Arquivo da categoria: Educação para a Paz

Teses sobre a História XIII

Décima terceira tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
Nossa causa está cada dia mais clara e o povo cada dia mais esclarecido.”
Josef Dietzgen, Filosofia social-democrata
A teoria e, mais ainda, a prática da social-democracia foram determinadas por um conceito dogmático de progresso sem qualquer vínculo com a realidade. Segundo os social-democratas, o progresso era, em primeiro lugar, um progresso da humanidade em si, e não das suas capacidades e conheci-mentos. Em segundo lugar, era um processo sem limites, ideia correspondente à da perfectibilidade infinita do gênero hu-mano. Em terceiro lugar, era um processo essencialmente automático,
percorrendo, irresistível, uma trajetória em fle-cha ou em espiral. Cada um desses
atributos é controvertido e poderia ser criticado. Mas, para ser rigorosa, a crítica

precisa ir além deles e concentrar-se no que lhes é comum. A idéia de um progresso
da humanidade na história é inseparável da idéia de sua marcha no interior de um
tempo vazio e homogêneo. A crítica da idéia do progresso tem como pressuposto a
crítica da idéia dessa marcha.

Nesta tese Benjamin critica a ideia de progresso, que hoje será mais adequado chamar de desenvolvimento, e que Adam Smith procurou encontrar na sua obra sobre a Causa da Riqueza das Nações. Uma ideia que rotula social-democrata onde tem base na crença do continuo , infinito e ilimitado(do consumo, do conhecimento, dos recursos). Um progresso em espiral sem retorno. Como sabemos, pela experiência recente, isso não se verifica necessariamente, nem é automático. Defende Benjamim que o pensamento critico sobre a ideia de progresso deve ser pensado fora dele. É portanto necessário pensar o desenvolvimento fora desse desenvolvimento.

Teses sobre a História XII

Décima Segunda Tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
Precisamos da história, mas não como precisam dela os ociosos que passeiam no jardim da ciência.” Nietzsche, Vantagens e  desvantagens da história para a vida

O sujeito do conhecimento histórico é a própria classe combatente e oprimida. Em Marx, ela aparece como a última classe escravizada, como a classe vingadora que consuma a tarefa de libertação em nome das gerações de derrotados. Essa consciência, reativada durante algum tempo no movimento espartaquista, foi sempre inaceitável para a social-democracia. Em três decênios, ela quase conseguiu extinguir o nome de Blanqui, cujo eco abalara o século passado. Preferiu atribuir à classe operária o papel de salvar gerações futuras. Com isso, ela a privou das suas melhores forças. A classe operária desaprendeu nessa escola tanto o ódio como o espírito de sacrifício. Porque um e outro se alimentam da imagem dos  antepassados escravizados, e não dos descendentes liberados.”

Benjamin retoma aqui a sua polémica som as posições sociais democratas, que no contexto dessa escrita, teriam cconduzido à emergência do fascismo e ao aniquilamento da capacidade de luta dessa classe. Segundo Marx, os operários seriam os sujeitos de transformação da sua própria realidade.

Sabemos que o fascismo emergiu na Europa, sabemos as condições me que isso sucedeu. Agora a classe operária deixou de ser essa força transformadora. Na época da transição quem é o sujeito social dessa transformação ?

Teses sobre a História XI

Décima Primeira Tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
O conformismo, que sempre esteve em seu elemento na social-democracia, não condiciona apenas suas táticas políticas, mas também suas idéias econômicas.  uma das causas do seu colapso posterior. Nada foi mais corruptor para a classe operária alemã que a opinião de que ela nadava com a corrente. O desenvolvimento técnico era visto como o declive da corrente, na qual ela supunha estar nadando. Daí só havia um passo para crer que o trabalho industrial, que aparecia sob os traços do progresso técnico, representava uma grande conquista política. A antiga moral protestante do trabalho, secularizada, festejava uma ressurreição na classe trabalhadora alemã.

O Programa de Gotha já continha elementos dessa confusão. Nele, o trabalho é definido como “a fonte de toda riqueza e de toda civilização”. Pressentindo o pior, Marx replicou que o homem que não possui outra propriedade que a sua força de trabalho está condenado a ser “o escravo de outros homens, que se tornaram… proprietários”. Apesar disso, a confusão continuou a propagar-se, e pouco depois Josef Dietzgen anunciava: “O trabalho é o Redentor dos tempos modernos… No aperfeiçoamento… do trabalho reside a riqueza, que agora pode realizar o que não foi realizado por nenhum salvador”. Esse conceito de trabalho, típico do marxismo vulgar, não examina a questão de como seus produtos podem beneficiar trabalhadores que deles não dispõem. Seu interesse se dirige apenas aos progressos na dominação da natureza, e não aos retrocessos na organização da sociedade. Já estão visíveis, nessa concepção, os traços tecnocráticos que mais tarde vão aflorar no fascismo. Entre eles, figura uma concepção da natureza que contrasta sinistramente com as utopias socialistas anteriores a março de 1848. O trabalho, como agora compreendido, visa uma exploração da natureza, comparada, com ingênua complacência, à exploração do proletariado. Ao lado dessa concepção positivista, as fantasias de um Fourier, tão ridicularizadas, revelam-se surpreendentemente razoáveis. Segundo Fourier, o trabalho social bem organizado teria entre seus efeitos que quatro luas iluminariam a noite, que o gelo se retiraria dos pólos, que a água marinha deixaria de ser salgada e que os animais predatórios  entrariam a serviço do homem. Essas fantasias ilustram um tipo de trabalho que, longe de explorar a natureza, libera as criações que dormem, como virtualidades, em seu ventre. Ao conceito corrompido de trabalho corresponde o conceito complementar de uma natureza, que segundo Dietzgen, “está ali, grátis”.

Longo discurso sobre a questão do trabalho na História. Mais propriamente sobre o trabalho na teoria económica, feita a partir da análise da história operária. Aborda a questão do progresso e do domínio da natureza, que, segundo Benjamin, criou a ilusão de que o consenso com a ética protestante melhorariam a situação dos operários, minorando os efeitos da exploração capitalista. Esse ilusão da social democracia sobre o trabalho conduziu as organizações dos trabalhadores a ficarem prisioneiras de ideias utópicas que limitaram a sua capacidade de reação ao fescismo.

