais enfrenta por essa razão as tensões da memória histórica e das tradições reinventadas com a necessidade de inovação. Os processos culturais criativos, apenas podem alcançar a modernidade se tiverem condições de se desenvolver como processos e nesses processos puderem integrar as diferentes visões e pluralidade de agentes e atores culturais. Devem estar preparadas para interagir com a sociedade civil, com as empresas e com as associações locais de cultura. Este é um segundo desafio de construção das políticas públicas, o desafio do direito de participação, na elaboração das políticas, na sua avaliação e acompanhamento. Um desafio que já não é apenas do vago universo das comunidades, mas também das organizações da sociedade civil.

A modernidade e vivência cosmopolita transporta a possibilidade de cada individuo e das diferentes comunidades desenvolverem processos identitários múltiplos. Os processo de afirmação identitárias são sobretudo processos comunicativos. As políticas culturais estão assim ligadas aos processos comunicacionais e às políticas públicas de comunicação. Este será um terceiro desafio das políticas públicas. Atualmente as grandes questões comunicacionais são questões de políticas públicas. Os paradigmas dos sistemas de comunicação nacionais estão a ser ultrapassados e criam-se ao nível local formas de comunicação, ao mesmo tempo que a informação e comunicação dos meios tradicionais se tende a concentrar. Um dos desafios das políticas culturais públicas é o de criar sistemas de comunicação que estejam centrados nos interesses das comunidades, nas suas vivências, fora das dinâmicas do mercado e das empresas.

A digitalização da sociedade tem vindo a alterar igualmente o perfil das competências profissionais. Os processos de comunicação estão hoje muito dependentes dos meios digitais. Sejam eles de natureza comunicacional, de natureza informativa, de arquivo ou de critatividade. Os desafios dos direitos de autor estão neste domínio confrontados com os direitos de cópia (copyleft)ou o direito de se apropriar e criar livremente das ideias previamente disponíveis na sociedade. A ideia é libertar a criatividade da prisão da propriedade. A cultura digital e o trabalho com as culturas digitais são trabalhos dinâmicos e criativos, que misturam ideias e processos. A digitalização da sociedade coloca grandes desafios para as políticas culturais públicas. Como diz Rubim os “desafios de grande envergadura para as políticas culturais públicas é acompanhar e propor políticas culturais para este expansivo e veloz mundo digital” (Rubin, 2009, 119).

Um quarto e último desafio é o que resulta da ligação entre cultura e desenvolvimento. Este tema foi já desenvolvido por nos no nº dos Informal Museologia Studies, nº 11[1]).Qual o papel da Diversidade Cultural na Economia Criativa? Que novas possibilidades se abrem na economia e nas políticas culturais. Qual é afinal da transversalidade de cultura na sociedade? A cultura alarga-se hoje para os diferentes domínios da sociedade, a educação a saúde, a política, o turismo, o ambiente, a paz, a cidadania. O desafio é o de colocar na agenda a cultura a ideia das comunidades sustentáveis.

Se no primeiro modelo das políticas culturais a cultura era olhada como o lugar central de produção de legitimação das narrativas identitárias da nação, as atuais políticas culturais enfrentam o desafio de colocar a comunidade e os seus problemas no centro das narrativas. Como diz Carlos Rubin, ou as políticas culturais se conseguem afirma como políticas centrais nas narrativas do desenvolvimento, com base na diversidade de cada comunidade, ou não se conseguem afirmar. Nesse domínio a ideia de Diversidade Cultural é uma das ideias chaves para este desafio. O desafio de colocar a ideia da diversidade cultural no centro, ao invés de colocar a ideia de identidade nacional.

