Arquivo da categoria: Fado

É possível democratizar a arte sem que ela se massifique?

Conjunto de Perguntas para a Revista Verso #4

  1. É possível democratizar a arte sem que ela se massifique?

A questão de democratização da arte tem estado muito ligada à discussão entre cultura erudita e cultura popular, criada no século XIX, uma questão que tem as suas raízes no século XVI com a distinção entre história natural e história política, ou se quisermos entre cultura e natureza. Deixando de lado a fissura entre cultura e natureza, a fissura entre erudição e popular tem implícito a divisão social entre senhores e servos. Nesta divisão social, correspondem dois mundos, o dos senhores que tem acesso à uma cultura erudita, vista como superior, que legitima essa mesma situação de dominação social, e o mundo popular, que transporta uma cultura primitva, feita de repetições a que se chamou folclore. A questão da democratização está ligada à questão da democratização da sociedade, questão que pode ser vista no campo dos direitos, políticos, sociais, culturais e ambientais.

No que tange á questão dos direitos culturais, a democratização de cultura ganham especial relevância com a criação das políticas culturais públicas, que a UNESCO, com forte impulso da França leva a cabo. As políticas culturais estão baseadas em cinco princípios: o direito ao usufruto dos bens culturais e do património cultural, á livre criação cultural, á participação nas decisões públicas sobre as políticas culturais e à questão dos direitos de autor.

Esta formulação está muito contaminada pelo aquilo a que podermos chamar a hegemonia do pensamento eurocêntrico, que formula uma organização da pólis, a partir do seu quadro de valores. Isso á particularmente evidente na discussão emergente, sobre os direitos de criação social (quem beneficia dos direitos de criação das obras produzidas pelas comunidades?).

Deixamos agora de lado esta questão, pela sua complexidade, e centremos-mos na questão da democratização da arte versus massificação. É fácil de entender que a democratização da arte se entende pela extensão do acesso à sua produção (o que implica uma educação pela arte na sociedade) e ao seu usufruto (que implica por sua vez uma extensão de lugares de arte). Ora como sabemos, nem o nosso ensino a Educação pela Arte constitui um pilar de conceptualização, nem o seu acesso é hoje adequada mente universal. Bem sabemos que nos últimos 30 anos as políticas públicas enxamearam os territórios com redes de equipamentos culturais (bibliotecas, arquivos, museus, centros culturais, galerias de arte, parques culturais, etc.).

Na maioria dos casos estas políticas, de apoio ás artes, e à construção de equipamentos, não estão apoiadas em processos que favoreçam um “arte popular” se assim podemos falar da produção de arte pelas “massas” populares. Uma outra questão que é também relevante, é saber se todos podem ser artistas ou essa condição de artista implica um determinado estatuto social com o correspondente benefício político. Ora como todos sabemos, todos podemos ser artistas, cada um com a sua particularidade. Uns serão mais criativos, outros menos. Mas nem todos somos artistas, muitos de nós porque não tivemos acesso a uma formação artística.

Dessa forma a resposta é que nestas condições sociais, dificilmente a arte pode ser massificada. Mas que se ousarmos pensar numa outra forma de sociedade, sim a arte poderá ser massificada, sendo que para isso termos que reinventar a democracia.

Fado Cantado no XII CONLAB

fadodançado

 

O nosso amigo José Teixeira, no seu Blog Ma-Chamba, a propósito da sessão de abertura do XII CONLAB, já se havia referido à questão do grupo “Fado Cantado” uma dança promovida pela Associação Batotoyetu, uma Associação que Citamos :