Teses sobre a História X

Décima tese sobre a História de Walter Benjamin.

walterbenjamimarteepolitica

Os temas que as regras do claustro impunham à meditação dos monges tinham como função desviá-los do mundo e das suas pompas. Nossas reflexões partem de uma preocupação semelhante. Neste momento, em que os políticos nos quais os
adversários do fascismo tinham depositado as suas esperanças jazem por terra e agravam sua derrota com a traição à sua própria causa, temos que arrancar a política das malhas do mundo profano, em que ela havia sido enredado por aqueles
traidores. Nosso ponto de partida é a ideia de que a obtusa fé no progresso desses
políticos, sua confiança no “apoio das massas” e, finalmente, sua subordinação
servil a um aparelho incontrolável são três aspectos da mesma realidade. Estas
reflexões tentam mostrar como é alto o preço que nossos hábitos mentais têm que
pagar quando nos associamos a uma concepção da história que recusa toda
cumplicidade com aquela à qual continuam aderindo esses políticos.”

Tese complexa na sua estruturação. A analogia entre a pratica monacal e o contexto de Benjamin mostra uma forma de pensarem que o real é observado a partir dos próprios conceitos que forma. Segundo Benjamin,os políticos haviam capitulado ao fascismo (através da procura da negociação), convictos que tinham o apoio democrático (do povo) a com confiança nas suas instituições (do estado burguês), que lhes escapou ao controlo. Trata-se portanto do exercito e polícia. Os aparelhos de repressão.

A questão que levanta é um questionamento ao pensamento fora do real, ao comodismo do poder e das instituições, esquecendo a análise das tensões sociais, que apresentam configurações políticas que são fluxos da organização do poder.

Propõe portanto uma atitude revolucionária, que seria alinha com os tempos da história. Transpondo a tese para os dias actuais, dias em que assistimos ao fim duma ordem nacional, um intenso processo de globalização e uma reconfiguração das instituições, leva-nos a pensar que o historiador deve procurar torna-se um revolucionário. Um defensor do processo de transição.

Teses sobre a História IX

Nona tese sobre a filosofia da História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepolitica
Minhas asas estão prontas para o vôo,
Se pudesse, eu retrocederia
Pois eu seria menos feliz
Se permanecesse imerso no tempo vivo.”
Gerhard Scholem, Saudação do anjo

Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade  o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos progresso.

Angelus Novus de Paul Klee

Uma das teses mais citadas de Benjamin. Boaventura de Sousa Santo usa-a sua Crítica da Razão Indolente, um livro sobre o qual estamos a trabalhar. O tempo do cronos que olha para trás, e vê ruínas e olha para a frente e vê a utopia. O progresso como utopia. Para elém da beleza do escrito, sobra-nos o encontro com o presente. Um presente que no contexto de Benjamin era sombrio. Também nós olhamos para esse progresso a partir das nossas ruínas.

Teses sobre a História VIII

Oitava tese sobre a filosofia da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica

A tradição dos oprimidos nos ensina que o “estado de exceção” em que vivemos é na verdade a regra geral. Precisamos construir um conceito de história que corresponda a essa verdade.

Nesse momento, perceberemos que nossa tarefa é originar um verdadeiro estado de exceção; com isso, nossa posição ficará mais forte na luta contra o fascismo. Este se beneficia da circunstância de que seus adversários o enfrentam em nome do progresso, considerado como uma norma histórica. O assombro com o fato de que os episódios que vivemos no séculos XX “ainda” sejam possíveis, não é um assombro filosófico. Ele não gera nenhum conhecimento, a não ser o conhecimento de que a concepção de história da qual emana semelhante assombro é insustentável.

Uma tese que nos mostra a experiência do horror do contexto. A ação, nesse caso de luta contra o fascismo, necessitava do tal estado de exepção, tal como hoje a acção contra o global exige um novo estado de exepção. A questão que hoje nos diferencia em relação a Benjamin é a percepção de redenção. Na sua época, rejeitava-se a filosofia fascista, com toda a sua estética e ética com a consciência de que havia uma alternativa a construir. hoje parece que temos mais dificuldade em olhar para essa redenção alternativa sem repensarmos a relação do ser com o outro.

O encontro como redenção será então uma tese para a história

Teses sobre a História VII

Sétima tese sobre a História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepoliticaPensa na escuridão e no grande frio Que reinam nesse vale, onde soam lamentos.” Brecht, Ópera dos três vinténs 

Fustel de Coulanges recomenda ao historiador interessado em ressuscitar uma época que esqueça tudo o que sabe sobre fases posteriores da história. Impossível caracterizar melhor o método com o qual rompeu o materialismo histórico. Esse método é o da empatia. Sua origem é a inércia do coração, a acedia, que desespera de apropriar-se da verdadeira imagem histórica, em seu relampejar fugaz. Para os teólogos medievais, a acedia era o primeiro fundamento da tristeza.

Flaubert, que a conhecia, escreveu: “Pouca gente se apreceberão como foi possível estar triste para ressuscitar Cartago”. A natureza dessa tristeza se tomará mais clara se nos perguntarmos com quem o investigador historicista estabelece uma relação de empatia. A resposta é inequívoca: com o vencedor. Ora, os que num momento dado dominam são os herdeiros de todos os que venceram antes. A empatia com o vencedor beneficia sempre, portanto, esses dominadores. Isso diz tudo para o materialista histórico. Todos os que até hoje venceram participam do cortejo triunfal, em que os dominadores de hoje espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os despojos são carregados no cortejo, como de praxe. Esses despojos são o que chamamos bens culturais. O materialista histórico os contempla com distanciamento. Pois todos os bens culturais que ele vê têm uma origem sobre a  qual ele não pode refletir sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos grandes gênios que os criaram, como à corvéia anônima dos seus contemporâneos. Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie. E, assim como a cultura não é isenta de barbárie, não o é, tampouco, o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua tarefa escovar a história a contrapelo.”

Palavrosa e extensa, esta tese alerta para a distinção entre a sedução do passado e a compreensão do passado. Segundo Benjamin, os bens culturais, como despojos dos vencedores são isso mesmo, narrativas sobre a violência que permite a opressão. A história é feita de violência e o que é um trabalho de um génio, é também um trabalho dos anónimos seus contemporâneos. De alguma forma escrita da história terá que ser sempre uma escrita subversiva.

Teses sobre a História VI

Sexta tese sobre a História de Walter Benjamim

walterbenjamimarteepoliticaArticular historicamente o passado não significa conhecê-lo “como ele de fato foi”. Significa apropriar-se de uma reminiscência, tal como ela relampeja no momento 
de um perigo.