[1] Leite, Pedro Pereira (2015). Cultura e Desenvolvimento, Informal Museology Studies, nº 11

Políticas Públicas para a Cultura XII – bibliografia para Políticas Públicas para a Cultura em Portugal g)

Documentos dos Estudos Cultura 2020[1]

PATRIMÓNIO

  • O Provedor de Justiça: Património e Direitos Culturais, Provedor de Justiça, 2013.
  • Os Museus em Portugal no Período 2000-2005: Dinâmicas e Tendências, José Soares Neves e Jorge Alves dos Santos, Observatório das Atividades Culturais, 2006.
  • Museus Portugueses: evolução recente do seu levantamento, José Soares Neves e Jorge Alves dos Santos, Boletim trimestral da Rede Portuguesa de Museus, 2001.

ARQUIVOS, BIBLIOTECAS, LIVRO E LEITURA

  • Edição e comercialização de livros em Portugal: empresas, volume de negócios e emprego, José Soares Neves e Jorge Alves dos Santos, Observatório das Atividades Culturais, 2010.
  • Promoção da Leitura nas Bibliotecas Públicas, José Soares Neves e Maria João Lima, GEPE – Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação, 2009.
  • Práticas de Promoção da Leitura nos Países da OCDE, José Soares Neves, Maria João Lima e Vera Borges, GEPE – Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação, 2008.
  • Um Mercado de Trabalho Feminizado: Oportunidades e Constrangimentos Profissionais na Edição de Livros, Rui Telmo Gomes, Vanda Lourenço e Teresa Duarte Martinho, Observatório das Atividades Culturais, 2005.
  • El libro en cifras. Boletín estadístico del libro en Iberoamérica, Centro Regional para el Fomento del Libro en America Latina y el Caribe (CERLALC), 2013

ARTES VISUAIS E DO ESPECTÁCULO

  • INOVart – Programa de Estágios internacionais 2011 3.ª edição, Relatório Final, Direção-Geral das Artes e Instituto do Emprego e Formação Profissional, 2012
  • Mobilidade Internacional de Artistas e outros profissionais da Cultura, Observatório das Atividades Culturais, 2010 (sumário executivo).
  • Mobilidade Internacional de Artistas e outros profissionais da Cultura, Observatório das Atividades Culturais, 2010 (versão integral).
  • Artistic work and structural organization of theater groups in Lisbon area. Five empirical standpoints to inform public policies, Pedro Costa, Vera Borges e Susana Graça, WP n.º 2013/02, DINAMIA’CET, Centro de Estudos sobre a Mudança Sócioeconómica do Território, ISCTE –IUL.
  • Trabalho, Género, Idade e Arte: Estudos empíricos sobre o Teatro e a Dança, Vera Borges, ICS, Universidade de Lisboa, s.d.
  • Mercado, formação e sucesso: Actores e bailarinos entre persistência e desilusão, Vera Borges e Cícero Roberto Pereira, s.d.
  • Study on Impediments to Mobility in the EU Live Performance Sector and on Possible Solution (Estudo Pearle), Mobile Home, 2007.
  • Mobility Matters. Programmes and Schemes to Support the Mobility of Artists and Cultural Professionals, Estudo do ERICarts Institute para a Comissão Europeia (DG Education and Culture), 2008.

SETORES CULTURAIS E CRIATIVOS

  • Le poids économique direct de la culture en 2014, Tristan Picard, Ministère de la Culture et de la Communication, 2016”
  • Creative Economy Report 2013 – Special Edition – Widening Local Development Pathways, United Nations Development Programme (UNDP) e United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO), 2013.
  • Good practice report on the cultural and creative sectors export and internationalisation support strategies (EN) – Sumário Executivo (EN). Comissão Europeia, Janeiro 2014
  • Survey on access to finance for cultural and creative sectors. Evaluate the financial gap of different cultural and creative sectors to support the impact assessment of the creative Europe programme, IDEA Consult for the European Commission, 2013.
  • L’ apport de la culture à l’economie en France, Inspection générale des finances e Inspection générale des affaires culturelles, 2013
  • Creative Economy Report 2010, United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD) e United Nations Development Programme (UNDP), 2010.
  • Impact Assessment “Creative Europe Framework Programme”, Comissão Europeia, 2011.
  • Mapping of Cultural and Creative Industry Export and Internationalisation Strategies in UE Member States, by Judith Staines and Colin Mercer, European Expert Network on Culture (EENC) Report, 2013.
  • Culture 3.0: A new perspective for the EU 2014-2020 structural funds programming, Pier Luigi Sacco,* on behalf of the EENC, produced for the OMC Working Group on Cultural and Creative Industries, 2011.
  • O Sector Cultural e Criativo em Portugal, Augusto Mateus & Associados, 2010 (sumário executivo).
  • O Sector Cultural e Criativo em Portugal, Augusto Mateus & Associados, 2010 (versão integral).
  • The Entrepreneurial Dimension of the Cultural and Creative Industries, Utrecht School of the Arts, 2010.
  • The Economy of Culture in Europe, Estudo da KEA para a Comissão Europeia (Directorate-General for Education and Culture), 2006.