A Associação Cultural e Juvenil Batoto Yetu Portugal (BYP) é uma organização sem fins lucrativos que foi implementada em Portugal em 1996 pelo coreógrafo e fundador Júlio Leitão, com o apoio da Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento e da Câmara Municipal de Oeiras.
A BYP, sedeada no Bairro Dr. Francisco Sá Carneiro, em Laveiras, Caxias, desenvolve desde essa data um trabalho de apoio junto das crianças e jovens da área metropolitana de Lisboa, e, mais concretamente, do Concelho de Oeiras.
Tem como alvo primordial as crianças e jovens provenientes dos bairros suburbanos da grande Lisboa, estando aberta a todos os que se identificam com o seu ritmo e espírito.
A Associação Cultural e Juvenil Batoto Yetu procura através da dança e expressão artística e da descoberta das raízes culturais africanas das crianças e jovens, o desenvolvimento da sua auto-estima. Espera assim que estas crianças e jovens se integrem do ponto de vista sócio-cultural na sociedade onde vivem, contribuindo para um Portugal intercultural e cosmopolita.”

Nesta caso concreto, procura recriar a partir do Fado, um novo produto artísitco, usando as música e a dança e explorando a sua origem africana. Reunem raizes brasileiras, angolanas, de caboverdeanas e portuguesas.

No nosso site Museu Afro-digital, ja haviamos abordados a questão  das heranças africanas do Fado. Ora sobre esta questão diz-nos José Teixeira no seu artigo.

O cúmulo foi o episódio “danças e cantares”, um grupo de jovens tamboristas e dançarinas (uma batucada, dir-se-ia no tempo do Marechal Carmona) afrodescendentes acompanhados de um músico fadista, um pretenso multiculturalismo com que a organização portuguesa recebeu os participantes nacionais e estrangeiros. Assim como se em Maputo recebêssemos um congresso com um grupo musical da Escola Portuguesa de Moçambique mesclado com um timbileiro de Zavala e se tocasse música de Freitas Branco. Esta candura que se julga multicultural é mesmo o sintoma do mal-estar com a história, como se uma mácula identitária de irreflexão construída, presente em alguns nichos portugueses, e tanto também no campo das ciências sociais. Pois, como diz o sábio povo, “em casa de ferreiro espeto de pau …”. Sei que as duas décadas de Moçambique, parte das quais a aturar a sub-intelectualidade socialista portuguesa, me tornou muito sensível a esta auto-incompreensão patrícia, mas já vai sendo tempo, em 2015, da “gente” se pensar a sério.

É certo que o autor não deixa de ter razão sobre a forma como os portugueses se veêm na sua relação como os antigos espaços coloniais. Há nesta tradição identitária, cujo exemplo se têm vindo a cristalizar na forma pejorativa da tradição folclórica,  uma analogia forte entre a saudade do império e os novos mitos lusófonos. A questão que interessa discutir aqui é a seguinte: A identidade constrói-se a partir de quê?  Quem é que constrói a identidade?  Qual é o limite e a extensão da construção identitária? A raiz da tradição é sempre uma tentação. O que é novo necessita de se afirmar na tradição ou assume-se como inovação? Podemos produzir sem pensarmos a partir de raizes. De reeinventramos a partir das raizes?

Fica a resposta para outras ocasiões

 

 

Tristes Fados e Patrimónios

dialogosurbanos

A propósito do posta anterior, já tínhamos apresentado este livro Diálogos Urbanos de Carlos Fortuna e Rogério Proença Leite, publicado em 2013, na série Cidades e Arquitectura da coleção CEs da editora Almedina,

Do seu prefácio afirma-se “Diálogos Urbanos é um livro sobre proximidades e distâncias entre e dentro das cidades. Escrito com um olhar crítico, o livro enfrenta o desafio duplo de revelar aquilo que estas proximidades e distâncias mostram e aquilo que tornam invisível ou escondem” .

Esta proposta materializa-se no trabalho através de três secções. (I) Territórios em Mudança, (II) Expressões de Cultura, e (III) Património em Diálogos.

Nesta última secção retemos o dialogo entre os processos de patrimonialização do Fado em Lisboa e do Samba no Rio de Janeiro. Luciana Mendonça e Paula Abreu falm das diferenças e das semelhanças entre os dois processos. Trata-se dum assunto que nos interessa, ao qual temos vindo a procurar criar diálogos com a Marrabenta de Moçambique, nas suas tensões identitárias como formas de afirmação das vidas urbanas.