Cabe ao materialismo histórico fixar uma imagem do passado, como ela se apresenta, no momento do perigo, ao sujeito histórico, sem que ele tenha consciência disso.

O perigo ameaça tanto a existência da tradição como os que a recebem. Para ambos, o perigo é o mesmo: entregar-se às classes dominantes, como seu instrumento. Em cada época, é preciso arrancar a tradição ao conformismo, que quer apoderar-se dela. Pois o Messias não vem apenas como salvador; ele vem também como o vencedor do Anticristo. O dom de despertar no passado as centelhas da esperança é privilégio exclusivo do historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.”

Walter Benjamin regressa com esta tese à questão do momento histórico e da sua característica. Do seu significado dialético, crítico que se distingue do historicismo acrítico. Para o historiador, cada momento da sua análise crítica deve ser fixada em função dessa tensão essencial. Da sua força transformadora, que muitas vezes vai para além da consciência do sujeito participante. Por isso distingue tradição do conformismo. Sendo que a história deve procurar nessa tradição a sua força redentora. Uma foraç redentora que é aqui apresentada sob uma forma mística duma centelha de esperança transportada pelo Messias que se opõe ao Anticristo. A história e a tradição não é apenas passado, é uma arma de combate da memória de futuro.

Teses sobre a História V

5º tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaA verdadeira imagem do passado perpassa, veloz. O passado só se deixa fixar, como imagem que relampeja irreversivelmente, no momento em que é reconhecido. “A verdade nunca nos escapará” — essa frase de Gottfried Keller caracteriza o ponto exato em que o historicismo se separa do materialismo histórico. Pois irrecuperável é cada imagem do presente que se dirige ao presente, sem que esse presente se sinta visado por ela.”

Neste tese Benjamin procura distinguir a qualidade do evento. O presente é um momento que quando nele pensamos já passou. Já é passado. Perante essa impossibilidade de capturar o presente, importa distinguir, segundo Benjamin, o ruído da essencia musical. Assim como apenas o virtuosismo da harmonia interessa na composição musical, ou do belo na arte, ao historiador interessa selecionar as imagens que caracterizam o processo de transformação. Interessa distinguir o que está a emergir de novo, do que é apenas reprodução estéril de eventos sem futuro. O historicismo trabalha sobre a reprodução do estéril. O materialismos histórico trabalha sobre as condições de transformação.

Teses sobre a História IV

Diz Walter Benjamin na sua quarta tese sobre a História

Lutai primeiro pela alimentação e pelo vestuário, e em segwalterbenjamimarteepoliticauida o reino de Deus virá por si mesmo”. (Hegel, 1807)

A luta de classes, que um historiador educado por Marx jamais perde de vista, é uma luta pelas coisas brutas e materiais, sem as quais não existem as refinadas e espirituais. Mas na luta de classes essas coisas espirituais não podem ser representadas como  despojos atribuídos ao vencedor. Elas se manifestam nessa luta sob a forma da confiança, da coragem, do humor, da astúcia, da firmeza, e agem de longe, do fundo dos tempos. Elas questionarão sempre cada vitória dos dominadores. Assim como as flores dirigem sua corola para o sol, o passado, graças a um misterioso heliotropismo, tenta dirigir-se para o sol que se levanta no céu da história. O materialismo histórico deve ficar atento a essa transformação, a mais imperceptível de todas.”

Súbtil interpretação dos objetos históricos referenciados como arte. Tesouros da humanidade ou apenas objetos relevantes. Sendo certo que a produção do belo obriga à satisfação das necessidades básicas, mais materiais. Também não é menos certo, e essa á a tese do autor, que nessa produção do belo estão os sinais das contradições da sociedade e dos contextos em que as obras são produzidas. Como diria o velho Marx, nesse objetos, burgueses, estão presentes os princípios da sua contradição. A sua natureza dialética que permite a emergência do novo. Há uma crença no destino da humanidade. Na sua redenção.

Teses sobre a Filosofia da História III

walterbenjamimarteepoliticaDiz Walter Benjamim na sua terceita tese sobre a Filosofia da História:

“O cronista que narra os acontecimentos, sem distinguir entre os grandes e os pequenos, leva em conta a verdade de que nada do que um dia aconteceu pode ser considerado perdido para a história. Sem dúvida, somente a humanidade redimida poderá apropriar-se totalmente do seu passado.

Isso quer dizer: somente para a humanidade redimida o passado é citável, em cada um dos seus momentos. Cada momento vivido transforma-se numa citation à l’ordre du jour — e esse dia é justamente o do juízo final.”

Trata-se duma distinção entre a Crónia e a Ciência Histórica. Para comprender esta questão é útil a leitura de Joaquim Barradas de Carvalho Da História Crónica à história ciência” publicado pelos Livros Horizonte em 197 e ta, republicado várias vezes nos anos oitenta, manual obrigatório para o estudante de história na velhiha Faculdade de Letras de Lisboa. Distinguia então Barradas de Carvalho, talvez influenciado por estas leituras de Benjamin, que a córnica antecedia a História, no tempo e na forma. A cónica seria uma herdeira do canto épico, cultivado na Idade Média como registo dos eventos remarcaveis, cujo parente mais próximo são os anais ou diários. A História, agora vista como científica, procura ir mais longe da simples colecção de documentos. Cabe-lhe a função de intrepretar os documentos, colocando-os em contexto e analisando-os de forma crítica. O pensamento histórico é feito sobre essa selecção da materialidade relevante.

A questão que Benjamin nos coloca é todavia mais ampla. A possibilidade de apreender esse passado, na sua totalidade, apenas será possível no dia de redenção. Embora nos possa parecer uma intrepretação mística, a redenção, ou o dia do juízo final remete-nos para a mitologia judaica do destino. Os destinos da humanidade como esse grande marcha para um qualquer ponto no futuro, feito de pequenos passos, escolhidos no presente. Entender essa dinâmica é o desafio da História.

 

Teses sobre a Filosofia da História II

tese 2 (pp 156-157) walterbenjamimarteepolitica

“Um dos aspetos mais surpreendentes da alma humana é que ao lado de tanto egoísmo no pormenor, o presente, em geral não tem qualquer inveja do seu futuro”.