TEMAS/DOMÍNIOS TRANSVERSAIS OU OUTROS

  • Cultura y desarrollo económico en Iberoamérica, Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI), 2014”
  • Healthy Attendance? The Impact of Cultural Engagement and Sports Participation on Health and Satisfaction with Life in Scotland, Scottish Government Social Research, 2013.
  • Impacto Económico da Fundação Serralves – Relatório Final, Fundação de Serralves e Porto Business School, 2013.
  • Impactos Económicos e Sociais da Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura – Relatório Executivo, Universidade do Minho 2013.
  • Apoios financeiros atribuídos pelos serviços da Cultura no triénio 2010-2012
  • The impact of Culture on Creativity, Estudo da KEA para a Comissão Europeia (Directorate-General for Education and Culture, 2009
  • Ver… Pensar…Fazer…Políticas Culturais para um Portugal Criativo, Nuno de Faria, 2008.
  • Impacto e Receptividade do Programa Cultura 2000 em Portugal, Observatório das Atividades Culturais, 2002.

[1] http://www.gepac.gov.pt/estatisticas-e-estudos/estudos.aspx

Políticas Públicas para a Cultura XI – Políticas Públicas para a Cultura em Portugal f)

Pelo que elaboramos nos postais anteriores quais são as questões de relevância para as políticas publicas da cultura em Portugal?

  1. A questão do direito cultural e da dignidade humana
    1. Que se ligam ao acesso universal e a justiça cognitiva
  2. A questão do emprego e da dignidade do emprego
  3. A questão da criação de comunidades sustentáveis
  4. A questão da internacionalização do setor criativo

Há também outros desafios

  • o desafio do digital.
  • O desafio da sustentabilidade doe equipamentos e das comunidades
  • O desafio da formação do setor criativo, que implica diálogos com a educação pela arte
  • O desafio da criação de redes que trabalham sobre o território nacional, aproveitando os equipamentos construídos.
  • A necessidade dum organismo de observação das atividades do setor.
  • A reflexão sobre a cultura e o turismo

Políticas Públicas para a Cultura X – Políticas Públicas para a Cultura em Portugal e)

Olhamos no postal anterior para a criação do modelo de política cultural cosmopolita, que se forma em Portugal no início do milénio. A sua composição será imperfeita, na medida em que embora a sua configuração, em termos de estrutura ou departamentos de ação da administração central e regional, tenha sido implementada, vai sofrendo diferentes influências, seja por via de outras agendas políticas, seja por via da forte crise económica que atravessa o mundo euro-americano a partir de 2008-2009.

Entre 2004 e 2005 os governos sociais-democratas vão acentuar as políticas de inovação e criatividade, seja através da promoção de uma maior ligação entre as estruturas culturais e as outras estruturas sociais, nomeadamente as escolas, a uma maior proximidade entre as estruturas de criação artística e as comunidades locais. Defendia-se uma maior proximidade entre a educação e a acultura. Por outro lado, a emergência do conjunto de recomendações da UNESCO, nomeadamente a Convenção sobre a Diversidade Cultural, bem como os destaques dados pelas Nações Unidas à Economia Criativa e às Industrias Culturais vão por seu turno abrir uma ligação entre as políticas culturais e as políticas de emprego.

A partir da crise económica europeia, e da crise securitária na europa que resulta do aumento da conflitualidade no mundo mediterrâneo, produz uma reconfiguração dos fluxos turísticos no sul da Europa, com um aumento exponencial da atratividade das cidades portuguesas. O aumento do turismo, também mercê do aumento da circulação de passageiro em companhias law-cost, coloca a questão do turismo cultural no centro das agendas das políticas culturais.

A questão da diversidade cultural e da valorização do emprego criativo, passam a assumir-se como paradigmas das políticas culturais públicas. A passagem do modelo cosmopolita imperfeito, para o modelo de redes imperfeito que caracteriza as políticas públicas contemporâneas, articula as dimensões globais, nacionais e locais, as atuações dos atores institucionais, associativos a da sociedade civil, onde a atuação empresas deixam de ser vista apenas numa dimensão da acumulação (para além duma crescente mercantilização de várias atividades culturais, como por exemplo os grandes concertos e exposições, verifica-se que existem pequenas empresas locais, de pequenos empregadores).

O fim do monopólio estatal nas políticas públicas culturais obriga a pensar na configuração do setor cultural e criativo. Assim, existem como modelo do setor cultural e criativo oito domínios[1]: 1. Património, Arquivos e Bibliotecas 2. Livros e Publicações; 3. Artes Visuais; 4. Artes do Espetáculo; 5. Audiovisual & Multimédia; 6. Arquitetura & Design; 7. Publicidade; 8.atividades Interdisciplinares.

É claro que esta é uma visão predominantemente economista onde os domínios se caracterizam por conjunto de práticas, atividade ou produtos artísticos, centros em expressões artísitica”, onde se podem analisar as diferentes fase de produção, que aos autores chama de “funções”, que são 6, a saber: 1. Criação; 2. Produção /Divulgação; 3. Difusão / Marketing 4. Preservação / Conservação; 5. Educação; 6. Gestão / Regulação. A atividade económica assume, em cada uma das funções um valor, que deve ser agregado ao produto ou domínio.

A passagem para este modelo em Portugal inicia-se entre 2005, com uma política pública socialista estruturada em 3 eixos: a defesa do património cultural em ligação com o apoio à atividade criativa e artística apoiada em redes e redes de equipamentos culturais, de forma a criar uma dimensão nacional às atividades culturais; a formação artística e de públicos, e a internacionalização da economia portuguesa. Não podemos olhar para afirmação deste modelo como momentos precisos. Cada tempo, herda estruturas e atores que atuam em função de agendas próprias, ao mesmo tempo, que novas agendas se vão consolidando. Este modelo que usamos de João Carlos Rubim é apenas um modelo teórico que resulta da observação do social e da sociedade onde a “a multiplicidade de potenciais agentes na nova cena das políticas culturais deriva da atenção alargada com a cultura; da vigência do conceito ampliado de cultura; das novas instâncias envolvidas com as questões culturais; da possibilidade contemporânea de viver múltiplas identidades[2]

Por exemplo, ainda em 2008, em Portugal, o objetivo das políticas culturais ainda é olhado sob um prisma desenvolvimentistas, defendendo-se que o estado deveria financiar a cultura com 1% do orçamento de Estado, em linha com as recomendações europeias. Ou seja, num momento em que se articula o pensamento transversal, e em rede, ainda se defende o Estado como principal financiador e ator. Vários programas foram então lançados, com objetivos desenvolvimentistas. O Inov-arte, o Promuseus. A promoção o educação artística e a criação de redes criativas e de laboratórios criativos, bem como um ousado programa de circulação de exposições de arte portuguesas, na europa e nos países africanos de expressão portuguesa.