Essa reflexão de Lotze leva a pensar que nossa imagem de felicidade é completamente marcada pelo tempo para que nos regalou o curso da nossa própria existência. A felicidade que poderiamos invejar não diz mais respsito ao ar que respiramos, aos homens com os quais podemos falar, às mulheres que poderemos vir a possuir possuído. Em outras palavras, a imagem da felicidade é inseparável da redenção. Acontece o mesmo com a imagem do passado que a história faz sua. O passado carrega consigo um índice misterioso, que o reenvia para à redenção.

Pois não somos tocados por um sopro do ar que foi respirado antes? Não existem, nas vozes que escutamos, ecos de vozes que emudeceram? Não têm as mulheres que cortejamos, irmãs que elas não chegaram a conhecer? Se assim é, existe um encontro secreto, marcado entre as gerações precedentes e a nossa. Alguém na terra está à nossa espera.

Nesse caso, como a cada geração, foi-nos concedida uma frágil força messiânica para a qual o passado dirige um apelo. Esse apelo não pode ser rejeitado impunemente. O materialista histórico sabe disso.”

Nesta tese Benjamin fala-nos dos traços que nos chegam do passado e se projetam no futuro. Tratam-se de traços despojados da essência da materialidade. Acentua com isso a dimensão transcendente do ser. A sua dimensão divina que se concretiza na libertação da condição de escravo da matéria. Por isso nos fala da redenção, como esforço de libertação.

Contudo, essa dimensão de redenção, uma visão messiânica de está associada aos destinos do coletivo. Trata-se duma consciência do ser social no seu devir. Uma centelha que permite a cada um encontra-se consigo e com os outros.

Teses sobre a filosofia da História de Walter Benjamin I

walterbenjamimarteepolitica

 

Ando já algum tempo com o livro do Walter Benjamim em cima da mesa para o voltar a trabalhar de forma crítica. Trata-se duma edição da Relógio de Água de 1992. as teses sobre a filosofia da História está publicadas nas paginas 157. 172.

A primeira tese é a seguinte

É conhecida a história de um autómato capaz de responder, numa partida de xadrez, 
a cada lance do seu adversário e de assegurar a vitória na partida. Um fantoche vestido à turca, com um narguilé na boca, sentava-se diante do
tabuleiro, colocado numa grande mesa. Um sistema de espelhos cria a ilusão de
que o olhar pode atravessar a mesa de lés a lés. Na realidade, um
anão corcunda, mestre na arte do xadrez, ocultou-se aí, e através de cordelinhos dirige a
mão do fantoche. É possível em Filosofia montar uma réplica deste aparelho. O fantoche chamado “materialismo histórico” ganhará sempre. Ele pode audaciosamente desafiar quem quer que seja, e tomar ao seu serviço a Teologia, que como se sabe hoje é pequena e feia e além disso não ousa mostrar-se.” (pagina 157)

Hoje não temos já quem cite o materialismo histórico. O seu encantamento esfumou-se. Não que não seja um instrumento útil para análise história. Não podemos é confundir a análise da história com a crença na História.

Benjamim escreve num contexto particularmente violento. A guerra atravessa a Europa. Não é supreendente que procura libertar-se de preconceitos deste tipo de interpretações.

Sociodrama com Crianças

Sociodrama com Crianças

a partir de modulo co  Luciano Moura – Maio 2014

“As pesquisas de Moreno sobre o sociodrama e sua relação com o psicodrama, dizem respeito à encruzilhada formada pelas vias do individual, do grupal e do social. Esta é a razão de Moreno ter acentuado que o psicodrama se ocupa do individual, e o sociodrama, do grupal. Sabemos que assim é, mas sabemos também que ninguém pode ocupar-se do individual, sem ocupar-se, ao mesmo tempo do social e vice-versa (Mário J. Buchbinder).

“O verdadeiro sujeito de um sociodrama é o grupo”.

“… É o grupo, como um todo, que tem de ser colocado no palco para resolver os seus problemas, porque o grupo, no sociodrama, corresponde ao indivíduo no psicodrama”.

Especificidade do trabalho com crianças:

  • “O trabalho do Diretor  deve ser basicamente, aquecer o grupo, para que eles interajam o mais livremente possível”
  • a própria interação dos membros do grupo é bastante intensa e produz muitos resultados…”
  • os comentários devem ser mais reduzidos do que em outros Psicodramas terapêuticos.”

“No Sociodrama o Diretor deve visar sempre a dinâmica de grupo e não se ater a um protagonista de forma fixa, tentando simplesmente corrigir determinado comportamento, mas trabalhar sempre na interação do grupo”. “O protagonista é sempre o grupo”.

“É evidente que quando existe uma situação grupal em que um individuo traz um tema, esse indivíduo pode dramatizar, mas na fase de comentários, o tema deve ser sempre levado a todos….ampliando-se as dificuldades para todos em situações semelhantes”.

“A tendência do Psicodrama com crianças é mais de carácter sociodramático”…

“frequentemente é necessário incluir todos os elementos do grupo no contexto dramático, num funcionamento mais lúdico e sociodramático.

 

Origem do Psicodrama

  • A brincadeira de “ser Deus” do jovem Moreno

“Moreno conta que aos 4 anos e meio organizou uma brincadeira com algumas crianças no porão da sua casa, empilhando cadeiras sobre uma mesa, até o teto, para brincar de ser Deus: os seus amigos faziam o papel de anjos e incentivavam para que ele voasse até o chão, ação dramática assumida pelo pequeno protagonista embalado pelos sonhos de ser Deus. O resultado imediato foi uma fratura no braço. A longo prazo, essa experiência é tomada como uma Cena precursora da criação do Psicodrama.

Moreno ao mesmo tempo em que dirige a cena, transforma-se em autor e ator do drama. O seu público compartilha e estimula o protagonista à ação.”

  •  Jogos de improviso com crianças nos jardins de Viena na década de 1910, com brincadeiras de “faz-de-conta”.

“…contato com pequenos grupos de crianças, nos jardins de Viena, onde propõe e improvisa brincadeirasdistribuindo-lhes papéis.” “

realiza em 1911, no Kindergarden, um Teatro de Crianças, a sua primeira sessão de Teatro Espontâneo, ainda como estudante”.

“…concebe algumas ideias a respeito das estruturas grupais e do efeito terapêutico do grupo sobre o indivíduo.” “…a importância da liberdade, espontaneidade e criatividade” “…o mandamento: Sê Espontâneo”.

Segundo Moreno: “o desempenho de papéis favorece a espontaneidade e a criatividade”.

  • Espontaneidade(latim, sua sponte = do interior para o exterior)
    • A resposta adequada a uma nova situação, ou 
    • a resposta nova a uma situação antiga

“…1º Ato Público Psicodramático, no dia 1 de abril de 1921, dia dos loucos, na Áustria, dia da mentira, para nós. “…propôs como tema dramático a escolha do Rei da Áustria e conseguiu vários voluntários para encená-lo… “…estavam a ser lançadas as bases para o enquadre do Sociodrama…”.

“…passa a realizar improvisações espontâneas com um grupo de atores profissionais, até descobrir que a representação espontânea de situações da vida quotidiana produzem efeitos terapêuticos (1924). “…Descobriu os efeitos terapêuticos do seu manejo técnico e passou a designar o seu Teatro Espontâneo como Teatro Terapêutico.”

“…definiu diferentes enquadres psicodramáticos.

  • Teatro de Improviso, onde o drama é encenado da forma como surge, com atores e protagonistas espontâneos;
  • Teatro Terapêutico, onde existe um conflito a ser trabalhado e as pessoas representam a própria vida…”.

“ …a primeira demonstração pública do Psicodrama,…passa a dirigir sessões de Psicodrama Público,….

Publica, em 1934, Quem Sobreviverá? reeditado posteriormente com o nome de Fundamentos da Sociometria……são bem acolhidos pela comunidade científica americana, praticados e desenvolvidos”.

“Disseminação do Psicodrama…a partir de 1946, o Psicodrama de Crianças começa a expandir-se na França…”

“…entre 1969 e 1970 o Psicodrama desenvolveu-se rapidamente, tanto na Argentina, sob a liderança de Jaime Rojas-Bermúdez (criador da Teoria do Núcleo do Eu), quanto no Brasil, inicialmente através de Alfredo Correia Soeiro, (formado por Rojas-Bermúdez). “…surgiram divergências teóricas…”.

Moreno, coloca a ênfase na importância terapêutica do grupo, como promotor do relacionamento interpessoal:

  • – favorecendo o desempenho, a reflexão sobre as atitudes…
  • – permitindo experimentar a mudança, lidar com os sentimentos e conflitos que emergem nos grupos,

tratando-se assim de um processo de interação estimulador da autoconsciência e do desenvolvimento pessoal e social.

MATRIZ DE IDENTIDADE – segundo Moreno, é a placenta social da criança, o locus em que ela mergulha as suas raízes”.

Na evolução da criança, a Matriz está ligada aos processos fisiológicos, psicológicos e sociais, refletindo a herança cultural na qual está inserida, que a prepara para a sociedade, ou seja, é o primeiro processo da aprendizagem emocional da criança (assimilação e desenvolvimento dos papéis que desempenhará na relação com o mundo).

Matriz de Identidade – 3 fases:

1ª fase: IDENTIDADE DO EU(EU – COMIGO) EU – EU Duplo
2ª fase: RECONHECIMENTO DO EU(EU E O OUTRO) EU – TU Espelho
3ª fase: RECONHECIMENTO DO TU(EU COM O OUTRO) EU – ELE Inversão de papéis

– Identidade do eu (duplo) – indiferenciação

– Reconhecimento do eu (espelho) – perceção da separação do outro

– Reconhecimento do tu (inversão de papeis) – capacidade de se colocar no papel do outro.

  •  Pretende-se, utilizando técnicas psicodramáticas, ajudar a pensar e a ultrapassar os problemas, facilitando o confronto e a troca de diferentes experiências, promovendo o insight, a diminuição de resistências e de ansiedades.
  •  O Psicodrama corresponde a uma terapia individual feita em grupo, em que a técnica utilizada se baseia na dramatização (“como no teatro”) → com a representação de situações, histórias, vivências…, partilhadas por todos os elementos presentes no grupo (todos estão presentes, mesmo que não representem).
  • Procura-se favorecer a aprendizagem de competências pessoais e sociais e de estratégias alternativas para lidar com as situações [Símbolo] num espaço de tolerância, de confiança, estimulante e contentor das emoções.
  •  O objetivo da terapia prende-se com “a melhoria do bem-estar psicológico”

O grupo terapêutico, pode permitir abordar questões de difícil verbalização, atuando como um fator promotor da mudança, da construção de competências, do crescimento emocional.

  •  A coesão grupal permite sem dúvida um trabalho psicoterapêutico com resultados mais satisfatórios.

Indicações para G.T. com crianças

Depende do que o Diretor se propõe trabalhar…

Esta abordagem psicoterapêutica pode destinar-se a crianças que apresentem… (ex: perturbações da esfera psicoafectiva e relacional, especialmente com patologia ansiosa, evidenciando sintomas como: inibição, imaturidade afetiva, dificuldades relacionais, angústia de separação, fobias, ansiedade social, perturbação depressiva com manifestações ansiosas.

Podem no entanto ser excluídos casos → ex: de debilidade mental, psicoses e perturbações do comportamento que possam colocar em risco o funcionamento do grupo.

Outras indicações são possíveis…

Na escolha do grupo (depende do que o Diretor se propõe trabalhar…)  pode ser desaconselhável, quer um grupo demasiado homogéneo, quer demasiado heterogéneo.

Admissões – sugestões

  • As propostas para o Grupo são feitas pelo Médico Assistente e posteriormente avaliadas pela equipa Terapêutica.
  • Os utentes propostos, devem ser previamente entrevistados por pelo menos dois elementos da equipa terapêutica, com o objetivo de uma seleção.
  • Nº de utentes/ Proporção entre sexos / diferença de idades… 

Contrato Terapêutico:

Com o objetivo de garantir o cumprimento de “regras do funcionamento do grupo”, é feito com os pais e com a criança, um Contrato Terapêutico prévio, com definição dos objetivos do tratamento, explicação das regras do funcionamento do grupo (e sempre que necessário repetindo as regras durante as sessões…)

Normas de funcionamento do grupo terapêutico – Sugestões:

  • As sessões decorrem durante o ano letivo escolarcom interrupções nas férias do Natal, férias da Páscoa e férias grandes. 
  • As sessões têm uma frequência semanal e a duração de 60 minutos.
  • É importante que o utente seja assíduo às sessões (importante para o próprio e para os outros participantes do grupo), sendo excluído o elemento que der mais de três faltas não justificadas.
  • Garantir o rigor na pontualidade, tanto na chegada como na saída.