A crise económica de 2011 interrompe esta transição criando políticas pública restritivas, onde a cultura é menorizada. Desaparece o Ministério e são extintos a maioria dos departamentos de estado que detinham autonomia administrativa. Nesta fase é questionada a sustentabilidade dos equipamentos culturais da primeira geração (bibliotecas, museus, arquivos, centros culturais, centros artísticos), privilegiando-se claramente o desenvolvimento de parcerias público-privadas, se não na gestão direta dos equipamentos, sobretudo na sua programação. São questionadas as intervenções do estado central, privilegiando-se agora a internacionalização da cultura portuguesa, por via duma maior participação em eventos internacionais. Uma das novidades, e o destaque dado ao design como uma das componentes

As questões que se constituem como estruturantes paras as políticas culturais públicas são: a sustentabilidade dos equipamentos culturais, a questão do acesso à cultura, a formação dos profissionais e a dignidade do emprego criativo, e a dimensão de internacionalização conjugada com a criação de comunidades sustentáveis[3] e na busca duma concertação com outras área de governos, procurando ganhar dimensão transversal com as áreas das finanças, da educação e ciência, do emprego e da segurança social.

Lugar da Cultura[4] foi um conjunto de intervenções feita em 2015, onde o governo de então procurou consolidar a visão para a cultura, em parte sustentada nas propostas do Livro Branco da Cultura (2015).Independentemente da organização institucional, os programas de apoios às artes e ao teatro passaram a ter uma duração plurianual. As artes e o teatro, o cinema e o audiovisual, a ópera e as companhias de bailado virem, neste período os apoios financeiros a serem contratualizados numa base de programas quadro, acessíveis através dos concursos públicos. Em alguns lugares, com apoio dos municípios mais cosmopolitas, surgiram gabinetes de apoio às atividades criativas, laboratórios criativos e outras estruturas de intervenção cultural, de tipo empresarial, que passam a ter acesso a financiamentos públicos. A intervenção do estado na gestão dos seus equipamentos passou por uma política de concentração (por exemplo a OPARTE que geria os teatros nacionais e a opera, ou em Lisboa a concentração da gestão dos equipamentos culturais) ou dos museus. No caso dos museus a política público foi de alguma forma errática, passando por uma descentralização administrativa, com museus nacionais a passarem para tutelas municipais ou de regiões administrativas, primeiro com uma base experimental, mas sem as consequentes avaliações. A Rede Portuguesa de Museus, prometida como uma inovação na intervenção, acabou por se constituir num mero organismo de administração pública, sem relevância para as atividades dos museus.

Na raiz das diferentes aproximações às políticas culturais em rede são mais as semelhanças do que as diferenças. A ideia de que a cultura é um instrumento de desenvolvimento é unanime, a ideia de que a cultura portuguesa se deve internacionalizar, também; a vontade de promover o emprego no setor cultural e criativo é unanime. As principais nuances estão entre os que defendem uma “democracia cultural” para o qual é necessária a intervenção do Estado, dos que defendem, que a sustentabilidade da cultura depende do mercado, devendo o estado atuar como regulador e incentivador.

As querelas entre agentes culturais tem deixado de fora as novas tendência culturais, que acabam por se concretizar na cidade. A digitalização da cultura decorre fora dos modelos de políticas públicas, a exploração a criatividade da cidade tem permanecido como uma questão urbana, fora da intervenção das culturas nacionais e municipais. Uma interessante experiencia de trabalho em rede, foi dado pelo “Arte em Rede” que reune diferentes companhis da teatro de dança de iniciativa municipal.[5]

 

[1] Segundo as organizações estatísticas das contas satélite da cultura na europa

https://www.igac.gov.pt/documents/20178/557437/A+dimens%C3%A3o+do+setor+cultural+segundo+as+Contas+Sat%C3%A9lite+da+Cultura+europeias.pdf/55a86760-f16c-4c57-a01c-0de22e9e01fa

[2] Canelas Rubim, A. (2009). Políticas culturais e novos desafios. Matrizes, 110.

[3] http://www.gepac.gov.pt/estatisticas-e-estudos/estudos.aspx

[4] http://olugardacultura.pt/

[5] https://www.artemrede.pt/v3/pt/o-que-somos/artemrede.html