Outras regras são previamente definidas:

  • não sair da sala sem autorização, não estragar o material
  • não levar objetos para a sala, nem trazer objetos para fora da sala
  • não agredir os elementos do grupo

Recomenda-se que os pais não questionem a criança sobre o desenrolar das sessões (bem como assegura-se o sigilo por parte dos terapeutas), de modo a permitir que a sua participação seja o mais livre e espontânea possível.

Realização de um grupo de pais com frequência quinzenal.

A alta de um elemento…

Avaliada quer com o grupo??, quer com o médico responsável pela criança, quer com os pais??? 

Constituição da equipa terapêutica

A equipa terapêutica deverá ser constituída por um Diretor e por pelo menos dois Egos auxiliares (preferencialmente de sexos diferentes).

A opção de dois Egos, relaciona-se com a grande necessidade de contenção dos comportamentos e das emoções, emergentes na interação grupal, nestas faixas etárias.

Avaliação do Processo terapêutico

A avaliação da evolução terapêutica, vai sendo continuamente aferida pela equipa terapêutica mas é feita também com os respetivos médicos assistentes, preferencialmente em 3 etapas, que correspondem a início, meados e finais do processo terapêutico.

Eventualmente a aplicação de escalas no início e no fim do tratamento, nomeadamente:

  •  Escala de Ansiedade Manifesta – Forma Infantil (EAM – FI), e
  • Inventário de Depressão para Crianças (Maria Kovacs)

possibilita complementar  a avaliação do processo terapêutico

Nos G.T. com crianças, quanto às etapas clássicas do desenrolar das sessões, não temos comummente uma demarcação tão nítida, com aquecimento, dramatização, comentários…

Habitualmente, as crianças já entram na sala interagindo umas com as outras, com iterações verbais e mesmo físicas.

As etapas de aquecimento e dramatização, vão-se confundindo.

Também os limites entre os contextos (social, grupal, dramático), são mais fluidos.

Os comentários poderão ser feitos pelos terapeutas no decorrer da própria dramatização, (se deixados para o final da sessão, podem correr o risco de perderem a sua oportunidade como atuação terapêutica, dado os momentos já terem sido esquecidos…

Outras considerações da intervenção com crianças

Crianças – criatividade; espontaneidade; o brincar “ao faz-de-conta”…

Crianças – comparativamente à expressão verbal, a expressão através do corpo (pensamentos, sentimentos), assume particular relevância (diálogo corporal), bem como outras formas de expressão (desenho; jogo).

Crianças – criatividade; espontaneidade; o brincar “ao faz-de-conta”…

  •  Difícil seguir a metodologia clássica do Psicodrama tradicional…
  • Vários obstáculos vão surgindo…
  • Mais raramente temos um protagonista nos G.T. infantis. Mais difícil chegar à dramatização do problema individual da criança…
  • As regras / o transgredir as regras…
  • Frequentemente é necessário incluir todos os elementos do grupo no contexto dramático, num funcionamento mais lúdico e sociodramático.
  • Grande capacidade de tolerância, permissividade e maleabilidade por parte dos terapeutas.

Dirigir G.T. com crianças requer:

  • Estado de disponibilidade
  • Aquecido para a improvisação
  • Maturidade psicológica
  • Algum talento
  • Humildade
  • Bagagem de conhecimentos técnicos e teóricos.

MAIS CONSIDERAÇÕES – “PSICODRAMA COM CRIANÇAS”

“CRIANÇAS” – encontra-se na literatura referências a Psicodrama realizado com crianças, individualmente ou em grupo, com idades compreendidas entre os 4 e os 12 anos de idade.

“A terapia psicodramática, conta com uma forma específica de brincadeira – o teatro de faz-de-conta….a criança expressa o que lhe faz sentido…”

  •  Quanto mais nova a criança, mais a terapia se centra “no brincar”, (até porque as crianças mais pequenas passam muito tempo a brincar ao “faz de conta”) e, mais os pais precisam de participar do processo terapêutico do filho.
  •  A questão do desenvolvimento cognitivo da criança, assume particular relevância, bem como a sua maturidade afetiva e cultural.
  •  A questão da realidade versus fantasia (imaginário), – os limites são mais ténues, quanto menor a criança. A realidade individual subjetiva, e a realidade partilhada objetiva. A ficção, como projeção da realidade subjetiva sobre a objetiva (a criança de 4-5 anos parece distinguir bem a ficção da realidade objetiva).
  •  Nas crianças mais pequenas – diferenças entre os sexos quanto aos jogos /brinquedos preferidos: no grupo de meninas, a partir dos 5 anos, são mais as histórias (capuchinho vermelho, branca de neve…) ou desenhos, ou o brincar às casinhas…; no grupo de meninos, são mais os jogos com revolver, cowboys, bolas, carrinhos….
  • – brinquedo oferece à criança inúmeras experiências…de acordo com a sua etapa de desenvolvimento. O brincar com brinquedos vai diminuir muito de interesse, somente a partir dos 10-12 anos…
  •  A elaboração a passar de um plano mais concreto, para um nível mais abstrato.
  •  A importância da função do brinquedo de faz-de-conta e do exercício de simbolização, para o conhecimento da realidade e perceção do outro, é salientado por vários autores.
  • A relação social no grupo de pares e a influência dos mesmos na realidade vivenciada na brincadeira coletiva.

brinquedo sociodramáticopode constituir um treino na representação de papéis, que facilita a perceção do outro. A brincadeira sociodramática é também importante no sentido em que podem eles próprios ensinar ou estimular o desempenho de papéis.

(desempenho pessoal e na interação social).

  •  – No trabalho com crianças, o terapeuta facilita o processo espontâneo do brincar, e às vezes, nele interfere, com o intuito de ajudar a criança a reviver e reagir de novas formas…”
  •  – Alguns autores (Camila Salles Gonçalves; Carmen Lenci Lamas), salientam que os brinquedos servem como “instrumento de aquecimento da criança” (Carlos Alegre), ou como “parte da dramatização com personagens reais”, ou ainda, como “objeto intermediário” (Bermúdez).

Contudo, também o fato de não contarem com nenhum material lúdico, é apontado como elemento favorecedor da criatividade e do clima de dramatização atingido. Descrevem sessões em que terapeuta e coterapeuta, também participam nas dramatizações e até quando se justifica, na criação de personagens não solicitadas pelo grupo (ex: permitir recuperar o “aquecimento especifico”, voltando a estimular-se para a ação especifica inicialmente proposta, quando as crianças se mostravam ainda inibidas ou pouco atuantes).

As histórias dramatizadas podem prolongar-se de sessão para sessão. As sessões podem terminar praticamente sem nenhum comentário, a não ser aqueles feitos durante a dramatização.

  •  – Já outros autores procuram utilizar nas sessões, a metodologia psicodramática, obedecendo ao esquema clássico, de divisão em fases, ou seja, aquecimento, dramatização, comentários. Descrevem contudo, que nas sessões de grupos infantis, a fase final de comentários dificilmente acontece e que a dramatização muitas vezes se inicia logo que as crianças entram na sala.
  •  – É frequente nas sessões com crianças, não existir protagonista. É frequente a dramatização ser substituída por JOGOS.

“cabe ao D. de jogos dramáticos em grupos de crianças, estimular o envolvimento dos participantes com as suas personagens e com as dos demais (aquecimento)”.

O que diferencia o jogo dramático no Psicodrama é o fato de a representação dramática estar associada à intervenção do Diretor / Ego Auxiliar. , ou seja, há uma instrumentalização das personagens nela envolvidas, à luz dos conceitos e técnicas psicodramáticas.

No jogo dramático com crianças, a participação do psicodramatista pode incluir a criação de personagens e a representação de papéis. Quando necessário, são realizadas breves interrupções para pequenos acertos, a fim de dar continuidade à sessão.

– Segundo Gisela Pires Castanho, também os adolescentes em geral, estão sempre dispostos a jogar, e a brincar… O jogo dramático é uma das técnicas mais utilizadas, quando se trabalha com adolescentes. Quanto mais novos os adolescentes, mais precisam de se movimentar, menos explicam o que sentem e mais necessitam de objetos intermediários para poderem ter acesso ao mundo interno. Com adolescentes mais novos, os comentários às vezes ficam mais resumidos, empobrecidos, cabendo ao D. relacionar o que foi vivido no jogo com o que se vive no contexto grupal…

A utilização de jogos dramáticos, constitui um importante recurso, contribuindo para uma forma de expressão num contexto mais lúdico (aquecimento / dramatização).

“A liberdade de escolha das brincadeiras ou jogos é muito importante a fim de se promover um vínculo melhor com as crianças e entre elas” (Narvaez, 1976-77)

Pode recorrer-se à utilização de jogos, de material lúdico, ou ao desempenho de atividades escolhidas livremente pelas crianças, para permitir à criança exprimir a sua criatividade e espontaneidade.

Material /Objetos utilizados – muitos ? / poucos ? (embora com grande plasticidade de utilização)

o uso de brinquedos e outros objetos intermediários, poderia obscurecer as dificuldades de relacionamento das crianças…” (Soares1992)

“A linguagem da criança é o jogo e neste sentido, qualquer técnica de psicoterapia infantil, terá que utilizar brinquedos, jogos, como forma de trabalho com a criança…

O Jogo dramático no Psicodrama deve ser encarado como uma forma bem mais ampla, do que quando aplicado a outras faixas etárias. Os jogos devem ser grupais por excelência, mas uma quantidade muito grande de material lúdico poderá prejudicar a criança, confundindo-a e dispersando-a. (Regina Monteiro, 1979)

Parece haver unanimidade entre os teóricos em que: “a atividade de brincar “ não só está presente no universo infantil como é o meio ou instrumento utilizado para compreender as crianças e trabalhar com elas.

“RESUMO” Outras particularidades do Psicodrama com crianças (Soeiro -1976)

O Psicodrama Infantil – exige um manejo particular, sendo necessária uma atitude mais diretiva do terapeuta.

É muito mais difícil o aquecimento verbal, tal como é feito em grupos com adultos.

Em relação aos jogos dramáticos com crianças, certas regras do Psicodrama não devem, neste caso ser muito rígidas.

O contexto dramático e o grupal muitas vezes confundem-se, pois a criança dificilmente se restringe simplesmente ao palco (podem entrar e sair a qualquer momento).

Conforme se vão sucedendo as sessões, o Diretor irá aos poucos mostrando o contexto dramático e impondo certa disciplina.

Quanto a outro dado importante no Psicodrama infantil, é o D. ser frequentemente solicitado a participar nas cenas. Pode fazê-lo, pois não fica aqui muito rigidamente definido o seu papel, como “aquele que não entra em cena”.

Frequentemente não surge um protagonista, pois quase sempre é o grupo que atua, …tratando-se não de interpretar, mas somente de observar como os papéis foram desempenhados…Durante a dramatização, aspetos a respeito do desempenho, podem ser assinalados.

Sessões habitualmente mais curtas (60´- 90´), grupos de 6-8 cr. Os resultados do tratamento com crianças são difíceis de serem avaliados… habitualmente não relatam se “melhoraram ou não”…

  • A tendência do Psicodrama com crianças é mais de carácter sociodramático.
  • As dramatizações podem e devem ser intercaladas com histórias reais. 
  • Se o Diretor conseguir chegar a um ponto em que a criança relate os seus problemas – deve ser dramatizado (a história real é sempre mais importante que a simbólica).
  • No Psicodrama Infantil é muito importante o uso de objetos, porque o relacionamento das crianças entre si e com os terapeutas é bastante favorecido, uma vez que o objeto cria uma situação intermediária.

O Objeto Intermediário

O termo “Objeto Intermediário” foi introduzido na teoria e na prática psicodramática por Rojas-Bermúdez (1970) como um recurso para o favorecimento do aquecimento dos pacientes psicóticos crónicos durante as sessões de Psicodrama.

Objeto Intermediário de Comunicação

  • Segundo J. Rojas-Bermúdez, permite graduar, aumentando ou diminuindo as mensagens naturais na comunicação com o paciente (doseamento das mensagens comunicacionais).
  • Quando o objeto é “produto de comunicação estética”, é possível usá-lo como Objeto Intraintermediário de Comunicação para revelação de conteúdos internos do protagonista.

Do ponto de vista da conceituação teórica, este termo foi assim denominado pelo autor de objeto intermediário, devido à própria qualidade deste intermediar a passagem do estado de alarme (campo tenso) para o campo relaxado.

Do ponto de vista prático, o Objeto Intermediário, “é qualquer objeto que funcione como facilitador do contacto entre duas ou mais pessoas” (Castanho, 1995).

O Objeto Intermediário sugere a utilização de uma diversidade de materiais como: papéis, figuras, desenhos… que aplicados sob uma diversidade de técnicas como dançar, pular, desenhar, recortar, colar… [Símbolo] favorecem o envolvimento dos participantes, a interação/ comunicação (verbal e não verbal) e a expressão das emoções.

Na intervenção com crianças, a utilização do Objeto Intermediário (recurso técnico), associada quer às fases de aquecimento grupal, quer à própria dramatização [Símbolo] pode propiciar a emergência de material (comportamentos, emoções), que possa ser trabalhado terapeuticamente.

O Objeto Intermediário – Materiais mais comuns:

Estruturados: (bonecos, fantoches, máscaras, carros, objetos de madeira ou plástico…)

Não estruturados: (papel branco, papel de jornal, lápis de cor, clipes, cola, panos, penas…)

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  •  Albino Ramos, M. Vitória Mota Cardoso, José Adriano Fernandes; “Psicodrama na Infância”, Revista da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, Nº 2, 83-97, Afrontamento (Ed.), Porto, 1994.
  • Alfredo Correia Soeiro; “Psicodrama e Psicoterapia”, Natura (Ed.), São Paulo, 1976.
  • António dos Santos Andrade; “Deficiência mental, Jogos e Psicodrama: importância dos jogos corporais no desenvolvimento do vínculo em Grupos de crianças”, Revista da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, Nº 6, 105-127, Afrontamento (Ed.), Porto, 2001.
  • Camila Salles Gonçalves (Org.); “Psicodrama com crianças: Uma psicoterapia possível”, Ágora (Ed.), São Paulo, 1988.
  • Cristina Villares Oliveira; “Como sobreviver num Psicodrama orientado por crianças. A aventura dos Terapeutas”; Revista da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, Nº 1, 75-81, Afrontamento (Ed.), Porto, 1994.
  • Dalmiro M. Bustos; “O Psicodrama”, Ágora (Ed.), São Paulo, 2005.
  • Gretel Leutz; “Correspondências entre a teoria psicodramática do desenvolvimento infantil e os processos e objetivos terapêuticos do Psicodrama”, Revista da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, Nº 4, 5-16, Afrontamento (Ed.), Porto, 1996.
  • José Correia Ferronha; “Psicodrama com adolescentes ou a integração de uma catarse”, Revista da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, Nº 4, 113-119, Afrontamento (Ed.), Porto, 1996.
  • José Luís Pio Abreu; “O Modelo do Psicodrama Moreniano”, Psiquiatria Clínica (Ed.), 1ª edição, Coimbra, 1992.
  • Júlia Motta (Org.); “O Jogo no Psicodrama”, Ágora (Ed.), São Paulo, 1995.
  • J.L. Moreno; “Psicodrama”, Cultrix (Ed.), 9ª edição, São Paulo, 1993.
  • J. Rojas-Bermúdez; “Teoría y Técnica Psicodramáticas”, Páidos (Ed.), Madrid, 1997.
  • Leonídia Alfredo Guimarães; “Aspetos teóricos e filosóficos do Psicodrama”, Salvador – Bahia, 2000.
  • Maria Luiza Gava Schmidt; “A Utilização do Objeto Intermediário no Psicodrama Organizacional: Modelos e Resultados”, Psicol. Am. Lat., México, 2006.
  • Regina Fourneaut Monteiro; “Jogos Dramáticos”, Ágora (Ed.), 7ª edição, São Paulo, 1994.
  • Regina Fourneaut Monteiro (Org.); “Técnicas Fundamentais do Psicodrama”, Ágora (Ed.), São Paulo, 1998.
  • Ronaldo Yudi K. Yozo; “100 Jogos para grupos: Uma abordagem psicodramática para empresas, escolas e clínicas”, Ágora (Ed.), 18ª edição, São Paulo, 1996

Técnicas do Psicodrama

Técnica do duplo

(Representar um doente tímido, com conflitos (por exemplo sentimentais) que é incapaz de exprimir os seus sentimentos, um pouco envergonhado, eventualmente com algumas somatizações.)

Funções:

  • Ajudar o protagonista a exprimir os seus sentimentos
  • Procurar a sinceridade
  • Ajudar a descobrir o significado de algumas somatizações (por exemplo, representando dor no estômago quando existe agressividade, ou tosse quando existem segredos prontos a revelar)

Cuidados:

  • O duplo deve ser um ego muito conhecedor do protagonista (por vezes o próprio director) e que tenha boa relação e alguma cumplicidade com ele.

Risco:

  • fazer projecções, explicitar conteúdos que, de facto, não existem no protagonista.

Técnica do espelho

(Representar uma pessoa arrogante, eventualmente faladora a despropósito, desvalorizando os outros e sobretudo o psicodrama.)

Funções:

  • Devolver ao protagonista a sua própria imagem, vista pelos outros.

Cuidados:

  • ego auxiliar semelhante e com boa relação com o protagonista.

Risco:

  • agressividade do protagonista ou saída brusca. O ego deve estar preparado para o acompanhar.

Estátua:

(Representar amor, casamento, amizade, fúria, vergonha, culpa, etc.) ; (Representar diferentes estados de alma do protagonista)

Funções:

  • Exteriorizar situação mal expressa ou mal definida.
  • .Representar órgãos passíveis de somatização
  • Vivenciar (trocando de lugar) os diversos componentes da estátua.
  • Iniciar uma cena

Solilóquio

Funções

  • Permitir ao director saber se a cena é plausível e se corre num rumo adequado
  • Terminar uma cena

Troca de papéis

(Representar uma discussão entre um casal ou entre filhos e pais)

Funções:

  • Permitir que os egos auxiliares aprendam os seus papéis.
  • Permitir que o protagonista se coloque no papel dos outros e os compreenda melhor
  • Ao compreender os outros, permitir que o protagonista se funcione mais adequado a eles
  • Permitir que o protagonista se observe em espelho (como na técnica do espelho) e se corrija
  • Melhorar o sentimento moral

Interpolação de resistências

(Representar uma discussão agressiva, em que o ego se torna submisso) ; (no decorrer de uma discussão, o ego auxiliar tem um ataque e morre)

Funções

  • Permitir a espontaneidade do protagonista perante uma situação não esperada.

Representação simbólica

Funções

  • Permitir a representação de cenas irrepresentáveis (agressivas ou eróticas)
  • Reformatar a situação através de uma metáfora

Risco

  •  Introduzir material do terapeuta, não presente na mente do protagonista